Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções

As células animais e vegetais são compostas por diversas organelas celulares que desempenham funções essenciais para o funcionamento adequado do organismo. Essas estruturas possuem características específicas e desempenham papéis fundamentais na realização de diversas atividades celulares, como a produção de energia, síntese de proteínas, armazenamento de substâncias, entre outras funções. Neste contexto, é importante compreender as principais características e funções das organelas celulares presentes em células animais e vegetais para compreendermos melhor o funcionamento e a complexidade desses organismos.

Papel das organelas nas células de plantas e animais: qual a importância de cada uma?

As células animais e vegetais são compostas por diversas organelas que desempenham funções específicas essenciais para a sobrevivência e funcionamento adequado desses organismos. Cada organela tem um papel crucial no metabolismo e na manutenção das células, contribuindo para a sua estrutura e funcionamento adequado.

Entre as principais organelas presentes nas células de plantas e animais, podemos destacar o núcleo, que é responsável por armazenar o material genético e controlar as atividades celulares. Além disso, as células possuem o retículo endoplasmático, que atua na síntese de proteínas e lipídios, e o complexo de Golgi, responsável pela modificação, empacotamento e distribuição dessas moléculas.

Outra organela importante é a mitocôndria, que é responsável pela produção de energia através da respiração celular. Já o cloroplasto, presente apenas nas células vegetais, é responsável pela fotossíntese, processo que permite a produção de alimentos a partir da luz solar.

Além disso, as células possuem organelas como os lisossomos, responsáveis pela digestão celular, e os peroxissomos, que atuam na degradação de ácidos graxos e toxinas. Todas essas organelas desempenham funções específicas e essenciais para o funcionamento adequado das células de plantas e animais.

Portanto, as organelas celulares desempenham um papel fundamental na manutenção da homeostase e no funcionamento adequado das células de plantas e animais. Cada uma delas possui uma função específica e contribui para o equilíbrio e a sobrevivência dos organismos.

Organelas presentes em células de animais e plantas: conheça as principais estruturas celulares compartilhadas.

As células animais e vegetais compartilham várias organelas celulares que desempenham funções essenciais para a sobrevivência e o funcionamento adequado dos organismos. Entre as principais organelas presentes em ambos os tipos de células, destacam-se o núcleo, o retículo endoplasmático, o complexo de Golgi, as mitocôndrias e os lisossomos.

O núcleo é considerado o centro de controle da célula, onde o material genético é armazenado e as instruções para o funcionamento celular são codificadas. Ele controla a atividade celular e coordena a replicação do DNA durante a divisão celular.

O retículo endoplasmático é responsável pela produção, transporte e armazenamento de proteínas na célula. Ele pode ser liso ou rugoso, dependendo da presença ou ausência de ribossomos em sua superfície.

O complexo de Golgi atua no processamento, modificação e empacotamento de proteínas e lipídios para serem exportados para outras partes da célula ou para fora dela. É responsável pela formação de vesículas de transporte que levam os produtos acabados para seu destino final.

As mitocôndrias são as organelas responsáveis pela produção de energia na forma de ATP, através da respiração celular. São conhecidas como as “usinas de energia” da célula, convertendo nutrientes em energia utilizável.

Os lisossomos são organelas que contêm enzimas digestivas responsáveis pela digestão de partículas alimentares, organelas desgastadas e substâncias estranhas à célula. Eles atuam na reciclagem de componentes celulares e na defesa do organismo contra patógenos.

Cada uma delas possui um papel específico na realização das atividades celulares, garantindo a homeostase e o equilíbrio interno das células.

Funções e características das organelas celulares em uma célula eucariótica.

As células eucarióticas, sejam elas animais ou vegetais, são compostas por diversas organelas celulares que desempenham funções específicas para a sobrevivência e o funcionamento adequado do organismo. Cada organela possui características únicas que a tornam essencial para o bom funcionamento da célula.

Uma das organelas mais importantes é o núcleo, que contém o material genético da célula e controla todas as atividades celulares. Outra organela fundamental é o retículo endoplasmático, responsável pela síntese e transporte de proteínas. Já o complexo de Golgi atua na modificação e no empacotamento dessas proteínas para serem enviadas para outras partes da célula ou para fora dela.

O mitocôndria é responsável pela produção de energia através da respiração celular, enquanto o cloroplasto é exclusivo das células vegetais e realiza a fotossíntese. Já as lisossomos são responsáveis pela digestão de substâncias no interior da célula.

Além disso, as células animais possuem organelas como os centríolos, que auxiliam na divisão celular, e os cílios e flagelos, responsáveis pelo movimento da célula. Já as células vegetais possuem a parede celular e os vacúolos, que conferem suporte e armazenamento de substâncias, respectivamente.

Cada organela possui características únicas que a tornam indispensável para a sobrevivência e o bom desempenho das células.

Diferenças entre célula animal e vegetal: características distintas das estruturas celulares dos organismos.

As células animais e vegetais possuem algumas diferenças marcantes em suas estruturas celulares, que refletem suas funções e necessidades específicas. Vamos analisar algumas das principais características distintas entre esses dois tipos de células.

Uma das diferenças mais evidentes está na presença da parede celular, que é uma estrutura rígida encontrada apenas nas células vegetais. Esta parede fornece suporte e proteção à célula, garantindo sua forma e resistência. Já as células animais não possuem parede celular, o que lhes confere maior flexibilidade.

Relacionado:  Animais diurnos: características e exemplos

Outra diferença significativa está na presença de cloroplastos nas células vegetais, responsáveis pela fotossíntese. Os cloroplastos contêm clorofila, um pigmento verde que absorve a luz solar e converte-a em energia química para a planta. Nas células animais, os cloroplastos estão ausentes, uma vez que esses organismos obtêm energia de outras fontes.

Além disso, as células vegetais possuem uma grande vacúolo central, que armazena água, nutrientes e resíduos. Este vacúolo é responsável pela manutenção da pressão osmótica da célula e pela regulação do seu volume. Nas células animais, os vacúolos são menores e mais numerosos, desempenhando funções mais específicas.

Essas características distintas são essenciais para a sobrevivência e o funcionamento adequado de cada tipo de organismo.

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções

Os organelos celulares são as estruturas que compõem as células – como uma “pequena” – órgãos de palco estrutural, metabólico, sintético, de produção e consumo de energia.

Essas estruturas estão contidas no citoplasma celular e, em geral, todas as células eucarióticas são compostas por um conjunto básico de organelas intracelulares. Estes podem ser distinguidos entre membranosos (eles têm uma membrana plasmática ) e não membranosos (eles não possuem uma membrana plasmática).

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 1

Fonte: pixabay.com

Cada organela possui um conjunto de proteínas exclusivas que geralmente são encontradas na membrana ou dentro da referida organela.

Existem organelas responsáveis ​​pela distribuição e transporte de proteínas ( lisossomos ), outras desempenham funções metabólicas e bioenergéticas (cloroplastos, mitocôndrias e peroxissomos), estrutura e movimento celular (filamentos e microtúbulos), e existem aqueles que fazem parte da superfície celular (membrana plasmática e parede celular).

As células procariotas não possuem organelas membranosas, enquanto que em células eucarióticas pode encontrar os dois tipos de organelas. Essas estruturas também podem ser classificadas de acordo com a função que desempenham na célula.

Organelas: membranosas e não membranosas

Organelas membranosas

Essas organelas possuem uma membrana plasmática que permite separar o ambiente interno do citoplasma celular. A membrana possui formas vesiculares e tubulares e pode ser plissada como no retículo endoplasmático liso ou dobrada na organela como nas mitocôndrias.

Essa organização da membrana plasmática nas organelas permite aumentar sua área superficial e também formar subcompartimentos intracelulares onde várias substâncias, como proteínas, são armazenadas ou secretadas.

Entre as organelas da membrana, encontramos o seguinte:

-Membrana celular, que delimita a célula e outras organelas celulares.

– Retículo endoplasmático bruto (RER), onde são realizadas a síntese e modificação de proteínas e as proteínas recém-sintetizadas.

– Retículo endoplasmático liso (REL), onde são sintetizados lipídios e esteróides.

– Aparelho de Golgi, modifica e empacota proteínas e lipídios para transporte.

Os endossomas participam da endocitose e também classificam e redirecionam proteínas para seus destinos finais.

-Lisossomas, contêm enzimas digestivas e participam na fagocitose.

-Transporte de veículos, transfira material e participe de endocitose e exocitose.

-Mitocôndrias e cloroplastos, produzem ATP fornecendo energia à célula.

-Peroxisomas, envolvidas na produção e degradação de H 2 O 2 e ácidos gordos.

Organelas não membranosas

Essas organelas não possuem uma membrana plasmática que as delimite, e nelas as proteínas exclusivas são geralmente auto-montadas nos polímeros que fazem parte dos elementos estruturais do citoesqueleto.

Entre as organelas citoplasmáticas não membranosas, encontramos:

– Microtúbulos, que constituem o citoesqueleto juntamente com microfilamentos de actina e filamentos intermediários.

-Filamentos, fazem parte do citoesqueleto e são classificados em microfilamentos e filamentos intermediários.

-Centríolos, estruturas cilíndricas das quais derivam os corpos basais dos cílios.

-Ribossomos, estão envolvidos na síntese de proteínas e são compostos de RNA ribossômico (rRNA).

Organelas em células animais

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 2

Célula animal (Fonte: Animal_cell_structure_en.svg: Trabalho derivado de LadyofHats (Mariana Ruiz): Mel 23 talk [Domínio público] via Wikimedia Commons)

Os animais realizam atividades diárias de proteção, alimentação, digestão, movimento, reprodução e até morte. Muitas dessas atividades também são realizadas dentro das células que compõem esses organismos e são realizadas pelas organelas celulares que compõem a célula.

Em geral, todas as células de um organismo têm a mesma organização e usam mecanismos semelhantes para realizar todas as suas atividades. No entanto, algumas células podem se especializar em uma ou mais funções que diferem das outras por ter um número ou tamanho maior de determinadas estruturas ou regiões celulares.

Duas regiões ou compartimentos principais podem ser distinguidos dentro das células: o núcleo, que é a organela mais proeminente das células eucarióticas, e o citoplasma que contém as outras organelas e algumas inclusões na matriz citoplasmática (como solutos e moléculas orgânicas).

Core

O núcleo é a maior organela da célula e representa a característica mais proeminente das células eucarióticas, sendo o que as diferencia das células procarióticas. É bem delimitado por duas membranas ou envelopes nucleares que possuem poros. Dentro do núcleo está o DNA em forma de cromatina (condensado e relaxado) e o nucléolo.

As membranas nucleares permitem isolar o interior do núcleo do citoplasma celular, além de servir como estrutura e suporte para a referida organela. Este envelope é composto por uma membrana externa e uma interna. A função do envelope nuclear é impedir a passagem de moléculas entre o interior nuclear e o citoplasma.

Os complexos de poros nas membranas nucleares permitem a passagem seletiva de proteínas e RNAs, mantendo estável a composição interna do núcleo e cumprindo papéis-chave na regulação da expressão gênica.

Nessas organelas, o genoma celular está contido e, portanto, serve como um depósito das informações genéticas da célula. A transcrição e processamento do RNA e a replicação do DNA ocorrem dentro do núcleo, e somente a tradução ocorre fora dessa organela.

Membrana plasmática

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 3

Membrana Plastmática

O plasma ou membrana celular é uma estrutura composta por duas camadas de lipídios anfipáticos, com uma parte hidrofóbica e uma hidrofílica (bicamada lipídica) e algumas proteínas (membrana e integrais periféricas). Essa estrutura é dinâmica e participa de vários processos fisiológicos e bioquímicos das células.

A membrana plasmática é responsável por manter o interior celular isolado do ambiente circundante. Ele controla a passagem de todas as substâncias e moléculas que entram e saem da célula através de vários mecanismos, como difusão simples (a favor de um gradiente de concentração) e transporte ativo, onde as proteínas de transporte são necessárias.

Retículo endoplasmático rugoso

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 4

O retículo endoplasmático é composto por uma rede de túbulos e sacos (cisternas) que são cercados por uma membrana que se estende a partir do núcleo (membrana nuclear externa). É também uma das maiores organelas das células.

O retículo endoplasmático rugoso (RER) possui um grande número de ribossomos em sua superfície externa e também contém vesículas que se estendem ao aparelho de Golgi. Compõe o sistema de síntese de proteínas da célula. As proteínas sintetizadas passam para os tanques RER, onde são transformadas, acumuladas e transportadas.

As células secretoras e aquelas com grande quantidade de membrana plasmática, como os neurônios, possuem retículos endoplasmáticos rugosos bem desenvolvidos. Os ribossomos que compõem o RER são responsáveis ​​pela síntese de proteínas de secreção e proteínas que compõem outras estruturas celulares, como lisossomos, aparelhos de Golgi e membranas.

Retículo endoplasmático liso

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 5

O retículo endoplasmático liso (REL) está envolvido na síntese de lipídios e carece de ribossomos associados à membrana. Consiste em túbulos curtos tendendo a ter uma estrutura tubular. Pode ser separado do RER ou ser uma extensão dele.

As células associadas à síntese lipídica e secreção de esteróides desenvolveram REL altamente desenvolvido. Essa organela também está envolvida nos processos de desintoxicação e conjugação de substâncias nocivas, sendo muito desenvolvida nas células hepáticas.

Eles possuem enzimas que modificam compostos hidrofóbicos, como pesticidas e agentes cancerígenos, transformando-os em produtos solúveis em água que são facilmente degradados.

Aparelho de Golgi

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 6

No aparelho de Golgi, proteínas sintetizadas e modificadas são recebidas no retículo endoplasmático. Nesta organela, as referidas proteínas podem sofrer outras modificações para finalmente serem transportadas para lisossomos, membranas plasmáticas ou secretadas. As glicoproteínas e a esfingomielina são sintetizadas no aparelho de Golgi.

Essa organela é composta por espécies de sacos cercados por membranas conhecidas como cisternas e possui vesículas associadas. As células que secretam proteínas por exocitose e aquelas que sintetizam membranas e proteínas associadas a membranas têm dispositivos de Golgi muito ativos.

A estrutura e função do aparelho de Golgi apresentam polaridade. A porção que está mais próxima do RER é chamada de rede cis-Golgi (CGN) e tem uma forma convexa. Por essa região, entram proteínas do retículo endoplasmático, a serem transportadas dentro da organela.

O empilhamento de Golgi constitui a região intermediária da organela e é onde são realizadas as atividades metabólicas dessa estrutura. A região maturacional do complexo de Golgi é conhecida como rede trans-Golgi (TGN), tem uma forma côncava e é o ponto de organização e distribuição de proteínas para seus destinos finais.

Lisossomos

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 7

Parte de uma célula, incluindo o lisossomo

Os lisossomos são organelas que contêm enzimas capazes de degradar proteínas, ácidos nucléicos, carboidratos e lipídios. Eles são basicamente o sistema digestivo das células, polímeros biológicos degradantes capturados na célula externa e os produtos das células (autofagia).

Embora possam ter diferentes formas e tamanhos, dependendo do produto capturado para digestão, essas organelas geralmente são vacúolos esféricos densos.

As partículas capturadas por endocitose são transportadas para os endossomos que subsequentemente amadurecem para lisossomos pela agregação de hidrolases ácidas do aparelho de Golgi. Essas hidrolases são responsáveis ​​pela degradação de proteínas, ácidos nucléicos, polissacarídeos e lipídios.

Peroxissomos

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 8

Representação gráfica de um peroxissomo.
Fonte: Rock ‘n Roll [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)]

Os peroxissomos são pequenas organelas (microcorpos) com uma membrana plasmática simples, que contém enzimas oxidativas (peroxidases). A reacção de oxidação efectuada por estas enzimas produz peróxido de hidrogénio (H 2 O 2 ).

Nessas organelas, a catalase é responsável por regular e digerir o H 2 O 2, controlando sua concentração celular. O fígado e as células renais possuem quantidades significativas de peroxissomos, sendo estes os principais centros de desintoxicação do organismo.

O número de peroxissomos contidos em uma célula é regulado em resposta à dieta, consumo de certos medicamentos e em resposta a vários estímulos hormonais.

Mitocôndrias

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 9

Mitocôndrias Tirada e editada em: LadyofHats [CC0].

As células que consomem e geram quantidades significativas de energia (como células musculares estriadas) possuem quantidades abundantes de mitocôndrias. Essas organelas representam um papel crítico na produção de energia metabólica nas células.

Eles são responsáveis ​​pela produção de energia na forma de ATP a partir da degradação de carboidratos e ácidos graxos, através do processo de fosforilação oxidativa. Eles também podem ser descritos como geradores de energia móveis capazes de se mover na célula, fornecendo a energia necessária.

As mitocôndrias são caracterizadas por conter seu próprio DNA e podem codificar RNAt, RNAr e algumas proteínas mitocondriais. A maioria das proteínas mitocondriais é traduzida em ribossomos e transportada para mitocôndrias pela ação de sinais específicos.

Relacionado:  Esporos: características e tipos

A montagem das mitocôndrias envolve proteínas codificadas por seu próprio genoma, outras proteínas codificadas no genoma nuclear e proteínas importadas do citosol. A quantidade dessas organelas aumenta por divisão durante a interface, embora essas divisões não sejam sincronizadas com o ciclo celular.

Ribossomos

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 10

Os ribossomos são pequenas organelas que participam da síntese de proteínas. Estes são compostos de duas subunidades sobrepostas umas às outras, que contêm proteínas e RNA. Eles desempenham um papel importante na construção de cadeias polipeptídicas durante a tradução.

Os ribossomos podem ser encontrados livres no citoplasma ou associados ao retículo endoplasmático. Ao participar ativamente da síntese de proteínas, eles são ligados pelo mRNA em cadeias de até cinco ribossomos chamados polirribossomos. Células especializadas em síntese protéica possuem grandes quantidades dessas organelas.

Organelas nas células vegetais

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 11

Morfoanatomia de uma célula vegetal (Fonte: Ævar Arnfjörð Bjarmason / galeria via Wikimedia Commons)

A maioria das organelas descritas anteriormente (núcleo, retículo endoplasmático, aparelho de Golgi, ribossomos, membrana plasmática e peroxissomos) faz parte das células vegetais, onde basicamente desempenham as mesmas funções que nas células animais.

As principais organelas das células vegetais, que as diferenciam de outros organismos, são plastídeos, vacúolos e parede celular. Essas organelas são cercadas por membrana citoplasmática.

Parede celular

A parede celular é uma rede de glicoproteínas que existe em praticamente todas as células vegetais. Desempenha um papel importante na troca celular de substâncias e moléculas e na circulação da água a diferentes distâncias.

Essa estrutura é composta de celulose, hemiceluloses, pectinas, lignina, suberina, polímeros fenólicos, íons, água e várias proteínas estruturais e enzimáticas. Essa organela se origina na citocinese pela inserção da placa celular, que é uma partição formada pela fusão das vesículas de Golgi no centro da figura mitótica.

Polissacarídeos complexos da parede celular são sintetizados no aparelho de Golgi. A parede celular, também conhecida como matriz extracelular (MEC), não apenas fornece dureza e formas definidas à célula, mas também participa de processos como crescimento celular, diferenciação e morfogênese e respostas a estímulos ambientais.

Vacuolas

Organelas celulares em células animais e vegetais: características, funções 12

Os vacúolos são uma das maiores organelas presentes nas células vegetais. Eles são cercados por uma membrana simples e têm a forma de sacos, armazenando água e reservando substâncias como amidos e gorduras ou resíduos e sais. Eles são compostos de enzimas hidrolíticas.

Eles intervêm nos processos de exocitose e endocitose. As proteínas transportadas do aparelho de Golgi entram nos vacúolos, que assumem a função dos lisossomos. Eles também participam da manutenção da pressão do turgor e do equilíbrio osmótico.

Plastids

Plastídeos são organelas cercadas por uma membrana dupla. Eles são classificados em cloroplastos, amiloplastos, cromoplastos, oleinoplastos, proteinoplastos, prólastos e etioplastos.

Essas organelas são semi-autônomas, pois contêm seu próprio genoma conhecido como nucleoide na matriz da organela ou estroma, além de um mecanismo de replicação, transcrição e tradução.

Os plastídeos cumprem várias funções nas células vegetais, como a síntese de substâncias e o armazenamento de nutrientes e pigmentos.

Tipos de plastídeos

Os cloroplastos são considerados os plastídeos mais importantes. Eles estão entre as maiores organelas das células e são encontradas em várias regiões dentro dela. Eles estão presentes em folhas e tecidos verdes, contendo clorofila. Eles estão envolvidos na captura de energia solar e na fixação do carbono atmosférico no processo de fotossíntese.

-Amiloplastos são encontrados nos tecidos de reserva. Eles carecem de clorofila e estão cheios de amido, servindo como armazenamento e também no coping da raiz participam da percepção gravitrópica.

– Os cromoplastos armazenam pigmentos chamados carotenos, que estão associados às cores laranja e amarelo das folhas de outono, flores e frutos.

– Os oleinoplastos armazenam óleos, enquanto os proteinoplastos armazenam proteínas.

-Os proplastídeos são pequenos plastídeos encontrados em células meristemáticas das raízes e caules. Sua função não é muito clara, embora se acredite que sejam precursores de outros plastídeos. A reforma dos proplastídeos está associada à rediferenciação de alguns plastídeos maduros.

-Etioplastos são encontrados em cotilédones de plantas cultivadas no escuro. Quando expostos à luz, eles rapidamente se diferenciam dos cloroplastos.

Referências

  1. Alberts, B. & Bray, D. (2006). Introdução à biologia celular . Pan-American Medical Ed.
  2. Briar, C., Gabriel, C., Lasserson, D. e Sharrack, B. (2004). O essencial no sistema nervoso . Elsevier,
  3. Cooper, GM, Hausman, RE & Wright, N. (2010). A célula. (pp. 397-402). Marban
  4. Flores, RC (2004). Biologia 1 . Editorial Progreso.
  5. Jiménez García, L.J. e H. Merchand Larios. (2003). Biologia Celular e Molecular . México Editorial da Pearson Education.
  6. Lodish, H., Berk, A., Zipursky, SL, Matsudaira, P., Baltimore, D. e Darnell, J. (2003). Biologia celular molecular . Quinta edição. Nova York: WH Freeman.
  7. Magloire, K. (2012). Quebrando o AP Biology Exam . Revisão de Princeton
  8. Pierce, BA (2009). Genética: Uma abordagem conceitual . Pan-American Medical Ed.
  9. Ross, MH, Pawlina, W. (2006). Histologia . Editorial médico pan-americano.
  10. Sandoval, E. (2005). Técnicas aplicadas ao estudo da anatomia vegetal (Vol. 38). UNAM
  11. Scheffler, I. (2008). Mitocôndrias Segunda edição Wiley
  12. Starr, C., Taggart, R., Evers, C. e Starr, L. (2015). Biologia: A unidade e diversidade da vida . Nelson Educação
  13. Stille, D. (2006). Células animais: menores unidades de vida . Explorando a Ciência
  14. Tortora, GJ, Funke, BR, & Case, CL (2007). Introdução à microbiologia . Pan-American Medical Ed.

Deixe um comentário