Os 3 tipos de memória sensorial: icônica, ecóica e háptica

A memória sensorial desempenha um papel fundamental em nosso cotidiano, permitindo-nos processar e reter informações provenientes dos nossos sentidos. Dentre os três tipos de memória sensorial, temos a memória icônica, que se refere à memória visual de curto prazo, a memória ecóica, relacionada à memória auditiva de curto prazo, e a memória háptica, responsável por armazenar informações táteis temporariamente. Cada uma dessas formas de memória sensorial desempenha um papel importante na nossa capacidade de perceber e compreender o mundo ao nosso redor. Neste artigo, iremos explorar mais a fundo cada um desses tipos de memória sensorial e sua importância para o funcionamento do nosso cérebro.

Descubra os três tipos de memória que são essenciais para o funcionamento do cérebro.

Quando se trata do funcionamento do cérebro, é importante entender os três tipos de memória sensorial que desempenham um papel fundamental no processamento de informações. Estes tipos de memória são essenciais para a nossa capacidade de perceber e interagir com o mundo ao nosso redor.

A primeira memória sensorial que vamos abordar é a memória icônica. Esta forma de memória está relacionada à nossa capacidade de reter imagens visuais por um curto período de tempo. Por exemplo, quando vemos um objeto em movimento, a memória icônica nos permite perceber o movimento contínuo, mesmo que a imagem seja interrompida. É como se o cérebro criasse uma “imagem persistente” que nos ajuda a interpretar o mundo visual ao nosso redor.

O segundo tipo de memória sensorial é a memória ecóica. Esta forma de memória está relacionada à nossa capacidade de reter informações auditivas por um curto período de tempo. Por exemplo, quando ouvimos uma palavra ou frase, a memória ecóica nos permite processar e interpretar o significado das palavras, mesmo que o som tenha desaparecido. É como se o cérebro criasse uma “eco” do som que ouvimos, nos permitindo reter e processar informações auditivas de forma eficaz.

O terceiro tipo de memória sensorial é a memória háptica. Esta forma de memória está relacionada à nossa capacidade de reter informações táteis e sensoriais por um curto período de tempo. Por exemplo, quando tocamos em um objeto e sentimos sua textura, a memória háptica nos permite reter essa sensação por um breve momento, ajudando-nos a reconhecer e interagir com o mundo físico ao nosso redor. É como se o cérebro criasse uma “impressão tátil” que nos ajuda a processar informações sensoriais de forma eficaz.

Conheça os diferentes tipos de memória sensorial que nosso cérebro possui para processar informações.

A memória sensorial é responsável por armazenar temporariamente as informações recebidas pelos nossos sentidos antes de serem processadas e transferidas para a memória de curto prazo. Existem três tipos principais de memória sensorial: icônica, ecóica e háptica.

A memória sensorial icônica está relacionada à visão e armazena brevemente as informações visuais que recebemos. Por exemplo, quando olhamos para uma imagem, a memória icônica nos permite reter uma imagem mental por um curto período de tempo. Essa memória sensorial ajuda a perceber movimentos rápidos e a manter a continuidade visual em cenas em constante mudança.

A memória sensorial ecóica está relacionada à audição e armazena temporariamente as informações sonoras que recebemos. Por exemplo, quando ouvimos alguém falar, a memória ecóica nos permite reter as palavras por alguns segundos antes de serem processadas. Essa memória sensorial é útil para entender conversas rápidas e para nos adaptar a diferentes ritmos de fala.

Relacionado:  Por que os narcisistas tentam nos fazer sentir inseguros

A memória sensorial háptica está relacionada ao tato e armazena temporariamente as sensações táteis que recebemos. Por exemplo, quando tocamos em um objeto, a memória háptica nos permite reter a textura e a forma por um curto período de tempo. Essa memória sensorial é importante para reconhecer objetos sem depender apenas da visão.

Conhecer os diferentes tipos de memória sensorial, como icônica, ecóica e háptica, nos ajuda a compreender melhor como nosso cérebro processa e interpreta o mundo ao nosso redor.

Entenda sobre MCP e MLP: conceitos e aplicações na computação e inteligência artificial.

Memória de curto prazo (MCP) e Memória de longo prazo (MLP) são conceitos fundamentais na área da computação e inteligência artificial. A MCP é responsável por armazenar temporariamente informações que estão sendo processadas, enquanto a MLP armazena informações de forma mais permanente para uso futuro. Ambas desempenham papéis essenciais em algoritmos de aprendizado de máquina e redes neurais artificiais.

A MCP é semelhante à memória de trabalho do cérebro humano, sendo limitada em capacidade e duração. Ela é utilizada para manter informações relevantes durante uma tarefa específica, como realizar cálculos ou lembrar-se de um número de telefone temporariamente. Já a MLP tem uma capacidade muito maior e pode armazenar informações por um período indefinido de tempo, sendo essencial para a aprendizagem e tomada de decisões em sistemas de inteligência artificial.

Na computação, a MCP é frequentemente associada à memória RAM de um computador, enquanto a MLP pode ser comparada ao armazenamento em disco. Os algoritmos de aprendizado de máquina utilizam a MCP para processar dados em tempo real e a MLP para armazenar padrões e conhecimentos adquiridos ao longo do tempo.

Os 3 tipos de memória sensorial: icônica, ecóica e háptica.

Além da MCP e MLP, existem também os 3 tipos de memória sensorial: icônica, ecóica e háptica. A memória icônica está relacionada à memória visual de curto prazo, enquanto a memória ecóica está ligada à memória auditiva de curto prazo. Já a memória háptica diz respeito à memória tátil de curto prazo.

Esses tipos de memória sensorial desempenham um papel crucial na percepção e processamento de informações sensoriais. Eles permitem que nosso cérebro retenha brevemente informações sensoriais antes que sejam transferidas para a MCP e, posteriormente, para a MLP. A memória icônica nos ajuda a lembrar de imagens por um curto período, a memória ecóica nos permite lembrar de sons e a memória háptica nos ajuda a lembrar de sensações táteis.

Localização da memória sensorial: descubra onde o cérebro armazena as informações dos sentidos.

A localização da memória sensorial no cérebro é um processo complexo e fascinante. Os estímulos sensoriais são armazenados temporariamente em diferentes áreas do cérebro, dependendo do tipo de informação que está sendo processada. Existem três tipos principais de memória sensorial: icônica, ecóica e háptica.

A memória sensorial icônica refere-se à memória visual de curto prazo. Ela está localizada principalmente no córtex visual, que é responsável pelo processamento das informações visuais. Quando vemos algo, essa informação é armazenada temporariamente na memória sensorial icônica antes de ser transferida para a memória de longo prazo.

Relacionado:  Estudo mostra que as emoções básicas são quatro, e não seis, como se acredita

A memória sensorial ecóica é a memória auditiva de curto prazo. Ela está localizada no córtex auditivo, que processa os estímulos sonoros. Quando ouvimos algo, essa informação é armazenada temporariamente na memória sensorial ecóica antes de ser processada mais profundamente.

A memória sensorial háptica refere-se à memória tátil e está relacionada à percepção do tato. Ela está localizada em áreas do cérebro responsáveis pelo processamento sensorial, como o córtex somatossensorial. Quando tocamos em algo, essa informação é armazenada temporariamente na memória sensorial háptica antes de ser interpretada e processada.

Esses processos são essenciais para o funcionamento adequado dos nossos sentidos e da nossa capacidade de perceber o mundo ao nosso redor.

Os 3 tipos de memória sensorial: icônica, ecóica e háptica

Os 3 tipos de memória sensorial: icônica, ecóica e háptica 1

Existem muitas hipóteses diferentes sobre o funcionamento da memória humana que freqüentemente se sobrepõem. Nos últimos anos, a pesquisa esclareceu aspectos importantes da memória sensorial, um dos conceitos mais antigos no campo da psicologia científica aplicada a esse processo básico.

Neste artigo, definiremos as características dos três principais tipos de memória sensorial que foram descritos até o momento: memória icônica, ecóica e háptica, que trabalham com estímulos visuais, sonoros e táteis, respectivamente.

O que é memória sensorial?

A memória sensorial nos permite reter as informações obtidas através dos sentidos por um curto período ; posteriormente, esses sinais serão descartados ou transmitidos para outros estoques de maior duração, memória de trabalho e memória de longo prazo, através dos quais será possível operar com estímulos imediatos.

O conceito de “memória sensorial” foi cunhado por Ulric Gustav Neisser em 1967. Seu modelo foi baseado em pesquisas básicas e definiu a memória sensorial como uma duração recorde de decorta , capacidade ilimitada e pré-categorial, ou seja, antes do processamento cognitivo da informação. e consequentemente alheio ao controle consciente.

Anteriormente, em 1958, Donald Eric Broadbent havia proposto a existência de um sistema perceptivo através do qual todos os estímulos sensoriais passariam antes de atingir a memória de curto prazo e serem filtrados para o processamento consciente dos itens mais relevantes.

Em sua formulação original, Neisser considerou que existem dois tipos de memória sensorial : a icônica, que processa a informação visual, e a ecóica, baseada em estímulos auditivos e verbais. Posteriormente, evidências sólidas foram encontradas a favor da existência de memória háptica, relacionada ao toque e à propriocepção.

Tipos de memória sensorial

Embora se considere que provavelmente existem reservas mnêmicas de curta duração para todos os sentidos, as que foram estudadas em maior profundidade são a memória icônica, ecóica e háptica .

1. Memória icônica

O tipo mais pesquisado de memória sensorial é o icônico, que registra informações visuais. As contribuições mais relevantes em torno desse fenômeno foram feitas por George Sperling nos anos 50 e 60, mas autores posteriores, como Neisser, Sakkit e Breitmeyer, atualizaram a concepção de memória icônica.

Através de seus estudos pioneiros com tacistoscópio, Sperling concluiu que as pessoas têm a capacidade de reter simultaneamente 4 ou 5 itens depois de fixar os olhos por um momento em um amplo conjunto estimulante. Outros pesquisadores descobriram que a memória icônica persiste por cerca de 250 milissegundos.

Relacionado:  Como detectar se você está em um círculo mental vicioso

Nesse caso , a “impressão digital” é a impressão digital visual que mantemos na memória de curto prazo. Atualmente, há um debate sobre se esse ícone está localizado no sistema nervoso central ou no periférico; De qualquer forma, predomina a concepção de que a memória icônica é fundamentalmente um dispositivo de laboratório sem validade ecológica.

Muito provavelmente, esse fenômeno está relacionado à persistência da estimulação neuronal em fotorreceptores localizados na retina, ou seja, cones e bastonetes. Esse sistema poderia ter a função de permitir o processamento de estímulos visuais pelo sistema perceptivo.

  • Você pode estar interessado: ” Os 15 tipos de alucinações (e suas possíveis causas) “

2. memória de eco

Semelhante ao icônico, a memória de eco foi definida como um registro de precaução, de curta duração e com uma capacidade muito alta. Difere do icônico por processar informações sonoras em vez de visuais.

A memória ecóica retém estímulos auditivos por pelo menos 100 milissegundos , permitindo discriminar e reconhecer sons de todos os tipos, incluindo aqueles que compõem a fala, que podem ser mantidos por até 2 segundos; portanto, a memória ecóica é fundamental no entendimento da linguagem.

Entende-se que esse tipo de memória registra as informações auditivas em forma de sequência, enfocando suas propriedades temporais. Em parte, o tempo em que a pegada ecológica é retida depende das propriedades do estímulo, como complexidade, intensidade e tônus.

Um fenômeno notável em relação à memória ecóica é o efeito da recência, que é específico para esse tipo de memória. Consiste no fato de que lembramos melhor o último estímulo (ou item) que processamos do que outros que foram apresentados imediatamente antes.

A memória ecóica tem sido associada ao hipocampo e a diferentes áreas do córtex cerebral: o pré-motor, o pré-frontal ventrolateral posterior esquerdo e o parietal posterior esquerdo. As lesões nessas regiões causam déficits na percepção dos estímulos visuais e na velocidade de reação a eles.

3. Memória haptic

Este conceito é usado para designar uma loja mnemônico que funciona com toque – informações de tipo e, portanto, com sensações como dor, calor, coceira, formigamento , pressão ou vibração.

A memória háptica tem capacidade para 4 ou 5 itens, como o icônico, embora a pegada seja mantida por mais tempo, neste caso, cerca de 8 segundos. Esse tipo de memória sensorial nos permite examinar objetos pelo toque e interagir com eles, por exemplo, para buscá-los ou movê-los adequadamente.

Acredita-se que existem dois subsistemas que compõem a memória háptica. Por um lado, encontramos o sistema cutâneo, que detecta a estimulação da pele, e, por outro, o proprioceptivo ou cinestésico , relacionado aos músculos, tendões e articulações. É apropriado distinguir propriocepção de interocepção, que envolve órgãos internos.

A memória tátil foi definida mais recentemente do que a icônica e a ecóica, de modo que as evidências científicas disponíveis em torno desse tipo de memória sensorial são mais limitadas do que as existentes nos outros dois que descrevemos.

A memória tátil depende do córtex somatossensorial , especialmente nas regiões localizadas no lobo parietal superior , que armazenam informações táteis. Da mesma forma, o córtex pré-frontal, fundamental para o planejamento do movimento, também parece envolvido nessa função.

Deixe um comentário