Os 30 melhores poemas curtos (de autores famosos e anônimos)

A coletânea “Os 30 Melhores Poemas Curtos” reúne uma seleção de versos breves e impactantes de autores famosos e anônimos, que conseguem transmitir emoções e reflexões de forma concisa e poderosa. Cada poema presente nesta obra é uma pequena joia da literatura, capaz de tocar o coração do leitor e despertar sua sensibilidade. Com temas variados e estilos distintos, esses poemas são verdadeiras pérolas da poesia, que nos fazem refletir sobre a vida, o amor, a natureza e a condição humana.

Qual é a obra poética mais popular e amplamente lida em todo o mundo?

A obra poética mais popular e amplamente lida em todo o mundo é, sem dúvida, a Bíblia. Com seus Salmos e outros trechos poéticos, a Bíblia é uma fonte inesgotável de inspiração e reflexão para milhões de pessoas ao redor do mundo.

Além da Bíblia, existem muitos outros poemas curtos que também são amplamente conhecidos e apreciados. Dentre eles, destacam-se os 30 melhores poemas curtos, escritos por autores famosos e anônimos, que continuam a encantar e emocionar leitores de todas as idades e culturas.

Esses poemas curtos abordam uma variedade de temas, como o amor, a natureza, a vida e a morte. Com sua linguagem concisa e poderosa, esses poemas conseguem transmitir emoções e ideias de forma intensa e impactante.

Entre os autores famosos que estão presentes nessa lista dos 30 melhores poemas curtos, encontramos nomes como William Shakespeare, Emily Dickinson, Pablo Neruda, Fernando Pessoa e muitos outros. Cada um desses poetas contribuiu com sua voz única e singular para a riqueza da poesia mundial.

Já entre os autores anônimos, há uma infinidade de poemas curtos que circulam de boca em boca, passando de geração em geração. Esses poemas anônimos muitas vezes refletem a sabedoria popular e a sensibilidade do povo, tocando os corações de quem os lê.

São pequenos tesouros literários que continuam a inspirar e a emocionar leitores de todo o mundo, provando que a poesia é uma forma de arte universal e eterna.

Qual é a obra poética mais marcante e influente da história mundial?

Quando se fala em obras poéticas marcantes e influentes, é difícil escolher apenas uma. No entanto, há um poema que se destaca pela sua profundidade e impacto ao longo dos séculos: “A Divina Comédia”, de Dante Alighieri. Este épico poema narra a jornada do autor através do Inferno, Purgatório e Paraíso, e é considerado uma das maiores obras da literatura mundial.

Mas além de “A Divina Comédia”, existem muitos outros poemas curtos que também merecem destaque. Autores famosos e anônimos ao longo da história têm produzido versos que emocionam e inspiram. Entre os 30 melhores poemas curtos, podemos citar “O Corvo” de Edgar Allan Poe, “Soneto de Fidelidade” de Vinicius de Moraes e “A Estrada Não Tomada” de Robert Frost.

Cada um desses poemas possui sua própria beleza e mensagem única, que ressoam com leitores de todas as épocas. Seja pela sua melodia, suas imagens vívidas ou suas reflexões profundas, esses versos continuam a encantar e provocar pensamentos.

Portanto, ao tentar determinar a obra poética mais marcante e influente da história mundial, é importante considerar não apenas um único poema, mas sim a diversidade e riqueza da poesia ao longo dos séculos. Cada verso, cada estrofe, cada palavra têm o poder de tocar o coração e a alma, tornando a poesia uma das formas mais poderosas de expressão humana.

Qual é o menor poema já escrito?

Existem muitos poemas curtos que se destacam pela sua simplicidade e profundidade, mas o menor poema já escrito é atribuído ao autor anônimo:

Fogo
Fogo

Com apenas duas palavras repetidas, este poema transmite uma intensidade e poder que impressionam. Apesar de sua brevidade, ele consegue evocar imagens e sentimentos fortes no leitor.

Agora, vamos conhecer os 30 melhores poemas curtos, alguns de autores famosos e outros de escritores desconhecidos, que conseguem transmitir emoções em poucas palavras:

1. “A dor que deveras sentes, é tua dor, e somente tua. – Kahlil Gibran

2. “A beleza é a única coisa preciosa na vida. É difícil encontrá-la, mas quem consegue descobre tudo. – Charles Chaplin

3. “A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar duram uma eternidade. – Clarice Lispector

Relacionado:  Quem eram os assírios?

Esses são apenas alguns exemplos de como a poesia pode ser poderosa mesmo em poucas palavras. A brevidade dos poemas curtos permite uma concentração de significado e emoção que muitas vezes é mais impactante do que textos mais longos.

Portanto, seja em apenas duas palavras ou em alguns versos, a poesia curta tem o poder de nos tocar e nos fazer refletir sobre a vida, o amor, a dor e a beleza do mundo ao nosso redor.

Qual é o poema mais belo do Brasil?

A literatura brasileira é rica em poesia, com diversos autores famosos e também muitos anônimos que produziram verdadeiras obras-primas. Entre os diversos poemas curtos que marcaram a história da poesia no Brasil, destacam-se alguns que se tornaram verdadeiros clássicos.

Entre os 30 melhores poemas curtos, podemos citar obras de grandes nomes como Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Manuel Bandeira, entre outros. Além disso, há também poetas anônimos que produziram versos memoráveis.

Um dos poemas mais belos do Brasil é “O menino azul”, de Cecília Meireles. Neste poema, a autora consegue transmitir de forma delicada e poética a infância e a pureza da criança. A simplicidade e a profundidade dos versos de Cecília Meireles tornam este poema uma verdadeira obra-prima da poesia brasileira.

Outro poema que merece destaque é “Poema de sete faces”, de Carlos Drummond de Andrade. Neste poema, o autor consegue expressar de forma magistral a complexidade e a dualidade do ser humano, em apenas sete versos. A força e a intensidade dos versos de Drummond fazem deste poema um dos mais marcantes da literatura brasileira.

Assim, podemos afirmar que não há um único poema mais belo do Brasil, mas sim uma diversidade de obras que encantam e emocionam os leitores. Cada poema tem a sua própria beleza e singularidade, refletindo a riqueza da poesia brasileira.

Os 30 melhores poemas curtos (de autores famosos e anônimos)

Os 30 melhores poemas curtos (de autores famosos e anônimos) 1

A palavra “poesia” vem do latim poiesis, que significa “qualidade de criar, fazer ou produzir”. É um ato criativo em que estética e beleza se manifestam através da palavra. A poesia é um gênero literário associado à capacidade expressiva e sensibilidade artística que assume a forma de um verso, ou às vezes de prosa.

Neste artigo, você encontrará uma seleção de poemas curtos de autores famosos e anônimos.

  • Você pode estar interessado: ” 70 frases de poetas muito inspiradores “

Os melhores poemas curtos

Existem inúmeros poetas e poetisas que nos deram parte de sua sensibilidade artística através de textos maravilhosos.

Neste artigo, você encontrará pequenos poemas de famosos autores latino-americanos e espanhóis, além de alguns poetas anônimos .

1. Aqui (Octavio Paz)

Meus passos nesta rua

Ressoar

Em outra rua

Onde

Eu ouço meus passos

Passe por esta rua

Onde

Somente o nevoeiro é real.

2. A um general (Julio Cortázar)

Região de mãos sujas de pincéis sem pêlos

de crianças de cabeça para baixo escovas de dentes

Área onde o rato fica enobrecido

e há inúmeras bandeiras e cantam hinos

e alguém te excita, filho da puta,

uma medalha no peito

E você apodrece o mesmo.

3. Toda vez que penso em você (Anônimo)

Toda vez que penso em você,

meus olhos caem em lágrimas;

e muito triste eu me pergunto

porque te quero tanto?

4. Síndrome (Mario Benedetti)

Eu ainda tenho quase todos os meus dentes

quase todo o meu cabelo e muito pouco cabelo grisalho

Eu posso fazer e desfazer amor

suba uma escada duas de cada vez

e correr quarenta metros atrás do ônibus

Eu não deveria me sentir velho

mas o sério problema é que antes

Não notei esses detalhes.

5. Em noites claras (Gloria Fuentes)

Em noites claras,

Eu resolvo o problema da solidão do ser.

Convido a lua e com a minha sombra somos três.

6. Ortografia da harmonia (Antonio Machado)

Ortografia da harmonia

Isso ensaia mão inexperiente.

Hastio Cacofonia

do piano eterno

que eu ouvia quando criança

sonhando … não sei o que,

com algo que não veio,

Tudo se foi.

7. Adeus (Alejandra Pizarnik)

Um fogo abandonado mata sua luz.

Um pássaro apaixonado sobe sua canção.

Relacionado:  O que são hominídeos? Características e as 8 espécies principais

Tantas criaturas ávidas no meu silêncio

e essa pequena chuva que me acompanha.

8. Revelado (Gabriela Mistral)

Como eu sou rainha e eu era um mendigo, agora

Eu vivo em puro tremor que você me deixa,

e eu pergunto a você, pálido, a cada hora:

– Você ainda está comigo? Oh, não vá embora!

Eu gostaria de fazer as marchas sorrindo

e confiando agora que você veio;

mas mesmo dormindo eu tenho medo

e pergunto entre sonhos: “Você não se foi?”

9. Rima LX (Gustavo Adolfo Bécquer)

Minha vida é um terreno baldio,

a flor que eu toco desfolha;

que no meu caminho fatal

alguém está semeando o mal

Para eu buscá-lo.

10. Lembro-me de sair (Nezahualcoyotl)

Com o que devo ir?

Não deixarei nada depois de mim na terra?

Como meu coração deve agir?

Em vão, vamos viver,

brotar no chão?

Vamos deixar pelo menos flores

Vamos pelo menos cantar

11. Seus olhos são estrelas (anônimo)

Seus olhos são brilhantes,

seus lábios de veludo

e um amor como o que eu sinto,

É impossível esconder isso.

12. A montanha russa (Nicanor Parra)

Por meio século

A poesia foi

O paraíso do tolo solene.

Até que eu vim

E eu me acomodei com minha montanha-russa.

Suba, se achar que sim.

Claro que eu não respondo se eles caírem

Derramando sangue pela boca e nariz.

13. Quando o mar é redondo (anônimo)

Quando o mar é redondo

e o sol para de brilhar,

esse será o dia

Posso te esquecer

14. América, eu não invoco seu nome em vão (Pablo Neruda)

AMÉRICA,

Não invoco seu nome em vão.

Quando eu seguro a espada no meu coração,

quando eu aguento o vazamento na minha alma,

quando através das janelas

um novo dia seu me penetra,

Eu sou e estou na luz que me produz,

Eu vivo na sombra que me determina

Eu durmo e acordo em seu amanhecer essencial:

Doce como uvas, e terrível,

condutor de açúcar e punição,

embebido em esperma do seu tipo,

amamentado no sangue de sua herança.

  • Você pode estar interessado: ” 23 poemas de Pablo Neruda que o fascinarão “

15. As seis cordas (Federico García Lorca)

A guitarra

Faz sonhos chorarem.

O soluço das almas

perdido

escapa pela boca

rodada

E como a tarântula,

tricotar uma grande estrela

para pegar suspiros,

que flutuam em seu preto

cisterna de madeira.

16. Minha pequena árvore (Antonio García Teijeiro)

Minha árvore tinha

Seus galhos dourados.

Um vento invejoso

roubou meu tesouro.

Hoje não tem filiais

Hoje não tem sonhos

minha árvore quieta

Minha pequena arvore

17. Crise (Francisco Gálvez)

Sua voz parece de outra hora,

Ele não tem mais aquele tom quente

de antes, nem a cumplicidade

como sempre, são apenas palavras

e seu carinho agora é discreto:

Nas suas mensagens não há mensagem.

18. Eu não sou eu (Juan Ramón Jiménez)

Eu não sou eu

Eu sou isso

que passa ao meu lado sem que eu veja,

que às vezes eu vou ver

e que, às vezes eu esqueço.

Quem está calado, sereno, quando eu falo,

Quem perdoa, doce, quando eu odeio

quem anda por onde eu não estou,

aquele que permanecerá de pé quando eu morrer …

19. Menos sua barriga (Miguel Hernández)

Menos sua barriga,

Tudo é confuso.

Menos sua barriga,

tudo é futuro

passado fugaz

vago, nublado.

Menos sua barriga,

Tudo está escondido.

Menos sua barriga,

tudo inseguro

tudo por último,

poeira mundana

Menos sua barriga,

Tudo está escuro.

Menos sua barriga

claro e profundo

20. Minha fé (Pedro Salinas)

Eu não confio na rosa

de papel,

tantas vezes eu fiz isso

Eu com minhas mãos

Eu não confio um no outro

rosa verdadeira,

filha do sol e tempero,

A noiva do vento.

De você que eu nunca fiz com você,

de você eles nunca fizeram com você,

Eu confio em você, redondo

seguro aleatório

21. O poeta é um fingimento (Fernando Pessoa)

O poeta é um fingimento.

Finja tão completamente

Relacionado:  Os 10 livros mais importantes de Sigmund Freud

que até finge que é dor

a dor que ele realmente sente,

E, na dor que leram,

para ler seus leitores,

não os dois que ele teve,

mas apenas o que eles não têm.

E assim na vida ele recebe,

razão perturbadora,

e vire, o trem de brinquedo

Isso se chama coração

22. No ouvido de uma garota (Federico García Lorca)

Não quis.

Não queria te contar nada.

Eu vi nos seus olhos

Duas pequenas árvores malucas.

De brisa, de riso e de ouro.

Eles se mexeram.

Não quis.

Não queria te contar nada.

23. Eu amo, você ama … (Rubén Darío)

Amor, amor, amor, amor sempre, com tudo

o ser e com a terra e com o céu,

Com a luz do sol e a escuridão da lama:

amor por toda ciência e amor por todo anseio.

E quando a montanha da vida

seja duro, longo, alto e cheio de abismos,

amo a imensidão que está pegando fogo

E queimar na fusão dos nossos seios!

24. Mademoiselle Isabel (Blas de Otero)

Mademoiselle Isabel, loira e francesa,

com um melro sob a pele,

Eu não sei se esse ou esse aqui, oh mademoiselle

Isabel, cante nele ou se ele estiver nisso.

Princesa da minha infância; tua princesa

promessa, com dois seios de cravo;

Eu, livre, creiom, le … le … oh Isabel,

Isabel …, seu jardim treme à mesa.

À noite, você alisava o cabelo,

Eu dormi meditando neles

e no seu corpo rosa: borboleta

Rosa e branco, velado com um véu.

Voado para sempre da minha rosa

-mademoiselle Isabel- e do meu céu.

25. Facas em abril (Pere Gimferrer)

Eu odeio adolescentes.

É fácil ter piedade.

Há um cravo que congela em seus dentes

e como eles nos olham quando choram.

Mas eu vou muito mais longe.

No seu olhar, um jardim eu distingo.

A luz cospe nos azulejos

a harpa quebrada do instinto.

Violentamente me encurralam

essa paixão de solidão

que corpos jovens caíram

e depois queimar em um único feixe.

Será que vou ser assim?

(A vida para aqui)

Chama um salgueiro em silêncio.

Valia a pena ser feliz.

26. Amor (Salvador Novo)

Amar é esse silêncio tímido

perto de você, sem você saber,

e lembre-se da sua voz quando sair

E sinta o calor da sua saudação.

Amar é esperar por você

como se você fosse parte do pôr do sol,

nem antes nem depois, para ficarmos sozinhos

entre jogos e histórias

Em terra firme.

Amar é perceber, quando você está ausente,

Seu perfume no ar que respiro

e contemplar a estrela que você vai embora

Quando fecho a porta à noite.

27. Passe e esqueça (Rubén Darío)

Peregrino que você procura em vão

Um caminho melhor que o seu caminho

Como você quer que eu aperta sua mão,

Se o meu signo é o seu signo, peregrino?

Você nunca chegará ao seu destino;

você carrega a morte em você como o verme

Que você roe o que tem como humano …

O que você tem como humano e divino!

Mantenha a calma, oh, caminhante!

Você ainda tem muito distante

esse país anônimo que você sonha …

E sonhar é uma coisa ruim. Entre e esqueça,

Bem, se você insiste em sonhar, insiste

em jogar a chama da sua vida.

28. Com você (Luis Cernuda)

Minha terra?

Minha terra é você.

Minha gente?

Meu povo é você.

Exílio e morte

para mim eles estão onde

não é você

E a minha vida?

Diga-me minha vida,

O que é isso, se não é você?

29. Na árvore do meu peito (Gloria Fuertes)

Na árvore do meu peito

Há um pássaro encarnado.

Quando eu te vejo, ele fica com medo

vibração, jogue saltos.

Na árvore do meu peito

Há um pássaro encarnado.

Quando eu te vejo, ele fica com medo

Você é um espantalho!

30. Desejo (Luis Cernuda)

Através da zona rural tranquila de setembro,

do álamo amarelo alguma folha,

Como uma estrela quebrada

Virando-se para o chão vem.

Se assim for, a alma inconsciente,

Senhor das estrelas e das folhas,

foi, sombra iluminada,

Da vida à morte.

Deixe um comentário