Os 4 tipos de apego, treinamento e consequências

O apego é uma intensa, única e mantida ao longo do tempo que se desenvolve entre vínculo emocional duas pessoas. Geralmente, esse link é discutido no contexto de uma criança e seu principal cuidador, geralmente sua mãe. Seu principal objetivo é a busca por segurança, proteção e conforto na presença de uma ameaça.

A teoria do apego foi desenvolvida pelos psicólogos John Bowlby e Mary Ainsworth na década de 1960. De acordo com as observações desses dois pesquisadores, existem quatro tipos de vínculos de apego que podem aparecer entre a criança e seus cuidadores: seguro , ansioso, Esquiva e desorganizada.

Os 4 tipos de apego, treinamento e consequências 1

Fonte: pixabay.com

A criação de um ou outro tipo de vínculo dependerá principalmente do comportamento demonstrado pelo cuidador, embora outros fatores como o temperamento da criança ou as circunstâncias em que ambos estejam relacionados também influenciem. Cada um desses tipos de anexos possui características muito diferenciadas e facilmente reconhecíveis.

O tipo de apego que uma pessoa desenvolve na infância determinará amplamente sua personalidade no futuro, bem como o tipo de relacionamento sentimental que ele poderá formar durante a vida adulta. Neste artigo, mostramos tudo o que há para saber sobre cada um dos quatro tipos.

Classes de anexos, como elas se formam e suas conseqüências

Fixação segura

Os 4 tipos de apego, treinamento e consequências 2

O apego seguro ocorre em crianças que demonstram algum desconforto quando o cuidador principal se afasta delas, mas que são capazes de confiar nele e sabem que ele acabará voltando. Os pequenos que formam esse tipo de vínculo sentem-se protegidos por sua figura de apoio e sabem que podem contar com eles.

As crianças com apego seguro tendem a ter maior confiança em si mesmas e exploram o ambiente sem medo, desde que a figura de referência esteja presente. Na vida adulta, eles serão mais capazes de formar relacionamentos saudáveis ​​emocionalmente e confiar abertamente em outras pessoas.

Como é formado o anexo seguro?

De acordo com a pesquisa de Bowlby e Ainsworth, o fator mais importante na formação do apego seguro é a maneira pela qual a mãe (ou cuidadora principal) responde às necessidades da criança durante seu primeiro ano de vida.

Se quando a criança chora ou tem algum tipo de problema, a mãe reage rapidamente e cuida dela ou tenta resolvê-la, é muito provável que ela acabe formando um vínculo seguro de apego. Pelo contrário, se isso não acontecer, é mais normal o desenvolvimento de um dos outros três tipos de apego.

Apego seguro na infância

Vários experimentos relacionados à teoria dos apegos nos permitiram descobrir as características desse tipo de vínculo. O mais importante é que as crianças que o desenvolvem se sintam preocupadas ou com raiva quando o cuidador deixa de ver, mas recuperam o bom humor assim que o vêem novamente.

Por outro lado, essas crianças podem ser confortadas por pessoas que não são seus cuidadores primários (ou seja, confiam em estranhos até certo ponto), mas preferem esse ao invés de qualquer outro indivíduo. Quando um pai com um apego seguro faz uma abordagem ao filho, ele o recebe expressamente mostrando alegria.

Além disso, as crianças estão confiantes de que seus cuidadores as protegerão, para que se sintam mais capazes de explorar ativamente o ambiente.

Quando se sentem assustados ou vulneráveis, também podem pedir apoio direto aos pais, algo que não acontece com outros tipos de apego.

Consequências na vida adulta

As crianças que desenvolvem um vínculo de apego seguro com seus cuidadores tendem a se tornar adultos com melhor auto-estima, maior autoconfiança e, em geral, uma atitude mais positiva em relação à vida e a si mesmas. Essas pessoas são capazes de formar relacionamentos românticos e de amizade mais saudáveis ​​do que o resto.

Assim, quando um adulto com um apego seguro entrar em um relacionamento romântico, ele poderá confiar mais em seu parceiro, se sentirá mais satisfeito com a situação e se sentirá mais unido à outra pessoa sem precisar estar em sua presença o tempo todo. Esses relacionamentos geralmente têm características como honestidade, independência e conexão emocional.

Em outras áreas da vida, as pessoas com apego seguro também tendem a ter mais facilidade para enfrentar qualquer tipo de desafio, porque sua auto-estima é maior.

-Anexo Ansioso

Os 4 tipos de apego, treinamento e consequências 3

O apego ansioso ocorre quando o cuidador principal não está disponível (fisicamente ou emocionalmente) para cuidar das necessidades da criança.

Por esse motivo, a criança desenvolve um padrão de comportamento no qual deseja contato com sua figura de referência, mas, ao mesmo tempo, não confia que essa situação ocorra.

Segundo a pesquisa, aproximadamente apenas 10% da população teria um padrão de apego ansioso. No entanto, esse número varia de acordo com fatores como o país ou o tempo em que os estudos são realizados.

As conseqüências do desenvolvimento desse tipo de apego são bastante negativas e geralmente são mantidas na idade adulta.

Como é formado o apego ansioso?

As crianças que desenvolvem esse tipo de vínculo com seus cuidadores tendem a ter pais que, por qualquer motivo, não lhes mostraram apoio adequado.

Isso pode acontecer de duas maneiras: ou eles não responderam às suas necessidades (por exemplo, o ignoram quando ele chora) ou interferiram em seus comportamentos de exploração e busca por independência.

Assim, crianças com apego ansioso aprendem rapidamente que não podem contar com o apoio da mãe ou do cuidador principal, mas também não se sentem capazes de se defender. Isso causa todos os tipos de problemas, tanto na infância quanto na vida adulta da pessoa.

Apego ansioso na infância

Ao contrário do que acontece no caso de crianças com apego seguro, aqueles que têm um vínculo ansioso não confiam em estranhos. De fato, demonstram grande desconforto quando são deixados na presença de alguém desconhecido; mas também não estão totalmente à vontade com os pais.

Assim, quando seus cuidadores se afastam deles, essas crianças tentam evitá-lo por todos os meios possíveis (como chorar ou até agredi-los) e ficam muito chateados. No entanto, quando os pais retornam, eles geralmente permanecem desconsolados e são muito difíceis de se acalmar.

Além disso, geralmente quando os pais retornam, os filhos tentam fugir deles, como se estivessem com raiva. Por outro lado, eles mostram menos comportamentos de exploração, são menos sociáveis ​​e geralmente mostram sinais de ter uma autoestima pior do que aqueles com apego seguro.

Consequências na vida adulta

As crianças com apego ansioso geralmente continuam exibindo essas características em seus relacionamentos adultos. Assim, eles acham difícil confiar em outras pessoas, mas, ao mesmo tempo, precisam deles e sentem que não podem estar bem se não tiverem o apoio de outra pessoa.

Geralmente, isso implica que eles entrem em relacionamentos tóxicos nos quais são muito dependentes. Eles têm muito medo do outro deixá-los e se apegam a ele com todas as suas forças, enquanto demonstram raiva ou mesmo comportamento agressivo quando percebem que foram marginalizados. Isso também acontece em relacionamentos amigáveis.

No restante das áreas de suas vidas, essas pessoas demonstram menor auto-estima, dificuldade em tomar suas próprias decisões e um nível mais alto de medo do que aqueles com apego seguro.

Apego evitativo

Os 4 tipos de apego, treinamento e consequências 4

Evitar o apego, como os ansiosos, também ocorre quando os cuidadores não respondem adequadamente às necessidades da criança. No entanto, aqueles que desenvolvem esse padrão em seus relacionamentos mostram estratégias de enfrentamento totalmente diferentes.

Assim, essas crianças aprendem que precisam cuidar de si mesmas e, portanto, não desenvolvem um vínculo tão forte com seus cuidadores.

No entanto, isso lhes traz muitos problemas, tanto na infância quanto na vida adulta. Acredita-se que aproximadamente 10% da população mostre esse padrão de apego.

Como é formado o vínculo esquivo?

Segundo a pesquisa, esse vínculo de apego se desenvolve quando as tentativas da criança de criar um relacionamento mais profundo com seus cuidadores são ignoradas por elas. Assim, a criança sente que suas necessidades não serão atendidas pelos pais e aprende a não confiar nelas nem nos outros.

Esse padrão também pode ser formado quando o cuidador usa a criança para tentar atender às suas próprias necessidades. Por exemplo, se a mãe se sente sozinha e usa o filho para manter sua companhia, ele pode se sentir oprimido e tentar evitar formar conexões emocionais com outras pessoas.

Evitando apego na infância

Crianças com um padrão esquivo não demonstram desconforto quando seus cuidadores se afastam, nem alegria ou raiva quando retornam.

Além disso, eles também não mostram nenhuma preferência entre seus pais e qualquer estranho, sendo geralmente bastante sociáveis ​​e capazes de explorar por si mesmos.

No entanto, estudos com essas crianças revelaram que se sentem mal, mas escondem isso. Por exemplo, sua frequência cardíaca é mais alta do que no caso de crianças com apego seguro e sua fisiologia indica níveis mais altos de estresse.

Consequências na vida adulta

As crianças com apego à evitação tornam-se adultos que dizem querer relacionamentos íntimos, mas que ao mesmo tempo valorizam sua independência e se sentem incapazes de criar laços duradouros com os outros.Por não confiarem nos outros, eles os abordarão, mas se afastarão assim que houver algum sinal de problema.

Geralmente, essas pessoas mantêm relacionamentos muito superficiais e se sentem sobrecarregadas quando outras pessoas agem como se precisassem delas.

É comum que eles evitem relacionamentos românticos e se concentrem no sexo casual, mesmo que às vezes expressem sua insatisfação por não terem um parceiro romântico mais estável.

No restante das áreas de suas vidas, esses indivíduos geralmente aprendem a cuidar de si mesmos e a alcançar muitos de seus objetivos. No entanto, eles também têm níveis mais altos de ansiedade e tendem a ter uma auto-estima bastante baixa, sendo dominados pelo medo em muitas ocasiões.

– Acessório organizado

Os 4 tipos de apego, treinamento e consequências 5

Inicialmente, Bowlby e Ainsworth falaram apenas sobre três tipos de apego; mas logo eles perceberam que nem todas as crianças se encaixavam perfeitamente em uma dessas classificações.

Pesquisas subsequentes (tanto dele quanto de outros psicólogos) mostraram que havia um quarto padrão de relacionamento que ocorria regularmente.

Embora não seja tão comum quanto os outros três tipos, o apego desorganizado também tende a ocorrer com relativa frequência. Caracteriza-se por ser uma mistura de estilo esquivo e ansioso, mostrando às crianças com esse tipo de apego comportamentos típicos de ambos.

Como é formado o apego desorganizado?

Não está muito claro que leva uma criança a desenvolver esse tipo de apego em oposição a um dos dois anteriores. No entanto, sabe-se que, como os evitadores e os ansiosos, esse padrão aparece quando os cuidadores não conseguem responder adequadamente às necessidades da criança.

Assim, o pequeno aprende que não pode cuidar de si mesmo e que precisa dos pais; mas, ao mesmo tempo, também desenvolve alguma independência deles e tenta ignorá-los. Ambos os tipos de comportamento se alternam ao longo de sua vida.

Apego desorganizado na infância?

Crianças com apego desorganizado mostram uma mistura de comportamentos ansiosos e evitáveis ​​na presença de seus cuidadores e estranhos. Às vezes, eles se sentem muito estressados ​​quando seus pais se afastam; mas outros não mostrarão nenhum comportamento de raiva ou medo quando isso ocorrer.

Da mesma forma, às vezes eles se sentem inseguros e não conseguem explorar nem mesmo com seus apegos próximos, e em outros agem de forma completamente independente. Seu relacionamento com estranhos seguirá um padrão semelhante.

Consequências na vida adulta

Os adultos que mostraram um padrão de apego desorganizado na infância tendem a precisar de relacionamentos profundos e românticos, mas, ao mesmo tempo, têm medo dessas situações. Assim, eles deixarão rapidamente de procurar intimidade com outra pessoa para ficarem sobrecarregados e evitarem qualquer tipo de conexão emocional.

Por esse motivo, o comportamento deles com os outros é geralmente muito confuso para o resto das pessoas. Em geral, as pessoas com apego desorganizado passam rapidamente de um relacionamento “sério” para outro, sentindo um grande desconforto tanto quando estão solteiras quanto em um relacionamento.

Em outras áreas da vida, esses indivíduos geralmente tentam buscar o que querem, mas se sentem inseguros o tempo todo. É possivelmente o estilo de anexo mais prejudicial de todos.

Referências

  1. “Teoria do anexo” em: Simplesmente Psicologia. Retirado em: 03 de janeiro de 2019 de Simply Psychology: simplypsychology.com.
  2. “Teoria do apego em crianças e adultos: 4 tipos de Bowlby & Ainsworth” em: Programa de psicologia positiva. Retirado em: 03 de janeiro de 2019 do Programa de Psicologia Positiva: positivepsychologyprogram.com.
  3. “A história de Bowlby, Ainsworth e teoria dos anexos” em: VeryWell Mind. Retirado em: 03 de janeiro de 2019 de VeryWell Mind: verywellmind.com.
  4. “Teoria do anexo” em: Psychologist World. Retirado em: 03 de janeiro de 2019 de Psychologist World: psychologistworld.com.
  5. “Teoria do anexo” em: Wikipedia. Retirado em: 03 de janeiro de 2019 da Wikipedia: en.wikipedia.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies