Os 5 recursos naturais mais importantes do Chile

O Chile é um país rico em recursos naturais, com uma diversidade de ambientes que vão desde desertos áridos até florestas exuberantes. Entre os recursos naturais mais importantes do país, destacam-se o cobre, a pesca, a agricultura, a água e a energia renovável. Esses recursos desempenham um papel crucial na economia chilena e na sustentabilidade do país, contribuindo para o seu desenvolvimento e crescimento. Neste artigo, iremos explorar cada um desses recursos e sua importância para o Chile.

Aspectos naturais do Chile: descubra a diversidade de paisagens deslumbrantes neste país sul-americano.

O Chile é um país rico em recursos naturais, o que o torna um destino único para os amantes da natureza. Com uma extensão territorial que se estende da costa do Oceano Pacífico até a Cordilheira dos Andes, o Chile possui uma variedade impressionante de paisagens deslumbrantes. Vamos explorar os 5 recursos naturais mais importantes deste país sul-americano.

1. Cordilheira dos Andes: A imponente Cordilheira dos Andes atravessa todo o território chileno, proporcionando cenários de tirar o fôlego. Com picos nevados, lagos cristalinos e vulcões ativos, a Cordilheira dos Andes é um paraíso para os amantes de montanhismo e trekking.

2. Deserto do Atacama: Localizado no norte do Chile, o Deserto do Atacama é considerado o deserto mais seco do mundo. Suas paisagens áridas e surreais atraem turistas do mundo todo em busca de experiências únicas, como observação de estrelas e banhos termais.

3. Patagônia Chilena: No extremo sul do Chile, a Patagônia Chilena é um verdadeiro paraíso para os amantes da natureza. Com fjordes, geleiras e lagos de águas cristalinas, a região oferece uma experiência única de contato com a natureza selvagem.

4. Parque Nacional Torres del Paine: Considerado um dos parques mais bonitos do mundo, Torres del Paine é um verdadeiro cartão-postal do Chile. Com suas montanhas imponentes, lagos azul-turquesa e fauna diversificada, o parque é um paraíso para os amantes do ecoturismo.

5. Litoral do Pacífico: Com uma extensa costa banhada pelo Oceano Pacífico, o litoral chileno oferece uma variedade de paisagens, que vão desde praias paradisíacas até penhascos escarpados. A diversidade marinha da região atrai mergulhadores e amantes do surf de todo o mundo.

Seja você um amante de montanhas, desertos, florestas ou praias, com certeza encontrará neste país sul-americano um destino que irá te surpreender e encantar.

Principais produtos da economia chilena: descubra o que o Chile mais produz atualmente.

Atualmente, o Chile é conhecido por sua diversidade de recursos naturais, que contribuem significativamente para a economia do país. Entre os principais produtos da economia chilena, destacam-se o cobre, o vinho, a celulose, os frutos do mar e a madeira.

O cobre é o principal produto de exportação do Chile, sendo responsável por grande parte da receita do país. O Chile é o maior produtor de cobre do mundo, com vastas reservas desse minério em seu território.

O setor vitivinícola também desempenha um papel importante na economia chilena, com o país sendo um dos principais produtores de vinho do mundo. As condições climáticas favoráveis e o solo fértil contribuem para a qualidade dos vinhos chilenos, que são exportados para diversos países.

A celulose é outro produto de destaque na economia chilena, com o país sendo um dos maiores produtores mundiais. A indústria de celulose chilena é altamente desenvolvida e sustentável, contribuindo para a geração de empregos e divisas no país.

Os frutos do mar também têm grande importância na economia chilena, com a pesca sendo uma atividade tradicional no país. O Chile é conhecido pela qualidade e variedade de seus produtos marinhos, que são exportados para mercados internacionais.

Por fim, a madeira é outro recurso natural abundante no Chile, com o país sendo um dos maiores exportadores mundiais. A indústria madeireira chilena é uma das mais desenvolvidas da América Latina, contribuindo significativamente para a economia do país.

O cobre, o vinho, a celulose, os frutos do mar e a madeira são os principais produtos da economia chilena, impulsionando o desenvolvimento e o crescimento do país.

Qual é a extensão da riqueza do Chile em termos econômicos e naturais?

O Chile é um país rico em recursos naturais, o que o torna uma potência econômica na América do Sul. Com uma extensa costa banhada pelo Oceano Pacífico, o Chile possui uma grande diversidade de recursos naturais que impulsionam sua economia.

Relacionado:  10 Vantagens e desvantagens da energia solar

Um dos recursos naturais mais importantes do Chile é o cobre, o país é o maior produtor deste minério no mundo. A mineração de cobre é uma das principais atividades econômicas do Chile, contribuindo significativamente para o PIB do país.

Além do cobre, o Chile também possui uma vasta quantidade de lítio. O lítio é um mineral essencial para a fabricação de baterias, sendo cada vez mais demandado com o crescimento da indústria de veículos elétricos.

Outro recurso natural importante do Chile é a pesca. Com uma extensa costa, o país possui uma rica biodiversidade marinha que sustenta uma indústria pesqueira próspera. A pesca é uma fonte importante de empregos e de exportações para o Chile.

O Chile também é conhecido pela sua agricultura diversificada. O clima variado do país permite o cultivo de uma grande variedade de produtos agrícolas, como frutas, legumes e vinho. A agricultura é uma parte fundamental da economia chilena.

Por fim, as energias renováveis são outro recurso natural importante do Chile. Com seu alto potencial de energia solar e eólica, o país tem investido cada vez mais em fontes de energia limpa, visando reduzir sua dependência de combustíveis fósseis.

Atividades econômicas predominantes no Chile: conheça as principais fontes de renda do país.

O Chile é um país com uma diversidade de recursos naturais que impulsionam a sua economia. Entre os cinco recursos naturais mais importantes do país, destacam-se o cobre, o salmão, o vinho, a madeira e o lítio. Esses recursos são fundamentais para as atividades econômicas predominantes no Chile.

O cobre é o principal produto de exportação do Chile, representando uma grande parte da receita do país. A mineração de cobre é uma das principais indústrias chilenas, impulsionando a economia e gerando empregos para a população.

O salmão também é uma importante fonte de renda para o Chile. O país é um dos maiores produtores de salmão do mundo, exportando para diversos países e contribuindo para a balança comercial positiva.

O vinho chileno é reconhecido internacionalmente pela sua qualidade e sabor. A produção de vinho é uma atividade econômica importante para o país, atraindo turistas e gerando divisas.

A madeira chilena é outro recurso natural de grande importância econômica. A indústria de madeira do Chile abastece o mercado interno e externo, contribuindo para a geração de empregos e para o desenvolvimento do país.

Por fim, o lítio é um recurso natural cada vez mais valorizado no Chile. O país possui uma das maiores reservas de lítio do mundo, sendo essencial para a produção de baterias e tecnologias sustentáveis.

O cobre, o salmão, o vinho, a madeira e o lítio são os cinco recursos mais importantes do país, contribuindo significativamente para a sua economia e para o seu desenvolvimento.

Os 5 recursos naturais mais importantes do Chile

Os recursos naturais do Chile são baseadas principalmente em reservas minerais e florestais, agricultura, uso da água subterrânea e da pesca. O Chile é cercado por desertos ao norte, gelo ao sul, montanhas dos Andes a leste e o Oceano Pacífico a oeste.

Sua superfície abrange 4.200 km, onde podemos encontrar uma grande diversidade de climas: deserto (Atacama), subtropical (Ilha de Páscoa) e polar (Antártica). O Chile está dividido em 5 regiões naturais: a) O Norte Grande b) o Norte Chico C) Chile Central d) Zona Sul ee) Zona Sul (Figura 1).

Os 5 recursos naturais mais importantes do Chile 1

Figura 1. Localização do pimentão na América do Sul (Letelier et al. 2003).

A região Norte Grande é uma área muito árida onde está localizado o deserto de Atacama. Na região de Norte Chico, o clima é do tipo estepe, aqui podemos encontrar grandes vales com muito boa fertilidade para a agricultura.

A Zona Central inclui a região metropolitana e a capital do Chile, sendo a área mais urbanizada do país. Nele o clima é mediterrâneo, com vegetação de matagais mesomórficos.

Na zona sul, o clima é mais úmido, podendo-se encontrar áreas de florestas, selvas e extensos lagos. Nesta área encontramos florestas nativas, compostas por araucária, carvalho (Nothofagus oblique), coihue (Nothofagus dombeyi) e Raulí (Nothofagus alpine). Estes representam uma fonte de alimentos e plantas medicinais para as comunidades mapuche (Azócar et al. 2005, Herrmann, 2005).

Finalmente, na Zona Sul podemos encontrar climas de estepe fria, tundra, geleira alta e polar. Este último encontra-se presente no território antártico chileno.

Principais recursos naturais do Chile

A economia chilena é baseada no setor primário, na mineração, na agricultura, na pesca e nos recursos florestais, por isso depende muito de fatores como recursos hídricos e ecossistêmicos.

Mineração

Os 5 recursos naturais mais importantes do Chile 2

Mina de Chuquicamata, Calama, Chile. Diego Delso [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)], do Wikimedia Commons

A mineração é o primeiro setor econômico. Ele teve um papel muito importante no desenvolvimento do Chile no final do século passado (Figuras 2 e 3) e atualmente contribui muito para o PIB do país.

Em 2012, 80% das exportações do Chile derivadas de recursos naturais corresponderam à mineração de cobre (Sturla & Illanes, 2014).Esta atividade está localizada principalmente nas áreas norte e central, que são as áreas mais áridas do país.

Isso representa um grande problema para os recursos hídricos, pois além de ser uma atividade extrativa da água, também é altamente poluente devido ao uso de produtos químicos em seus processos, afetando outros setores como a agricultura e o uso doméstico (Sturla & Illanes , 2014).

Os 5 recursos naturais mais importantes do Chile 3

Figura 2. Contribuição monetária anual da mineração no Chile, em comparação com outros setores (Lagos, 1997)
Os 5 recursos naturais mais importantes do Chile 4
Figura 3. Contribuição monetária anual da mineração de cobre em comparação com outras atividades de mineração (Lagos, 1997)

Na Zona Central, as mudanças no uso da terra têm favorecido o crescimento urbano desde 1975 (Figura 4).

Agricultura

Houve um aumento na área urbana e uma diminuição na atividade agrícola devido a problemas de escassez de água, erosão do solo e riqueza e abundância de aves de rapina (Pavez et al. 2010).

Os 5 recursos naturais mais importantes do Chile 5

Figura 4. Dinâmica da paisagem na cordilheira de Santiago entre 1975 e 2003. A = 1975, B = 1989, C = 2003. (Pavez et al. 2010)

Vida selvagem

Quanto à fauna animal, destacam-se a caça de raposas, chingues, guanacos e pumas, principalmente pela venda de suas peles.Por sua vez, a introdução de espécies exóticas causou sérios desequilíbrios nos ecossistemas chilenos.

Atualmente, a caça no Chile é regulamentada para espécies como guanaco e ñandú, que estão sendo criadas em cativeiro. Além disso, espécies exóticas foram introduzidas para esse fim, como veados, javalis, avestruz e ema.

No Chile, existem 56 espécies de anfíbios, das quais 34 são endêmicas (Ortiz e Díaz, 2006).

Recursos florestais

A indústria florestal é de grande importância para a economia chilena. A contribuição da indústria para o PIB nacional cresceu quase 30% durante o período 1998-2006.

Esta indústria está localizada no centro e sul do Chile. Os principais países para os quais são exportados são os Estados Unidos, China, México e Japão, com aparas de celulose e papel, madeira serrada, placas, folheados e estacas sendo os produtos com maior produção (Felzensztein e Gimmon, 2008).

O Chile possui áreas de proteção à biodiversidade. Aproximadamente 20% do território nacional continental e insular está protegido.

No entanto, mais de 80% da área protegida está em Aysén e Magallanes, enquanto em Maule, Coquimbo e na Região Metropolitana de Santiago, encontramos apenas menos de 1% das áreas protegidas (Sierralta et al. 2011).

Águas subterrâneas

A economia chilena, baseada nas exportações de cobre, frutas, madeira, salmão e vinho, intensificou o uso da água, principalmente nas partes norte e central, áreas precisamente onde a disponibilidade de água é limitada. Isso se deve à diminuição do nível das águas subterrâneas e à baixa disponibilidade de água, característica dos climas áridos.

A recarga média das águas subterrâneas atinge aproximadamente 55 m3 / s. Se compararmos esse valor com os 88 m3 / s de uso efetivo das águas subterrâneas em 2003, percebemos que há um déficit desse recurso.

O principal uso das águas subterrâneas é na agricultura, seguido pelo consumo e indústria locais (Sturla & Illanes, 2014).

Indústria pesqueira

Os 5 recursos naturais mais importantes do Chile 6

Barcos de pesca em Coquimbo. Por Edu3k [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], do Wikimedia Commons

O Chile tem uma grande variedade de moluscos. Até a presente data, foram quantificadas 779 espécies da classe gastropoda e 650 espécies da classe cefalopoda, muitas delas muito importantes para o setor pesqueiro (Letelier et al. 2003).

Mais de 60 espécies de mariscos e algas são exploradas regularmente pelo setor pesqueiro de pequena escala e pelos mercados externos. As espécies comercializadas são a tolina, (Concholepas concholepas), o ouriço do mar (Loxechinus albus), a mora jaiba (Homalaspis plana) e algumas espécies de lapa (Fissurella maxim, Fissurella latimarginata, Fissurella cumingi) (Castilla y Fernandez, 1998 ),

Relacionado:  Floresta temperada: característica, flora, fauna, clima

A estas espécies é adicionada a ostra do Pacífico (Crassostrea gigas), um molusco exótico de grande interesse econômico que foi introduzido em 1978 (Moller et al. 2001).

Como outros setores costeiros, a pesca levou a uma drástica diminuição dos recursos hidrobiológicos locais, resultando no empobrecimento de comunidades que dependem desses recursos (Schurman, 1996).

Nos últimos sessenta anos, foram mantidos registros do desembarque total de peixes, moluscos, crustáceos, algas e outros, com um aumento constante na exploração.

Isso atingiu 8 milhões de toneladas em 1994, e posteriormente desceu e ficou em 4 milhões de toneladas nos últimos anos. No entanto, os subsetores de pesca artesanal e de aquicultura cresceram gradualmente, alcançando uma contribuição semelhante à do subsetor industrial. (Figura 5)

Os 5 recursos naturais mais importantes do Chile 7

Figura 5. Desembarque total de peixes por subsetor, de 1969 a 2012 (Cox e Bravo, 2014).

A indústria da aquicultura ou piscicultura é orientada para a exportação, vendendo mais de 90% da produção no exterior. Seus principais mercados de exportação são Estados Unidos (37%), Japão (30%) e União Européia (14%) (Felzensztein e Gimmon. 2008).

As principais espécies de peixes de criação são o salmão do Atlântico (Salmo salar), seguido pela truta arco-íris (Oncorhynchus mykiss) e salmão do Pacífico (Oncorhynchus spp.), (Cox e Bravo, 2014).

Bibliografia

  1. Azócar Gerardo, Rodrigo Sanhueza, Mauricio Aguayo, Hugo Romero, Maria D. Muñoz (2005). Conflitos pelo controle da terra e dos recursos naturais de Mapuche-Pehuenche nas terras altas de Biobio, Chile. Revista de Geografia da América Latina.
  2. Castilla Juan C, Fernandez Miriam. (1998) Pesca bentônica em pequena escala no Chile: sobre cogestão e uso sustentável de invertebrados bentônicos. Aplicações Ecológicas, Sociedade Ecológica da América. Suplemento, 1998, pp. S124 – S132.
  3. Cox Francisco, Bravo Pablo (2014). Setor pesqueiro: evolução de seus desembarques, uso e exportação nas últimas décadas. Escritório de Estudos e Políticas Agrícolas. Setor de Pesca e Aquicultura – pesca industrial – pesca artesanal – farinha de peixe e óleo de peixe – algas.
  4. Felzensztein Christian e Eli Gimmon. (2008). Clusters industriais e redes sociais para aprimorar a cooperação entre empresas: o caso das indústrias baseadas em recursos naturais no Chile. jbm vol. 2, DOI 10.1007 / s12087-008-0031-z.
  5. Herrmann Thora Martina, (2005), Conhecimento, valores, usos e manejo da floresta de araucana pela população indígena Mapuche, Pewenche: uma base para o gerenciamento colaborativo de recursos naturais no sul do Chile, Fórum de Recursos Naturais 29. pp. 120-134.
  6. Gustavo Lakes. (1997). Desenvolvimento de políticas nacionais de mineração no Chile: 1974-96, Política de Recursos. Vol. 23, No. 1/2, pp. 51-69.
  7. Letelier Sergio, Marco A. Vega, Ana María Ramos e Esteban Carreño, (2003). Banco de dados do Museu Nacional de História Natural: moluscos do Chile. Rev. Biol. Trop. 51 (supl. 3): pp. 33-137.
  8. Moller P., Sánchez P., Bariles J. e Pedreros MA, (2001) Pacific Oyster Crassostrea gigas Cultivam uma opção produtiva para pescadores artesanais em um pantanal estuarino no sul do Chile. Gestão Ambiental 7: pp 65-78.
  9. Ortiz Z. Juan Carlos e Helen Díaz Páez (2006). Estado de conhecimento de anfíbios do Chile, Departamento de Zoologia, Universidade de Concepción. Caixa 160-C, Concepción, Departamento de Ciências Básicas, Unidade Acadêmica de Los Angeles, Universidade de Concepción. Box 341, Los Angeles, Chile. Gayana 70 (1) ISSN 0717-652X, pp 114-121.
  10. Pavez Eduardo F., Gabriel A. Lobos 2 e Fabian M. Jaksic2, (2010) Mudanças de longo prazo na paisagem e nas assembléias de micromamifers e aves de rapina no centro do Chile, União de Ornitologistas do Chile, Casilla 13.183, Santiago-21, Chile, Centro de Estudos Avançados em Ecologia e Biodiversidade (CASEB), Pontifícia Universidade Católica do Chile, Jornal Chileno de História Natural 83: 99-111.
  11. Schurman Rachel, (1996). ASnails, Pescada do Sul e Sustentabilidade: Neoliberalismo e Exportação de Recursos Naturais no Chile Universidade da Califórnia, Berkeley, EUA. World Development, Vol. 24, No. 11, pp. 1695-1709.
  12. Sierralta L., R. Serrano. J. Rovira e C. Cortés (orgs.), (2011). As áreas protegidas do Chile, Ministério do Meio Ambiente, 35 pp.
  13. Sturla Zerené Gino, Illanes Muñoz Camila, (2014), Política hídrica no Chile e a Great Copper Mining, Revista de Análise Pública, Escola de Administração Pública. Universidade de Valparaíso, Chile, pp 26.

Deixe um comentário