Os efeitos da lobotomia cerebral: um resumo

A lobotomia cerebral foi uma prática médica controversa que teve seu auge entre as décadas de 1930 e 1950, sendo utilizada como tratamento para diversas condições psiquiátricas, como esquizofrenia e transtornos de comportamento. No entanto, os efeitos dessa intervenção cirúrgica eram devastadores, resultando em danos cognitivos, emocionais e físicos irreversíveis nos pacientes submetidos a ela. Neste resumo, discutiremos os impactos da lobotomia cerebral e seus efeitos a longo prazo na saúde mental dos indivíduos.

Os impactos da lobotomia: quais são os efeitos provocados por essa intervenção cirúrgica?

A lobotomia cerebral foi uma prática médica controversa que teve seu auge nas décadas de 1930 e 1940. Consistia na remoção ou destruição de partes do cérebro com o intuito de tratar diversas condições psiquiátricas, como esquizofrenia, depressão e ansiedade. No entanto, os impactos dessa intervenção cirúrgica eram devastadores e provocavam uma série de efeitos colaterais negativos.

Um dos efeitos mais comuns da lobotomia era a perda da capacidade cognitiva e da memória. Os pacientes submetidos a esse procedimento frequentemente apresentavam dificuldade em se concentrar, lembrar de informações recentes e realizar tarefas do dia a dia. Além disso, muitos relatavam uma sensação de dormência emocional, incapazes de sentir alegria, tristeza ou empatia.

Outro impacto significativo da lobotomia era a alteração na personalidade dos pacientes. Muitos se tornavam apáticos, indiferentes ou agressivos após a cirurgia, perdendo a capacidade de se relacionar de forma saudável com outras pessoas. Alguns desenvolviam comportamentos impulsivos e irracionais, colocando em risco a própria segurança e a dos outros ao seu redor.

Além disso, a lobotomia também podia causar danos físicos, como paralisia facial, convulsões e até mesmo a morte. Muitos pacientes experimentavam complicações pós-cirúrgicas que comprometiam sua qualidade de vida e os colocavam em situações de grande sofrimento.

Embora tenha sido considerada uma solução inovadora para doenças mentais na época, hoje sabemos que os impactos desse procedimento são inaceitáveis e desumanos. É importante aprender com os erros do passado e buscar abordagens mais seguras e eficazes para o tratamento de transtornos psiquiátricos.

Motivos que levaram à proibição da lobotomia como procedimento médico nos anos 70.

Os efeitos da lobotomia cerebral foram estudados e analisados ao longo dos anos, levando à proibição desse procedimento médico nos anos 70. A lobotomia era uma técnica utilizada para tratar diversos distúrbios psiquiátricos, como esquizofrenia e depressão, e consistia na remoção de partes do cérebro para diminuir os sintomas dessas doenças.

No entanto, com o avanço da medicina e o surgimento de novas terapias e medicamentos, os efeitos colaterais e as sequelas da lobotomia começaram a ser mais evidentes. Muitos pacientes submetidos a esse procedimento apresentavam alterações de personalidade, perda de memória, dificuldade de concentração e até mesmo incapacidade de realizar atividades básicas do dia a dia.

Além disso, a lobotomia era realizada de forma indiscriminada, sem um critério claro de seleção dos pacientes. Muitas vezes, pessoas saudáveis ou com problemas simples eram submetidas a esse procedimento invasivo, o que gerava mais danos do que benefícios.

Com base nessas evidências, a comunidade médica e científica decidiu proibir a lobotomia como procedimento médico nos anos 70. Atualmente, existem outras opções de tratamento mais seguras e eficazes para os distúrbios psiquiátricos, que não envolvem a remoção de partes do cérebro.

Relacionado:  Doença de refsum (adulto): diagnóstico, sintomas, causas e tratamento

Quando a lobotomia deve ser considerada como opção de tratamento psiquiátrico?

A lobotomia cerebral, um procedimento cirúrgico que envolve a remoção ou desconexão de parte do cérebro, foi amplamente utilizada no passado como uma opção de tratamento para diversas condições psiquiátricas. No entanto, sua eficácia e ética foram amplamente questionadas ao longo dos anos. Então, quando a lobotomia deve ser considerada como opção de tratamento psiquiátrico?

Em geral, a lobotomia era reservada para casos extremos de doença mental, quando outros tratamentos haviam falhado e o paciente apresentava um alto risco de causar danos a si mesmo ou aos outros. A lobotomia era considerada em pacientes com esquizofrenia grave, transtorno bipolar refratário, ou transtornos obsessivo-compulsivos graves que não respondiam a outras formas de tratamento.

É importante ressaltar que a lobotomia não era e não é uma opção de tratamento de primeira linha para qualquer condição psiquiátrica. Ela deve ser considerada apenas em casos muito específicos e sob a supervisão de uma equipe médica especializada. Os efeitos da lobotomia cerebral podem ser irreversíveis e incluem alterações na personalidade, na cognição e na capacidade de funcionar no dia a dia.

É essencial que a decisão de realizar uma lobotomia seja cuidadosamente avaliada e discutida com a equipe médica e o paciente, levando em consideração todos os potenciais riscos e benefícios envolvidos.

Entenda o procedimento da lobotomia e seus efeitos no cérebro e na saúde mental.

A lobotomia era um procedimento cirúrgico realizado no cérebro com o objetivo de tratar distúrbios psiquiátricos, como esquizofrenia e depressão grave. O procedimento envolvia a remoção ou destruição de conexões no cérebro, geralmente por meio de cortes no lobo frontal. Isso resultava em uma redução na atividade cerebral e, em muitos casos, em uma mudança na personalidade e comportamento do paciente.

Os efeitos da lobotomia no cérebro eram muitas vezes imprevisíveis e podiam resultar em danos permanentes. Alguns pacientes experimentavam uma diminuição da ansiedade e agitação, mas também podiam sofrer de perda de memória, dificuldade de concentração e alterações na capacidade de tomar decisões. Além disso, muitos pacientes relatavam uma diminuição na capacidade de experimentar emoções, levando a um estado de apatia ou indiferença.

Na saúde mental, a lobotomia tinha efeitos controversos. Enquanto alguns pacientes relatavam uma melhora em seus sintomas psiquiátricos, outros sofriam de efeitos colaterais devastadores que afetavam sua qualidade de vida. A lobotomia foi gradualmente abandonada em muitos países devido à falta de evidências de sua eficácia a longo prazo e aos seus efeitos adversos no cérebro e na saúde mental.

Embora possa ter sido considerado uma opção viável no passado, hoje em dia existem tratamentos mais seguros e eficazes para distúrbios psiquiátricos que não envolvem danos cerebrais irreversíveis.

Os efeitos da lobotomia cerebral: um resumo

Os efeitos da lobotomia cerebral: um resumo 1

Ao longo da história da humanidade, disciplinas como medicina, psicologia, psiquiatria e biologia tiveram episódios sombrios.

Desde a eugenia, passando pelos médicos dos campos de concentração e pela defesa de que as diferenças raciais explicam as diferenças de inteligência, há poucos casos em que a ciência estava errada e prejudicou uma sociedade inteira. O princípio do “primum non nocere” (“a primeira coisa a não machucar”) nem sempre foi respeitado, embora possa haver boas intenções por trás.

Relacionado:  Os 5 tipos de diversidade funcional (e seus distúrbios associados)

É o caso da lobotomia, uma prática usada para melhorar a vida de pacientes com transtornos mentais e libertá-los da vida ruim que tiveram nos centros de asilo em meados do século XX. No entanto, essa prática foi muito prejudicial, dando origem a um conjunto de efeitos negativos que não poderiam ser ditos com certeza se significassem uma melhora ou não na qualidade de vida dos intervenientes. Neste artigo, revisaremos os efeitos da lobotomia na vida dos pacientes operados , além de examinar brevemente o histórico da técnica.

Breve história da lobotomia

A lobotomia tem sido uma técnica que, desde a sua criação, constituiu uma enorme controvérsia no campo da psiquiatria. Suas raízes remontam às trepanações primitivas das culturas ancestrais . Esse tipo de intervenção consistia em abrir buracos no crânio e “expulsar” os espíritos malignos que estavam localizados na cabeça. De acordo com suas crenças, essas culturas sustentavam que eram essas entidades responsáveis ​​pelos transtornos mentais.

No entanto, a lobotomia em si é muito mais moderna e foi desenvolvida durante o século XX. O português António Egas Moniz foi quem lançou as bases dessa técnica através de suas primeiras leucotomias , com o objetivo de tratar e curar distúrbios psicóticos. Essa intervenção consistiu em cortar as conexões do lobo frontal com o resto do cérebro, mantendo que dessa maneira a sintomatologia problemática seria reduzida. Ele ganhou o Prêmio Nobel de Medicina em 1949 por ser responsável por essa técnica.

Posteriormente, Walter Freeman, médico com noções de cirurgia e neurocirurgia, modificou essa técnica a partir de seu contato com a leucotomia de Moniz, e foi assim que ele criou a lobotomia. Reformulando os postulados do cientista português, Freeman argumentou que por trás dos transtornos mentais havia uma interação entre o tálamo e o córtex pré-frontal, e que era necessária a destruição das conexões entre as duas estruturas.

Para executar sua técnica, Freeman chegou a um ponto em que quase não precisava de dez minutos e, como instrumento cirúrgico, bastava um picador de gelo. Aqui, a palavra “coletor de gelo” não é uma metáfora; Walter Freeman usou ferramentas tiradas de sua própria cozinha (como expressas por um de seus filhos) para usá-las no cérebro de seus pacientes.

A intervenção foi bastante simples. Primeiro, ele pegou o instrumento de cozinha mencionado acima e o introduziu abaixo da pálpebra superior para alcançar o lobo frontal e, com um martelo, bateu para “cortar” (nunca melhor) as conexões mencionadas acima. Uma particularidade dessa intervenção, hoje impensável, é que foi uma operação cega. O que significa isto? Isso significa que o Sr. Lobotomist não sabia exatamente para onde estava indo .

Em suma, uma lobotomia consistia em colocar um picador de gelo no cérebro dos pacientes por cerca de dez minutos e tentar a sorte. Durante o processo, a intervenção foi acordada e foram feitas perguntas. Quando o que o paciente disse não tinha sentido, significava que era uma boa hora para parar.

Relacionado:  Monurol (2 g e 3 g): para que serve, como tomar e efeitos

Deve-se dizer que naquela época pouco se sabia sobre a grande importância do lobo frontal , responsável pelas funções executivas: concentração, planejamento, memória de trabalho, raciocínio, tomada de decisão …

  • Você pode estar interessado: ” O que é o lobo frontal e como ele funciona? “

Efeitos da lobotomia cerebral

Embora o objetivo desta intervenção cirúrgica tenha sido melhorar a condição dos pacientes e reduzir seus sintomas, a verdade é que pacientes de curto e longo prazo apresentaram sinais de piora . De fato, mesmo os defensores dessa técnica e especialistas em lobotomistas reconheceram que, após a intervenção, os pacientes manifestavam mudanças em sua personalidade e inteligência.

O próprio Walter Freeman cunhou a expressão “infância induzida cirurgicamente” para se referir ao estado pós-operatório manifestado por pacientes lobotomizados. Em essência, após a lobotomia, muitos pacientes pareciam se comportar como crianças . No entanto, Freeman parecia convencido de que essa seria apenas uma fase temporária. Segundo esse médico, após um período de “maturação”, os pacientes se comportariam como adultos, sem distúrbios ou com alguma melhora.

Mas, na prática, isso não aconteceu. Foi uma questão de tempo até que a técnica da lobotomia se mostrasse uma cirurgia claramente contraproducente e que supunha um claro dano à saúde e autonomia dos pacientes.

Os primeiros sintomas manifestados pelas pessoas lobotomizadas foram normalmente estupor, estado confusional e problemas urinários, como incontinência , com uma clara perda de controle do esfíncter. Junto com isso, houve alterações no comportamento alimentar, manifestando um aumento do apetite a tal ponto que muito peso foi ganho após a operação.

A personalidade foi um aspecto muito afetado . Havia menos espontaneidade, menos autocuidado e menor grau de autocontrole. A capacidade de tomar a iniciativa foi reduzida e houve menos inibição contra estímulos prazerosos. A inércia foi outro dos efeitos mais comuns em pessoas que foram lobotomizadas.

Como já mencionado, o lobo frontal foi interposto, responsável pelas funções executivas. Portanto, era normal ver que capacidades como planejamento, memória de trabalho, atenção e outras também diminuíam . Havia também envolvimento na cognição social, algumas sendo incapazes de se colocar no lugar de outras por causa disso.

O “remédio” acalmou os pacientes, diminuindo sua ativação, mas não porque o distúrbio havia desaparecido magicamente, mas porque se tornaram zumbis. Por mais inri, muitos pacientes começaram a sofrer convulsões após serem operados , apoiando o famoso ditado “o remédio é pior que a doença”.

No entanto, o efeito mais claramente sério foi a morte. Segundo algumas fontes, um em cada três pacientes não sobreviveu a esse tipo de intervenção , apesar de sua curta duração. Também houve vários casos de pessoas lobotomizadas que acabaram se suicidando por causa disso.

Referências bibliográficas:

  • Cosgrove, G. Rees; Rauch, Scott L. (1995). “Psicocirurgia”. Clínicas de Neurocirurgia da América do Norte.
  • Cooper, Rachel (2014). Ao decidir fazer uma lobotomia: as lobotomias eram justificadas ou as decisões sob risco nem sempre deveriam procurar maximizar a utilidade esperada. Medicina, Saúde e Filosofia. 17 (1): 143-154.

Deixe um comentário