Osteocondroma: sintomas, causas, histologia, tratamentos

O osteocondroma é um tipo de tumor que ocorre em ossos em crescimento. A natureza desta lesão é benigna e envolve as superfícies ósseas que ainda estão revestidas com cartilagem. Constitui então uma proeminência do tecido ósseo e cartilaginoso, também chamado exostose.

Em um osso longo, são reconhecidas duas partes: a diáfise ou o corpo e a epífise ou final. Quando o osso está em desenvolvimento ou crescimento, ele apresenta uma área – a fise – formada pela cartilagem, responsável pelo crescimento ósseo.

Osteocondroma: sintomas, causas, histologia, tratamentos 1

Lucien Monfils [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], do Wikimedia Commons

A physis está em uma zona intermediária entre a diáfise e os extremos, chamada metáfise. É nesta área onde ocorrem os osteocondromas.

A causa do osteocondroma não é clara, embora exista uma saída da cartilagem de crescimento da metáfise. Essa cartilagem é estimulada e cresce paralelamente ao osso original. Por outro lado, sua origem é considerada uma predisposição neoplásica.

Esse tipo de tumor pode ser único – osteocondroma solitário -, mas também pode ser múltiplo. Este último se origina como conseqüência de fatores genéticos.

Embora o osteocondroma possa ser assintomático, os sintomas observados – dor, limitação funcional – são o resultado do efeito compressivo do tumor nos tecidos adjacentes.

É o mais frequente dos tumores ósseos benignos e 10% em relação a todos os tumores ósseos. Ocorre no osso em crescimento, portanto sua aparência geralmente ocorre antes da terceira década de vida. Os ossos mais afetados são geralmente os dos membros superiores e inferiores.

Quando é assintomático, o diagnóstico é devido a um achado ocasional. Quando os sintomas aparecem, o exame físico e radiológico revelará sua existência.

O tratamento do osteocondroma é cirúrgico, consistindo na remoção completa do tumor.

Sintomas

Existem dois tipos de osteocondromas: aqueles que correspondem a lesões únicas ou osteocondromas solitários e aqueles que incluem múltiplas lesões. Nos dois casos, os sintomas devidos ao crescimento do tumor são semelhantes; no entanto, no caso de múltiplos tumores, outros sinais e sintomas estão associados.

A maioria dos osteocondromas é assintomática e, por esse motivo, passa despercebida. Eles geralmente são tumores endurecidos encontrados no osso de origem e não causam danos ou alterações. Quando, devido ao seu crescimento, pressionam um tecido adjacente – músculo, tendão, nervo ou até vasos sanguíneos – produzem sintomas.

Dor

A dor é o sintoma mais comum desse tipo de tumor. Se o crescimento do tumor for significativo o suficiente, ele pode produzir compressão dos tecidos moles e causar inflamação e dor. A pressão em um nervo periférico dará origem a dor neuropática.

Relacionado:  Transferrina Baja: Causas e Tratamento

Limitação funcional

Tanto a dor quanto a extensão do tumor podem produzir uma limitação funcional relativa no indivíduo. O crescimento de um osteocondroma pode até afetar uma articulação adjacente, limitando sua amplitude de movimento.

Paraestesia

A compressão de um nervo produz uma série de sintomas – parestesias – que incluem formigamento, coceira, correntes e até dor. Se a pressão for significativa e prolongada, pode causar danos neurológicos irreversíveis.

Obstrução da circulação

Geralmente não é frequente e ocorre como resultado da pressão em um vaso sanguíneo. Se for uma artéria, a interrupção da circulação pode causar danos aos tecidos que irriga (isquemia).

Por outro lado, a compressão venosa leva ao acúmulo de sangue do retorno venoso, chamado estase venosa.

Aumento de volume ou edema localizado

Depende do tamanho do tumor, bem como do envolvimento de tecidos moles adjacentes. É possível que um tumor grande seja visível e palpável na superfície do corpo.

Sintomas associados a osteocondromas múltiplos

Além dos sintomas que produzem lesões únicas por compressão, a osteocondromatose apresenta sinais e sintomas característicos. A apresentação clínica neste caso depende da presença de múltiplas lesões e de sua predominância em ossos longos.

– deformidade óssea

– Ossos anormalmente curtos e, por esse motivo, encurtamento de membros.

– Limitação funcional moderada a grave, secundária a deformidades.

– tronco desproporcional em relação ao comprimento dos membros.

Finalmente, sintomas agudos e de rápida evolução associados ao crescimento do tumor após os 30 anos de idade são sugestivos de malignidade. A possibilidade de passar do osteocondroma ao osteossarcoma é muito baixa.

Alguns especialistas afirmam que é um produto da malignidade de um tumor benigno, enquanto para outros é um sarcoma mal diagnosticado desde o início.

Complicações

Embora os osteocondromas sejam tumores benignos e predominantemente assintomáticos, há riscos de complicações durante sua evolução.

– Dano neurológico permanente devido à compressão prolongada de um nervo periférico.

– Lesões vasculares principais, incluindo aneurismas e pseudoaneurismas na parede aretrial. Isto é devido à fricção contínua, fricção ou compressão nos vasos sanguíneos.

– Fraturas do pedículo tumoral, deixando o tumor livre atuando como corpo estranho.

– Malignização. Foi descrito que 1% dos osteocondromas podem se tornar malignos, tornando-se sarcomas de baixa malignidade. Esse risco é maior nos casos de osteocondromatose.

Causas

Existem dois tipos de osteocondroma, o único ou solitário e osteocondromatose ou múltiplos osteocondromas. Os mecanismos que originam os dois tipos estão sendo estudados, no entanto, a partir das hipóteses atualmente propostas, postulados mecanismos que explicam as causas desse tumor.

Relacionado:  Colestase: sintomas, causas e tratamento

Osteocondroma solitário

Fisiopatologicamente, um osteocondroma consiste em uma proliferação de células cartilaginosas – hamartoma – originárias nas proximidades da placa de crescimento metafisária. Posteriormente, seu desenvolvimento ocorre longe dessa metáfise.

O crescimento do tumor responde a estímulos semelhantes aos do desenvolvimento ósseo, constituídos por hormônios e fatores de crescimento. Por esse motivo, o crescimento do tumor para quando os estímulos de crescimento ósseo cessam após a segunda década de vida.

A causa precisa do osteocondroma não é muito clara. Atualmente, é aceito que a placa de crescimento tenha uma fissura ou saída de sua localização, promovendo formação anormal. Alguns fatores que podem contribuir para a origem do osteocondroma foram identificados, incluindo trauma ou anel pericondral anormal.

O anel pericondral é uma estrutura formada por fibras epifisárias e pela união de fibras colágenas do periósteo e pericôndrio. Sua função é fornecer estabilidade e suporte mecânico à metáfise, incluindo a placa de crescimento. Um defeito nessa banda pode causar hérnia da placa de crescimento e, por esse motivo, um osteocondroma.

Os traumatismos ósseos que afetam a região metafisária também causam a saída ou hérnia da cartilagem, promovendo a formação de tumores.

Osteocondromatose

Osteocondroma múltiplo – osteocondromatose – é uma variedade cuja causa principal é genética. Surge um tipo de herança autossômica dominante, resultado de uma mutação nos genes EXT.

Os cromossomos 8, 11 e 19 têm os locais específicos onde são encontrados os genes EXT 1, 2 e 3, relacionados a essa condição.

Aqueles afetados pela osteocondromatose terão a predisposição para desenvolver múltiplos osteocondromas ao longo de sua vida. Esses tumores aparecerão predominantemente nos membros inferiores.

Histologia

Osteocondroma: sintomas, causas, histologia, tratamentos 2

Sarahkayb [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)], do Wikimedia Commons

Até agora, a biópsia é um dos métodos de diagnóstico mais precisos. É baseado no estudo histopatológico – microscópico – de uma amostra de tecido para determinar suas características anormais.

A histologia do osteocondroma apresenta poucas diferenças em relação a uma amostra osteocartilaginosa de um osso normal. De fato, possui uma cobertura de cartilagem onde a única característica diferente é ser menos organizada. O tamanho da referida cobertura não excede 10 mm de largura.

A cartilagem desse tipo de tumor não difere da placa original de crescimento, onde são observadas células cartilaginosas estendidas, dispostas em fileiras, cujos núcleos são geralmente redondos ou ovais, assim como simples ou duplos. As características da fise normal – reprodução, crescimento, hipertrofia, calcificação e ossificação – estão presentes.

As características ósseas são as mesmas de um osso cortical e trabecular, onde as trabéculas têm núcleos de cartilagem calcificada em seu centro. As trabéculas subjacentes formadas pela ossificação endocondral do teto contêm núcleos centrais de cartilagem calcificada.

Relacionado:  Micose: tipos e tratamentos

O osteocondroma consiste em uma proliferação ou hamartoma da metáfise óssea, onde a placa de crescimento está localizada. Tanto o periósteo – camada superficial – quanto o córtex e a medula óssea são uma continuação do osso. Ossificação endocondral abaixo do periósteo indica crescimento anormal da exostose.

Além do tecido cartilaginoso, estão presentes o tecido de cobertura e até uma membrana sinovial, em contato com a cartilagem do revestimento.

Por fim, a exostose parece plana e presa ao osteocondroma ósseo séssil – ou com um pedúnculo ou pedículo pequeno sem cartilagem.

Tratamentos

Primeiro, deve-se considerar que o osteocondroma é um tumor de natureza benigna, cujo crescimento cessa na idade adulta. Mesmo na maioria das vezes é assintomático. No entanto, fatores como a presença de sintomas, complicações ou a probabilidade mínima de malignidade tornam necessária sua remoção.

O uso de analgésicos e anti-inflamatórios é indicado para melhora dos sintomas, principalmente quando a dor está presente.

O tratamento de escolha no caso do ostecondroma é a ressecção cirúrgica completa. O objetivo desta cirurgia é evitar as possíveis complicações presentes nos tecidos moles e articulações adjacentes ao tumor, além de melhorar os sintomas. Além disso, quando os tumores são superficiais, eles devem ser removidos por razões estéticas.

No caso da osteocondromatose, é possível propor cirurgia para evitar ou corrigir as complicações inerentes à deformidade óssea ou ao retardo do crescimento. O diagnóstico de osteossarcoma requer sua excisão o mais rápido possível.

Referências

  1. Anderson, ME (2012). Extose do osteocondroma. Recuperado de childrenshospital.org
  2. Gonçalves de S, AM; Zósimo B, R (2014). Osteocondroma: ignore ou investigue. Recuperado de ncbi.nlm.nih.gov
  3. Dickey, ID (2017). Osteocondroma solitário. Recuperado de emedicine.medscape.com
  4. Hameetman, L; Bovée, J (2002). Osso: osteocondroma. Atlas de Genética e Citogenética em Oncologia e Hematologia. Recuperado de atlasgeneticsoncology.org
  5. Murphey, MD; Choi, JJ; Kransdorf, MJ; Flamengo, DJ; Gannon, FH (2000). Imagem do osteocondroma: variantes e complicações com correlação radiológico-patológica. Recuperado de ncbi.nlm.nih.gov
  6. McKean, J (2018). Osteocondroma e exostose hereditária múltipla. Recuperado de orthobullets .com
  7. Cañete P. M; Fontoira M, E; Gutierrez SJ, B; Mancheva, S (2013). Osteocondroma: diagnóstico radiológico, complicações e variantes. Recuperado de scielo.conycit.cl
  8. Penteado C, LM; Garzón A, DA; Cárdenas S, RP (2009). Processo biológico do desenvolvimento epifisário: aparecimento e formação do centro secundário de ossificação. Recuperado de bvs.sld.cu
  9. González G, M (2000). Tumores ósseos e sarcomas de tecidos moles. Recuperado de gaitano.net

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies