Padrões duplos: definição, exemplos e consequências

Os padrões duplos referem-se a critérios diferentes aplicados a diferentes grupos de pessoas, resultando em tratamentos injustos e desiguais. Este fenômeno é comum em diversas áreas, como gênero, raça, classe social e orientação sexual, onde normas e expectativas são impostas de forma diferenciada. Como resultado, indivíduos pertencentes a grupos minoritários enfrentam discriminação e preconceito, enquanto aqueles em grupos dominantes recebem privilégios e tratamentos preferenciais. Este tipo de comportamento reforça desigualdades e perpetua injustiças, prejudicando a coesão social e a igualdade de oportunidades. Neste contexto, é importante reconhecer e combater os padrões duplos, promovendo a igualdade e o respeito entre todos os indivíduos.

Entendendo o conceito de padrão duplo na prática e sua importância no cotidiano.

O conceito de padrão duplo refere-se à aplicação de critérios diferentes para avaliar ou julgar pessoas com base em características como gênero, raça, classe social, entre outros. Esse fenômeno é comum na sociedade e pode ter consequências negativas significativas.

Na prática, o padrão duplo pode ser observado em diversas situações do cotidiano, como no ambiente de trabalho, na política, na mídia e nas relações interpessoais. Por exemplo, enquanto um homem é elogiado por ser assertivo, uma mulher pode ser criticada por ser considerada “mandona”. Essa disparidade de tratamento pode perpetuar estereótipos e desigualdades.

É importante reconhecer a existência do padrão duplo e combatê-lo ativamente, promovendo a igualdade de oportunidades e o respeito à diversidade. A conscientização sobre esse fenômeno é essencial para construir uma sociedade mais justa e inclusiva.

Portanto, é fundamental refletir sobre nossas próprias atitudes e preconceitos, questionando os padrões estabelecidos e buscando promover a equidade em todas as esferas da vida. Somente assim poderemos construir um mundo mais justo e igualitário para todos.

As implicações de aderir a um padrão: descubra seus impactos e benefícios.

Aderir a um padrão pode trazer diversos benefícios para indivíduos e organizações. Quando se segue um padrão estabelecido, há uma maior clareza e consistência nas ações e processos, o que pode levar a uma maior eficiência e produtividade. Além disso, a adesão a padrões pode facilitar a comunicação e a colaboração entre diferentes partes interessadas, uma vez que todos estão operando de acordo com as mesmas diretrizes.

No entanto, também é importante estar ciente das implicações de aderir a um padrão. Padrões podem limitar a criatividade e a inovação, uma vez que as pessoas podem se sentir restritas a seguir um caminho pré-determinado. Além disso, a adesão cega a padrões pode levar à estagnação e à falta de adaptação a novas circunstâncias ou necessidades.

Relacionado:  Os 30 melhores cantores e grupos de reggae

É essencial encontrar um equilíbrio entre seguir padrões estabelecidos e permitir a flexibilidade e a inovação. Ao aderir a um padrão, é importante estar aberto a revisões e atualizações conforme necessário, a fim de garantir que os benefícios da padronização não se transformem em limitações.

Padrões duplos: definição, exemplos e consequências

O duplo padrão se manifesta quando uma pessoa aplica certas regras a uma situação específica e, em outra, ele faz o contrário. Quando esse comportamento ocorre, alguns indivíduos recebem mais liberdade de ação que outros, o que coloca um grupo de pessoas à frente dos outros.

Embora essa seja uma prática comum na vida cotidiana, ela deve ser condenada, porque antes da lei todos os indivíduos devem ser julgados sob os mesmos critérios e da mesma maneira.

Padrões duplos: definição, exemplos e consequências 1

Condenar uma ação de outra e justificar a mesma ação feita por uma é um reflexo da aplicação de padrões duplos: Fonte: pixabay.com

O duplo padrão pode ser apresentado em vários níveis: desde pequenas coisas na vida cotidiana, como julgar alguém por algo que também ocorre ocasionalmente, mesmo em questões tributárias, como evasão fiscal ou contrato de trabalhadores ilegais.

Assim como os valores são instilados no lar desde tenra idade, padrões duplos também podem se manifestar como resultado da falta de educação. Uma criança criada sob critérios parciais tenderá a fazer julgamentos semelhantes assim que a oportunidade se apresentar.

Definição de

O duplo padrão pode ser definido como a aplicação parcial de normas sem justificativa; isto é, é evidenciado quando um grupo de pessoas é tratado de maneira diferente em relação a outro em situações idênticas.

Essa prática contraria os valores éticos, pois representa injustiça e falta de imparcialidade para com as pessoas afetadas por serem julgadas sob diferentes critérios.

Outra concepção de padrões duplos é evidenciada quando alguém diz que está em uma posição específica diante de uma situação ou problema e executa ações que demonstram exatamente o oposto.

Pode ou não haver más intenções

O duplo padrão pode surgir por várias razões e, em todos os casos, deve haver más intenções por parte da pessoa que o coloca em prática, mesmo que isso não justifique sua aplicação.

Por exemplo, alguém que deve exercer alguma regra pode considerar positivamente alguém de quem gosta, em oposição a outra pessoa com quem eles têm conflitos. Às vezes é possível que essa predisposição nem seja consciente, mas se baseie claramente na subjetividade do indivíduo. No entanto, reflete um critério fraco e tendencioso.

Relacionado:  Comida típica de Bogotá: os 5 pratos mais destacados

Quando uma pessoa incorre no exercício de padrões duplos, tende a mostrar atitudes que buscam justificar suas ações para não receber críticas do círculo social circundante e do resto da sociedade.

Também pode acontecer que essa pessoa pareça se lembrar apenas das situações que a favorecem e não daquelas pelas quais poderia ser criticada.

Exemplos

Padrões duplos: definição, exemplos e consequências 2

É muito fácil encontrar situações da vida cotidiana nas quais o duplo padrão é apresentado, pois sua aplicação pode ocorrer em vários cenários usuais. Aqui estão alguns exemplos:

– Julgue alguém por algo que a pessoa faz. Por exemplo, um indivíduo critica o outro por ser infiel: ambas as partes envolvidas foram desonestas, mas se um dos envolvidos critica o outro por trapacear, ele está usando critérios para julgá-lo que não se aplica a si mesmo.

– Diga ser contra o consumismo, mas seja atualizado em relação a toda a tecnologia que ocorre com frequência, troque de dispositivo eletrônico a cada lançamento ou gaste dinheiro com itens desnecessários.

– Apoie alguém de um gênero específico, aplaude que seja muito aberto sexualmente e mantenha um alto número de parceiros e critique o sexo oposto ao fazer exatamente o mesmo.

– Critique os atores e atrizes envolvidos no campo da pornografia, mas seja um consumidor regular dela.

– Dizer ser a favor da reciclagem e cuidar do meio ambiente e criticar outra pessoa que não considera isso uma prioridade, e ao mesmo tempo jogar lixo no chão ou deixar lixo ao fazer atividades ao ar livre, como piqueniques ou caminhadas na praia .

– Julgar a evasão fiscal, mas procurar maneiras de executar “truques” contábeis ou qualquer tipo de manobra para fazer pequenas declarações aos correspondentes e assim obter mais benefícios.

– Ser contra os imigrantes que chegam ao país de origem e trabalham ilegalmente e, ao mesmo tempo, contratar pessoal estrangeiro que, justamente por causa de seu status legal, está satisfeito em receber um salário mais baixo do que um cidadão do país receberia com seus documentos em ordem

Relacionado:  O que é matéria-prima direta?

– Critique uma certa prática que uma pessoa pratique e justifique e apoie um ente querido que realiza exatamente o mesmo. Por exemplo, uma mãe que critica o comportamento de algumas crianças de fora, enquanto as delas se comportam da mesma forma.

– Afirmar que é a favor do apoio às doações mais carentes e monetárias, mas seja egoísta com o próprio dinheiro e aloque a renda apenas para satisfazer gostos pessoais.

Consequências

A presença de padrões duplos em uma sociedade pode causar sérias conseqüências tanto para a pessoa que incorre nela quanto para outras partes envolvidas.

Quem realiza qualquer ação que manifeste seus padrões duplos, geralmente é criticado pela sociedade de maneira forte, porque é considerada uma falha ligada à ética e aos valores.

Do mesmo modo, quem demonstrar em algum momento tentativas com padrões duplos pode ser rejeitado pela sociedade e perder o respeito e a confiança das pessoas; Isso se deve à amostra de comportamentos contraditórios e à aplicação de critérios escassos de imparcialidade que, portanto, são injustos.

Da mesma forma, a aplicação de regras para algumas pessoas e não para outras pode gerar ressentimento e raiva daqueles que são prejudicados pelas regras impostas.

Essas pessoas geralmente direcionam seus inconvenientes para o grupo de pessoas que foram beneficiadas e, principalmente, para aqueles que emitiram o julgamento sem imparcialidade.

A irritação e ressentimento que podem surgir entre os membros de um grupo podem se tornar muito profundos e, por sua vez, levar à sua divisão, rompendo a unidade e os relacionamentos de fraternidade e respeito.

Referências

  1. Klaus, P. (2010). Mulheres e o duplo padrão de comportamento no escritório. Retirado em 14 de março do The New York Times: nytimes.com
  2. Damiano, F. (2012). O duplo padrão em ação: uma abordagem experimental da disputa social do corpo dos futuros trabalhadores. Retirado em 14 de março da Universidade da Costa Rica: ts.ucr.ac.cr
  3. Vilchez, Y. (2012). Ética e moral. Recuperado em 14 de março da Dialnet Foundation: dialnet.unirioja.es
  4. Caballero, N. (2018). O duplo padrão e sua origem. Retirado em 14 de março de La Prensa: prensa.com
  5. Yujeong, K., Eunmi, L., Haeyoung, L. (2019). Padrão duplo sexual, reconhecimento de violência no namoro e assertividade sexual entre estudantes universitários na Coréia do Sul. Retirado em 14 de março de Asian Nursing Research: asian-nursingresearch.com

Deixe um comentário