Paul Ekman: Biografia e Teorias Principais

Paul Ekman é um renomado psicólogo americano, conhecido por suas pesquisas pioneiras sobre a expressão facial das emoções e sua teoria das emoções universais. Nascido em 1934 em Washington, D.C., Ekman dedicou grande parte de sua carreira ao estudo da comunicação não verbal e suas implicações na psicologia e no comportamento humano. Suas descobertas revolucionaram a compreensão das emoções e da linguagem corporal, contribuindo significativamente para áreas como a psicologia clínica, a segurança nacional e a inteligência emocional. Neste contexto, suas teorias principais têm sido amplamente adotadas e influenciado diversas áreas do conhecimento.

Entenda a teoria de Paul Ekman sobre expressões faciais e emoções humanas.

Paul Ekman é um renomado psicólogo americano conhecido por suas pesquisas sobre expressões faciais e emoções humanas. Nascido em 1934, Ekman dedicou grande parte de sua carreira ao estudo das expressões faciais e como elas estão relacionadas às emoções que as pessoas estão sentindo.

De acordo com a teoria de Ekman, existem seis emoções básicas universais que são expressas de forma semelhante em diferentes culturas ao redor do mundo. Essas emoções são alegria, tristeza, medo, raiva, nojo e surpresa. Ekman descobriu que essas emoções são acompanhadas por expressões faciais específicas que podem ser facilmente reconhecidas e interpretadas pelas pessoas, independentemente de sua origem cultural.

Um dos principais conceitos desenvolvidos por Ekman é o de microexpressões faciais, que são expressões faciais muito breves e sutis que revelam as verdadeiras emoções de uma pessoa, mesmo que ela esteja tentando escondê-las. Ekman acredita que as microexpressões são indicadores confiáveis de emoções genuínas e podem ser usadas para detectar mentiras e emoções ocultas.

Em resumo, a teoria de Paul Ekman sobre expressões faciais e emoções humanas destaca a importância das expressões faciais na comunicação não verbal e na compreensão das emoções dos outros. Suas pesquisas revolucionaram a maneira como entendemos as emoções humanas e como elas são expressas através de nossos rostos.

As cinco emoções analisadas por Paul Ekman em sua pesquisa científica renomada.

Paul Ekman, renomado psicólogo e pesquisador, ficou famoso por suas análises sobre as emoções humanas. Em sua pesquisa científica, ele identificou cinco emoções universais que são expressas da mesma forma em diferentes culturas: alegria, tristeza, raiva, medo e nojo.

Número de emoções universais descobertas por Paul Ekman conforme pesquisa científica.

A pesquisa conduzida por Paul Ekman resultou na descoberta de seis emoções universais: felicidade, tristeza, raiva, medo, surpresa e nojo. Essas emoções foram identificadas através de estudos com pessoas de diferentes culturas ao redor do mundo, demonstrando que são reconhecidas de forma similar por todos os seres humanos.

Essas descobertas revolucionaram o campo da psicologia e da comunicação não verbal, fornecendo uma base sólida para entender como as emoções são expressas e interpretadas em diferentes contextos. A pesquisa de Ekman também influenciou áreas como a inteligência emocional e a análise de microexpressões faciais.

Com seu trabalho pioneiro, Paul Ekman contribuiu significativamente para a compreensão das emoções humanas e para o desenvolvimento de teorias que auxiliam no entendimento da mente e do comportamento humano.

Sistema de análise de movimentos faciais desenvolvido por Paul Ekman.

Paul Ekman, renomado psicólogo e pesquisador no campo da expressão facial e emoções, é conhecido por desenvolver um sistema de análise de movimentos faciais chamado Facial Action Coding System (FACS). Esse sistema foi criado por Ekman em colaboração com Wallace V. Friesen e é amplamente utilizado na psicologia e em outras áreas para estudar e compreender as expressões faciais e emoções humanas.

O FACS consiste em um conjunto de códigos que descrevem movimentos musculares específicos no rosto, permitindo aos pesquisadores identificar e categorizar diferentes expressões faciais. Ekman e Friesen identificaram mais de 40 ações faciais diferentes, cada uma associada a uma emoção específica, como alegria, tristeza, raiva, medo e surpresa.

Com o FACS, os pesquisadores podem analisar de forma objetiva e precisa as expressões faciais de indivíduos em diferentes contextos, ajudando a compreender melhor as emoções e reações humanas. Esse sistema revolucionou a forma como psicólogos e pesquisadores estudam o comportamento humano, fornecendo insights valiosos sobre a comunicação não verbal e a expressão emocional.

Relacionado:  O que é o nó borromeo?

Além de suas contribuições para a psicologia, Paul Ekman é conhecido por suas pesquisas sobre as microexpressões faciais, breves expressões involuntárias que revelam emoções verdadeiras. Essas microexpressões são difíceis de detectar, mas Ekman desenvolveu técnicas para identificá-las e interpretá-las, ampliando ainda mais nosso entendimento sobre a linguagem não verbal e as emoções humanas.

Paul Ekman: Biografia e Teorias Principais

Paul Ekman (15 de fevereiro de 1934) é um psicólogo americano conhecido por ser o precursor do estudo de emoções e expressões faciais. Um de seus trabalhos mais renomados foi o Projeto Diógenes, originalmente chamado Projeto Wizards, onde o especialista descreveu as microexpressões faciais, que podem ser usadas para detectar mentiras com um certo grau de confiabilidade.

Para facilitar o estudo deste postulado, Ekman também desenvolveu o Sistema de Codificação de Ação Facial (FACS), um método para classificar expressões humanas através do estudo de movimentos associados aos músculos da face .

Paul Ekman: Biografia e Teorias Principais 1

Paul Ekman nasceu em 1934 em Washington DC, em uma família judia. Seu pai era pediatra e sua mãe era advogada, que sofria de um transtorno bipolar que a levou ao suicídio quando Ekman era apenas um adolescente. Sua situação familiar o levou a interessar-se anos depois em psicoterapia.

Hoje, Ekman é considerado um dos 100 psicólogos mais destacados da história e, em 2009, foi listado como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista Time.

Ao longo de seus anos, Ekman teve diferentes empregos. De 1972 a 2004, foi professor de psicologia na Universidade da Califórnia, em San Francisco, e foi consultor do Departamento de Defesa dos Estados Unidos e do FBI. Da mesma forma, ele recebeu o Prêmio de Pesquisa Científica do Instituto Nacional de Saúde Mental três vezes.

Ele também possui vários doutorados honorários e escreveu mais de 100 artigos publicados nos principais meios de comunicação, como a revista Greater Good, Universidade de Berkeley, revista Time, Scientist America, The Washington Post, Usa Today e The New York Times.

Além de sua excelente carreira, em 2001, ele trabalhou com o ator John Cleese para criar o documentário “The Human Face” da BBC. Por outro lado, suas teorias sobre a mentira foram a inspiração para a série de televisão “Lie to Me”, cujo protagonista aplica os padrões de Ekman para detectar mentiras.

O início de Ekman em Psicologia

A carreira de Paul Ekman começou cedo. Aos 15 anos, refugiou-se na Universidade de Chicago, que na época tinha um programa que admitia estudantes brilhantes que não haviam terminado o ensino médio. Ekman era um deles. Na faculdade, ele começou a conhecer o mundo dos intelectuais, descobriu as teorias de Sigmund Freud e começou a se interessar por psicoterapia.

Ekman concluiu seus estudos de graduação na Universidade de Chicago e na Universidade de Nova York e obteve seu diploma de bacharel em 1955. Em 1958, obteve seu doutorado em psicologia clínica na Universidade Adelphi. Ele começou sua pesquisa sobre expressões faciais e movimento corporal em 1954, quando ainda era estudante. Esse foi o assunto de sua tese de graduação.

Embora na Universidade Adelphi a atenção dos estudos tenha se concentrado mais na prática clínica e não na pesquisa, Ekman optou pelo último. De fato, depois de se formar, em vez de se envolver em psicoterapia, ele se dedicou a observar sessões com terapeutas através de um espelho unidirecional.

Com essas observações, ele descobriu qual seria a base de sua carreira: a relevância dos canais não-verbais. Ekman entendeu que o que acontecia nessas sessões não era transmitido apenas por canais verbais, mas, de fato, a maioria das informações era transmitida por canais não verbais, como expressões faciais, gestos e até o tom de voz. voz

Relacionado:  Alfred Adler: Psicologia individual e outras teorias

Ekman trabalhou por um ano como estagiário no Instituto Neuropsiquiátrico Langley Porter, o hospital psiquiátrico da Universidade da Califórnia (San Francisco). Pouco depois de terminar a corrida, ele foi recrutado pelo exército, onde se tornou psicólogo no campo de Fort Dix, em Nova Jersey. Embora os soldados não parecessem muito interessados ​​nas sessões, este trabalho permitiu-lhe alcançar suas primeiras realizações como investigador, observando o comportamento dos soldados que desertaram.

Depois de passar dois anos como oficial de psicologia clínica no exército, em 1960, Ekman retornou ao Instituto Langley Porter, onde trabalhou até 2004. Foi nesse local onde iniciou suas primeiras investigações, que na época se concentravam apenas nos movimentos das mãos e os gestos.

Em 1971, o psicólogo recebeu o Prêmio de Pesquisa Científica, concedido pelo Instituto Nacional de Saúde Mental, um prêmio que ele venceria mais cinco vezes. Essa entidade ficou encarregada de apoiar as investigações de Paul Ekman por mais de 40 anos.

Classificação das emoções segundo Paul Ekman

Mais da metade das informações que comunicamos são transmitidas por canais não verbais , como as expressões em nosso rosto. Ekman baseou sua carreira nessa idéia e a demonstrou em suas diferentes investigações. Depois de retornar a Langley Porter, o psicólogo conheceu o filósofo Sylvan Tomkins e seu trabalho sobre a expressão não verbal de emoções. Essa foi sua inspiração e a ponta de lança do que viria a seguir em sua carreira como pesquisador.

Diferentemente do que os antropólogos culturais acreditavam, Ekman disse que a expressão das emoções tinha uma raiz biológica universal, portanto elas não dependiam da cultura em que o indivíduo se desenvolvia. No entanto, nem sempre ele pensava assim e ele não era o primeiro a falar sobre isso. Já em 1872, Charles Darwin havia proposto em seu trabalho ” Expressão de emoções no homem e nos animais” a existência de uma série de expressões universais e inatas comuns a todos os seres humanos. Ekman não achou que fosse assim, mas quando iniciou uma de suas primeiras investigações em campo, sua visão mudou.

Graças a uma bolsa de estudos que ganhou, o cientista iniciou uma investigação intercultural para analisar os gestos e a expressão das emoções e determinar se havia expressões universais que cruzavam todas as fronteiras. Para isso, ele realizou seu trabalho com um grupo étnico da Papua, na Nova Guiné.

Ao pedir aos voluntários dessa tribo que expressassem as emoções correspondentes em seu rosto, Ekman descobriu que realmente havia seis expressões universais de emoções em seu rosto. Essas pessoas nunca tiveram contato com o mundo ocidental e, no entanto, foram capazes de reconhecer através de fotografias as diferentes emoções expressas no rosto de uma pessoa completamente alheia à sua cultura.

Com esse resultado, o cientista conseguiu classificar essas expressões, chamando-as de emoções básicas. Dessa maneira, ele estabeleceu que toda emoção básica é universal, primitiva e independente da cultura. Além disso, eles têm sua própria expressão facial, que ativa o corpo e o cérebro de uma maneira específica e é capaz de preparar o corpo para uma ação. Essas emoções são: alegria, tristeza, medo, raiva, surpresa e nojo.

Foi a partir desse momento que Ekman se dedicou a investigar tanto as expressões em humanos quanto sua interação com as emoções que as criam.

Para continuar seu trabalho, o psicólogo desenvolveu um sistema para observar os músculos do rosto. Ele passou anos documentando cada um dos movimentos e expressões que geram emoções. Embora muitos desses músculos sejam fáceis de mover, no caso de outros, Ekman teve que recorrer a um colega cirurgião para estimular eletricamente o músculo com agulhas para poder registrar o gesto que causou.

Assim, o Sistema de Codificação de Ação Facial (FACS) nasceu em 1978, um mecanismo para identificar cada músculo e gesto facial. Com todo esse trabalho, Ekman conseguiu adicionar outra lista de emoções universais, embora ele enfatizasse que, diferentemente das emoções básicas, nem todas elas podiam ser identificadas usando expressões faciais. Entre essas outras emoções, podemos citar: diversão, vergonha, desprezo, culpa, alívio, satisfação, orgulho em realizar, entre outras.

Relacionado:  101 Filmes musicais recomendados

Microexpressões faciais para detecção de mentiras

Além da teoria das emoções básicas universais, Ekman também desenvolveu pesquisas relacionadas à detecção de mentiras. Nos anos em que trabalhou como psicoterapeuta, o cientista descobriu que alguns de seus pacientes simulavam certas emoções para obter permissões ou maior liberdade. Ao analisar as expressões faciais, Ekman e um colega observaram como essas pessoas tentavam camuflar certas emoções.

Os especialistas determinaram que existem duas fontes principais pelas quais as pessoas deixam escapar suas expressões afetivas reprimidas: expressões sutis e microexpressões. No primeiro caso, a pessoa usa apenas uma parte dos músculos que normalmente usaria e o faz para mostrar apenas um fragmento de uma emoção que deseja ocultar. No segundo caso, são expressões que duram décimos de segundo e que são movimentos totalmente inconscientes e involuntários.

Foi precisamente essa teoria das microexpressões faciais que foi aplicada no mundo da detecção de mentiras. No entanto, estudar essas expressões não é tão simples. Devido à velocidade com que ocorrem, combinados com gestos e movimentos corporais, sem contar com elementos externos, como a iluminação, é muito provável que seja esquecido. É por isso que, para um verdadeiro estudo, você precisa trabalhar com um vídeo gravado em alta definição e ver as imagens repetidamente para identificar cada microexpressão.

O pesquisador, em seu livro Telling Lies, explica como você pode detectar o que alguém está sentindo, bem como deduzir se está mentindo ou dizendo a verdade, tudo isso apenas analisando seus gestos e, principalmente, microexpressões.

Hoje, este estudo tem muitas aplicações em diferentes campos: da criminologia, psicologia e medicina à animação de personagens 3D. Além disso, Ekman e o pesquisador Dimitris Metaxas estão atualmente projetando um detector visual de mentiras.

O trabalho de Ekman foi além dos livros e chegou até a tela pequena. Em 2009, a rede de televisão americana FOX estreou uma série inspirada no trabalho do pesquisador. Em Lie to Me, que teve três temporadas, o personagem principal é um alter-ego de Paul Ekman e nos primeiros 6 ou 7 capítulos da série, a teoria das microexpressões de Ekman foi claramente explicada.

O Atlas das emoções

Um dos projetos mais recentes de Paul Ekman foi o Atlas das emoções. O pesquisador a criou a pedido do Dalai Lama , que pensava que neste mundo moderno é necessário aumentar nossa compreensão de como as emoções influenciam o que fazemos e o que dizemos. O objetivo deste mapa era ajudar as pessoas a terem experiências emocionais mais construtivas.

O Atlas de emoções é uma ferramenta em que cada emoção é representada como um continente. Essas emoções, que são raiva, medo, nojo, tristeza e prazer, cada uma tem seus próprios estados, humores, ações e gatilhos, ou seja, todas as informações necessárias para avaliar e entender as emoções em mudança.

Quando o trabalho foi publicado este ano, Ekman disse que criou o Atlas com a ajuda de sua filha, Dra. Eve Ekman. Para sua preparação, foi realizada uma pesquisa com mais de 100 cientistas de áreas como psicologia e neurologia para chegar a um consenso sobre o funcionamento do processo emocional. Ekman também comentou que eles o chamavam de Atlas porque continha mais de um mapa, o que permite que as pessoas vejam características de nossas emoções que podem não ser aparentes.

Ekman espera que os professores usem esse mapa na sala de aula, o que pode ser entendido por uma pessoa com mais de 9 anos de idade sem explicação. Ele também espera que seja usado pelos terapeutas para ajudar seus pacientes a entender melhor suas emoções.

Deixe um comentário