Permineralização de fósseis: o que é e processo

A permineralização é um processo de fossilização no qual os restos de um organismo são infiltrados por minerais que se cristalizam e substituem as estruturas orgânicas, preservando assim a forma original do fóssil. Esse processo ocorre quando os restos orgânicos são enterrados em sedimentos ricos em minerais dissolvidos, como sílica, calcita ou pirita. Com o tempo, a água carregada de minerais penetra nos poros do material orgânico e deposita os minerais, formando uma réplica mineralizada do organismo. A permineralização é um dos principais mecanismos de fossilização e tem sido fundamental para a preservação de fósseis ao longo da história da Terra.

Entenda o processo de permineralização e como ocorre a fossilização de organismos ao longo do tempo.

A permineralização é um processo fundamental na fossilização de organismos ao longo do tempo. Esse processo ocorre quando os restos de um organismo são infiltrados por minerais, que preenchem os espaços vazios e substituem os tecidos orgânicos. O resultado é a formação de um fóssil mineralizado, que preserva a estrutura original do organismo de forma detalhada.

Para que a permineralização ocorra, é necessário que o organismo seja rapidamente coberto por sedimentos após a morte. Com o passar do tempo, a pressão dos sedimentos sobre os restos do organismo faz com que a água rica em minerais se infiltre nos tecidos e os substitua gradualmente. Os minerais mais comuns envolvidos nesse processo são a sílica, calcita e pirita.

É importante ressaltar que a permineralização não é o único processo de fossilização. Existem outras formas, como a moldagem e a petrificação, que também podem resultar na preservação de fósseis. No entanto, a permineralização é uma das mais comuns e eficazes, pois preserva não apenas a forma do organismo, mas também detalhes microscópicos.

Em resumo, a permineralização é um processo complexo e fascinante que permite a preservação de organismos ao longo de milhões de anos. Graças a esse processo, podemos estudar e compreender a história da vida na Terra e a evolução das espécies.

Como ocorre o processo de fossilização ao longo do tempo?

A fossilização é um processo natural que ocorre ao longo de milhões de anos, transformando restos de organismos em fósseis. Um dos métodos de fossilização mais comuns é a permineralização, onde os restos orgânicos são infiltrados por minerais dissolvidos na água. Esse processo preserva a estrutura original do organismo, permitindo que os cientistas estudem detalhes importantes sobre a vida pré-histórica.

Para que a permineralização ocorra, o organismo deve ser rapidamente coberto por sedimentos após a morte, evitando a decomposição. Com o tempo, a água rica em minerais se infiltra nos ossos ou tecidos, substituindo lentamente as moléculas orgânicas por minerais como a sílica ou o carbonato de cálcio. Esse processo pode levar milhares de anos, resultando em um fóssil petrificado.

Ao longo do tempo, a pressão dos sedimentos acumulados sobre os restos orgânicos ajuda a compactar os tecidos, facilitando a substituição das moléculas orgânicas por minerais. Com o passar dos anos, os minerais se cristalizam e solidificam, preservando a estrutura do organismo de forma detalhada.

Assim, a permineralização é um processo complexo e delicado que transforma restos orgânicos em fósseis duráveis e informativos. Graças a esse processo, os cientistas podem estudar e entender melhor a vida pré-histórica, suas características e evolução ao longo do tempo.

Relacionado:  9 Palavras relacionadas à atividade florestal

O processo de fossilização: como ocorre a transformação de restos orgânicos em fósseis.

A fossilização é o processo pelo qual os restos orgânicos de plantas e animais são transformados em fósseis ao longo do tempo. Um dos métodos mais comuns de fossilização é a permineralização, que envolve a substituição dos materiais orgânicos por minerais, preservando a estrutura original do organismo.

Esse processo começa quando um organismo morre e é rapidamente coberto por sedimentos, impedindo a decomposição. Com o passar do tempo, a água rica em minerais infiltra-se nos tecidos do organismo, dissolvendo os materiais orgânicos e depositando minerais em seu lugar. Gradualmente, os minerais vão preenchendo os espaços vazios, formando uma réplica mineralizada do organismo.

É importante ressaltar que nem todos os organismos têm o potencial de se fossilizar. Condições específicas, como a presença de sedimentos adequados e a ausência de oxigênio, são essenciais para o processo de permineralização ocorrer. Além disso, a velocidade com que os sedimentos cobrem o organismo também é um fator determinante para a preservação dos restos orgânicos.

Em resumo, a permineralização é um processo complexo que envolve a substituição gradual dos materiais orgânicos por minerais, resultando na formação de fósseis que nos ajudam a compreender a história da Terra e da vida que a habitou.

Importância da mineralização dos fósseis na preservação e estudo da história geológica.

A mineralização dos fósseis desempenha um papel fundamental na preservação e estudo da história geológica. Quando um organismo morre e é rapidamente coberto por sedimentos, inicia-se o processo de permineralização, no qual os minerais presentes na água subterrânea se infiltram nos tecidos orgânicos e os substituem, transformando-os em rocha.

Essa mineralização dos fósseis é crucial para a preservação das estruturas anatômicas dos organismos ao longo do tempo geológico. Sem esse processo, os fósseis seriam facilmente decompostos e destruídos, tornando impossível estudar a evolução da vida na Terra. Além disso, a mineralização dos fósseis fornece pistas valiosas sobre as condições ambientais em que os organismos viveram, como a composição química do solo e da água.

Através da análise dos fósseis mineralizados, os paleontólogos podem reconstruir os ecossistemas do passado, identificar espécies extintas e entender como as mudanças ambientais afetaram a vida no planeta. Essas informações são essenciais para compreender a evolução da Terra e prever como as mudanças climáticas atuais podem impactar a biodiversidade.

Em resumo, a mineralização dos fósseis é um processo fundamental para a preservação e estudo da história geológica, fornecendo insights valiosos sobre a vida no passado e ajudando os cientistas a compreender melhor o nosso planeta e seu futuro.

Permineralização de fósseis: o que é e processo

O permineralização é um dos mecanismos fossilization, ou seja, a formação de fósseis. Além disso, existem outros mecanismos de fossilização: carbonização, moldes, substituição e cristalização.

Os fósseis são restos corporais de seres que existiam no passado, além de um conjunto de atividades durante sua existência: pegadas ou traços, tocas, ovos, fezes, etc. Eles são geralmente encontrados formando partes de rochas sedimentares e em estado petrificado.

Permineralização de fósseis: o que é e processo 1

Fonte: publicdomainpictures

Os fósseis podem ser partes duras – ossos, dentes, corais, conchas – ou partes moles – folhas, caules, sementes, músculos, penas de pássaros, peles, etc -. Há, no entanto, uma classificação deles: impressão fóssil, fósseis de icnófilos, bolores, mumificação e inclusão.

Na impressão fóssil, o organismo se decompõe em uma superfície de argila ou lodo, deixando sua marca ou impressão. Os icnofósseis mostram os traços que os animais deixaram ao se mover em uma superfície macia. Esta superfície endurece para formar rochas sedimentares.

Nos fungos, os organismos em decomposição são cobertos pelo solo. Posteriormente, o organismo se degrada, deixando um molde na rocha sedimentar que o contém. Finalmente, na mumificação e inclusão, a matéria orgânica não se decompõe completamente, mas mantém muitas de suas características.

O que é permineralização?

A permineralização ocorre quando um organismo em decomposição é coberto por lama. Lá, os organismos entram em contato com as águas subterrâneas ricas em minerais.

Posteriormente, os minerais são depositados nas superfícies, nas cavidades ou nos poros dos ossos, conchas, etc., impregnando essas estruturas.

Esse processo preserva as estruturas duras dos fósseis e, em alguns casos, as estruturas moles, evitando sua deformação. Nesse processo, os fósseis adquirem maior consistência e peso. Além disso, os fósseis passam por uma mudança de cor, pois assumem a cor dos minerais.

Às vezes, a substância mineral presente nos organismos em decomposição é substituída por outros minerais, sendo os mais comuns a calcita, a pirita e a sílica. Este último mineral é aquele que desempenha um papel importante.

Pode acontecer que o material orgânico seja substituído, parcial ou totalmente por minerais. O material orgânico que resta é incorporado em uma matriz mineral.

Em dinossauros

Os minerais formam um molde cristalizado nas paredes porosas das conchas, ossos ou vegetais. Isso pode manter a forma das folhas de uma planta e sua conservação ao longo do tempo. Isso também acontece com os ossos de dinossauros, que através da permineralização podem preservar sua estrutura celular.

Os dinossauros moribundos podem passar por um processo de desidratação, deixando apenas sua concha externa, conhecida como couro. Isso ocorre durante um processo conhecido como mumificação. Finalmente, ocorre a permineralização que preserva a estrutura mencionada.

Os organismos podem se decompor completamente deixando um espaço vazio. Posteriormente, existe uma deposição mineral que preserva a forma externa do organismo decomposto.

Processo

Na permineralização, há um depósito de minerais dentro da célula de organismos em decomposição. A água carregada de minerais penetra nos poros dos tecidos orgânicos, depositando minerais na forma de cristais.

O processo continua a atingir a luz celular, deixando a parede celular em sua forma original coberta por cristais, formados pela deposição de minerais da água.

Freqüentemente, os minerais sílica, calcita e pirita estão envolvidos na fossilização mediada pela permineralização.

Silicificação

A água que contém sílica penetra nas células de um organismo em decomposição, que sofre desidratação. Isso gera a formação de cristais de opala que criam um molde dentro do corpo.

Relacionado:  Cuco: incubação, características e alimentação

Entre os fósseis de sílica, são frequentes os de foraminíferos, equinídeos, amonites, braquiópodes, gastrópodes, bactérias e algas. Também vale mencionar os jaspe xilóides da fossilização de troncos e galhos de árvores.

A silicificação permite o conhecimento do ambiente em que os fósseis foram formados.

Carbonatação

É um processo que envolve a remoção de matéria orgânica petrificada por carbonato de cálcio, especificamente como uma calcita mineral. Este é de fato o mais encontrado em rochas sedimentares.

Os corais têm rápida fossilização e preservação quase total dos detalhes. Também muitos fósseis de moluscos têm suas conchas formadas por carbonato de cálcio na forma de aragonita. Este é então transformado em calcita, a forma mais estável de carbonato de cálcio.

A fossilização de plantas e seus tecidos envolve a formação das chamadas esferas de carbono. Trata-se de uma permineralização calcária da turfa por carbonatos de cálcio e magnésio.

Eles ocorrem quando o carbonato entra nas células de um organismo. As bolas de carbono produzem informações sobre as plantas do período Carbonífero Superior.

Espiritualização

Essa forma de permineralização ocorre quando a matéria orgânica se decompõe em um ambiente pobre em oxigênio, que produz ácido sulfúrico que reage com sais de ferro em águas marinhas produzindo sulfetos de ferro (pirita e letreiro).

Os sulfuretos de ferro podem deslocar o material da concha de moluscos carbonatados quando há baixa saturação de carbonato na água ao redor.

Quando a pirita permanece inalterada, os fósseis têm uma aparência metálica, mas a pirita, e especialmente a marquise, pode ser oxidada e destruída na presença da atmosfera.

As plantas podem experimentar espiritização no solo argiloso, mas em menor grau do que na água do mar.

Exemplos de permineralização

Permineralização de fósseis: o que é e processo 2

Fonte: Pixabay

-Os fósseis de dinossauros que incluem ossos, dentes, pegadas, ovos, peles e caudas.

Amonites fósseis – um molusco que originalmente apresentava uma concha de aragonita, uma forma original de carbonato de cálcio, substituída pela pirita. Existia no período mesozóico.

-O Parque Nacional da Floresta Petrificada no Arizona (Estados Unidos), um produto da silicificação.

-Em White Cliffs, Austrália, foram encontrados esqueletos inteiros de animais permineralizados com opala, um silicato.

-Fóssil de Devonochites sp., Braquiópode devônico perineralizado de calcita e externamente com pirita.

Referências

  1. O que é permineralização? Retirado de ucmp.berkeley.edu
  2. Mireia Querol Rovira. (25 de janeiro de 2016). Conhecendo fósseis e sua idade. Retirado de: allyouneedisbiology.wordpress.com
  3. Associação Cultural Paleontológica de Murciana. (2011). Processos de fossilização química. Retirado de: servicios.educarm.es
  4. Wikipedia (2018). Petrificação Retirado de: en.wikipedia.org
  5. Significados (2018) Permineralização (sf). Retirado de: meanings.com
  6. Casal, Gabriel A., Nillni, Adriana M., Valle, Mauro N., González Svoboda, Ezequiel e Tiedemann, Celina. (2017). Permineralização de restos de dinossauros preservados em depósitos de transbordamento da Formação Bajo Barreal (Cretáceo Superior), Patagônia Central, Argentina. Revista Mexicana de Ciências Geológicas, 34 (1), 12-24. Recuperado de: scielo.org.mx

Deixe um comentário