Pessoas com AIDS: essas são suas necessidades especiais

Pessoas com AIDS enfrentam uma série de desafios físicos, emocionais e sociais devido à sua condição de saúde. É crucial entender suas necessidades especiais para garantir que recebam o apoio adequado e possam viver com dignidade e qualidade de vida. Neste contexto, é importante abordar questões como acesso a tratamento médico, suporte emocional, educação sobre prevenção e redução do estigma e discriminação. Este artigo abordará algumas das principais necessidades das pessoas com AIDS e como a sociedade pode contribuir para atender a essas demandas de forma mais eficaz.

Pessoas com AIDS são consideradas pessoas com deficiência?

As pessoas com AIDS são consideradas pessoas com deficiência de acordo com a legislação brasileira. Isso porque a AIDS é uma doença crônica que pode trazer diversas limitações físicas, emocionais e sociais para quem convive com ela. Portanto, essas pessoas têm necessidades especiais que devem ser levadas em consideração para garantir a sua inclusão e acessibilidade.

É importante ressaltar que as pessoas com AIDS não são incapazes, mas sim possuem algumas limitações que podem afetar a sua qualidade de vida. Por isso, é fundamental que haja políticas públicas e ações afirmativas que visem garantir o pleno acesso dessas pessoas aos seus direitos e à igualdade de oportunidades.

Algumas das necessidades especiais das pessoas com AIDS incluem o acesso a tratamentos médicos adequados, acompanhamento psicológico, suporte emocional, informações sobre a doença e seus cuidados, além de políticas de prevenção e combate ao estigma e à discriminação.

Portanto, é fundamental que a sociedade como um todo esteja sensibilizada e engajada na luta pela inclusão e respeito às pessoas com AIDS. Afinal, todos merecem ser tratados com dignidade e ter acesso aos mesmos direitos e oportunidades, independentemente de sua condição de saúde.

Quais são os tipos de pessoas com necessidades especiais?

Existem diversos tipos de pessoas com necessidades especiais, e uma delas são as pessoas com AIDS. Esses indivíduos enfrentam desafios únicos devido à sua condição de saúde, que requer cuidados específicos e um suporte adequado para garantir sua qualidade de vida.

As pessoas com AIDS necessitam de um acompanhamento médico constante, incluindo exames regulares para monitorar a progressão da doença e ajustar o tratamento conforme necessário. Além disso, é fundamental que recebam orientações sobre a importância da adesão ao tratamento, bem como sobre a prevenção de infecções oportunistas que podem surgir devido à baixa imunidade.

Outra necessidade especial das pessoas com AIDS é o apoio emocional e psicológico. O diagnóstico da doença pode gerar sentimentos de medo, ansiedade e estigma social, o que torna essencial o suporte de profissionais capacitados para lidar com essas questões. Além disso, é importante que tenham acesso a grupos de apoio e terapias que possam ajudá-los a enfrentar os desafios emocionais relacionados à sua condição.

Por fim, as pessoas com AIDS também precisam de um ambiente seguro e livre de discriminação, onde possam viver com dignidade e respeito. É fundamental que tenham acesso a serviços de saúde de qualidade, bem como a informações e recursos que possam ajudá-los a manter uma vida saudável e produtiva.

É fundamental que sejam tratadas com respeito, empatia e compaixão, para que possam enfrentar os desafios da doença de forma mais positiva e construtiva.

Direitos garantidos para portadores de AIDS: conheça seus direitos e benefícios sociais.

Pessoas com AIDS têm direitos garantidos pela Constituição e por leis específicas que visam proteger sua saúde e dignidade. É importante conhecer esses direitos para garantir acesso a tratamento adequado e qualidade de vida.

Em primeiro lugar, é fundamental destacar que os portadores de AIDS têm direito ao sigilo de sua condição sorológica, ou seja, ninguém pode divulgar informações sobre sua saúde sem sua autorização. Além disso, têm direito a tratamento gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que inclui medicamentos antirretrovirais e acompanhamento médico especializado.

Outro direito importante é o acesso à aposentadoria por invalidez, para aqueles que não podem mais trabalhar devido às complicações da doença. Além disso, as pessoas com AIDS têm direito a benefícios como o auxílio-doença e a isenção de imposto de renda.

É essencial também destacar os benefícios sociais disponíveis para os portadores de AIDS, como o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e a assistência social fornecida pelos Centros de Referência em IST/AIDS. Esses benefícios visam garantir o acesso a condições dignas de vida e apoio psicossocial.

Relacionado:  Anosmia (perda de olfato): sintomas, causas e tratamento

Portanto, é fundamental que as pessoas com AIDS estejam cientes de seus direitos e benefícios sociais, a fim de garantir o respeito à sua dignidade e o acesso a um tratamento adequado. É papel do Estado e da sociedade assegurar que esses direitos sejam cumpridos e respeitados, para que as pessoas com AIDS possam viver com qualidade e dignidade.

Quais vantagens são oferecidas para pessoas com AIDS?

Para as pessoas que vivem com AIDS, é essencial garantir que elas tenham acesso a vantagens e benefícios que possam ajudá-las a lidar com os desafios da doença. Felizmente, existem diversas vantagens disponíveis para aqueles que enfrentam essa condição. Uma das principais vantagens é o acesso a medicamentos antirretrovirais de forma gratuita ou a preços acessíveis, o que ajuda a controlar a carga viral e a fortalecer o sistema imunológico.

Além disso, as pessoas com AIDS têm direito a acompanhamento médico especializado, o que inclui consultas regulares com infectologistas e outros profissionais de saúde. Esse acompanhamento é fundamental para garantir que o tratamento seja eficaz e para monitorar a evolução da doença. Também é importante destacar que as pessoas com AIDS têm direito a licenças médicas e benefícios previdenciários, que garantem a segurança financeira durante o tratamento.

Outra vantagem importante é o acesso a programas de apoio psicológico e emocional, que ajudam as pessoas com AIDS a lidar com o estigma e a discriminação que ainda cercam a doença. Esses programas oferecem suporte emocional, aconselhamento e orientação para enfrentar os desafios emocionais que surgem ao longo do tratamento.

É fundamental que essas vantagens sejam amplamente divulgadas e que as pessoas com AIDS saibam quais são seus direitos e como podem acessá-los. Com o apoio adequado, é possível garantir que essas pessoas tenham uma vida digna e saudável, mesmo diante dos desafios da doença.

Pessoas com AIDS: essas são suas necessidades especiais

Pessoas com AIDS: essas são suas necessidades especiais 1

A Síndrome de Imunodeficiência Adquirida ou AIDS é uma das maiores pandemias do mundo que existe hoje, sendo ainda uma doença incurável de grande gravidade. O sofrimento da aids é um golpe para quem sofre, sendo uma condição muito séria na qual qualquer infecção pode se complicar para níveis perigosos e, sem tratamento, até fatal.

Na ausência de tratamento curativo, a prevenção desta doença é essencial, com uma grande quantidade de informações disponíveis sobre a infecção por AIDS e pelo vírus da imunodeficiência humana (que a originou).

Mas, apesar do fato de haver grandes campanhas de prevenção, muitas pessoas não sabem exatamente o que é ou compreendem o sofrimento emocional daqueles que sofrem com isso. O que é esta doença e como as pessoas com AIDS vivem sua condição? Como esta doença pode ser tratada? Falaremos sobre isso nas seguintes linhas.

Sintomas da Síndrome de Imunodeficiência Adquirida

É chamada de Síndrome de Imunodeficiência Adquirida ou AIDS no último estágio da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana ou pelo HIV, sendo uma síndrome muito grave que aparece quando o sistema imunológico está virtualmente destruído e deixa de ser capaz de fazê-lo. contra infecções Especificamente, aqueles que sofrem com isso têm um número de linfócitos T (especialmente CD4 +) abaixo de 200 por milímetro cúbico de sangue, um pouco insuficiente para proteger o corpo de infecções oportunistas ou certos tipos de câncer (alguns dos quais aumentam a chance de aparecimento) .

Embora a infecção pelo HIV em si possa não gerar sintomas, se essa infecção eventualmente levar à AIDS, a perda súbita e rápida de peso é comum, fadiga com esforço mínimo, dores de cabeça, febre, edemas linfonodais , diarréia que pode continuar por um mês, sarcomas kaposi (tumores vasculares na forma de manchas e lesões vermelhas que, de fato, em muitos casos, podem ser um dos sinais mais claros da AIDS).

Tudo isso se deve à afetação do vírus , bem como à perda da capacidade do sistema imunológico de se proteger. Além disso, podem ser adicionados os sintomas de infecções oportunistas que podem ocorrer, como tuberculose (a principal causa de morte de infectados nos países africanos).

É comum que também ocorram alterações neurológicas ou nervosas, como retardo motor, formigamento ou perda do tônus ​​muscular. Em alguns casos, o comprometimento cognitivo e os problemas emocionais e comportamentais também aparecem , e às vezes pode gerar demência rápida, na qual o paciente perde as faculdades rapidamente até sua morte, alguns meses depois.

Relacionado:  Síndrome de Zellweger: causas, sintomas e tratamento

Tudo isso sem levar em conta o profundo impacto emocional do fato de receber o diagnóstico, que muitas vezes gera pânico e ansiedade e pode facilmente levar à depressão. A pessoa com AIDS pode ter um sentimento constante de estar ameaçada e em perigo , tendo um sentimento de falta de controle sobre a situação, desesperança, sentimentos de culpa e medo de seu futuro. Em alguns casos, podem surgir idéias e tentativas suicidas.

Além disso, uma situação com potencial mortal que gerará a necessidade de mudar hábitos de vida , como tomar medicamentos ou outras estratégias de autogestão, deve ser abordada. Finalmente, também pode causar a perda do casal, trabalhar ou até encontrar restrições às viagens.

É importante ter em mente que, felizmente, hoje a AIDS é uma síndrome que não precisa aparecer nas pessoas infectadas pelo HIV, uma vez que os tratamentos existentes, embora não curem a infecção, permitem que ela seja controlada . Agora, na ausência de tratamento adequado, a maioria das pessoas o desenvolverá.

Além disso, quando não há tratamento (especialmente nos países com um sistema de saúde precário, como em áreas pobres da África), a AIDS pode causar a morte alguns anos após seu aparecimento, o que é um problema que permanece muito sério e isso causa a morte de milhões de pessoas ainda hoje (embora isso não seja tão comum na sociedade ocidental).

  • Você pode estar interessado: ” Os 5 tipos de vírus e como eles funcionam “

Como as pessoas com AIDS sofrem com isso? Contágio

A AIDS é, como já dissemos, uma síndrome que ocorre nas fases final e mais grave da infecção pelo HIV, sendo a última a causa da Síndrome de Imunodeficiência Adquirida. Esta infecção atinge o corpo humano através do contato entre membranas mucosas e fluidos infectados , principalmente sangue e fluidos sexuais. O leite materno também pode causar transmissão de vírus. Outros fluidos, como saliva, fezes, muco, vômito ou urina, têm uma carga viral muito limitada ou inexistente.

Assim, a infecção geralmente ocorre pela manutenção do sexo desprotegido no qual eles entram em contato com as mucosas ou pelo uso compartilhado de seringas em viciados em drogas ou em barbeadores. Antigamente era transmitida por transfusões de sangue, embora atualmente não seja provável.

Também pode ser transmitida de mãe para filho no caso de mulheres grávidas , no momento do parto ou durante a amamentação. No entanto, contatos casuais, abraços, beijos, compartilhamento de talheres ou copos, usar o mesmo banheiro ou tomar banho na mesma piscina não são métodos de contágio.

É importante ter em mente que o que se espalha é o vírus HIV, não a própria AIDS . A partir da infecção, o agravamento da situação será progressivo, expandindo o vírus pelo organismo e aumentando a carga viral, destruindo os linfócitos e o sistema imunológico.

Entre outras coisas, há uma diminuição dos linfóides (que geram linfócitos), por exemplo, no trato digestivo. Inicialmente, é comum que não ocorram sintomas, embora, a longo prazo, e se a AIDS se desenvolva, os problemas acima possam aparecer.

Tratamento desta doença

A AIDS é uma condição séria que, sem tratamento, pode causar a morte em alguns anos . Mas, embora ainda seja uma condição de grande gravidade em áreas com nível sanitário, ainda existem tratamentos suficientes que aumentam a taxa de sobrevivência mesmo quando o HIV leva à AIDS muito mais alto, não sendo uma sentença de morte. como antes (embora ainda seja uma doença grave).

O primeiro dos tratamentos que deve ser levado em consideração é o farmacológico, pois em outras fases da infecção a tomada de anti-retrovirais necessários para manter os restos do sistema imunológico, aumentando levemente os níveis de linfócitos e diminuindo a carga viral para a infecção. par que diminui a possibilidade de sofrer outras infecções, melhorando tanto a expectativa de vida quanto a qualidade desta. Para isso, é utilizado um tratamento que inclui vários anti-retrovirais, como zidovudina ou tenofovir .

Relacionado:  Disautonomia: sintomas, causas e tratamento

No entanto, é provável que este tratamento possa causar a síndrome inflamatória de reconstituição imune, um distúrbio do tipo inflamatório que, no entanto, não impede que o tratamento seja seguido.

Como na AIDS o sistema imunológico perdeu sua capacidade de se defender, é essencial realizar verificações periódicas (a cada seis meses ou um ano) e usar medidas preventivas para impedir a chegada de infecções oportunistas, bem como controlar o possível surgimento de tumores (mais frequentes e perigosos quando há AIDS). Além disso, devem ser tomadas medidas para evitar possíveis danos nos ossos, fígado e rins, e o controle e a promoção de alimentos e álcool e a prevenção de drogas devem ser controlados e incentivados.

Cuidado psicológico para pessoas com AIDS

As pessoas com AIDS estão sofrendo de uma das doenças mais temidas em todo o mundo, algo que, sem dúvida, e como dissemos antes, pode gerar uma série de complicações sérias em nível emocional e cognitivo que podem até piorar seu estado de saúde. Nesse sentido, aqueles afetados por esta doença podem requerer tratamento psicológico .

A primeira coisa a ter em mente nesses casos é que o sujeito está enfrentando uma situação muito angustiante, exigindo contenção emocional e a possibilidade de expressar seus medos, dúvidas e pensamentos em um ambiente em que não se sente julgado e gera Confiança suficiente Também será necessário, especialmente no caso de o diagnóstico ser inesperado (por exemplo, um caso que não sabia o fato de estar infectado até então), de diretrizes psicoeducacionais para entender o que está acontecendo e que medidas preventivas devem ser tomadas.

É essencial trabalhar a adesão ao tratamento com anti-retrovirais, bem como, na medida do possível, a prevenção do abuso de substâncias e práticas de risco.

Não é incomum que alguns indivíduos com HIV ou AIDS pensem que, por já terem a infecção, podem ter relações desprotegidas com outras pessoas com a mesma doença, mas a verdade é que, como há uma grande variedade de cepas de HIV, isso poderia gerar superinfecções muito mais perigosas e difíceis de tratar. A psicoeducação não é apenas necessária para o próprio paciente , mas também pode ser essencial para seu parceiro e / ou seu ambiente mais próximo.

Outro aspecto a ser destacado é a necessidade de trabalhar sobre o significado da AIDS para o paciente, como a pessoa vive seu estado de saúde, o significado que ela atribui e como se sente a respeito.

Além disso, também será necessário trabalhar na possível existência de barreiras vitais que o sujeito levantou, limitando , por exemplo, sua vida social devido ao medo ou ao se isolar devido a sentimentos de culpa ou rejeição . Nesse sentido, vale a pena avaliar que tipo de barreiras gerou, por que e quais efeitos elas causam em sua vida, para repensar posteriormente a necessidade de uma mudança que quebre essas barreiras e facilite seu dia a dia.

Outro elemento notável que pode ser trabalhado é a falta de percepção de controle, bem como a sociabilidade. A resolução de problemas e o treinamento de habilidades sociais podem ser essenciais, bem como a programação de atividades agradáveis.

Trabalhar com valores e reestruturação cognitiva de crenças mal-adaptativas e falsos mitos da AIDS também é útil, especialmente nos casos com problemas ansiosos ou depressivos (especialmente naqueles em risco de suicídio). Outra medida que pode ajudá-lo muito é ir aos grupos de ajuda mútua ou associações das pessoas afetadas pela doença, pois facilitam o entendimento e o compartilhamento de suas experiências, além de aprender maneiras diferentes de agir ou conviver com a doença.

Referências bibliográficas:

  • Avelar, VY; Cornejo, IB e Torres, JD (2011). Efeitos psicológicos em pessoas de ambos os sexos, com idades entre 20 e 50 anos, diagnosticadas com HIV no período de janeiro de 2006 a junho de 2010 pertencentes à fundação salvadorenha para o combate à AIDS “María Lorena” (CONTRASIDA) do município de São Salvador. Universidade de El Salvador. Faculdade de Ciências e Humanidades. Departamento de Psicologia.
  • Gulick, RM. (2016). Terapia antirretroviral do vírus da imunodeficiência humana e imunodeficiência adquirida. In: Goldman L, Schafer AI, orgs. Medicina Goldman-Cecil. 25a ed. Filadélfia, PA: Elsevier Saunders; 2016: cap 388.
  • Vyas, JM; Zieve, D.; Conaway, B. et al. (2017). HIV AIDS. MedlinePlus [Online]. Disponível em: https://medlineplus.gov/spanish/ency/article/000594.htm.

Deixe um comentário