Placa de Petri: características, usos e história

A placa de Petri é um utensílio de laboratório utilizado para o cultivo de microrganismos, células e tecidos em meio de cultura. Ela é constituída por um recipiente raso e transparente, geralmente feito de vidro ou plástico, com uma tampa que permite a ventilação e a proteção do material contido dentro dela. As placas de Petri são amplamente utilizadas em laboratórios de microbiologia, biologia celular e biotecnologia.

Criada pelo bacteriologista alemão Julius Richard Petri em 1887, a placa de Petri revolucionou a microbiologia ao permitir o cultivo de microrganismos de forma mais eficiente e controlada. Desde então, tornou-se uma ferramenta essencial para o isolamento, identificação e estudo de diferentes tipos de microorganismos, bem como para o desenvolvimento e teste de novos medicamentos e vacinas.

Além disso, as placas de Petri também são utilizadas em experimentos de genética, bioquímica e outras áreas da ciência, devido à sua versatilidade e praticidade. Com sua capacidade de manter condições ideais para o crescimento e observação de organismos vivos, a placa de Petri continua sendo um item indispensável nos laboratórios de pesquisa e ensino em todo o mundo.

Qual é o papel da placa de Petri em experimentos laboratoriais?

A placa de Petri é um equipamento fundamental em experimentos laboratoriais, sendo utilizada para o cultivo de microorganismos, como bactérias, fungos e vírus. Ela é uma pequena caixa redonda de vidro ou plástico, com tampa, que proporciona um ambiente controlado para o crescimento desses organismos.

O papel da placa de Petri é fornecer uma superfície plana e estéril onde os microorganismos podem ser cultivados e observados. Ela também impede a contaminação do ambiente externo, garantindo a pureza das amostras em estudo. Além disso, a tampa da placa de Petri ajuda a manter a umidade necessária para o crescimento dos microorganismos.

No laboratório, as placas de Petri são frequentemente usadas em diferentes tipos de experimentos, como testes de sensibilidade a antibióticos, estudos de microbiologia e análises de amostras biológicas. Sua versatilidade e praticidade fazem dela um item indispensável para os pesquisadores e profissionais da área da saúde.

A história da placa de Petri remonta ao final do século XIX, quando o bacteriologista alemão Julius Richard Petri a desenvolveu como uma ferramenta para facilitar o cultivo de microorganismos. Desde então, ela se tornou um elemento essencial em laboratórios de todo o mundo, contribuindo significativamente para o avanço da ciência e da medicina.

Origem do meio de cultura: história e evolução na microbiologia laboratorial.

A Placa de Petri é um equipamento fundamental em laboratórios de microbiologia, utilizada para o cultivo de microrganismos em meio de cultura. Mas como surgiu o meio de cultura e qual a sua evolução ao longo da história da microbiologia?

O meio de cultura teve sua origem no século XIX, quando cientistas como Louis Pasteur e Robert Koch desenvolveram métodos para o isolamento e cultivo de bactérias. Inicialmente, os meios de cultura eram preparados de forma empírica, com ingredientes como caldo de carne, extrato de levedura e agar.

A evolução do meio de cultura na microbiologia laboratorial foi marcada por avanços significativos, como a padronização de fórmulas de meios de cultura e o desenvolvimento de meios seletivos e diferenciais. Esses avanços permitiram aos microbiologistas identificar e caracterizar diferentes tipos de microrganismos de forma mais precisa.

Com o passar dos anos, a Placa de Petri se tornou o principal recipiente para o cultivo de microrganismos em meio de cultura. Fabricadas em vidro ou plástico, as Placas de Petri possuem características que favorecem o crescimento dos microrganismos, como transparência, esterilidade e tampa que evita a contaminação.

Relacionado:  Métodos de separação de misturas homogêneas e heterogêneas

Hoje em dia, as Placas de Petri são amplamente utilizadas em laboratórios de microbiologia para o isolamento, contagem e identificação de microrganismos. Seu uso é essencial em áreas como a medicina, a indústria alimentícia e a pesquisa científica, contribuindo para o estudo e controle de doenças infecciosas.

Em resumo, a Placa de Petri é um instrumento indispensável na microbiologia laboratorial, que teve sua origem ligada ao desenvolvimento do meio de cultura e evoluiu ao longo da história da microbiologia, tornando-se um elemento essencial para o cultivo e estudo de microrganismos.

Passo a passo para utilização correta da placa de Petri em laboratórios.

A placa de Petri é um equipamento utilizado em laboratórios para o cultivo de microrganismos, como bactérias e fungos. Com formato circular e tampa, é feita de vidro ou plástico transparente, facilitando a observação dos microrganismos em seu interior. Neste artigo, vamos abordar o passo a passo para a correta utilização da placa de Petri em laboratórios, além de suas características, usos e um pouco de sua história.

Características da placa de Petri

A placa de Petri é uma peça fundamental em laboratórios de microbiologia, sendo um recipiente estéril que permite o crescimento e a observação de microrganismos. Possui um diâmetro padrão de 90 mm, mas também pode ser encontrada em outros tamanhos. Sua tampa evita a contaminação dos microrganismos por agentes externos, garantindo resultados precisos em experimentos.

Usos da placa de Petri

A placa de Petri é amplamente utilizada em laboratórios para o cultivo de microrganismos, permitindo a observação de sua morfologia, crescimento e interações. Além disso, é utilizada em testes de sensibilidade a antibióticos, identificação de cepas bacterianas e isolamento de colônias puras para estudos mais aprofundados.

História da placa de Petri

A placa de Petri foi inventada pelo bacteriologista alemão Julius Richard Petri em 1887, com o objetivo de facilitar o cultivo de microrganismos em laboratórios. Desde então, tornou-se um item essencial na microbiologia, sendo utilizado em diversas áreas da ciência.

Passo a passo para utilização correta da placa de Petri

Para utilizar corretamente a placa de Petri em laboratórios, siga os seguintes passos:

Passo 1: Lave as mãos e utilize equipamentos de proteção individual, como luvas e jaleco;

Passo 2: Esterilize a placa de Petri e o meio de cultura antes de utilizá-los;

Passo 3: Coloque o meio de cultura na placa de Petri de forma uniforme e incline-a para distribuir o meio de forma homogênea;

Passo 4: Inocule o microrganismo na placa de Petri de maneira asséptica, evitando contaminações externas;

Passo 5: Feche a tampa da placa de Petri e coloque-a em uma incubadora para o crescimento dos microrganismos;

Passo 6: Após o período de incubação, observe e registre os resultados obtidos na placa de Petri.

Seguindo esses passos, você estará utilizando corretamente a placa de Petri em laboratórios, garantindo resultados precisos e confiáveis em seus experimentos.

Tipos e tamanhos das placas de Petri: conheça as variedades disponíveis no mercado.

As placas de Petri são recipientes de vidro ou plástico utilizados em laboratórios para o cultivo de microorganismos. Elas possuem diversas características que as tornam ideais para esse fim, como a transparência para facilitar a observação dos microorganismos em seu interior.

Existem diferentes tipos e tamanhos de placas de Petri disponíveis no mercado, cada um adequado para diferentes aplicações. As placas de Petri podem variar em diâmetro, altura e material de fabricação.

As placas de Petri mais comuns têm um diâmetro de 90 mm, mas também é possível encontrar placas de 60 mm, 100 mm e até mesmo maiores. Além disso, as placas de Petri podem ter altura variável, sendo mais rasas para cultivos de células e mais profundas para cultivos de microrganismos em suspensão.

Relacionado:  Hidróxido de cádmio (Cd (OH) 2): estrutura, propriedades e usos

Quanto ao material de fabricação, as placas de Petri podem ser feitas de vidro ou plástico. As placas de Petri de vidro são reutilizáveis e mais duráveis, enquanto as placas de Petri de plástico são descartáveis e mais convenientes para evitar contaminações cruzadas.

Em resumo, as placas de Petri estão disponíveis em diferentes tipos e tamanhos para atender às necessidades dos laboratórios em suas diversas aplicações. É importante escolher o tipo certo de placa de Petri com base no tipo de experimento a ser realizado e nas condições de cultivo dos microorganismos.

Placa de Petri: características, usos e história

A placa de Petri ou placa de Petri é um instrumento de laboratório de grande importância na área da biologia que se assemelha a uma placa rasa.

São transparentes, para permitir que o crescimento das culturas seja visto através delas e são feitas em vidro ou plástico. Os primeiros podem ser reutilizados depois de descontaminados, mas os últimos geralmente são descartados.

Placa de Petri: características, usos e história 1

Placas de Petri com meio à base de ágar-ágar.

Alguns têm ranhuras na base e nas bordas, o que lhes permite não escorregar quando armazenados. Eles também consistem em uma espécie de cobertura.

Esses instrumentos têm vários usos na ciência. Um dos mais conhecidos é o de recipientes para o cultivo de microrganismos, uma vez que permitem isolar o objeto de estudo (bactérias e vírus em geral).

Eles também são usados ​​para cultivar células eucarióticas, observar o processo de germinação das plantas, transportar e observar amostras e secar fluidos.

Características das placas de Petri

As placas 1-Petri são como placas rasas (entre um e dois centímetros).

2-Eles medem cerca de 10 cm de diâmetro. Esse comprimento pode variar.

3-São transparentes, o que permite observar o crescimento das culturas.

4-Eles têm um tipo de cobertura, o que permite proteger a cultura de agentes externos que possam contaminá-lo.

5-São feitos em plástico ou vidro.

6-Cápsulas de plástico são descartadas depois de usadas.

As cápsulas de 7-Glass podem ser reutilizadas após serem descontaminadas e esterilizadas em um forno a 160 ° C (existem outros métodos de esterilização).

Usos

Placas de Petri são geralmente usadas em laboratórios de biologia . O uso mais comum desses instrumentos é ser recipientes para o cultivo de células e microorganismos.

Nestas cápsulas, são recriadas as condições necessárias para permitir o crescimento e o desenvolvimento das células. Geralmente, eles são fornecidos com um meio líquido ou semi-sólido e alimentos.

Além disso, o fato de essas cápsulas terem uma tampa as torna ideais para o desenvolvimento das culturas, pois serão isoladas e protegidas de agentes contaminantes.

Como as placas de Petri são feitas de materiais transparentes, o crescimento do organismo pode ser observado através delas. Dessa forma, o pesquisador pode acompanhar o progresso sem abrir a cápsula.

As amostras podem ser observadas com um microscópio diretamente da placa de Petri, uma vez que as dimensões do instrumento permitem. Além disso, a amostra pode ser dissecada sem removê-la da cápsula.

Eles também são usados ​​para observar o crescimento de sementes de algumas plantas e para observar o comportamento de animais muito pequenos.

Outros usos de placas de Petri são os seguintes:

1-Fluidos secos no forno. Apenas cápsulas de vidro são usadas para esse fim, pois são resistentes ao calor.

Relacionado:  Ácido alendrônico: fórmula, estrutura, propriedades e usos

2-Transporte e salve as amostras.

3-Servir como um recipiente de amostras líquidas que você deseja estudar com um microscópio.

Microrganismos 4-Isole para estudos futuros.

Como usar placas de Petri no cultivo de microrganismos

Para o cultivo de microrganismos, começa esterilizando a placa de Petri. Isso pode ser feito aquecendo-o no forno ou lavando-o com várias substâncias (por exemplo, cloro). Esse processo eliminará os agentes presentes na superfície, o que pode danificar a colheita.

Em seguida, passamos a criar um ambiente auspicioso dentro da cápsula. Geralmente, metade do instrumento é preenchida com um líquido quente à base de goma de ágar, nutrientes, sais, carboidratos, aminoácidos, antibióticos, indicadores e outras substâncias necessárias para o estudo.

As placas de Petri com a mistura de ágar-borracha são armazenadas com a face para baixo na geladeira. Isso visa evitar o risco de contaminação pelas partículas transportadas pelo ar, bem como a condensação da água que pode comprometer o desenvolvimento de microrganismos.

Depois de um tempo, a goma de ágar esfria e solidifica, o que significa que a cápsula está pronta para ser usada. Se uma dessas preparações for usada, a cápsula deve ser removida da geladeira e aguardar até que esteja em temperatura ambiente.

Quando isso ocorre, os microorganismos são inoculados na mistura. Isso significa que os indivíduos a serem estudados são introduzidos.

Para fazer isso, o pesquisador pode obter a bactéria com um cotonete. Posteriormente, este swab será passado através da mistura de agar de borracha.

Não deve ser aplicada muita pressão com o cotonete, pois o meio criado pode quebrar. Depois disso, a cápsula é selada para evitar a contaminação da cultura.

Quando os vírus devem ser cultivados em placas de Petri, são realizadas duas fases. Na primeira fase, são inoculadas bactérias que servirão como hospedeiras para vírus. Na segunda fase, o vírus é inoculado.

Dependendo do microrganismo cultivado, as cápsulas podem ser incubadas ou armazenadas em um ambiente quente, para acelerar seu crescimento.

Depois de esperar alguns dias (dependendo do organismo), o desenvolvimento da colheita pode ser observado.

História

As placas de Petri foram inventadas pelo bacteriologista alemão Julius Richard Petri, e foi ele quem deu o nome a esse instrumento.

Antes da invenção da placa de Petri, outros recipientes eram usados ​​para o desenvolvimento da colheita. No entanto, às vezes a superfície estava contaminada, danificando-os.

Um dos instrumentos mais utilizados foram os tubos de ensaio. Estes não ofereciam tanto espaço quanto uma placa de Petri, o que significava que os microrganismos cultivados não podiam se desenvolver eficientemente.

Por outro lado, mesmo quando os tubos foram fechados com tampas de algodão, as lavouras ficaram contaminadas depois de um tempo. Isso não acontece com as placas de Petri equipadas com tampas especializadas.

Referências

  1. Placa de Petri Recuperado em 11 de setembro de 2017, em wikipedia.org
  2. Placa de Petri Recuperado em 11 de setembro de 2017, de merriam-webster.com
  3. Placa de Petri Recuperado em 11 de setembro de 2017, em dictionary.com
  4. Placa de Petri Recuperado em 11 de setembro de 2017, em dictionary.cambridge.org
  5. Pratos de Petri Recuperado em 11 de setembro de 2017, em thermofisher.com
  6. Qual é a função de uma placa de Petri? Recuperado em 11 de setembro de 2017, em reference.com
  7. Os numerosos usos e métodos de uso de uma placa de Petri. Recuperado em 11 de setembro de 2017, em sciencestruck.com.

Deixe um comentário