Plâncton: características, tipos, alimentação e reprodução

O plâncton é um grupo de organismos microscópicos que habitam os oceanos, lagos e rios, sendo uma parte fundamental do ecossistema aquático. Composto por organismos tanto vegetais quanto animais, o plâncton desempenha um papel crucial na cadeia alimentar marinha, servindo de alimento para uma variedade de organismos, desde pequenos peixes até grandes baleias.

Existem dois tipos principais de plâncton: o fitoplâncton, composto por organismos vegetais como algas e cianobactérias, e o zooplâncton, formado por organismos animais como pequenos crustáceos e larvas de peixes. O plâncton se reproduz de forma assexuada por divisão celular ou por meio de ciclos de reprodução sexuada, contribuindo para a diversidade genética e a continuidade da espécie.

Além disso, o plâncton desempenha um papel crucial na regulação do clima global, pois absorve dióxido de carbono da atmosfera durante a fotossíntese, ajudando a reduzir os níveis de gases de efeito estufa. Portanto, a preservação do plâncton é essencial para manter a saúde dos ecossistemas aquáticos e garantir a sustentabilidade do planeta.

Características do plâncton: saiba mais sobre esses organismos marinhos microscópicos e essenciais.

O plâncton é um grupo de organismos marinhos microscópicos que desempenham um papel fundamental nos ecossistemas aquáticos. Esses seres vivos são caracterizados por sua incapacidade de se locomover ativamente, sendo levados pelas correntes oceânicas. Existem duas categorias principais de plâncton: o plâncton vegetal, conhecido como fitoplâncton, e o plâncton animal, chamado de zooplâncton.

O fitoplâncton é composto por algas microscópicas que realizam fotossíntese, sendo responsáveis pela produção de oxigênio na atmosfera e pela base da cadeia alimentar marinha. Já o zooplâncton é formado por pequenos animais como larvas de peixes, crustáceos e plâncton gelatinoso, que se alimentam do fitoplâncton e servem de alimento para organismos maiores.

Além disso, o plâncton é essencial para a saúde dos oceanos, pois atua na ciclagem de nutrientes e na regulação do clima. Sua reprodução pode ocorrer de forma assexuada, através da divisão celular, ou sexuada, com a liberação de gametas na água.

Em resumo, o plâncton é um grupo diversificado de organismos que desempenham um papel vital nos ecossistemas aquáticos. Seu estudo e preservação são fundamentais para a manutenção da biodiversidade marinha e do equilíbrio ambiental.

Métodos de alimentação do plâncton: descubra como esses microorganismos se alimentam no oceano.

O plâncton é um grupo diversificado de microorganismos que desempenham um papel fundamental na cadeia alimentar dos ecossistemas aquáticos. Para sobreviver, esses organismos desenvolveram diferentes métodos de alimentação, adaptados às suas características e ao ambiente marinho.

Existem basicamente três formas pelas quais o plâncton se alimenta: filtração, fagocitose e fotossíntese. Cada método é utilizado por diferentes tipos de plâncton, de acordo com sua estrutura e necessidades nutricionais.

O plâncton filtrador, por exemplo, utiliza estruturas como filamentos ou apêndices para capturar partículas de alimento presentes na água, como microalgas e detritos orgânicos. Esses organismos são essenciais na remoção de nutrientes e na manutenção da qualidade da água nos oceanos.

Já o plâncton fagotrófico, como os protozoários, engloba partículas de alimento através de pseudópodes ou estruturas semelhantes, realizando a digestão intracelular. Esse método de alimentação é comum entre os organismos unicelulares que compõem o plâncton.

Por fim, o plâncton fotossintetizante, como as microalgas, utiliza a luz solar para produzir seu próprio alimento através da fotossíntese. Esses organismos são responsáveis por uma grande parte da produção primária nos oceanos, sendo a base da cadeia alimentar marinha.

É importante ressaltar que a diversidade de métodos de alimentação do plâncton é essencial para a manutenção do equilíbrio dos ecossistemas aquáticos. A interação entre esses microorganismos e outros seres vivos no oceano é fundamental para a sobrevivência de todas as formas de vida marinha.

Qual a classificação do plâncton na cadeia alimentar marinha?

O plâncton é uma parte fundamental da cadeia alimentar marinha, ocupando uma posição importante na base da pirâmide trófica. Classificado como produtores primários, o plâncton é responsável por iniciar a transferência de energia nos ecossistemas aquáticos.

Os fitoplâncton, por exemplo, são organismos microscópicos que realizam fotossíntese, convertendo a energia solar em energia química. Eles são consumidos pelos zooplâncton, que por sua vez servem de alimento para peixes, crustáceos e outros animais marinhos de maior porte.

Relacionado:  Como surgiu a vida na Terra?

Essa cadeia alimentar marinha, na qual o plâncton desempenha um papel crucial, sustenta a vida em diversos ecossistemas aquáticos ao redor do mundo. Portanto, é essencial garantir a preservação e o equilíbrio desses organismos para a manutenção da biodiversidade marinha.

Quem se alimenta de pequenos organismos aquáticos chamados fitoplâncton?

Os pequenos organismos aquáticos chamados fitoplâncton são uma fonte importante de alimento para diversos seres vivos no ambiente marinho. Dentre os principais consumidores de fitoplâncton estão os animais planctônicos, como zooplâncton, larvas de peixes e alguns crustáceos.

O fitoplâncton é composto por microalgas, cianobactérias e outros organismos fotossintetizantes que são a base da cadeia alimentar nos ecossistemas aquáticos. Esses organismos produzem seu próprio alimento através da fotossíntese, utilizando a energia do sol para converter dióxido de carbono em matéria orgânica.

Os consumidores primários, ou seja, aqueles que se alimentam diretamente do fitoplâncton, são essenciais para a transferência de energia ao longo da cadeia alimentar. Dessa forma, o fitoplâncton sustenta uma grande variedade de organismos, desde pequenos peixes até grandes baleias.

Portanto, a preservação do fitoplâncton é crucial para a manutenção da biodiversidade marinha e para a sobrevivência de muitas espécies que dele dependem como fonte de alimento. Qualquer desequilíbrio nesse delicado ecossistema pode ter impactos significativos em toda a cadeia alimentar aquática.

Plâncton: características, tipos, alimentação e reprodução

O plâncton é o conjunto de organismos aquáticos pelágicas que são pelo o mercê de correntes de água. São organismos incapazes de nadar ou, embora possam nadar, não são fortes o suficiente para se opor a essas correntes.

O termo vem do grego e significa andarilho ou errante. Organismos planctônicos compartilham vida pelágica com o necton . Este último é representado por organismos capazes de nadar e de correntes opostas.

Plâncton: características, tipos, alimentação e reprodução 1

Colagem, diversidade de plâncton. Tirada e editada em: Kils [CC BY-SA 3.0] via Wikimedia Commons.

O placton é formado por uma grande diversidade de organismos, variando de bactérias a vertebrados , passando por protistas e algas.Praticamente todos os grandes grupos de organismos têm pelo menos uma espécie planctônica.

Algumas espécies são planctônicas ao longo de suas vidas, outras passam apenas parte de sua vida no plâncton. O tamanho desses organismos pode variar de menos de 5 mícrons (bactérias) a mais de 2 metros (água-viva).

Tipos

Tradicionalmente, o plâncton é dividido em grupos, dependendo de diferentes critérios, sendo o mais comum o tipo de alimentação (autotrófica ou heterotrófica).

-De acordo com o tipo de alimentação

Fitoplâncton

Plâncton: características, tipos, alimentação e reprodução 2

Diversidade fitoplanctônica. Retirado e editado de: Prof. Gordon T. Taylor, Universidade Stony Brook [Domínio público], via Wikimedia Commons.

Constituído por organismos planctônicos autotróficos. Inclui algas e protistas fotossintéticos. Eles são indispensáveis ​​não apenas para a vida marinha, mas também para a vida terrestre. O fitoplâncton produz cerca de 50% de O 2 na atmosfera. A base da maioria das cadeias tróficas aquáticas também é a base.

O fitoplâncton depende principalmente do fornecimento de nutrientes aterradores que são levados pelos rios. Outras contribuições vêm de fundos e águas profundas durante os períodos de ressurgência. Por esse motivo, o fitoplâncton é mais abundante nas águas costeiras do que nas águas oceânicas.

Zooplâncton

Plâncton: características, tipos, alimentação e reprodução 3

É composto de formas heterotróficas. Entre estes estão protistas e animais . Eles são os principais consumidores na maioria das cadeias alimentares aquáticas. Eles podem se alimentar de fitoplâncton ou de outros membros do zooplâncton .

A maioria dos organismos é pequena, mas algumas espécies podem exceder 2 metros, como a água-viva.

.De acordo com o ambiente aquático em que estão localizados

Dulceacasticola

Como o nome indica, eles habitam água doce. Estes podem variar de grandes rios e lagos a piscinas temporárias. Mesmo nos fitothematos, formas planctônicas podem ser encontradas. Os fitothematos são recipientes de água de origem vegetal, como folhas de bromélias ou buracos nos troncos das árvores.

Relacionado:  Integrinas: características, estrutura e funções

Marine

O plâncton marinho vive em mares, oceanos e piscinas entre marés. Também chamado dessa maneira de plâncton que vive em corpos de água salobra.

-De acordo com seu tamanho

Existem discrepâncias entre as classificações usadas pelos diferentes autores. Uma divisão clássica, os separa em:

Ultraplankton

É composto por organismos menores que 5 mícrons. Alguns autores separam esse grupo em femtoplâncton e picoplâncton. Este grupo inclui bactérias e microalgas flageladas (prasinofílicas).

Nanoplâncton

Organismos planctônicos com tamanhos entre 5 e 50 mícrons. Alguns autores limitam o tamanho máximo neste grupo a 20 mícrons. Outros argumentam que ele pode atingir até 63 mícrons.

O nanoplâncton é representado por cocolitoforetos. Estas são algas unicelulares (protistas) exclusivamente marinhas.

Microplâncton

Seu tamanho é entre 50 microns e 0,5 mm, um exemplo desse tipo de organismo são os dinoflagelados; algas protistas unicelulares que possuem dois flagelos.

Plâncton: características, tipos, alimentação e reprodução 4

Noctiluca scintillans dinoflagelados. Conhecido por apresentar bioluminescência. Tirada e editada por Maria Antónia Sampayo, Instituto de Oceanografia, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa [CC BY 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)], via Wikimedia Commons

Mesoplâncton

O tamanho é maior que 0,5 mm e menor que 5 mm. Este grupo inclui pequenos crustáceos chamados copépodes. Estes são um dos membros mais abundantes do plâncton, especialmente marinho. Cladoceros, outros crustáceos mesoplanctônicos, são mais abundantes em água doce.

Plâncton: características, tipos, alimentação e reprodução 5

Crustáceos, copépodes Harpacticoid. Recuperado de Frank Fox [CC BY-SA 3.0 de (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/de/deed.en)], via Wikimedia Commons.

Macroplâncton

Os organismos que compõem esse grupo têm uma faixa de tamanho que varia de 5 a 50 mm. Alguns ctenóforos e algumas taliaceae estão incluídos. As larvas de numerosos peixes também se enquadram nessa categoria.

Megaloplâncton

Eles são os organismos de plantio com mais de 50 mm de comprimento. Inúmeras espécies de água-viva estão incluídas, algumas das quais com umbrela com mais de 2 m de diâmetro. Até alguns anos atrás, alguns autores também incluíam os peixes ósseos mais pesados ​​dessa linha.

-De acordo com a permanência no plâncton

Meroplâncton

Também conhecido como plâncton temporário. Eles são apenas parte do plâncton durante uma fase de seu desenvolvimento. Exemplos de meroplâncton são as larvas de peixes, crustáceos e outros organismos bênticos ou pelágicos.

Holoplâncton

Permanecem a vida inteira no plâncton, como acontece com copépodes, cladoceros, diatomáceas, entre outros.

-De acordo com sua distribuição batimétrica

Epiplankton

Também conhecido como plâncton epipelágico. Está localizado na camada superficial da água, até 200 m de profundidade.

Mesoplâncton

Corresponde à zona mesopelágica (200 – 1.000 m.).

Batiplankton

É o plâncton da zona batipelágica. Está localizado entre 1.000 e 3.000 m de profundidade.

Abissoplâncton

Também chamado de plâncton abissal. Ocupa a área abaixo da batipelágica, com até 6.000 m de profundidade.

Plâncton Hadal

É o plâncton das áreas mais profundas. Está localizado a mais de 6.000 metros de profundidade.

-De acordo com sua distribuição horizontal

Plâncton nervoso

É o plâncton que está localizado no corpo de água na plataforma continental; a área marinha perto da costa, com uma profundidade máxima de 200 m.

Plâncton oceânico

É o plâncton encontrado nas águas oceânicas; Águas mais afastadas da costa, com profundidade superior a 200 m.

-De acordo com a quantidade de luz que recebem

Fotoplâncton

Localizado nos corpos de água onde a luz do sol penetra. Nestes, o fitoplâncton pode realizar ativamente a fotossíntese .

Scotoplankton

Plâncton localizado em águas completamente afóticas.

Cnephoplâncton

Plâncton localizado na zona crepuscular. Esta área está localizada entre a zona fótica e a zona afótica.

Alimento

A alimentação por organismos planctônicos pode ser autotrófica ou heterotrófica.

Autotroph

A alimentação autotrófica é feita pelo fitoplâncton. Os principais representantes do fitoplâncton são diatomáceas e dinoflagelados. Como eles precisam realizar a fotossíntese, esses organismos estão localizados na camada fótica, isto é, na camada em que a luz solar pode penetrar.

Heterotrófico

A alimentação heterotrófica é realizada principalmente pelo zooplâncton. O zooplâncton pode estar fervendo (se alimenta de fitoplâncton) ou carnívoro. No caso dos carnívoros, estes podem ser consumidores primários, secundários ou técnicos.

Relacionado:  Tabebuia rosea: características, habitat, pragas e usos

Os consumidores primários se alimentam de produtores. O secundário do primário e o terciário do secundário. Alguns copépodes são consumidores primários e outros consumidores secundários. Algumas espécies de água-viva podem ser consideradas consumidores terciários.

Reprodução

Praticamente todas as formas possíveis de reprodução assexuada e sexual podem ser observadas no plâncton. Algumas espécies têm apenas uma forma de reprodução, outras podem ter alternância de gerações assexuadas e sexuais.

Assexual

A reprodução assexuada é realizada sem a intervenção de gametas ou células sexuais. Em todas as formas de reprodução assexuada, um único pai intervém, mas em alguns casos pode haver dois.

Os principais tipos de reprodução assexuada são fragmentação, fissão, brotação e esporulação. Todos esses tipos de reprodução assexuada estão presentes no plâncton.

Por exemplo, cianófitas ou cianobactérias, podem apresentar bipartição (fissão binária), fragmentação ou esporulação, dependendo da espécie. Os ctenóforos podem ser divididos por fragmentação e acredita-se que eles também possam fazê-lo por fissão e brotamento.

Sexual

A reprodução sexual envolve a participação de gametas ou células sexuais. Esses gametas podem vir de dois pais diferentes ou de um único pai. Este tipo de reprodução envolve divisão redutiva (meiótica) durante a gametogênese.

A meiose reduz pela metade a carga genética das células filhas. Essas células são haplóides . A fusão de duas células haplóides resulta em um zigoto diplóide que se desenvolverá em um novo organismo.

A reprodução sexual pode ocorrer tanto nos membros do fitoplâncton quanto nos membros do zooplâncton. Copépodes, por exemplo, se reproduzem sexualmente.

– Reprodução assexuada e sexual alternativa

Em alguns grupos planctônicos, pode haver gerações que se reproduzem sexualmente e outras que se reproduzem assexuadamente. Ambas as gerações se desenvolvem como parte do plâncton.

Em outros casos, algumas gerações se desenvolvem no plâncton, enquanto a outra faz parte dos bentos.

Diatomáceas, por exemplo, se reproduzem assexuadamente por várias gerações. Uma das células filhas, a que herda a hipoteca materna, será menor em cada geração. Isso ocorre porque a hipoteca materna servirá como epiteca. Ao atingir o tamanho mínimo, essas diatomáceas se reproduzem sexualmente.

No outro caso, as medusas escifizoas alternam gerações planctônicas (medusas) com gerações bênticas (pólipos). A reprodução da água-viva é sexual, formando gametas sexuais masculinos ou femininos.

A fertilização dá origem a uma larva chamada planula, que migrará para o bento, onde será fixada e levará a um pólipo. Esse pólipo é chamado de cifistoma ou sifipipótipo.

O cifistoma pode causar outros pólipos por brotamento. Também pode causar água-viva por um processo de divisão chamado estrobilização. Essas águas-vivas, assim criadas, são pequenas em tamanho e chamadas efêmeras. As efiras migram para a coluna d’água, onde se desenvolvem para formar medusas adultas.

O plâncton gelatinoso

O plâncton gelatinoso é um grupo particular de plâncton composto de água-viva (Cnidaria) e ctenóforos. Ele recebe esse nome pela consistência do corpo de seus membros, que são formados em mais de 90% pela água.

Atualmente, esse tipo de plâncton aumentou sua abundância em algumas regiões, embora as causas sejam desconhecidas. Alguns autores sugerem que isso se deve ao aumento da temperatura global dos corpos d’água, outros acham que é devido à eutrofização marinha.

Independentemente da causa, esse aumento se tornou um problema para o ser humano. Entre seus efeitos estão a interferência na pesca comercial e nas operações de usinas costeiras.

Referências

  1. RC Brusca, W. Moore e SM Shuster (2016). Invertebrados Terceira Edição Oxford University Press.
  2. R. Margalef e F. Vives (1972). Vida suspensa nas águas. In: J. Castelvi (Ed.), Ecologia Marinha. Fundação La Salle de Ciências Naturais. Dossat Editorial
  3. GE Newell e RC Newell (1963). Plâncton marinho um guia prático. Hutchinson Educational.
  4. P. Castro e ME Huber (2010). Biologia Marinha McGraw-Hill
  5. Plakton Na Wikipedia Recuperado de en.wikipedia.org
  6. G. Thorson (1971). Vida no mar Introdução à biologia marinha. Edições Guadarrama.

Deixe um comentário