Planície Amazônica: Tipos, Recursos Naturais e Economia

A planície amazônica é o conjunto de todas as áreas de planícies localizadas em toda a floresta amazônica na América do Sul. Essas planícies estão espalhadas pelos territórios do Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela que pertencem à Amazônia; e têm características diferentes entre eles.

O território da Amazônia é listado como “a selva mais extensa do mundo”, cuja extensão é estimada em 7 milhões de quilômetros quadrados.

Planície Amazônica: Tipos, Recursos Naturais e Economia 1

Além disso, essa selva é conhecida por sua grande biodiversidade e por ter sido declarada em 2011 como uma das sete maravilhas do mundo moderno.

Alguns antropólogos e geógrafos estimam que as planícies da Amazônia são habitadas há pelo menos 11.730 anos, uma vez que os sítios arqueológicos mais antigos conhecidos nessa área são dessa idade.

Pelo estudo desses restos mortais, acredita-se que as populações pré-colombianas que existiam nelas eram mais numerosas do que as populações rurais que hoje se instalam nessas terras, concentradas principalmente nas margens dos diferentes rios que fluem em todas as planícies.

Tipos de planícies na Amazônia e localização

As planícies que ocorrem na Amazônia são, principalmente, de três tipos: planícies aluviais (ou planícies baixas), planícies altas e piedemontes.

– Várzeas, várzeas ou planícies baixas

São planícies que atingem uma altura inferior a 200 metros acima do nível do mar (masl), razão pela qual as inundações podem ocorrer em épocas de chuva ou inundações nos rios.

Ciclos anuais de erosão e sedimentação ocorrem na área amazônica, e o fluxo constante de sedimentos entre um rio e outro faz com que as planícies de inundação sofram alterações em suas morfologias. Portanto, sofrem modificações ao longo do ano.

Nas planícies de pouca extensão podem ser geradas modificações notórias no relevo, mas nas planícies com uma extensão superior a 20 km essas mudanças não são tão importantes.

Localização

As planícies de inundação da Amazônia estão distribuídas entre os espaços amazônicos de:

-Norte e sul do Peru

-o litoral norte da Guiana, Suriname e Guiana Francesa

-Norte do Brasil, rodeado pelos planaltos brasileiro e Guaiana

-as florestas de inundação da região colombiana, como o Baixo Putumayo, que cobrem um total de 57.388 km2

– Várzeas de Moxos na Bolívia, também conhecidas como “várzeas do Beni”; Eles têm uma área de 126.000 quilômetros quadrados e ocupam grande parte do norte deste país, nos departamentos de Beni, Santa Cruz, La Paz, Cochabamba e Pando.

– Planícies altas

São planícies que excedem 200 metros acima do nível do mar, razão pela qual são menos propensas a inundações. Os platôs e platôs se enquadram nessa categoria de planícies.

Uma característica das planícies altas é que esse tipo é o melhor dos solos planos, pois, por não inundar, eles são mais saudáveis ​​e a atividade agrícola neles é melhor.

Localização

Algumas das planícies amazônicas são:

-os planaltos centrais da Guiana Francesa

-O platô Kaieteur no sul da Guiana

-os planaltos de Guaiana e brasileiro, ao norte e centro do Brasil, que circundam as planícies baixas do norte

-as planícies da província de Sucumbios, no Equador, com uma altura de cerca de 400msnm, e as planícies de recreação no mesmo país, localizadas às margens dos diferentes rios de sua região amazônica, especialmente os do rio Napo

-as planícies da Chiquitanía boliviana no departamento de Santa Cruz, com altitude média de 300msnm

-A sessão plenária amazônica do Peru, que oscila entre 350 e 650msnm, e tem uma extensão de 694.688 quilômetros.

– Piedemontes

O sopé são as planícies de transição localizadas entre o final – ou o pé – das cadeias de montanhas e das planícies.

Localização

O sopé da planície amazônica está localizado em:

-Peru, ao longo da borda andina oriental deste país, com uma altura que chega a 2000 metros acima do nível do mar e uma área de 90.961 quilômetros quadrados

-os peões da Amazônia colombiana, com uma altura entre 200 e 1000msnm, e que começam no rio Pato, no limite noroeste do departamento de Caquetá, até o rio San Miguel, no sudoeste do departamento de Putumayo.

Recursos naturais e atividade econômica

As planícies da Amazônia, como a grande maioria das regiões naturais da América do Sul, possuem numerosos recursos naturais , água e hidrocarbonetos, o que lhes garante alto potencial econômico.

Exploração de Recursos

Neles é praticada a atividade de mineração, pois possui reservas naturais de recursos como ouro, prata, cobre, manganês, chumbo, zinco, estanho, ferro, antimônio, tungstênio, petróleo, níquel, entre outros.

Todos esses recursos são extraídos em geral pelos diferentes países em que estão localizados.

-No Brasil, ao longo do rio Amazonas, existem grandes depósitos de sais de potássio e bauxita que garantem grande potencial econômico nessa área; no entanto, a atividade de mineração realizada é baixa.

-Por outro lado, as atividades de exploração de petróleo são realizadas nas planícies amazônicas da Colômbia e Equador, sendo esta a principal atividade econômica que contribuiu para o desenvolvimento dessas regiões.

Atividade agrícola

Além disso, as planícies da Amazônia possuem solos férteis nos quais são realizadas atividades agrícolas e pecuária.

Por exemplo, na área das planícies equatorianas, grandes empresas de cultivo de palma, chá e pastagens africanas foram estabelecidas.As populações indígenas realizam atividades agrícolas nas quais cultivam mandioca e tubérculos.

Nas planícies bolivianas de Santa Cruz é praticada a semeadura de algodão, soja, cana-de-açúcar e a criação de gado – o último também ocorre nas planícies de Moxos.

Nas planícies amazônicas do Peru, é realizada a extração de madeira da floresta (cedro, mogno e carvalho) e também são plantados café, banana, mandioca, arroz, cacau, feijão e milho.

As áreas amazônicas do Brasil e da Colômbia também são apoiadas principalmente com base na atividade agrícola.

Hidroeletricidade

Quanto ao uso dos recursos hídricos disponíveis, podem ser mencionadas as usinas hidrelétricas de Agoyán, Paute e Pisayambo, no Equador, e a usina hidrelétrica de Mantaro, no departamento de Junín, no Peru.

Referências

  1. DUMONT, F. (1992). Características morfoestruturais da planície amazônica do Peru: efeitos da neotectônica nas mudanças de rios e na delimitação de províncias morfológicas [online]. Recuperado em 9 de setembro de 2017 na World Wide Web: horizon.documentation.ird.fr
  2. Organização dos Estados Americanos (1989). Diagnóstico Regional – Plano de Manejo e Manejo das Bacias dos rios San Miguel e Putumayo [online]. Acesso em 9 de setembro de 2017 na Internet: oas.org
  3. PARIS, M. (2014). As histórias por trás do sopé colombiano [online]. Recuperado em 9 de setembro de 2017 na World Wide Web: elespectador.com
  4. Portal Amazônia (2013). Amazônia: a Amazônia boliviana [online]. Recuperado em 9 de setembro de 2017 na World Wide Web: amazonia.bo
  5. RAMOS, I. (2012). Amazônia: selva e florestas 10 anos após o Rio [online]. Recuperado em 9 de setembro de 2017 na World Wide Web: wrm.org.uy
  6. VALVERDE, C.; GONZÁLEZ, P. & MURO, J. (1980). Plano de pesquisa para a região amazônica do Peru e sua relação com o desenvolvimento dos trópicos úmidos da América do Sul [online]. Recuperado em 10 de setembro de 2017 na World Wide Web: books.google.com
  7. WALSH, C. (2006). Cruzando a linha: dinâmica socioeducativa e integração de fronteiras: o caso do Equador com a Colômbia e o Peru [online]. Recuperado em 9 de setembro de 2017 na World Wide Web: books.google.com
  8. Sociedade de Conservação da Vida Selvagem (2017). O canal principal [online]. Acesso em 9 de setembro de 2017 na Internet: aguasamazonicas.org
  9. Wikipedia, A Enciclopédia Livre. Recuperado em 9 de setembro de 2017 na World Wide Web: Wikipedia.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies