Plano Tuxtepec: histórico, proclamação, pontos, consequências

O Plano de Tuxtepec foi um movimento político ocorrido no México em 1876, liderado por Porfirio Díaz, que visava derrubar o presidente Sebastián Lerdo de Tejada. A proclamação do plano ocorreu em 10 de janeiro de 1876, na cidade de Tuxtepec, e defendia a não reeleição do presidente, a democratização do país e a defesa dos direitos individuais.

Díaz conseguiu apoio de diversos grupos políticos e militares, o que resultou em uma guerra civil que culminou na vitória do Plano Tuxtepec e na ascensão de Porfirio Díaz à presidência do México. Díaz governou o país de forma autoritária por mais de 30 anos, implementando políticas modernizadoras, porém repressivas, que resultaram em um período de grande desenvolvimento econômico, mas também em violações dos direitos humanos e concentração de poder nas mãos de poucos.

As consequências do Plano de Tuxtepec foram significativas para a história do México, marcando o início de um longo período de estabilidade política, porém também de autoritarismo e corrupção. A ascensão de Porfirio Díaz ao poder foi um marco na história do país, sendo lembrado tanto por suas realizações econômicas quanto por sua repressão aos opositores políticos e pela concentração de riqueza nas mãos de uma elite privilegiada.

Principais desdobramentos da Revolução Mexicana: uma análise detalhada dos impactos históricos.

O Plano Tuxtepec foi um movimento político importante no México que teve grande impacto na Revolução Mexicana. O plano foi proclamado em 10 de janeiro de 1876 por Porfirio Díaz, com o objetivo de derrubar o presidente Sebastián Lerdo de Tejada e acabar com a reeleição indefinida no país.

Os pontos principais do Plano Tuxtepec incluíam a convocação de novas eleições, a criação de um governo provisório e a implementação de reformas políticas que visavam acabar com a corrupção e promover a democracia no México. A proclamação do plano foi bem recebida por muitos mexicanos descontentes com o governo de Lerdo de Tejada, o que levou a uma guerra civil no país.

As consequências do Plano Tuxtepec foram significativas. Porfirio Díaz acabou se tornando presidente do México e governou o país de maneira autoritária por mais de 30 anos, o que levou a um aumento da desigualdade social e da repressão política. A Revolução Mexicana, que teve início em 1910, foi em parte uma reação aos abusos do governo de Díaz e ao legado do Plano Tuxtepec.

Suas consequências moldaram o país e influenciaram seu desenvolvimento político e social por muitos anos.

Motivos que levaram ao término da Revolução Mexicana.

O Plano Tuxtepec foi um importante documento político na história do México, que teve um papel fundamental no término da Revolução Mexicana. Este plano foi proclamado em 1876 por Porfirio Díaz, um dos líderes revolucionários, como uma forma de acabar com a instabilidade política e econômica que assolava o país.

O Plano Tuxtepec tinha como objetivo principal promover a estabilidade política e econômica no México, através da implementação de reformas democráticas e da modernização do país. Entre os principais pontos do plano estavam a garantia de eleições livres e justas, o respeito às liberdades civis e a promoção do desenvolvimento econômico.

Apesar das boas intenções por trás do Plano Tuxtepec, ele acabou por não conseguir atingir seus objetivos. A falta de consenso entre os diferentes grupos políticos e a resistência por parte de setores conservadores e poderosos acabaram por minar a implementação das reformas propostas.

Com o fracasso do Plano Tuxtepec em atingir seus objetivos, a Revolução Mexicana acabou por se prolongar por mais tempo do que o previsto, gerando um desgaste nas forças revolucionárias e levando ao seu término. A falta de unidade entre os líderes revolucionários e a pressão de potências estrangeiras também contribuíram para o fim do movimento.

Quem foram os 3 principais personagens da Revolução Mexicana?

O Plano Tuxtepec foi um documento político importante na história do México, que teve um papel fundamental na Revolução Mexicana. Este plano foi proclamado em 1876 por Porfirio Díaz, um dos principais personagens desse movimento. Díaz era um militar e político que se destacou por sua liderança durante a revolução, que culminou na queda do presidente Sebastián Lerdo de Tejada.

Outro personagem importante na Revolução Mexicana foi Francisco Madero, um líder político que desempenhou um papel crucial na luta contra o regime de Díaz. Madero foi um dos principais críticos do governo autoritário de Díaz e acabou sendo eleito presidente do México em 1911, após a renúncia de Díaz.

O terceiro personagem principal da Revolução Mexicana foi Emiliano Zapata, um líder camponês que lutou pelos direitos dos trabalhadores rurais e dos povos indígenas. Zapata foi uma figura emblemática na luta pela reforma agrária no México e sua atuação foi fundamental para as conquistas sociais alcançadas durante a revolução.

O Plano Tuxtepec foi um manifesto político que defendia a derrubada do governo de Lerdo de Tejada e a volta ao poder de Díaz. Este plano propunha a democratização do país, a garantia dos direitos civis e a limitação do poder presidencial. Além disso, o Plano Tuxtepec buscava promover a descentralização do governo e a autonomia dos estados.

Relacionado:  Australopithecus Afarensis: Características, Habitat, Comida

As consequências do Plano Tuxtepec foram significativas para o México, pois marcaram o início de um período de instabilidade política e social que culminou na Revolução Mexicana. Este movimento revolucionário resultou em importantes mudanças na estrutura política e econômica do país, além de ter impactado profundamente a sociedade mexicana.

Como o México acabou perdendo parte de seu território ao longo da história?

O México perdeu parte de seu território ao longo da história devido a uma série de eventos e conflitos. Um desses episódios foi o Plano Tuxtepec, que teve um papel significativo na perda de território mexicano.

O Plano Tuxtepec foi proclamado em 1876 por Porfirio Díaz, um militar e político mexicano. O plano tinha o objetivo de derrubar o presidente Sebastián Lerdo de Tejada e estabelecer um novo governo. Díaz e seus seguidores acreditavam que o governo de Tejada era corrupto e ineficiente, e que era necessário implementar reformas políticas e econômicas no país.

Os pontos principais do Plano Tuxtepec incluíam a rejeição do governo de Tejada, a convocação de novas eleições e a promessa de reformas para melhorar a situação do país. Díaz conseguiu mobilizar um grande número de apoiadores e, em 1876, iniciou uma rebelião armada contra o governo de Tejada.

As consequências do Plano Tuxtepec foram significativas. Díaz conseguiu derrubar o governo de Tejada e assumir o poder, tornando-se presidente do México. No entanto, seu governo foi marcado por autoritarismo e repressão, o que levou a vários conflitos internos e à perda de território para os Estados Unidos.

Esse episódio foi apenas um dos muitos que contribuíram para a fragmentação do território mexicano e para as mudanças políticas e territoriais que o país experimentou ao longo dos séculos.

Plano Tuxtepec: histórico, proclamação, pontos, consequências

Plano Tuxtepec: histórico, proclamação, pontos, consequências

O Plano Tuxtepec foi um pedido feito pelo general Porfirio Díaz para derrubar o governo de Sebastián Lerdo de Tejada. O pronunciamento ocorreu em 10 de janeiro de 1876 através de um documento assinado em San Lucas Ojitlán, distrito de Tuxtepec (Oaxaca), de onde leva seu nome.

O documento mantinha a maioria dos argumentos já contidos no Plano da Noria, outro pronunciamento liderado pelo próprio Díaz em 1875 para derrubar o governo de Benito Juárez. Nos dois casos, Porfirio foi posicionado contra a reeleição presidencial.

Porfirio Díaz também criticou a corrupção no governo de Díaz, além de reconhecer a legalidade da Constituição de 1857 e das Leis de Reforma. Este pronunciamento contou com o apoio de um importante grupo de soldados.

Em março de 1876, o Plano de Tuxtepec foi modificado para nomear Porfirio Díaz como chefe do movimento. Após alguns meses de confronto, Lerdo de Tejada foi derrotado. As eleições de 1877 deram lugar a uma nova etapa na história do México, o Porfiriato, que duraria até 1910.

fundo

As eleições presidenciais de 1871 enfrentaram o presidente em exercício, Benito Juárez, Sebastián Lerdo de Tejada e Porfirio Díaz.

Juárez foi declarado vencedor em meio a inúmeras acusações de fraude eleitoral. Esse resultado não foi aceito pelo general Porfirio Díaz, que proclamou o chamado Plano da Noria em 8 de novembro do mesmo ano.

Este apelo foi seguido pela Revolução La Noria. Porfirio obteve o apoio do exército e de alguns governadores, como o de Oaxaca, Félix Díaz. No entanto, ele logo começou a acumular derrotas.

Porfirio Díaz teve que se exilar nos Estados Unidos em 1º de fevereiro de 1872, onde permaneceu até março. Quando ele voltou, prometeu continuar lutando contra Juárez.

A morte de Juarez

A morte de Benito Juárez, em 18 de julho de 1873, interrompeu a Revolução La Noria. Seu substituto foi, conforme estabelecido em lei, o presidente do Supremo Tribunal, Sebastián Lerdo de Tejada. Como presidente de transição, seu papel era se preparar para novas eleições.

O novo presidente concedeu uma anistia a todos os rebeldes que concordaram em depor as armas. No entanto, a Lei de Absolvição promulgada em 28 de julho não convenceu os Porfiristas. Díaz, apesar de apresentar algumas queixas, deixou Tepic para se colocar à disposição da administração da capital.

Lerdo de Tejada convocou as eleições para 13 de outubro e seu rival nelas era, novamente, Porfirio Díaz. O resultado favoreceu o primeiro, que foi proclamado Presidente da República no período de 1872 a 1876.

À medida que as novas eleições se aproximavam, Lerdo anunciou que pretendia concorrer à reeleição.

Proclamação

Lerdo de Tejada teve que ajustar as disposições constitucionais para tentar ser reeleito como presidente. Assim que ele anunciou seu objetivo, vários setores sociais mostraram sua rejeição, incluindo Porfirio Díaz.

Preparação do Plano Tuxtepec

Porfirio repetiu os passos que havia tomado com seu Plano de La Noria. No final de 1875, ele contratou Vicente Riva Palacio e Ireneo Paz, dois intelectuais liberais, para começar a escrever um documento para convocar a rebelião contra Lerdo de Tejada.

O resultado final foi, de fato, pouco novo. No documento original, a validade da Constituição de 1857 e das Leis da Reforma era afirmada apenas como referência legal do país. Da mesma forma, os autores insistiram na importância da não reeleição.

Além disso, o documento culpava Lerdo de Tejada por se cercar de “prisioneiros e assassinos” e por entregar a riqueza do país a estrangeiros.

Apelo à rebelião

O Plano Tuxtepec foi tornado público em 10 de janeiro de 1876, em San Lucas Ojitlán, distrito de Tuxtepec, no estado de Oaxaca.

Além de Díaz, o plano foi assinado por vários militares, como o coronel Hermenegildo Sarmiento, Vicente Riva Palacio ou Protasio Tagle. Os signatários pediram que os mexicanos se levantassem em armas contra Lerdo de Tejada.

Assim que o Plano foi anunciado, vários regimentos militares surgiram em armas em todo o país. Alguns governadores foram destituídos do cargo e os rebeldes tomaram alguns locais. No final de janeiro, Fidencio Hernández se juntou ao levante em Oaxaca.

Modificação do plano

Em março de 1876, o documento original do Plano de Tuxtepec foi modificado em Palo Blanco. A principal mudança foi conceder a Porfirio Díaz a liderança do chamado Exército de Recuperação, que estava lutando contra o governo Lerdo.

Enquanto isso, a rebelião estava adicionando cada vez mais adeptos em todo o país. Na capital, José María Iglesias, presidente da Suprema Corte, afirmou que a reeleição havia sido ilegal e que, portanto, ele tinha que ocupar a presidência temporariamente até que novas eleições fossem convocadas.

Após essa declaração, Iglesias deixou a capital e se refugiou em Guanajuato. Lá, o governador do estado o reconheceu como presidente legítimo, algo ao qual outros governadores se uniram, como os de Colima, Jalisco, Guerrero, Sonora ou San Luis Potosí.

Pontos principais

Como observado, a primeira versão do Plano Tuxtepec teve como argumento principal a oposição à reeleição de Sebastián Lerdo de Tejada.

Sufrágio efetivo, sem reeleição

O lema de Porfirio Díaz desde a proclamação do Plano da Noria era “Sufrágio efetivo, não reeleição”. O Plano Tuxtepec foi inteiramente baseado nesse conceito.

O documento promovido por Díaz rejeitou Lerdo de Tejada como presidente do país. Na carta, havia fortes críticas ao seu governo, que eles acusavam de serem corruptos e de eliminar a separação de poderes. Da mesma forma, ele alegou ter abusado de suas habilidades e transformado o sufrágio em uma farsa.

Críticas econômicas

As críticas a Lerdo não foram deixadas apenas na arena política. O documento também fez referência à economia do país e acusou o governo de fazer concessões a países estrangeiros, de estagnar a agricultura e o comércio e de ser o culpado pelo crescimento da pobreza.

Reconhecimento das leis atuais

Outro dos principais pontos do Plano foi o que reconheceu a Constituição de 1857 como a única válida no país. Juntamente com a Magna Carta, o documento também incluía a validade das Leis de Reforma.

Por outro lado, os proponentes do apelo pediram aos Estados que o aderissem e reconheceram os governos estaduais a fazê-lo. No caso de não serem adicionados, o manifesto declarou a intenção de removê-los do cargo.

Planos para o futuro

O documento, que mais tarde foi modificado para adicionar quatro novos pontos, também continha as etapas a serem seguidas após a derrubada de Lerdo.

Primeiro, o Plano declarou que dois meses após os rebeldes tomarem a capital, as eleições deveriam ser convocadas. Enquanto isso acontecesse, o presidente do Supremo Tribunal de Justiça assumiria a presidência do país.

Um dos pontos acrescentados em 21 de março de 1876 nomeou Porfirio Díaz como líder dos insurgentes.

Consequências

A reação do governo ao plano Tuxtepec foi imediata. Lerdo de Tejada perseguiu os rebeldes e houve vários confrontos militares entre os dois lados.

A princípio, os apoiadores de Lerdo conseguiram derrotar seus inimigos em várias batalhas. Isso fez com que os porfiristas iniciassem uma guerra de guerrilha em várias áreas do país. Díaz, por sua vez, viajou para Cuba para obter reforços e armas.

A Batalha de Tecoac foi um ponto de virada que levaria à vitória final de Porfirio Díaz. A vitória de seu exército, em 16 de novembro de 1876, selou o destino do México.

Fuja de Sebastián Lerdo de Tejada

Após a derrota de seus homens em Tecoac, Lerdo de Tejada entendeu que a vitória dos rebeldes era inevitável. O Presidente renunciou e foi exilado para os Estados Unidos.

Apesar de José María Iglesias, a quem pertencia a presidência de transição, tentar continuar lutando para derrotar os porfiristas, em 24 de novembro de 1876 Porfirio Díaz entrou na Cidade do México como vencedor.

Relacionado:  História de Zacatecas: Principais Características

O Porfiriato

Porfirio Díaz venceu as eleições gerais realizadas em 1877. Embora na época ainda não se soubesse, esse momento marcou o início de um novo período na história do México, o Porfiriato, que durou até 1910.

Díaz logo esqueceu seu slogan anti-eleitoral e manteve a presidência ininterruptamente, com um breve intervalo em que exerceu poder nas sombras, até o início da Revolução Mexicana.

Suas primeiras medidas procuraram pacificar o país e, para isso, ele formou um governo forte que poderia controlar os diferentes estados do país. Díaz reprimiu duramente as rebeliões militares que eclodiram, bem como as da oposição.

Do lado positivo, o Porfiriato conseguiu estabilizar o país e melhorar a economia. Este último, no entanto, foi alcançado através da concessão de numerosos privilégios a investidores estrangeiros. A desigualdade econômica e social aumentou durante seu mandato.

Personagens principais envolvidos

Porfirio Diaz

Porfirio Díaz veio ao mundo em Oaxaca de Juárez, em 15 de setembro de 1830. Sua participação na guerra contra os franceses deu-lhe popularidade entre os mexicanos, especialmente após a recuperação da Cidade do México.

O então general liderou uma rebelião contra a intenção de Benito Juárez de ser reeleito em 1871, após o lançamento do Plano da Noria. Cinco anos depois, ele novamente se levantou contra a reeleição, desta vez por Lerdo de Tejada.

Depois de derrotar o governo de Lerdo, Porfirio Díaz se proclamou presidente do México em 1877 e estabeleceu um regime que entrou na história com o nome de Porfiriato.

Uma vez no poder, Porfirio mudou o artigo constitucional que proibia a reeleição. Díaz exerceu o controle absoluto do país e não hesitou em reprimir seus possíveis oponentes. Sua permanência no poder durou até o início da Revolução Mexicana.

Sebastián Lerdo de Tejada

Esse político mexicano nasceu em Jalapa em 1827. Entre outros cargos, Lerdo de Tejada foi promotor do Supremo Tribunal e ministro de Relações Exteriores durante a presidência de Comonfort.

Em maio de 1831, aliou-se a Benito Juárez e ocupou o Ministério das Relações Exteriores, Governo e Justiça durante seu governo. Na esfera militar, Lerdo de Tejada participou da guerra contra os franceses.

Após a vitória da República, o político passou a combinar várias posições: Ministro das Relações Exteriores do Interior, deputado e presidente do Supremo Tribunal Federal.

Seu apoio a Juárez terminou quando ele anunciou sua intenção de ser reeleito em 1871. Lerdo de Tejada fundou seu próprio partido, embora ele não tenha derrotado seu rival nas urnas. No entanto, Juárez novamente o nomeou presidente do Supremo Tribunal de Justiça.

A morte de Juárez fez com que, segundo a Constituição, o presidente do Supremo Tribunal assumisse a presidência temporariamente. Lerdo de Tejada, depois de vencer nas eleições extraordinárias, tornou-se presidente do país.

Lerdo de Tejada tentou repetir a mesma manobra que Juárez e concorreu à reeleição. Porfirio Díaz, que já havia pegado em armas contra Juárez, promulgou o Plano Tuxtepec para derrubar o governo.

Depois de ser derrotado no campo de batalha, Lerdo de Tejada foi para o exílio nos Estados Unidos. Ele nunca mais voltou ao México.

José María Iglesias

Nascido na Cidade do México em janeiro de 1823, José María Iglesias ocupou diferentes posições no governo nos anos anteriores à proclamação do Plano de Tuxtepec

Assim, esse político foi Ministro da Justiça, Negócios Eclesiásticos e Instrução Pública, Ministro do Interior e Justiça e Instrução Pública, Diretor e Presidente do Supremo Tribunal de Justiça.

Iglesias se posicionou contra Lerdo de Tejada após as eleições de 1876 e proclamou-se presidente interino do país, pois na época ele era o chefe da Suprema Corte.

Porfirio Díaz pressionou Iglesias a aderir ao Plano Tuxtepec. Iglesias, depois de alguns momentos de dúvida, preferiu se juntar à luta pelo poder lançando o Plano de Salamanca.

A perseguição a que Porfirio Díaz o submeteu forçou Iglesias a deixar o país. O político foi exilado para os Estados Unidos e não voltou ao México até o final de 1877.

Referências

  1. Museu das Constituições. Plano Tuxtepec lançado por Porfirio Díaz contra a reeleição de Sebastián Lerdo de Tejada à Presidência da República. Recuperado de museodelasconstituciones.unam.mx
  2. Breve história do México. O Plano Tuxtepec. Obtido de historiademexicobreve.com
  3. Staff Close Up. Plano de Tuxtepec, fato histórico que mudou o destino do México. Obtido de revistacloseupoaxaca.com
  4. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. Plano de Tuxtepec. Obtido em encyclopedia.com
  5. Turismo em Tuxtepec. Plano de Tuxtepec. Obtido em tuxtepecturismo.com
  6. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Sebastián Lerdo de Tejada.
    Obtido em britannica.com
  7. Minster, Christopher. Biografia de Porfirio Diaz, Governante do México por 35 anos. Obtido em thoughtco.com

Deixe um comentário