Anschluss: antecedentes, anexação e consequências

O termo “Anschluss” refere-se à anexação da Áustria pela Alemanha nazista em março de 1938. Esta ação foi o resultado de uma série de eventos e tensões políticas que se acumularam ao longo dos anos, incluindo o tratado de Versalhes, que impôs severas restrições à Alemanha após a Primeira Guerra Mundial, e a ascensão de Adolf Hitler ao poder em 1933. A anexação da Áustria por Hitler foi recebida com entusiasmo por muitos austríacos, mas também levantou preocupações e críticas por parte da comunidade internacional. As consequências do Anschluss foram significativas, marcando um passo importante na expansão territorial do Terceiro Reich e no fortalecimento da influência nazista na Europa.

Significado e consequências da operação Anschluss na Alemanha Nazista e Áustria em 1938.

Em 1938, a Alemanha Nazista liderada por Adolf Hitler realizou a operação Anschluss, que significou a anexação da Áustria ao território alemão. Os antecedentes desse evento remontam ao Tratado de Versalhes, que após a Primeira Guerra Mundial proibiu a união da Alemanha com a Áustria. No entanto, Hitler viu a oportunidade de expandir seu domínio sobre os países vizinhos e assim, ignorando o tratado, decidiu anexar a Áustria.

A anexação da Áustria pela Alemanha teve graves consequências para ambos os países. Para a Áustria, significou a perda de sua independência e o início da perseguição aos opositores do regime nazista. Muitos austríacos foram presos, torturados e mortos durante esse período. Já para a Alemanha, a operação Anschluss fortaleceu ainda mais o poder de Hitler, aumentando sua influência na região e consolidando sua política expansionista.

As consequências do Anschluss também se estenderam para a comunidade internacional, que condenou a ação como uma violação do direito internacional. Isso aumentou as tensões na Europa e foi um dos eventos que contribuíram para o início da Segunda Guerra Mundial em 1939. A anexação da Áustria também demonstrou a fragilidade das potências europeias em conter a agressão nazista, encorajando Hitler a continuar suas investidas territoriais.

Consequências da anexação dos Sudetos pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial.

Anschluss foi o termo utilizado para descrever a anexação da Áustria pela Alemanha nazista em 1938, um evento que teve graves consequências para a Europa e o mundo. Essa anexação foi apenas o começo das ambições expansionistas de Adolf Hitler, que logo viriam a se manifestar de forma ainda mais agressiva.

A partir da anexação da Áustria, Hitler voltou seus olhos para os Sudetos, uma região de maioria germânica na Tchecoslováquia. Sob o pretexto de proteger os alemães étnicos que ali viviam, o líder nazista pressionou pela anexação dos Sudetos à Alemanha, o que foi finalmente concretizado no Acordo de Munique em 1938.

As consequências da anexação dos Sudetos foram devastadoras. A Tchecoslováquia perdeu parte significativa de seu território e recursos industriais, enfraquecendo-se diante das ambições expansionistas de Hitler. A anexação também aumentou as tensões na Europa, preparando o terreno para o início da Segunda Guerra Mundial em 1939.

Além disso, a anexação dos Sudetos pela Alemanha foi um claro exemplo de como a política de apaziguamento adotada pelas potências ocidentais falhou em conter a agressão nazista. A falta de resposta efetiva diante das ambições expansionistas de Hitler apenas encorajou-o a buscar mais territórios e poder, culminando em um conflito global que custaria milhões de vidas.

Em suma, a anexação dos Sudetos pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial teve consequências desastrosas para a Europa e o mundo, servindo como um lembrete sombrio dos perigos do expansionismo e da inação diante da agressão.

A anexação da Áustria pela Alemanha: um processo histórico marcante e controverso.

O Anschluss, ou a anexação da Áustria pela Alemanha, foi um evento histórico que ocorreu em 1938 e teve grandes repercussões na Europa. Esse processo teve seus antecedentes no nacionalismo alemão do século XIX e na Primeira Guerra Mundial, que deixou a Áustria fragilizada e em busca de uma identidade nacional.

A ascensão de Adolf Hitler ao poder na Alemanha em 1933 trouxe consigo a ideia de unir todos os povos de língua alemã em um único Estado. A Áustria, que tinha uma grande população de etnia alemã, tornou-se um alvo para essa política expansionista.

Em março de 1938, as tropas alemãs invadiram a Áustria, sob a justificativa de proteger os alemães étnicos que lá viviam. A anexação foi realizada de forma rápida e sem resistência significativa, o que levou a comunidade internacional a questionar sua legitimidade.

As consequências do Anschluss foram diversas. A Áustria perdeu sua independência e foi incorporada ao Terceiro Reich alemão, sofrendo com a repressão do regime nazista e a perseguição aos judeus. Além disso, a anexação da Áustria foi um dos passos que levaram à eclosão da Segunda Guerra Mundial, ao desrespeitar o Tratado de Versalhes e acirrar as tensões na Europa.

Relacionado:  Tlahuizcalpantecuhtli: História, atributos e pirâmide

Em suma, o Anschluss foi um processo marcante e controverso na história europeia, que evidenciou a ambição expansionista de Hitler e as consequências desastrosas de sua política agressiva. A anexação da Áustria pela Alemanha deixou marcas profundas na memória coletiva dos austríacos e dos europeus, servindo como um lembrete das consequências trágicas do nacionalismo extremista e do autoritarismo.

A ascensão do expansionismo germânico e a anexação da Áustria em 1938.

A ascensão do expansionismo germânico e a anexação da Áustria em 1938 foram eventos cruciais que marcaram o início da Segunda Guerra Mundial. O termo alemão “Anschluss” refere-se à união da Alemanha e Áustria, que estava sendo planejada há muito tempo pelos nazistas.

Antes da anexação, a Alemanha nazista liderada por Adolf Hitler estava em busca de expandir seu território e reunir todos os povos de língua alemã sob um mesmo governo. A Áustria, que tinha uma significativa população alemã, era um alvo natural para os nazistas.

Em março de 1938, tropas alemãs entraram na Áustria sob o pretexto de garantir a “ordem” e a “proteção” dos alemães étnicos. No entanto, a verdadeira intenção era anexar a Áustria ao Reich alemão e fortalecer a posição de Hitler na Europa.

A anexação da Áustria foi recebida com entusiasmo por muitos austríacos alemães, mas também provocou preocupação e medo entre aqueles que viam os nazistas como uma ameaça à liberdade e à independência do país.

As consequências do Anschluss foram imediatas e significativas. A Áustria perdeu sua soberania e passou a fazer parte do Terceiro Reich. A anexação também fortaleceu a posição de Hitler na Europa e preparou o terreno para a expansão ainda maior do expansionismo germânico.

Em resumo, a anexação da Áustria em 1938 foi um marco importante no caminho para a Segunda Guerra Mundial, demonstrando a determinação dos nazistas em expandir seu império e a fragilidade das fronteiras europeias naquele período conturbado da história.

Anschluss: antecedentes, anexação e consequências

Anschluss é o termo usado para chamar a anexação da Áustria pela Alemanha nazista pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial. O significado desta palavra alemã é “união” ou “reunião”.

Após o fim da Primeira Guerra Mundial , os vencedores impuseram aos derrotados, incluindo a Alemanha, duras penas por reparação pelos danos causados ​​pelo conflito. Entre eles estavam a perda de território e a criação de novas fronteiras.

Anschluss: antecedentes, anexação e consequências 1

Votação para votação no referendo da anexação. A pergunta era: você concorda com a reunificação da Áustria com o império alemão que foi promulgado em 13 de março de 1938 e vota no partido de nosso líder, Adolf Hitler? – Fonte: Selbstgescannt (Benutzer: Zumbo), GNU-FDL; [Domínio público]

Precisamente, uma das bases ideológicas nazistas foi a reunificação de todos os povos germânicos sob o poder alemão, incluindo a Áustria. Nesse país, por outro lado, apareceram vários partidos fascistas e pronazi lutando por dentro pela anexação à Alemanha.

Apesar das tentativas de alguns líderes austríacos para evitá-lo, em 12 de março de 1938, a Áustria se tornou uma província do Terceiro Reich. A Inglaterra e a França não reagiram aos fatos, permitindo que Hitler não apenas assumisse o controle do país, mas também a Tchecoslováquia logo depois.

Antecedentes

O Tratado de Versalhes, ratificado em 1919, não apenas marcou o pagamento de compensações financeiras por aqueles derrotados na Primeira Guerra Mundial. Também estabeleceu quais deveriam ser as fronteiras geográficas da Alemanha, uma das nações que iniciaram o conflito.

Nesta área, além de definir os limites com outros vizinhos, o acordo indicava que a fronteira com a Áustria deveria ser a que existia antes da Grande Guerra e que as anexações após 3 de agosto de 1914 foram canceladas.

A razão para esses artigos foi conter o expansionismo alemão, impulsionado pelo surgimento do conceito de Grande Alemanha no século XIX. Ansiava pela unificação de todos os territórios da cultura germânica, isto é, principalmente parte da Polônia, República Tcheca e Áustria.

Segundo os historiadores, a dureza do Tratado de Versalhes foi uma das razões para a chegada do Partido Socialista Nacional ao poder. Os nazistas, além de negar o pagamento de indenizações de guerra, perseguiram a conquista daquela Grande Alemanha.

Situação política na Áustria

A Áustria havia sido outra das grandes derrotas na Primeira Guerra Mundial. A situação após o conflito era muito ruim e, como na Alemanha, um partido nazista havia defendido a unificação de ambos os territórios. A crise econômica, agravada após o Crac de 29, fez sua popularidade crescer.

Por outro lado, também havia partidos socialistas que pretendiam tomar o poder.Em setembro de 1931, um deles, o social-cristão, estrelou uma rebelião armada, embora sem sucesso.

As eleições de abril de 1932 foram vencidas pelos nazistas, embora uma aliança de outros partidos os impedisse de acessar o poder. Os nazistas começaram uma campanha terrorista, tensionaram a situação.

O ministro das Relações Exteriores do país, Dollfuss, deu uma espécie de golpe de estado em 1933. Entre as medidas que ele tomou, havia a ilegalização dos nazistas e comunistas e ele começou a governar por decreto. Seu programa era muito parecido com o dos nacional-socialistas, mas sem defender a união com a Alemanha.

Rebelião nazista

Os nazistas austríacos continuaram se fortalecendo e exigiram uma política mais germânica. Quando estavam preparados, organizaram uma revolta em 25 de julho de 1934, durante a qual o Chanceler Dollfuss foi morto. No entanto, o golpe acabou falhando.

As reações a essa revolta foram rápidas. Assim, o ditador italiano Benito Mussolini, muito ideologicamente próximo a Dollfuss, ordenou mobilizar suas tropas na fronteira austríaca. Além disso, ele ameaçou sustentar militarmente os sucessores do falecido chanceler.

Pressão alemã na Áustria

Kurt Schuschnigg foi nomeado novo ministro das Relações Exteriores do país. Sua intenção era continuar as políticas de seu antecessor, mantendo uma ditadura fascista, mas sem aceitar aqueles que defendiam a anexação à Alemanha. Essa posição obteve o apoio, inclusive, de muitos socialistas, que a consideravam o mal menor,

Os nazistas austríacos, novamente, recorreram ao terrorismo. Entre agosto de 1934 e março de 1918, cerca de 800 pessoas foram mortas.

O novo chanceler não conseguiu acalmar o país. A guerra civil com os nazistas, que receberam armas da Alemanha, parecia inevitável. Em 12 de fevereiro de 1938, no auge do terrorismo nazista, Schuschnigg foi convocado por Hitler para realizar uma reunião.

O líder alemão impôs uma série de condições em troca de acalmar seus seguidores austríacos. Entre os mais destacados estavam a exigência de entrada dos nazistas no governo, um sistema de colaboração entre os exércitos de ambos os países e a incorporação da Áustria na área aduaneira alemã.

Diante das ameaças de Hitler, Kurt Schuschnigg concordou em anistiar os nazistas austríacos presos. Ele também lhes deu o controle do Ministério da Polícia. No entanto, ambas as medidas foram insuficientes para os nacional-socialistas desse país.

Anexo

A tensão na Áustria aumentou a partir desse momento. Os nazistas austríacos pediram a Hitler que pressionasse o chanceler Schuschnigg a permitir que o Anschluss. Ele pediu ajuda da Inglaterra e da França, sem receber mais do que boas palavras.

Convocar um referendo

Dado o aumento da instabilidade, Schuschnigg planejou um plano para evitar a perda de poder contra os nazistas. Assim, ele decidiu convocar um referendo com uma pergunta que evitava a possível reunificação com a Alemanha. Dessa forma, o eleitor teve que votar se quisesse manter uma “Áustria unida, cristã, social, independente, alemã e livre”.

Embora o chanceler austríaco tenha tentado manter sua intenção em segredo, os nazistas descobriram e a comunicaram a Berlim. Diante disso, Schuschnigg avançou a votação para 9 de março de 1938,

Hitler, sendo informado do movimento Schuschnigg, deu ordens aos nazistas austríacos para evitar o referendo. Além disso, o líder alemão enviou um representante a Viena para exigir a revogação do plebiscito, se este não incluísse a opção de unificação.

A ameaça de invasão estava muito presente e muito mais quando veio o anúncio da Inglaterra de que não iria intervir enquanto o conflito estivesse limitado à Áustria e à Alemanha.

Cancelamento da votação

Em todo o país, os nazistas austríacos lançaram fortes ataques contra agências governamentais. Enquanto isso, a Alemanha mobilizou suas tropas na fronteira e começou a planejar uma possível invasão.

Hitler escreveu ao governo austríaco lançando um novo ultimato: se o referendo não fosse cancelado, a Alemanha invadiria o país.

Em 11 de março, Schuschnigg teve que concordar em cancelar o referendo, embora não fosse o pedido dos nazistas austríacos de telefonar para outro, três semanas depois, com a opção de anexar as perguntas.

Apesar disso, os alemães continuaram pressionando. Nesse mesmo dia, Göring exigiu a renúncia de todo o governo austríaco. Embora Schuschnigg tenha tentado resistir, ele apresentou sua renúncia ao presidente do país. Segundo especialistas, essa renúncia interrompeu uma invasão que já estava decidida.

Nomeação de um chanceler nazista

Após a renúncia de Schuschnigg, os alemães exigiram que um membro do Partido Nacional-Socialista Austríaco fosse nomeado Chanceler. Wilhelm Miklas, presidente da Áustria, resistiu a essa nomeação, apesar de os nazistas terem ocupado as ruas de Viena e prédios públicos.

Relacionado:  Invasões em inglês: antecedentes, causas e conseqüências

Hitler ordenou que retornasse para mobilizar as tropas para iniciar a invasão. Além disso, Mussolini anunciou que não iria intervir, o que deixou Miklas sem o único aliado estrangeiro que mantinha.

À meia-noite de 11 de março, o presidente austríaco cedeu e nomeou Arthur Seyss-Inquart, líder nazista no país, como chanceler. Ele pediu a Hitler para interromper seus planos de invasão, mas sem sucesso.

Intervenção alemã

Os soldados alemães finalmente entraram no território austríaco, sendo recebidos com entusiasmo por uma grande parte da população.

O novo governo do país jurou a posição em 12 de março pela manhã. Mais uma vez, o recém-nomeado chanceler, apesar de sua ideologia nazista, pediu a Hitler para interromper a invasão. Diante da recusa, ele pediu que algumas unidades austríacas pudessem entrar na Alemanha e, assim, oferecer a aparência de que era uma unificação voluntária.

Poucas horas depois, ao meio-dia, as novas autoridades austríacas promulgaram um decreto ratificando a anexação. O Presidente Miklas apresentou sua renúncia e nomeou o Chanceler Seyss-Inquart como seu substituto provisório. Antes de renunciar, ele se recusou a assinar o decreto de anexação.

No mesmo dia 12, Adolf Hitler atravessou a fronteira austríaca, visitando primeiro seu local de nascimento, Braunau am Inn. Em todo o país, segundo as crônicas, ele foi recebido com entusiasmo pela população, inclusive na capital, Viena.

Referendo sobre o Anschluss

A Áustria, após a invasão, passou a fazer parte da Alemanha, como outra província. Seyb-Inquart foi nomeado governador geral, desde que o cargo de chanceler foi eliminado.

Hitler pretendia legitimar a anexação e convocou um referendo para 10 de abril de 1938. O plebiscito provou ser um sucesso para seus interesses, uma vez que o sim à anexação venceu com 99,73% dos votos.

Segundo a maioria dos historiadores, os votos não foram manipulados, embora o processo eleitoral tenha sido muito irregular.

Por exemplo, os eleitores tiveram que preencher sua cédula na frente dos oficiais da SS, para que não pudessem manter sua escolha em segredo. O mesmo modelo de votação era tendencioso, com um círculo enorme para o “sim” e um círculo muito pequeno para o “não”.

Por outro lado, aqueles que se opunham à anexação não podiam realizar nenhum tipo de campanha. Logo após a ocupação, os alemães prenderam quase 70.000 pessoas, a maioria judias, socialistas e comunistas, além de muitos outros líderes políticos.

Especialistas apontam que 400.000 pessoas foram excluídas da lista eleitoral, 10% da população.

Consequências

A situação pré-guerra na Europa piorava às vezes. No entanto, as duas principais potências continentais, Grã-Bretanha e França, apenas rejeitaram a anexação por diplomacia, sem fazer nenhum movimento real.

Essa paralisia encorajou Hitler a dar o próximo passo: anexar o Sudeten, uma região da Tchecoslováquia. Os próprios franceses e britânicos assinaram com o líder nazista o chamado Acordo de Munique, com o qual reconheciam o direito alemão de manter esse território.

Pouco depois, a Alemanha passou a ocupar o resto da Tchecoslováquia. A reação dos Aliados teve que esperar até a invasão alemã da Polônia, em 1939, começando a Segunda Guerra Mundial.

Situação na Áustria

Embora os oponentes do nazismo tentassem lutar dentro da Áustria, a maioria da população aceitava o Anschluss, muitos até com entusiasmo. Os chefes das igrejas católica e protestante pediram que não houvesse resistência à nacionalização da nação.

A Áustria, como observado acima, deixou de ser um país independente e se tornou uma nova província alemã.

Outra conseqüência foi o anti-semitismo que começou a ser implementado a partir do momento da anexação. No início, as comunidades judaicas eram discriminadas, com leis promulgadas para privá-las de quase todos os direitos. Mais tarde, muitos deles acabaram sendo mortos durante o Holocausto.

Referências

  1. Villatoro, Manuel P. «Anschluss»: a zombaria esquecida de Hitler que deu asas à águia nazista. Obtido de abc.es
  2. Vá em frente, Javier. Anschluss ou no dia em que Hitler enterrou o Tratado de Versalhes. Obtido em lavanguardia.com
  3. Faculdade de Medicina Anschluss Obtido em escuelapedia.com
  4. Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos. Anschluss Obtido em ushmm.org
  5. Serviços de ER Lebensraum e Anschluss. Obtido em cursos.lumenlearning.com
  6. Editores da History.com. A Alemanha anexa a Áustria. Obtido em history.com
  7. Enciclopédia do Novo Mundo. Anschluss Obtido em newworldencyclopedia.org
  8. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Anschluss Obtido em britannica.com

Deixe um comentário