Plastos: Características, Estrutura e Tipos

Os plastos são organelas encontradas nas células vegetais que desempenham funções importantes para o metabolismo e desenvolvimento das plantas. Eles são responsáveis pela síntese e armazenamento de substâncias, como pigmentos, lipídios e proteínas. Além disso, os plastos também desempenham um papel fundamental na fotossíntese e na manutenção da estrutura celular. Existem diferentes tipos de plastos, como cloroplastos, cromoplastos e leucoplastos, cada um com características e funções específicas. Neste texto, abordaremos as principais características, estrutura e tipos de plastos, destacando a importância dessas organelas para a vida das plantas.

Conheça a organização dos plastos e suas funções no interior celular.

Os plastos são organelas presentes em células vegetais responsáveis por diversas funções essenciais para o metabolismo celular. Eles possuem uma estrutura única e organizada, que varia de acordo com o tipo de plasto.

Os plastos são divididos em três tipos principais: cloroplastos, cromoplastos e leucoplastos. Os cloroplastos são responsáveis pela fotossíntese, os cromoplastos pela pigmentação das plantas e os leucoplastos pelo armazenamento de amido e outras substâncias.

A estrutura dos plastos é composta por um envelope duplo de membranas, um estroma que contém enzimas e DNA próprio, e tilacoides onde ocorre a fotossíntese. Os cloroplastos possuem pigmentos como a clorofila, que absorvem a luz solar para a produção de energia.

Os plastos desempenham um papel fundamental na produção de energia, armazenamento de nutrientes e pigmentação das plantas. Eles são essenciais para o funcionamento saudável das células vegetais e têm uma organização complexa que permite o desempenho de suas funções específicas.

Portanto, conhecer a organização dos plastos e suas funções no interior celular é importante para compreender o funcionamento das células vegetais e a importância dessas organelas para a vida das plantas.

Tipos de plastos: descubra os três principais tipos existentes na célula vegetal.

Os plastos são organelas presentes nas células vegetais responsáveis por diversas funções, como armazenamento de substâncias, fotossíntese e pigmentação. Existem três tipos principais de plastos: cloroplastos, cromoplastos e leucoplastos.

Os cloroplastos são os plastos responsáveis pela fotossíntese, processo em que a planta produz seu próprio alimento. Eles possuem pigmentos verdes, como a clorofila, que captam a luz solar e a transformam em energia. Os cloroplastos são essenciais para a sobrevivência das plantas, pois sem eles não haveria produção de alimentos.

Os cromoplastos, por sua vez, são plastos responsáveis pela pigmentação das plantas. Eles possuem diferentes pigmentos, como os carotenoides, que conferem cores variadas às flores e frutos. Os cromoplastos são importantes não apenas esteticamente, mas também para atrair polinizadores e dispersores de sementes.

Por fim, os leucoplastos são plastos que não possuem pigmentos e são responsáveis pelo armazenamento de substâncias, como amido, óleos e proteínas. Eles são encontrados principalmente em tecidos de reserva, como tubérculos e sementes. Os leucoplastos são essenciais para garantir a sobrevivência das plantas em períodos de escassez de nutrientes.

Em resumo, os plastos desempenham funções vitais para as plantas, e cada tipo de plasto possui características e funções específicas. Os cloroplastos realizam a fotossíntese, os cromoplastos são responsáveis pela pigmentação e os leucoplastos armazenam substâncias essenciais para a planta.

Estruturas presentes nos cloroplastos: conheça suas características e funções essenciais na fotossíntese.

Os cloroplastos são organelas presentes nas células vegetais responsáveis pela realização da fotossíntese, processo essencial para a produção de energia. Eles possuem estruturas específicas que desempenham funções fundamentais nesse processo.

Uma das estruturas mais importantes dos cloroplastos são os tilacoides, pequenas membranas empilhadas que contêm clorofila, pigmento responsável pela absorção da luz solar. Essa absorção de luz é fundamental para a conversão da energia luminosa em energia química durante a fotossíntese.

Outra estrutura presente nos cloroplastos é o estroma, uma substância gelatinosa que preenche o espaço entre os tilacoides. Nele, ocorrem diversas etapas da fotossíntese, como a fixação do carbono e a produção de moléculas de glicose.

Além disso, os cloroplastos também possuem DNA próprio, o que os torna capazes de se autoduplicar e se dividir independentemente da célula hospedeira. Essa característica é importante para a manutenção e reprodução dessas organelas.

Relacionado:  O que é autoecologia? (Com exemplos)

Em resumo, as estruturas dos cloroplastos, como os tilacoides e o estroma, desempenham papéis essenciais na realização da fotossíntese, garantindo a absorção da luz solar, a produção de energia e a síntese de compostos orgânicos. É por meio dessas estruturas que as plantas conseguem converter a luz em alimento, sustentando toda a cadeia alimentar.

Classificação dos plastos: entenda como os diferentes tipos são classificados e suas funções.

Os plastos são organelas encontradas em células de plantas e algas, responsáveis por diversas funções essenciais para o metabolismo desses organismos. Eles são classificados de acordo com suas características estruturais e funções específicas.

Os principais tipos de plastos são os cloroplastos, cromoplastos e leucoplastos. Os cloroplastos são os mais conhecidos, sendo responsáveis pela fotossíntese, processo no qual a energia luminosa é convertida em energia química. Já os cromoplastos são responsáveis pela síntese e armazenamento de pigmentos, como os responsáveis pelas cores das frutas e flores. Por fim, os leucoplastos são plastos incolores responsáveis pelo armazenamento de amido, lipídios e proteínas.

A classificação dos plastos também pode ser feita de acordo com a presença ou ausência de pigmentos. Plastos que contêm pigmentos são chamados de plastos coloridos, como os cromoplastos. Já os plastos sem pigmentos são chamados de plastos incolores, como os leucoplastos.

É importante ressaltar que os diferentes tipos de plastos desempenham funções específicas dentro da célula vegetal, contribuindo para a sua sobrevivência e desenvolvimento. Os cloroplastos, por exemplo, são essenciais para a produção de alimentos através da fotossíntese, enquanto os leucoplastos são responsáveis pelo armazenamento de substâncias essenciais para a planta.

Em resumo, a classificação dos plastos é fundamental para entender suas funções e importância para os organismos vegetais. Cada tipo de plasto desempenha um papel específico no metabolismo celular, contribuindo para a saúde e desenvolvimento das plantas.

Plastos: Características, Estrutura e Tipos

O plasto ou um grupo de células orgánulas plastidiosson semi com várias funções. Eles são encontrados nas células de algas, musgo, samambaia, gimnospermas e angiospermas. O plastídeo mais notável é o cloroplasto , responsável pela fotossíntese nas células vegetais .

De acordo com sua morfologia e função, existe uma grande variedade de plastídeos: cromoplastos , leucoplastos , amiloplastos, etioplastos, oleoplastos, entre outros. Os cromoplastos são especializados no armazenamento de pigmentos carotenóides, os amiloplastos armazenam amido e os plastídeos que crescem no escuro são chamados etioplastos.

Plastos: Características, Estrutura e Tipos 1

Surpreendentemente, plastídeos foram relatados em alguns vermes parasitas e em certos moluscos marinhos.

Características gerais

Plastídeos são organelas presentes nas células vegetais revestidas com uma membrana lipídica dupla. Eles têm seu próprio genoma, uma conseqüência de sua origem endossimbiótica.

Propõe-se que cerca de 1,5 bilhão de anos atrás, uma célula protoeuucariótica engoliu uma bactéria fotossintética, dando origem à linhagem eucariótica.

Evolutivamente, três linhas de plastídeos podem ser distinguidas: glaucófitos, a linhagem de algas vermelhas (rodoplastos) e a linhagem de algas verdes (cloroplastos). A linhagem verde deu origem aos plastídeos de algas e plantas.

O material genético tem 120 a 160 kb – em plantas superiores – e é organizado em uma molécula de DNA de fita dupla fechada e circular.

Uma das características mais marcantes dessas organelas é a capacidade de interconversão. Essa mudança ocorre graças à presença de estímulos moleculares e ambientais. Por exemplo, quando um etioplasto recebe luz solar, ele sintetiza clorofila e se transforma em cloroplasto.

Além da fotossíntese, os plastídeos cumprem várias funções: síntese de lipídios e aminoácidos, armazenamento de lipídios e amido, funcionamento dos estômatos, coloração de estruturas de plantas como flores e frutos e percepção da gravidade.

Estrutura

Todos os plastídeos são cercados por uma membrana lipídica dupla e, no interior, possuem pequenas estruturas membranosas chamadas tilacóides, que podem se estender consideravelmente em certos tipos de plastídeos.

A estrutura depende do tipo de plastídeo e cada variante será descrita em detalhes na próxima seção.

Tipos

Há uma série de plastídeos que cumprem diferentes funções nas células vegetais. No entanto, o limite entre cada tipo de plastídeo não é muito claro, pois existe uma interação significativa entre as estruturas e existe a possibilidade de interconversão.

Da mesma forma, ao comparar diferentes tipos de células, verifica -se que a população de plastídeos não é homogênea. Entre os tipos básicos de plastídeos encontrados nas plantas superiores estão os seguintes:

Proplastids

São plastídeos que ainda não foram diferenciados e são responsáveis ​​por originar todos os tipos de plastídeos. Eles são encontrados nos meristemas das plantas, tanto nas raízes quanto nos caules. Eles também estão em embriões e outros tecidos jovens.

São estruturas pequenas, com um ou dois micrômetros de comprimento e não contêm pigmento.Eles possuem a membrana tilacóide e seus próprios ribossomos. Nas sementes, os proplastídeos contêm grãos de amido, sendo uma importante fonte de reserva para o embrião.

O número de proplastídeos por célula é variável, e entre 10 e 20 dessas estruturas podem ser encontradas.

A distribuição dos proplastídeos no processo de divisão celular é indispensável para o bom funcionamento dos meristemas ou de um órgão específico. Quando ocorre uma segregação desigual e uma célula não recebe plastídeos, ela é destinada à morte rápida.

Portanto, a estratégia para garantir a divisão equitativa de plastídeos em células filhas deve ser distribuída homogeneamente no citoplasma celular .

Da mesma forma, os proplastides devem ser herdados pelos descendentes e estão presentes na formação dos gametas.

Cloroplastos

Os cloroplastos são os plastídeos mais proeminentes e conspícuos das células vegetais. Sua forma é oval ou esferoidal e o número normalmente varia entre 10 e 100 cloroplastos por célula, embora possa chegar a 200.

Eles medem 5 a 10 µm de comprimento e 2 a 5 µm de largura. Eles estão localizados principalmente nas folhas das plantas, embora possam estar presentes em caules, pecíolos, pétalas imaturas, entre outros.

Os cloroplastos se desenvolvem em estruturas vegetais que não são subterrâneas, a partir de proplastídeos. A mudança mais notável é a produção de pigmentos, para assumir a característica cor verde dessa organela.

Como os outros plastídeos, eles são cercados por uma membrana dupla e, no interior, possuem um terceiro sistema membranoso, os tilacóides, embutidos no estroma.

Tilacoides são estruturas em forma de discos empilhados em grãos. Dessa forma, o cloroplasto pode ser dividido estruturalmente em três compartimentos: espaço entre as membranas, estroma e lúmen do tilacóide.

Como nas mitocôndrias, a herança dos cloroplastos de pais para filhos ocorre por um dos pais (uniparental) e eles têm seu próprio material genético.

Funções

Nos cloroplastos, ocorre o processo fotossintético, que permite às plantas capturar a luz proveniente do sol e convertê-la em moléculas orgânicas. De fato, os cloroplastos são os únicos plastídeos com habilidades fotossintéticas.

Esse processo começa nas membranas dos tilacóides com a fase leve, na qual os complexos enzimáticos e as proteínas necessárias para o processo estão ancorados. O estágio final da fotossíntese, ou fase escura, ocorre no estroma.

Amiloplastos

Os amiloplastos são especializados no armazenamento de grãos de amido. Eles são encontrados principalmente em tecidos de reserva de plantas, como o endosperma em sementes e tubérculos.

A maioria dos amiloplastos é formada diretamente a partir de um protoplasdium durante o desenvolvimento do organismo. Experimentalmente, a formação de amiloplastos foi alcançada substituindo a fitohormona auxina por citocininas, causando a redução da divisão celular e induzindo o acúmulo de amido.

Esses plastídeos são reservatórios de uma grande variedade de enzimas, semelhantes aos cloroplastos, embora não possuam clorofila e máquinas fotossintéticas.

Percepção de gravidade

Os amiloplastos estão relacionados à resposta à sensação de gravidade. Nas raízes, a sensação de gravidade é percebida pelas células da columela.

Nesta estrutura estão os estatólitos, que são amiloplastos especializados. Essas organelas estão localizadas na parte inferior das células da columela, indicando a sensação de gravidade.

Relacionado:  Atenção focada: características, teorias, testes e atividades

A posição dos estatólitos desencadeia uma série de sinais que implicam a redistribuição do hormônio auxina, causando o crescimento da estrutura em favor da gravidade.

Grânulos de amido

O amido é um polímero insolúvel semicristalino formado por unidades repetidas de glicose, produzindo dois tipos de moléculas, amilopeptina e amilose.

A amilopeptina tem uma estrutura ramificada, enquanto a amilose é um polímero linear e se acumula na maioria dos casos em uma proporção de 70% de amilopeptina e 30% de amilose.

Os grânulos de amido têm uma estrutura bastante organizada, relacionada às cadeias de amilopeptina.

Nos amiloplastos estudados a partir do endosperma do cereal, os grânulos variam em diâmetro de 1 a 100 µm e podem ser distinguidos entre grânulos grandes e pequenos que geralmente são sintetizados em diferentes amiloplastos.

Cromoplastos

Os cromoplastos são plastídeos muito heterogêneos que armazenam diferentes pigmentos em flores, frutas e outras estruturas pigmentadas. Existem também certos vacúolos nas células que podem armazenar pigmentos.

Nas angiospermas é necessário haver algum mecanismo para atrair os animais responsáveis ​​pela polinização; Por esse motivo, a seleção natural favorece o acúmulo de pigmentos brilhantes e atraentes em algumas estruturas vegetais.

Geralmente, os cromoplastos se desenvolvem a partir de cloroplastos durante o processo de amadurecimento da fruta, onde a fruta verde adquire uma cor característica ao longo do tempo. Por exemplo, os tomates imaturos são verdes e, quando maduros, ficam vermelhos brilhantes.

Os principais pigmentos que se acumulam nos cromoplastos são os carotenóides, que são variáveis ​​e podem ter cores diferentes. Os carotenos são alaranjados, o licopeno é vermelho e a zeaxantina e a violaxantina são amarelas.

A coloração final das estruturas é definida pelas combinações dos referidos pigmentos.

Oleoplastos

Os plastídeos também são capazes de armazenar moléculas de natureza lipídica ou protéica. Os oleoplastos são adequados para armazenar lipídios em corpos especiais chamados plastoglobos.

As antenas florais são encontradas e seu conteúdo é liberado na parede de grãos de pólen. Eles também são muito comuns em certas espécies de cactos.

Além disso, os oleoplastos têm diferentes proteínas, como fibrilina e enzimas relacionadas ao metabolismo dos isoprenoides.

Leucoplastos

Leucoplastos são plastídeos desprovidos de pigmentos. Seguindo essa definição, amiloplastos, oleoplastos e proteinoplastos podem ser classificados como variantes de leucoplastos.

Os leucoplastos são encontrados na maioria dos tecidos vegetais. Eles não têm uma membrana tilacóide conspícua e possuem poucos plasmócitos.

Eles têm funções metabólicas nas raízes, onde acumulam quantidades significativas de amido.

Gerontoplast

Quando a planta envelhece, ocorre uma conversão de cloroplastos em gerontoplastos. Durante o processo de senescência, a membrana do tilacoide se decompõe, os plastoglobos se acumulam e a clorofila se degrada.

Etioplastos

Quando as plantas crescem em condições de pouca luz, os cloroplastos não se desenvolvem adequadamente e o plastídio formado é chamado etioplasto.

Os etioplastos contêm grãos de amido e não possuem a membrana tilacóide amplamente desenvolvida como nos cloroplastos maduros. Se as condições mudarem e houver luz suficiente, os etioplastos podem se desenvolver nos cloroplastos.

Referências

  1. Biswal, UC, & Raval, MK (2003). Biogênese de cloroplastos: do proplastídeo ao gerontoplasto . Springer Science & Business Media.
  2. Cooper, GM (2000). A célula: uma abordagem molecular. 2ª edição . Sunderland (MA): Sinauer Associates. Cloroplastos e Outros Plastídeos. Disponível em: ncbi.nlm.nih.gov
  3. Gould, SB, Waller, RF e McFadden, GI (2008). Evolução plastídica. Revisão anual de biologia vegetal , 59, 491-517.
  4. Lopez – Juiz, E. & Pyke, KA (2004). Liberação de plastídeos: seu desenvolvimento e sua integração no desenvolvimento da planta. Jornal Internacional de Biologia do Desenvolvimento , 49 (5–6), 557-577.
  5. Pyke, K. (2009). Biologia plastídica . Cambridge University Press.
  6. Pyke, K. (2010). Divisão Plastid Plantas AoB , plq016.
  7. Sábio, RR (2007). A diversidade da forma e função plastídicas. In A estrutura e função dos plastídios (pp. 3-26). Springer, Dordrecht.

Deixe um comentário