Plexos coróides: anatomia, funções e patologias

Os plexos coróides são estruturas localizadas no interior dos ventrículos cerebrais, responsáveis pela produção do líquido cefalorraquidiano, que envolve e protege o sistema nervoso central. Além disso, essas estruturas desempenham um papel importante na manutenção do ambiente químico do cérebro, fornecendo nutrientes e removendo resíduos metabólicos.

No entanto, os plexos coróides também estão sujeitos a diversas patologias, como inflamações, infecções e tumores, que podem comprometer suas funções e causar problemas de saúde. Portanto, é fundamental compreender a anatomia e as funções dos plexos coróides para prevenir e tratar possíveis complicações relacionadas a essas estruturas.

Importância do plexo coróide na produção e circulação do líquido cefalorraquidiano.

O plexo coróide é uma estrutura localizada nos ventrículos cerebrais e no espaço subaracnóideo da medula espinhal. Sua principal função é a produção e circulação do líquido cefalorraquidiano, essencial para o correto funcionamento do sistema nervoso central.

O líquido cefalorraquidiano é responsável por fornecer nutrientes e oxigênio para o cérebro e a medula espinhal, além de atuar na remoção de resíduos metabólicos e no controle da pressão intracraniana. O plexo coróide é o principal local de produção desse líquido, através da secreção ativa de substâncias pelos seus capilares.

Além disso, o plexo coróide também é responsável pela regulação do volume e da pressão do líquido cefalorraquidiano, garantindo um ambiente adequado para o funcionamento do sistema nervoso central. Qualquer alteração nesse processo pode levar a distúrbios neurológicos graves, como hidrocefalia.

Por isso, é importante compreender a anatomia e as funções dessa estrutura para prevenir e tratar possíveis patologias relacionadas.

O que é o plexo coróide: estrutura responsável pela produção do líquor no cérebro.

O plexo coróide é uma estrutura localizada nos ventrículos cerebrais e responsável pela produção do líquor, também conhecido como fluido cerebroespinhal. Ele é formado por um tecido epitelial vascularizado que produz e secreta o líquor, que por sua vez atua na proteção e nutrição do sistema nervoso central.

Além de sua função na produção do líquor, o plexo coróide também desempenha um papel importante na regulação do ambiente químico do cérebro, removendo resíduos e toxinas do sistema nervoso central. Sua estrutura complexa é essencial para manter o equilíbrio adequado de substâncias no cérebro.

Existem várias condições patológicas que podem afetar o plexo coróide, como a inflamação (plexite coroide), infecções e tumores. Essas condições podem interferir na produção e circulação do líquor, levando a complicações graves no sistema nervoso central.

Relacionado:  associação córtex (cérebro) tipos, partes e funções

Localização dos plexos coróides no sistema nervoso central: uma explicação concisa.

Os plexos coróides são estruturas encontradas no sistema nervoso central, responsáveis pela produção do líquido cefalorraquidiano, que preenche e protege o cérebro e a medula espinhal. Eles estão localizados nos ventrículos cerebrais, que são cavidades no interior do cérebro. Os principais plexos coróides estão no terceiro e quarto ventrículos, bem como no ventrículo lateral, e são compostos por um tecido vascularizado revestido por células epiteliais especializadas.

Essas estruturas desempenham um papel crucial na regulação do ambiente cerebral, mantendo a pressão intracraniana e o equilíbrio dos fluidos. Além disso, os plexos coróides são importantes na remoção de resíduos metabólicos e na proteção do sistema nervoso central contra agentes patogênicos.

Em condições normais, os plexos coróides desempenham suas funções de forma eficiente. No entanto, em casos de patologias como a meningite ou tumores cerebrais, essas estruturas podem ser afetadas, levando a um desequilíbrio na produção de líquido cefalorraquidiano e consequentes complicações para o organismo.

Origem da produção do plexo coróide: células ependimárias especializadas no cérebro.

O plexo coróide é uma estrutura encontrada nos ventrículos cerebrais e no canal central da medula espinhal. Ele é responsável pela produção do líquido cefalorraquidiano, que atua na proteção e nutrição do sistema nervoso central. A origem da produção do plexo coróide está associada às células ependimárias, que são células especializadas encontradas no cérebro.

Essas células ependimárias possuem cílios que ajudam no movimento do líquido cefalorraquidiano através dos ventrículos cerebrais. Além disso, essas células são responsáveis pela secreção ativa de substâncias que compõem o líquido cefalorraquidiano, como íons, proteínas e glicose.

Porém, em algumas situações, as células ependimárias podem sofrer alterações que levam a disfunções no plexo coróide. Isso pode resultar em condições como a hidrocefalia, que é o acúmulo anormal de líquido cefalorraquidiano nos ventrículos cerebrais. Outras patologias podem estar relacionadas a disfunções no plexo coróide, destacando a importância dessa estrutura para o funcionamento adequado do sistema nervoso central.

Plexos coróides: anatomia, funções e patologias

Plexos coróides: anatomia, funções e patologias 1

O líquido cefalorraquidiano é crítico para a operação e a higiene do sistema nervoso central, especialmente o cérebro. Esta substância é produzida nas quatro estruturas que conhecemos como “plexos coróides”, localizados nos ventrículos cerebrais .

Neste artigo, descreveremos a anatomia e as principais funções do plexo coróide . Mencionaremos também as patologias mais frequentemente associadas a essas regiões do sistema nervoso central.

Anatomia do plexo coróide

Os plexos coróides estão localizados no sistema ventricular do cérebro; Há um plexo em cada um dos quatro ventrículos. Seu núcleo é constituído por tecido conjuntivo, capilares e células linfóides e é circundado por uma camada de células epiteliais. A produção de líquido cefalorraquidiano , a principal função do plexo coróide, depende do epitélio .

Além disso, essa estrutura separa e conecta o sistema nervoso central e o sistema circulatório, o que explica o envolvimento dos plexos coróides no transporte de nutrientes e hormônios para o cérebro e na eliminação de substâncias residuais.

Os ventrículos são quatro cavidades cerebrais interconectadas. Após ser gerado nos plexos coróides, encontrados em praticamente todas as regiões do sistema ventricular, o líquido cefalorraquidiano circula pelo cérebro através dos ventrículos até atingir a medula espinhal .

Funções desta estrutura

O número de funções atribuídas aos plexos coróides aumentou nos últimos anos; Foi descoberto que eles não são apenas relevantes por sua capacidade de produzir líquido cefalorraquidiano e proteger os neurônios, mas também desempenham papéis adicionais que podem levar a benefícios terapêuticos quando a pesquisa avançar no futuro.

1. Produção de líquido cefalorraquidiano

O líquido cefalorraquidiano desempenha diferentes funções-chave no sistema nervoso central: amortece os golpes recebidos pelo cérebro e permite manter sua densidade, participa de defesas imunológicas, regula a homeostase (equilíbrio extracelular) e ajuda a eliminar as substâncias residuais do cérebro.

2. Formação da barreira hematoencefálica

O tecido epitelial do plexo coróide compõe uma parte da barreira hematoencefálica, que separa o sangue e o fluido extracelular do sistema nervoso central, mas permite a troca de nutrientes e resíduos. Ele também tem uma função defensiva, impedindo a entrada de certas toxinas.

3. Manutenção da homeostase extracelular

O equilíbrio extracelular do cérebro e da medula espinhal é mantido em parte graças aos plexos coróides, que modulam a interação entre o sistema nervoso central e o sistema imunológico.

4. Regeneração de tecidos e neurônios

Os plexos coróides secretam compostos neuroprotetores que favorecem a cicatrização de danos neuronais; Este efeito tem sido relacionado principalmente a lesões traumáticas. Além disso, nessas estruturas, um certo grau de neurogênese (produção de novos neurônios a partir de células progenitoras) foi detectado mesmo na idade adulta.

Relacionado:  Neurotransmissores e neuromoduladores: como eles funcionam?

5. Desintoxicação do cérebro

Os plexos coróides contribuem para a desintoxicação do cérebro de duas maneiras: por um lado, o líquido cefalorraquidiano que produzem cumpre essa função; por outro, sua conexão com o sistema circulatório facilita a transferência de substâncias residuais para o sangue, permitindo sua eliminação.

6. Outras funções

Além dos processos que descrevemos, o papel do plexo coróide em outras funções começou a ser investigado nos últimos anos:

, a produção de polipeptídeos que nutrem os neurônios, a transferência de informações para o sistema nervoso simpático …

Patologias do plexo coróide

Como os plexos coróides, e em particular o líquido cefalorraquidiano que eles produzem, cumprem funções fundamentais para o organismo, alterações na anatomia e na funcionalidade dessas estruturas podem favorecer o aparecimento de várias patologias.

Há também um grande número de fatores que ocasionalmente causam alterações nos plexos coróides. A relação dessas estruturas com a doença de Alzheimer , derrames e lesões na cabeça é especialmente relevante.

Em pessoas com doença de Alzheimer, há atrofia nas células ependimárias do plexo coróide; Isso reduz a produção de líquido cefalorraquidiano, aumenta o estresse oxidativo e acumula toxinas no cérebro em maior extensão.

Por outro lado, e embora freqüentemente não tenha sérias conseqüências, o aparecimento de cistos no plexo coróide durante o desenvolvimento fetal pode causar tumores e tem sido associado a aneuploidias (alterações no número de cromossomos das células), como a síndrome de Edwards , que é mortal para a maioria dos bebês.

Referências bibliográficas:

  • Borlongan, CV, Skinner, SJM, Vasconcellos, A., Elliott, RB & Emerich, DF (2007). O plexo coróide: uma nova fonte de enxerto para transplante neural. Em Davis, CD e Sanberg, PR (Eds.), “Cell Therapy, Stem Cells and Brain Repair”. Nova York: Humana Press.
  • Emerich, DF, Vasconvellos, A., Elliott, RB, Skinner, SJM e Borlongan, CV (2004). O plexo coróide: Função, patologia e potencial terapêutico do seu transplante. Opinião de Especialista em Terapia Biológica, 4 (8): 1191-201.
  • Straziel, N. & Ghersi-Egea, JF (2000). Plexo coróide no sistema nervoso central: biologia e fisiopatologia. Journal of Neuropathology and Experimental Neurology, 59 (7): 561-74.

Deixe um comentário