Poder de compra: teoria da paridade, perda, ganho

O poder de compra é um conceito fundamental na economia que se refere à capacidade dos consumidores de adquirir bens e serviços com sua renda disponível. A teoria da paridade do poder de compra sugere que, em condições ideais de mercado, o mesmo produto deve ter o mesmo preço em diferentes países quando expresso em uma moeda comum. No entanto, na prática, várias variáveis, como taxas de câmbio, inflação e custos de produção, podem influenciar a paridade do poder de compra. A perda ou ganho de poder de compra de uma moeda em relação a outra pode afetar significativamente o comércio internacional e as decisões de investimento. Neste contexto, é importante entender como esses fatores afetam o poder de compra e as consequências para a economia global.

Entendendo a paridade do poder de compra: conceito essencial para economia mundial.

Entender a paridade do poder de compra é essencial para compreender a dinâmica da economia mundial. Esse conceito fundamental na teoria econômica busca determinar o valor relativo das moedas de diferentes países com base no preço de um conjunto de bens e serviços equivalentes. A ideia por trás da paridade do poder de compra é que, em condições ideais, uma determinada quantia de dinheiro deve ser capaz de comprar a mesma quantidade de bens em qualquer país.

Quando a paridade do poder de compra é respeitada, significa que não há oportunidades de arbitragem para traders internacionais, pois não conseguem lucrar com a diferença de preços entre os países. Por outro lado, quando ocorrem desvios da paridade do poder de compra, surgem oportunidades de lucro com a compra de moeda barata e a venda de moeda cara.

Um dos principais indicadores utilizados para avaliar a paridade do poder de compra é o Índice Big Mac, que compara o preço do famoso sanduíche em diferentes países. Se o valor do Big Mac for significativamente diferente em duas nações, isso pode indicar que a moeda de um dos países está supervalorizada ou subvalorizada em relação à outra.

Portanto, a compreensão da paridade do poder de compra é essencial para investidores, empresários e governos que desejam entender as tendências econômicas globais e tomar decisões informadas sobre exportações, importações e investimentos internacionais.

Entenda o que significa a perda do poder de compra e suas consequências econômicas.

Entender o que significa a perda do poder de compra é fundamental para compreender as consequências econômicas que isso pode acarretar. Quando falamos em poder de compra, nos referimos à capacidade que um indivíduo possui de adquirir bens e serviços com o seu dinheiro.

A perda do poder de compra ocorre quando os preços dos produtos e serviços aumentam em um ritmo mais acelerado do que a renda das pessoas. Isso significa que, mesmo ganhando a mesma quantidade de dinheiro, o consumidor consegue comprar menos do que anteriormente.

As consequências econômicas da perda do poder de compra são diversas. Em primeiro lugar, a inflação pode aumentar, pois a demanda por produtos e serviços diminui e, consequentemente, os preços são elevados para compensar essa redução. Além disso, a queda no poder de compra pode levar as empresas a reduzirem seus investimentos e a desacelerarem o crescimento econômico.

Portanto, é importante que as políticas econômicas estejam alinhadas para evitar a perda do poder de compra da população. Medidas como controle da inflação, aumento do salário mínimo e estímulo ao consumo podem contribuir para manter o equilíbrio econômico e garantir que as pessoas possam adquirir os bens e serviços necessários para sua qualidade de vida.

A queda do poder de compra: entenda os motivos por trás dessa perda econômica.

O poder de compra é uma medida essencial para avaliar o impacto da inflação na economia de um país. Quando o poder de compra de uma moeda diminui, os consumidores podem comprar menos bens e serviços com a mesma quantidade de dinheiro. Isso pode ser causado por diversos fatores, como aumento dos preços, desvalorização da moeda, entre outros.

Um dos principais conceitos relacionados ao poder de compra é a teoria da paridade do poder de compra. Segundo essa teoria, no longo prazo, as taxas de câmbio entre duas moedas devem equilibrar o poder de compra de ambas, de modo que um determinado produto tenha o mesmo preço em diferentes países quando convertido para uma moeda comum.

Entretanto, na prática, o poder de compra pode ser afetado por diversos fatores, levando a uma perda significativa para os consumidores. A inflação, por exemplo, é um dos principais vilões nesse cenário, pois quando os preços sobem, o poder de compra da moeda diminui. Além disso, a desvalorização da moeda em relação a outras moedas estrangeiras também pode contribuir para a queda do poder de compra.

Outro aspecto a se considerar é a renda do consumidor. Se os salários não acompanharem o aumento dos preços, os consumidores terão menos poder de compra, mesmo que a inflação seja baixa. Isso pode levar a uma redução do padrão de vida e a uma menor capacidade de consumo.

Em resumo, a queda do poder de compra pode ter diversos motivos, desde o aumento dos preços até a desvalorização da moeda. É importante estar atento a esses fatores para garantir que o poder de compra não seja erodido e que os consumidores possam manter seu padrão de vida.

Descubra como medir a perda do poder de compra da moeda ao longo do tempo.

O poder de compra de uma moeda é a capacidade que ela tem de adquirir bens e serviços em determinado momento. Com o passar do tempo, é comum que ocorra uma perda desse poder, devido à inflação e outros fatores econômicos. Para medir essa perda, é necessário utilizar a teoria da paridade do poder de compra.

Relacionado:  Contagem rigorosa: características, usos e exemplos

A teoria da paridade do poder de compra afirma que, em condições ideais, uma unidade de moeda deve ter o mesmo valor em diferentes países quando convertida em uma cesta de bens e serviços. Ou seja, se um produto custa $10 nos Estados Unidos e €8 na Europa, a taxa de câmbio ideal seria de 1.25 (10/8).

Para medir a perda do poder de compra ao longo do tempo, é preciso comparar o valor de uma moeda em relação a uma cesta de bens e serviços em períodos diferentes. Por exemplo, se em 2020 um produto custava R$50 e em 2021 passou a custar R$55, houve uma perda de poder de compra da moeda de 10% durante esse período.

Essa perda pode ser calculada utilizando o índice de preços ao consumidor (IPC), que mede a variação dos preços de uma cesta de produtos e serviços em um determinado período. Com base nesse índice, é possível calcular a taxa de inflação e, consequentemente, a perda do poder de compra da moeda.

Portanto, para entender como medir a perda do poder de compra da moeda ao longo do tempo, é fundamental utilizar a teoria da paridade do poder de compra e acompanhar a variação dos preços por meio do índice de preços ao consumidor. Dessa forma, é possível avaliar o impacto da inflação e outros fatores na economia e tomar decisões financeiras mais assertivas.

Poder de compra: teoria da paridade, perda, ganho

O poder de compra é o valor de uma moeda, que se manifesta de acordo com a quantidade de serviços e produtos que podem ser comprados com a unidade monetária. A moeda pode ser um capital de commodities, como ouro ou prata, ou dinheiro fiduciário emitido por agências autenticadas pelo governo.

É importante conhecer esse valor, pois, em igualdade de condições, a inflação reduz a quantidade de serviços ou produtos que poderiam ser comprados com a mesma quantidade de dinheiro.

Poder de compra: teoria da paridade, perda, ganho 1

Fonte: picryl.com

Por exemplo, se alguém tivesse levado uma unidade monetária para uma loja na década de 1950, seria possível comprar uma quantidade maior de itens do que seria hoje, indicando que a moeda tinha maior poder de compra em década de 1950

Tradicionalmente, o poder de compra do dinheiro dependia fortemente do valor local do ouro e da prata, mas também estava sujeito à disponibilidade e demanda de determinados produtos no mercado.

Poder do dinheiro e inflação

A maioria das moedas fiduciárias modernas, como o dólar americano, é negociada entre si e com dinheiro proveniente de matérias-primas no mercado secundário, a fim de realizar transferências internacionais de pagamentos por serviços e bens.

Como apontou Adam Smith, ter dinheiro dá a alguém a capacidade de “comandar” o trabalho de outras pessoas. Portanto, em certa medida, o poder de compra deve ter poder sobre outras pessoas, a ponto de elas estarem dispostas a trocar seus trabalhos ou produtos por dinheiro.

Se a renda monetária de uma pessoa permanecer a mesma, mas o nível de preços aumentar, o poder de compra dessa renda diminuirá. A inflação nem sempre implica uma queda no poder de compra da renda monetária, uma vez que esta pode aumentar mais rapidamente do que o nível de preços.

Uma renda real mais alta significa ter maior poder de compra, pois a renda real se refere à renda ajustada pela inflação.

Teoria da paridade do poder de compra

A paridade do poder de compra (PPP) é um indicador da análise macroeconômica para comparar a produtividade econômica e os padrões de vida entre diferentes países, comparando as moedas por meio de uma abordagem de “cesta de produtos”.

Segundo essa teoria, duas moedas estão em pé de igualdade quando uma cesta de produtos tem o mesmo preço nos dois países, levando em consideração as taxas de câmbio, para combinar a troca com o poder de compra de cada moeda.

A taxa de câmbio do poder de compra utilizado nessa conversão é igual à razão entre os respectivos poderes de compra das moedas, correspondentes aos seus níveis de preços.

Essa taxa de câmbio é tal que, por exemplo, custaria exatamente a mesma quantia de dólares para comprar euros e depois comprar uma cesta de produtos no mercado, como comprar os mesmos produtos diretamente com dólares.

Assim, a mesma quantidade de mercadorias pode ser comprada em qualquer moeda, com a mesma quantidade de fundos iniciais.

-Produto interno bruto (PIB) e PPP

A teoria do PPA pressupõe que uma queda no poder de compra de qualquer uma das moedas devido a um aumento no seu nível de preços levaria a uma redução proporcional na avaliação dessa moeda no mercado de moedas.

Como as taxas de câmbio do mercado flutuam substancialmente, quando o PIB de um país medido em sua própria moeda é convertido para a moeda de outro país usando taxas de câmbio de mercado, pode-se deduzir que um país tem um PIB real mais alto do que o outro país em um ano, mas menor no outro.

Relacionado:  Taxa de retorno: como é calculado e exemplos

No entanto, se o PIB de um país for convertido para a moeda do outro país usando as taxas de câmbio PPP em vez das taxas de câmbio observadas no mercado, uma inferência falsa não ocorrerá.

Essencialmente, o PIB medido nos controles de PPP para diferentes custos de vida e níveis de preços, permite uma estimativa mais precisa do nível de produção de uma nação.

Exemplo

Para entender melhor como o PIB funciona combinado com a paridade do poder de compra, suponha que comprar uma camisa custe US $ 10 nos EUA e custa 8 euros para comprar uma camisa idêntica na Alemanha.

Para fazer uma comparação entre pares, você deve primeiro converter os € 8 em dólares americanos. Se a taxa de câmbio fosse tal que a camisa, na Alemanha, custaria US $ 15, e o PPA seria 15/10, ou 1,5.

Ou seja, para cada dólar gasto em uma camisa nos EUA, seriam necessários US $ 1,5 para obter a mesma camisa na Alemanha ao comprá-la com o euro.

Perda de poder de compra: causas

A perda de poder de compra é uma diminuição na quantidade de bens que os consumidores podem adquirir com seu dinheiro. Os consumidores perdem o poder de compra quando os preços aumentam e sua renda não aumenta na mesma proporção ou permanece a mesma.

Entre as causas da redução do poder de compra estão inflação, regulamentação governamental e desastres humanos ou naturais.

Um indicador oficial do poder de compra é o índice de preços ao consumidor. Serve para mostrar como os preços dos serviços e produtos de consumo mudam com o tempo.

Amostras históricas de inflação e hiperinflação severas, ou a ruína do poder de compra de uma moeda, confirmaram que existem várias causas desse fenômeno.

Hoje, os efeitos da perda de poder de compra continuam sendo sentidos após a crise financeira global de 2008 e a crise da dívida soberana na Europa.

Alemanha e a Primeira Guerra Mundial

As guerras, muitas vezes caras e devastadoras, podem causar o colapso da economia, principalmente para o país perdedor, assim como aconteceu com a Alemanha durante a Primeira Guerra Mundial.

Devido a essa guerra, a Alemanha experimentou durante a década de 1920 uma hiperinflação sem antecedentes e dificuldades econômicas extremas, parcialmente causadas devido à enorme quantidade de compensação que este país foi obrigado a pagar.

Incapaz de pagar essas indenizações com a suspeita estrutura alemã, a Alemanha imprimiu notas em papel para comprar moedas estrangeiras, resultando em altas taxas de inflação que fizeram com que a estrutura alemã não tivesse valor, com um poder de compra inexistente.

Ganho de poder de compra: causas

O ganho de poder de compra é um aumento na quantidade de bens que os consumidores podem obter com seu dinheiro.

O consumidor ganha poder de compra quando os preços diminuem ou a renda dos consumidores aumenta em uma proporção maior que os preços.

As principais causas do ganho de poder de compra incluem maior produtividade, inovação tecnológica e deflação.

Como exemplo de ganho de poder de compra, se há dois anos os laptops custam US $ 1.000 e hoje custam US $ 500, os consumidores perceberão automaticamente um aumento no seu poder de compra.

Se não houver inflação, os US $ 1.000 agora podem comprar não apenas um laptop, mas também podem comprar US $ 500 adicionais em outros produtos.

Países com maior poder de compra (exemplos)

O PIB de uma nação às taxas de câmbio da paridade do poder de compra é a soma do valor de todos os produtos e serviços produzidos no país, avaliados pelos preços prevalecentes nos Estados Unidos no ano subscrito.

Essa é a medida que os economistas preferem ao considerar o bem-estar per capita e ao comparar condições de vida, poder de compra ou uso de recursos em diferentes países.

De acordo com dados de 2017 do Fundo Monetário Internacional, com base no PPP, a China tem a maior economia do mundo atualmente.

Poder de compra: teoria da paridade, perda, ganho 2

– Poder de compra interno

A empresa britânica Lottoland analisou o poder de compra de diferentes moedas em seus respectivos países e a quantidade relacionada de bens ou serviços que podem ser obtidos em troca. A classificação demonstra o poder de compra de cada país.

Arábia Saudita

Será obtido mais com o rial saudita do que com qualquer outra moeda do mundo. A Arábia Saudita é um país muito rico, graças às suas grandes reservas de recursos naturais.

Fora das principais cidades, o custo de vida é relativamente baixo, o que permite obter mais pelo dinheiro.

Suíça

Em relação à Europa, não há maior poder de compra do que na Suíça. Os suíços usam o franco suíço e não são membros da União Europeia.

No início de 2017, o franco e o dólar americano tinham aproximadamente o mesmo valor.

Belize

Possui o terceiro maior poder de compra do mundo. É provável que isso tenha muito a ver com o baixo custo de vida do pequeno país da América Central, permitindo a compra de muitos serviços e produtos a preços relativamente baratos. Para comparação, no início de 2017, um dólar de Belize valia cerca de US $ 0,50.

Relacionado:  Porte da empresa: classificação e características (exemplos)

Luxemburgo

É um pequeno país europeu. Luxemburgo tende a desempenhar um papel importante no mundo financeiro, além de ser conhecido por sua magnífica arquitetura medieval. Quando se trata de moeda, o Luxemburgo usa o euro.

Austrália

A moeda da Austrália é o dólar australiano. No início de 2017, um dólar australiano valia aproximadamente US $ 0,75 nos Estados Unidos.

Alemanha

Ele é membro da União Europeia e usa o euro como sua principal moeda. Na Alemanha, o euro tem um valor relativo mais alto do que em muitos outros países.

Dinamarca

É um dos poucos países da União Europeia que não usa o euro. Portanto, não está na zona do euro.

No entanto, a coroa está vinculada ao euro para determinar seu valor relativo. Atualmente, tem um valor bastante alto.

Catar

É uma pequena península que entra no Golfo Pérsico com a Arábia Saudita. Como seus vizinhos, ele se beneficiou da abundância de recursos naturais na região.

O rial do Catar é aproximadamente igual a US $ 0,25 nos Estados Unidos, mas tem maior poder de compra.

Estados Unidos

Nos Estados Unidos, supõe-se que, em todo lugar, tudo esteja centrado no dólar. Até certo ponto, isso é verdade. Um grande número de cálculos do poder de compra é baseado no valor do dólar americano. Mesmo assim, o dólar não é a moeda mais valiosa do planeta.

Poder de compra na América Latina

México

Em 2018, o poder de compra dos mexicanos caiu 2,5%. Por outro lado, de acordo com o Conselho Nacional de Avaliação da Política de Desenvolvimento Social, 41% da população possui uma renda abaixo do valor da cesta de alimentos.

Além disso, indica que o valor da cesta de alimentos aumentou 8,7% nas áreas rurais e 9% nas áreas urbanas.

Esta agência aponta as causas do aumento da inflação nos últimos meses e do declínio da renda dos mexicanos.

Devido ao controle inflacionário durante 2016, a inflação ficou abaixo de 3%. Durante 2017, a inflação aumentou e esse impacto nos preços reduziu o poder de compra de milhares de pessoas.

Colômbia

Em 2017, a inflação na Colômbia foi de 4,09%, 1,66% abaixo da registrada em 2016.

O aumento de pedágios, aluguéis, taxas de estudos e empréstimos hipotecários e contribuições para pensões será calculado com base na inflação de 2017.

Isso resulta em maior poder de compra para os colombianos, pois o salário mínimo aumentou 1,81% acima da inflação.

Argentina

Em novembro de 2018, os trabalhadores viram seu poder de compra cair 20,6%, já que no último ano os salários aumentaram apenas 27,9%, enfrentando inflação de 48,5%. O aumento de preço naquele mês atingiu 3,2%.

Venezuela

O venezuelano experimentou uma brutal contração do poder de compra, à medida que mais e mais salários ficam para trás em relação aos preços. A hiperinflação destruiu o poder de compra da população.

É relatado que o salário mínimo diminuiu de US $ 250 por mês em 1998 para apenas US $ 1 em 2018.

A comissão de finanças da Assembléia Nacional informou que a inflação em junho de 2018 chegava a 24.000% ao ano. Ou seja, um produto comprado em janeiro por Bs 1 custaria Bs 240 em dezembro. É a inflação mais alta do mundo.

A moeda perdeu seu valor mais de três vezes e, no mesmo período, os preços quase triplicaram. As consequências são observadas na perda significativa de poder de compra.

Pimentão

Em 2018, a expansão da economia chilena alcançou 4%, dobrando o ritmo em relação ao ano anterior.

Para este 2019, as perspectivas são de que o Chile volte a prosperar acima de 3%.

Segundo o Fundo Monetário Internacional, o PIB per capita chileno medido no PPP é igual a US $ 25.890, sendo o maior da América Latina. Por outro lado, o consumo do país aumentou 3,7%.

Peru

Foi o país latino-americano que teve o maior aumento no poder de compra de sua população em 2014, segundo a Latinvex.

Essa entidade baseia seus resultados nas projeções da empresa de consultoria Mercer, do Fundo Monetário Internacional e da Universidade Torcuato Di Tella.

Em 2018, o FMI estimou que a inflação do Peru chegaria a 2,5%, enquanto era esperado um aumento salarial de 5,7%, proporcionando um aumento de 3,2% no poder de compra.

Referências

  1. Wikipedia, a enciclopédia livre (2019). Poder de compra Retirado de: en.wikipedia.org.
  2. Wikipedia, a enciclopédia livre (2019). Paridade do poder de compra. Retirado de: en.wikipedia.org.
  3. Will Kenton (2018). Poder de compra Investopedia. Retirado de: investopedia.com.
  4. Lottoland (2017). O valor do dinheiro. Retirado de: lottoland.co.uk.
  5. José Curiel (2018). O poder de compra do venezuelano se contraiu brutalmente. O Novo País Retirado de: elnuevopais.net.
  6. Sonia Corona (2018). O poder de compra dos mexicanos cai 2,5% no ano passado. O país. Retirado de: elpais.com.
  7. Andrés García (2018). Maior poder de compra dos colombianos: em 2017, a inflação ficou em 4,09%. Eu gosto da colômbia Retirado de: colombiamegusta.com.
  8. Notícias do Sputnik (2019). A perda de poder de compra na Argentina foi de 20,6%. Retirado de: mundo.sputniknews.com.
  9. Tomás Pablo R. (2019). O Chile é um dos sete países da OCDE que mais cresceu em 2018. The Economist America. Retirado de: eleconomistaamerica.com.
  10. América Economía (2013). O Peru lidera o aumento do poder de compra na América Latina. Retirado de: americaeconomia.com.

Deixe um comentário