Poluição física: características, exemplos

A contaminação física é a presença no ambiente de qualquer matéria ou energia para afetar a qualidade funcional. A poluição física ocorre tanto na forma de matéria quanto na energia contaminante.

Entre os poluentes físicos estão lixo, ruído, iluminação artificial, fontes artificiais de calor e radiação eletromagnética. Desses, todos os dispositivos eletrônicos estão incluídos, desde um telefone celular até uma estação de radar.

Poluição física: características, exemplos 1

Poluição de resíduos sólidos. Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:WasteFinalDeposited.jpg

Existem vários tipos de poluição física, como poluição de resíduos sólidos e contaminação de esgotos e sedimentos em canais e represas. Também a poluição do ar por partículas materiais, acústicas, térmicas, luminosas e eletromagnéticas.

Um exemplo do impacto da poluição física em termos de desperdício de material na natureza são os plásticos nos oceanos. Esses resíduos causam a morte de muitos organismos, seja porque eles os imobilizam ou porque são sufocados quando ingeridos.

Outro exemplo, neste caso de poluição física como efeito de energia, é o impacto da poluição sonora nas aves selvagens. Especificamente, o ruído do tráfego mascarando as bordas do acasalamento ou as chamadas de alarme em aves selvagens.

Caracteristicas

– Definição

Toda poluição tem uma dimensão física, pois se refere à matéria, energia, espaço-tempo e suas interações. De qualquer forma, existem critérios para diferenciar a poluição física dos outros dois tipos gerais de poluição, como biológica e química.

Diferenças com contaminação biológica e química

Ao contrário da poluição biológica, a física é o produto de agentes inertes e não-vivos. Por outro lado, esses poluentes não alteram a composição molecular do meio em que atuam diferentemente dos contaminantes químicos.

– Poluentes físicos

Um primeiro tipo de poluentes físicos são os resíduos gerados pelos seres humanos. Entre eles está tudo o que é popularmente conhecido como lixo, que por sua vez pode ser classificado em vários tipos.

Esses tipos são determinados por sua natureza como resíduos orgânicos e inorgânicos. Dentro deste último, você pode falar sobre lixo eletrônico, detritos, plásticos e outros.

Também estão incluídas partículas inertes no esgoto e partículas de material emitidas na atmosfera.

Outros poluentes são as energias que afetam o meio ambiente, causando ruído e vibração, radiação (ionizante e não ionizante) e mudanças de temperatura.

– Formas de ação de poluentes físicos

Matéria

Uma maneira pela qual a contaminação física ocorre é através da inclusão no ambiente de elementos materiais. Por exemplo, a contaminação por resíduos sólidos ou lixo, esgoto e gases expelidos para o meio ambiente são contaminantes materiais.

Energia

Da mesma forma, a poluição física pode ocorrer devido a alterações ambientais devido à ação das energias sobre o assunto atual. Assim, o ruído é uma vibração molecular do ar causada por uma energia emitida para o meio ambiente.

A energia calórica envolvida na poluição térmica também implica a vibração atômica dos corpos materiais. Do mesmo modo, ocorre com a radiação eletromagnética, exceto que, neste caso, se espalha mesmo no vácuo.

– Tipos de poluição física e seus efeitos

Poluição de Resíduos Sólidos

Inclui todos os tipos de materiais, equipamentos ou partes destes que deixam de ser funcionais e são descartados. Se não forem processados ​​adequadamente porque são reciclados, reutilizados ou descartados adequadamente, tornam-se contaminantes.

Um exemplo é o depósito de lixo ou, em geral, o acúmulo de lixo em que resíduos orgânicos e inorgânicos são misturados.

Poluição de esgotos e sedimentos

São resíduos líquidos ou dissolvidos no esgoto que não são biológicos ou químicos (água e partículas inertes). Também está incluído como contaminação física da água o excesso de sedimentos nos cursos d’água.

Poluição física: características, exemplos 2

Contaminação por resíduos sólidos no lago Maracaibo (Venezuela). Fonte: O fotógrafo [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Por exemplo, quando as cabeceiras dos rios são desmatadas, a erosão precipita sedimentos ao curso. Esses sedimentos podem encher barragens ou canais, gerando transbordamentos, danificando bombas de água ou dificultando a navegação.

Poluição do ar por partículas materiais

Na poluição do ar, além de gases poluentes, são suspensas partículas de material. Elas afetam fundamentalmente o sistema respiratório e podem causar danos à saúde das pessoas, de acordo com sua suscetibilidade.

Poluição física: características, exemplos 3

Poluição do ar na China. Fonte: Veja a página do autor [Domínio público]

Essas partículas vêm de diversas fontes que incluem motores de combustão, queima de carvão, incêndios, fogões ou aquecedores. Outras fontes de partículas de material em suspensão são fundições, mineração, indústria têxtil e queima de resíduos.

Contaminação acústica

A poluição sonora (sonora ou sonora) é considerada um ruído irritante ou que altera o ambiente sonoro convencionalmente aceito.

Os ruídos de poluentes abrangem várias fontes, como tráfego na cidade, máquinas, música alta, aviões, usinas de energia, explosões e outras. Em alguns casos, a determinação da poluição sonora depende da sensibilidade do receptor e das circunstâncias.

Poluição física: características, exemplos 4

Poluição sonora pela passagem de um avião em Londres. Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Qantas_b747_over_houses_arp.jpg?uselang=en#globalusage

No entanto, existem regulamentos estabelecidos com base nas informações disponíveis sobre o efeito dos níveis sonoros na saúde humana. A este respeito, a OMS considera que o limite máximo de intensidade sonora para evitar efeitos negativos é de 70 decibéis (dB).

Estima-se que a intensidade do som em um nível confortável para evitar danos à saúde seja de 55 dB. Além disso, considera-se que, para um descanso adequado durante a noite, o nível de ruído não deve ser superior a 30 dB.

A poluição sonora pode ter efeitos psicológicos e causar desconforto físico (enxaquecas, estresse, sonolência, contraturas musculares). Pode até causar problemas permanentes de audição, dependendo da intensidade do som.

Poluição térmica

Refere-se a variações de temperatura que afetam negativamente a saúde humana ou a vida em geral. Particularmente as altas temperaturas geradas em certos ambientes de trabalho, como fundições, cozinhas e incineradores.

Altas temperaturas causam exaustão devido ao estresse térmico e problemas reprodutivos em humanos, entre outras condições.

A poluição térmica nos ecossistemas aquáticos afeta o comportamento das espécies que vivem lá. A fase de reprodução dos organismos é um dos processos mais severamente afetados pelo aumento da temperatura da água.

Nos sistemas de produção animal, o estresse térmico afeta a produtividade, principalmente diminuindo as taxas de assimilação de alimentos. Nas aves, afeta as taxas de engorda e a produtividade nas posturas (ovos).

O maior problema de poluição térmica que a humanidade enfrenta hoje é o aquecimento global. Além da produção de calor antrópico, há um bloqueio da produção de radiação de calor no espaço sideral.

Esse bloqueio é produzido por partículas presentes na atmosfera que refletem a referida radiação calórica de volta à Terra.

Poluição luminosa

A poluição luminosa é a intrusão na natureza de fontes de luz artificiais, causando impactos negativos para os seres vivos. O mau uso da luz artificial causa efeitos negativos nos seres humanos e na vida selvagem.

Uma fonte de iluminação noturna altera o relógio biológico dos seres vivos, pois altera sua percepção do dia e da noite. Isso causa distúrbios do sono em humanos, o que, por sua vez, leva a problemas de exaustão e no sistema nervoso.

Nos animais selvagens, causa alterações nos padrões de comportamento e nas plantas, no fotoperíodo. Este último refere-se à duração dos ciclos de luz e escuridão que acionam mecanismos hormonais para a floração.

Contaminação por radiação eletromagnética

Poluição eletromagnética é o deslocamento ambiental das ondas produzidas pela combinação de campos elétricos e magnéticos oscilantes.

A exposição a radiação eletromagnética (ionizante) de alta energia gera efeitos graves para os seres vivos. A exposição a raios gama, raios X ou radiação ultravioleta pode causar efeitos graves nos órgãos, incluindo mutações e câncer.

Por outro lado, os efeitos da radiação eletromagnética não ionizante, ou seja, baixa energia, não estão claramente definidos. Esse tipo de radiação é causado por dispositivos eletrônicos, como aparelhos, microondas, televisões e computadores.

O sistema de telefonia móvel, sistemas de vigilância eletrônica e radares também são considerados fontes importantes de radiação eletromagnética.

Embora não exista evidência conclusiva, note-se que a poluição eletromagnética afeta a saúde. Entre os sistemas orgânicos afetados estão o sistema nervoso, o endócrino e o sistema imunológico.

No caso de animais, se os efeitos negativos foram claramente comprovados, por exemplo, a diminuição da capacidade reprodutiva nas cegonhas.

Exemplos de contaminação física

– Resíduos de plástico nos oceanos

Um dos problemas mais sérios da poluição física é o lixo plástico jogado nos oceanos. Sendo um material não biodegradável, esses resíduos duram muito tempo flutuando nas águas.

Resíduos

Esses resíduos são de natureza diferente, como sacolas, contêineres, fragmentos, arte de pesca (redes, panelas) e outros.

Seu efeito e as espécies mais afetadas

Todos esses resíduos são transformados em armadilhas flutuantes, uma vez que os animais marinhos se enredam neles. Isso limita sua mobilidade com consequências em termos de possibilidades de obtenção de alimentos.

Além disso, as tartarugas precisam vir à superfície para respirar enquanto os tubarões e os raios devem estar em movimento para que a água passe por suas brânquias.

Poluição física: características, exemplos 5

Tartaruga presa em uma rede. Fonte: Doug Helton, NOAA / NOS / ORR / ERD [Domínio público]

Há relatos de tubarões presos em plástico que envolvem cerca de 34 espécies diferentes. Há também a ingestão de peças plásticas que causam afogamentos ou problemas digestivos.

Poluição acústica e aves selvagens

Em muitas espécies de pássaros, o som é uma parte fundamental de seu comportamento, principalmente através de seus cantos. O canto do pássaro é uma maneira de marcar território, evitando os predadores e também obtendo um companheiro para reprodução.

Além disso, a fêmea é capaz de diferenciar os níveis de complexidade das músicas ao escolher um parceiro.

Suscetibilidade à poluição sonora

Nesse contexto, vários estudos demonstraram o impacto negativo que a poluição sonora exerce sobre as aves. Por exemplo, em uma floresta perto de uma rodovia, uma diminuição na diversidade de aves foi detectada perto da pista.

Os pássaros com uma música baixa, com frequências abaixo do ruído do tráfego, se afastaram da rodovia. Enquanto espécies com tons de frequências muito superiores aos do ruído do tráfego eram menos suscetíveis à poluição sonora.

Já foi demonstrado que algumas espécies podem ajustar seu tom de chamada sexual em ambientes ruidosos.

Máscara acústica

O efeito negativo da poluição sonora em aves canoras é o que é chamado de máscara acústica. Ou seja, os ruídos ambientais não permitem que o canto dos pássaros seja percebido adequadamente pelos indivíduos de suas espécies.

Um exemplo disso é a rede mosquiteira musical ( Phylloscopus trochilus ), que tem dificuldades em atrair casais perto das estradas.

No caso do carvão comum ( Parus major ), foi demonstrado que o ruído do tráfego mascara o alarme chama os predadores. Isso evita a capacidade dos mineradores de perceber esses sinais críticos e escapar do perigo.

Referências

  1. Buchiniz, YN, Torre, MG e López, HS (2010). O valor do recurso do céu – paisagem noturna e poluição luminosa. Apresentação oral Eixo temático Impacto Ambiental, Congresso Ambiental 2010, Universidade Nacional de San Juan, San Juan, Argentina.
  2. Clark, JR (1969). Poluição térmica e vida aquática. Scientific American
  3. Elías, R. (2015). Mar de plástico: uma revisão do plástico no mar. Rev. Invest. Desenvolvimento Pesq.
  4. Greenpeace. Plásticos nos oceanos. Dados, comparativos e impactos. Kit de imprensa Espanha
  5. Nordell, B. (2003). A poluição térmica causa aquecimento global. Mudança Global e Planetária.
  6. Rheindt, FE (2003). O impacto das estradas nas aves: a frequência da música desempenha um papel na determinação da suscetibilidade à poluição sonora? Jornal de Ornitologia.
  7. Templeton, CN, Zollinger, SA e Brumm, H. (2016). O barulho do trânsito abafa grandes chamadas de alarme. Biologia Atual
  8. Wantzen, KM (2006). Poluição física: efeitos da erosão de sarjeta em invertebrados bentônicos em um riacho de águas claras tropicais. Conservação Aquática: Ecossistemas Marinhos e de Água Doce.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies