Pseudomonas aeruginosa: características, morfologia, ciclo de vida, contágio

Pseudomonas aeruginosa: características, morfologia, ciclo de vida, contágio

Pseudomona aeruginosa é uma bactéria gram-negativa encontrada principalmente em água, solo úmido e em instalações hospitalares. É caracterizada por ser um dos principais patógenos oportunistas em humanos.

Foi descrita pela primeira vez pelo renomado micologista alemão Walter Emil Migula em 1894. É uma bactéria que, entre outras coisas, tem a capacidade de sintetizar alguns pigmentos, como a poverdina e a puberdade.

Essa bactéria é de extrema importância no campo da saúde, pois é responsável por um alto percentual de infecções em pacientes confinados em centros de saúde. É capaz de gerar infecções na pele, no trato respiratório e no trato urinário, entre outros.

Características de  Pseudomonas aeruginosa

Pseudomonas aeruginosa é uma bactéria classificada dentro do grupo de gram-negativos. Isso implica que, quando submetido ao processo de coloração de gram, adquire uma coloração fúcsia. É porque entre suas duas membranas lipídicas celulares eles têm uma camada de peptidoglicano. Essa camada é fina, incapaz de reter as partículas do corante Gram.

Esta bateria é aeróbica, o que significa que requer um ambiente rico em oxigênio para se desenvolver.

Também é catalase positiva. Ou seja, ele pode sintetizar a enzima catalase e, portanto, decompor o peróxido de hidrogênio em água e oxigênio. Continuando com as reações bioquímicas, Pseudomonas aeruginosa também é oxidase positiva, o que significa que sintetiza a enzima oxidase e, consequentemente, utiliza oxigênio como energia.

Pseudomonas aeruginosa tem a capacidade de oxidar alguns carboidratos, como a galactose. No entanto, não pode fermentá-los.

Em relação aos níveis de temperatura necessários para o desenvolvimento desta bactéria, ela deve estar em aproximadamente 36 ° C. No entanto, em laboratório, observou-se um desenvolvimento mesmo a 41 ° C.

Morfologia

A Pseudomonas aeruginosa é uma bactéria que não forma esporos, com um comprimento de aproximadamente 1 a 3 microns de comprimento e 0,5 a 1 um de largura.

Possui um flagelo polar que consiste em uma estrutura proteica complexa que fornece mobilidade em meios líquidos e resposta a estímulos químicos. Também permite que ele se ligue às membranas celulares.

Possui pequenos filamentos chamados pili, localizados do lado de fora. Essas estruturas são usadas para mover-se em meios semi-sólidos e, como o flagelo, aderem às superfícies.

Sua morfologia é heterogênea, geralmente suas colônias são grandes, achatadas, lisas ou com arestas em forma de serra, e podem mostrar um brilho metálico. Você também pode encontrar colônias anãs de crescimento extremamente lento, chamadas pontuais, de infecções crônicas.

Mutações que ocorrem nas colônias geram alterações genéticas e fenotípicas, e diferentes morfologias podem ser identificadas no mesmo paciente, dependendo da sua localização no corpo.

Externamente, eles formam lipopolissacarídeos e alginac, essas substâncias biologicamente ativas têm várias funções protetoras contra as bactérias, como, por exemplo, dessecação, resposta do sistema imunológico do hospedeiro e antibióticos. Eles também participam da adesão e ancoragem à superfície das células.

Relacionado:  Heterozigoto: dominância completa, incompleta, codominância

Taxonomia

A classificação taxonômica de Pseudomonas aeruginosa é a seguinte:

  • Domínio: Bactérias
  • Reino: Monera
  • Vanguarda: Proteobactérias
  • Classe: Proteobactérias gama
  • Ordem: Pseudomonadles
  • Família: Pseudomonadaceae
  • Gênero: Pseudomonas
  • Espécie: Pseudomonas aeruginosa

Ciclo de vida

Pseudomonas aeruginosa se reproduz, como todas as bactérias, assexuadamente. O processo pelo qual isso é feito é conhecido como fissão binária. Esse é o processo de reprodução bacteriana mais comum e, através dele, uma célula bacteriana se divide para dar origem a duas células exatamente iguais à célula-mãe.

A primeira coisa que acontece no processo de fissão binária é que o DNA bacteriano deve se duplicar. Agora, este é um processo relativamente direto, uma vez que as bactérias possuem apenas um cromossomo circular.

Depois que seu material genético é duplicado, cada cromossomo vai para uma extremidade da célula. É importante lembrar que a célula de Pseudomonas aeruginosa possui uma forma alongada.

Quando isso ocorre, na área média das bactérias, a membrana e a parede bacterianas formam um septo ou septo, que acaba por dividir a célula, dando origem às duas células resultantes.

Transmissão e transmissão

O gênero de bactérias Pseudomonas é responsável por uma grande variedade de infecções em humanos. De todas as espécies que a compõem, Pseudomonas aeruginosa é a mais frequentemente associada a esse tipo de infecção.

Esta bactéria é encontrada principalmente em água, vegetação, esgoto, solo úmido e em alguns hospedeiros, como os humanos. Da mesma forma, também pode ser encontrada em instituições de saúde, especificamente em instrumentos cirúrgicos, cateteres e até nas mãos da equipe que trabalha lá, cuidando dos pacientes.

Para que as bactérias infectem um indivíduo, é estritamente necessário que exista uma porta de entrada para o corpo. Nesse sentido, a bactéria geralmente entra no corpo através de uma ferida ou pele amolecida, quando entra em contato com um elemento contaminante (como água contaminada) ou com qualquer superfície em que a bactéria é encontrada.

Apesar de ser o meio de contágio mais frequente e eficaz, especialistas afirmam que o contágio também pode ocorrer através do trato respiratório e digestivo. Nesse sentido, se uma pessoa inalar algum tipo de fluido contaminado de outra pessoa infectada ou ingerir água contaminada, ela poderá se infectar com a bactéria.

Doenças

Como esta bactéria tem a capacidade de colonizar uma grande variedade de tecidos, é responsável por um grande número de infecções e doenças em humanos. Os mais conhecidos estão listados abaixo.

Infecções de ouvido

Tendo em conta que esta bactéria pode ser encontrada em corpos de água em que as pessoas podem nadar regularmente, não é de surpreender que ela infecte essa área da anatomia.

Relacionado:  Mangue branco: características, habitat, taxonomia e usos

As infecções que podem causar Pseudomonas aeruginosa no ouvido incluem otite média externa aguda, uma infecção que afeta o canal auditivo externo.

Em pacientes com algumas doenças crônicas subjacentes, como diabetes, uma forma mais agressiva da doença, chamada otite externa maligna, pode se desenvolver.

Infecções do trato respiratório

Quando a bactéria entra no corpo pelas vias aéreas, é possível que ela cause alguma patologia, como pneumonia, bronquite e até sinusite.

Essas infecções são mais comuns em pacientes conectados a um respirador e em pessoas com uma doença crônica que enfraquece seu sistema imunológico. Essas patologias incluem AIDS, lúpus e fibrose cística.

Infecções de pele

Tendo em conta que a pele é uma das rotas mais frequentes de infecção e entrada para esta bactéria, é comum que isso ocasione infecções nela.

As infecções de pele causadas por Pseudomonas aeruginosa incluem celulite, foliculite, osteomielite e ectima gangrenoso. Todas essas infecções são potencialmente perigosas, se não forem tratadas a tempo, pois danificam progressivamente as camadas da pele, até que podem afetar estruturas muito mais profundas e talvez acessar os vasos sanguíneos, gerando uma infecção.

Infecções do trato urinário

Pode acontecer que a bactéria entre no corpo através da uretra, causando uma infecção do trato urinário inferior. Isso é mais comum em pacientes hospitalizados e com cateter para auxiliar na micção.

Infecções  cardíacas

Quando a bactéria se espalha para entrar na corrente sanguínea, pode viajar para o coração. Lá, ele pode aderir às válvulas atrioventriculares ou semilunares e causar uma infecção conhecida como endocardite bacteriana aguda.

Essa patologia é mais frequente em pacientes submetidos a cirurgias cardíacas abertas nas quais alguma substituição valvar ou qualquer outro tipo de procedimento foi realizado.

Sintomas

Os sintomas da infecção por Pseudomonas aeruginosa variarão, dependendo do tecido afetado.

Infecções de ouvido

  • Descarga purulenta que pode ser acompanhada por um odor ruim.
  • Dor aguda, especialmente quando é exercida alguma pressão contra a deglutição do ouvido
  • Vermelhidão e inflamação do canal auditivo
  • Audição diminuída (perda auditiva)

Se o indivíduo tem alguma patologia como o diabetes, os sintomas pioram, até expondo o osso aos casos mais graves.

Infecções respiratórias

  • Febre alta, constante
  • Dificuldade em respirar (dispnéia)
  • Tosse que não diminui, que às vezes pode ser acompanhada por secreção purulenta.
  • Dor no peito
  • Calafrios
  • Decadência e desconforto geral.
  • Aumento da frequência cardíaca

No caso de sinusite, os sintomas incluem:

  • Dor ao nível dos seios paranasais, especialmente quando a pressão é colocada sobre eles.
  • Febre
  • Perda transitória do olfato
  • Congestionamento nasal
  • Coriza, que pode ser purulenta
  • Você pode até sentir uma sensação de pressão quando o indivíduo inclina a cabeça.
Relacionado:  Catabolismo: funções e processos catabólicos

Infecções na pele e outros tecidos

  • Febre
  • Vermelhidão e dor na área afetada
  • Sensação de calor na área lesionada
  • Lesões como pústulas ou nódulo inflamatório. Essas lesões podem conter material purulento.

No caso de ectima gangrenoso, as lesões geralmente têm áreas necróticas nas quais morre tecido saudável.

Infecções  cardíacas

A infecção cardíaca mais comum é a endocardite. Seus sintomas são:

  • Febre constante
  • Calafrios
  • Dificuldade em respirar e dor no peito ao tentar fazer isso
  • Sudorese profusa, especialmente à noite
  • Aparência de um sopro cardíaco
  • Dor e desconforto geral

Infecções urinárias

  • Urgência para urinar
  • Dor e queimação ao urinar
  • Desconforto pélvico

Tratamentos

Atualmente, existe uma mortalidade de 30 a 40% causada por Pseudomonas aeruginosa , principalmente nas primeiras 24 a 48 horas após seu início, principalmente se a infecção estiver localizada nas vias aéreas e o tratamento aplicado não for adequado.

Essas bactérias são resistentes a vários antibióticos e possuem grande capacidade de adquirir novos mecanismos de defesa. Eles podem formar biofilmes, diminuir a permeabilidade da membrana externa, usar bombas de expulsão multidrogas e possuir enzimas que modificam antibacterianos.

O número e a escolha de antibióticos a serem usados ​​é controverso; Está dividido entre a opinião de aplicar monoterapia ou combinar antibióticos semelhantes. O tratamento com ceftazidima em monoterapia ou combinado com amicacina é frequentemente recomendado.

Vários medicamentos, como penicilinas, cefalosporinas, carbapenêmicos, monobactâmicos, aminoglicosídeos, fluoroquinolonas, além de polimixinas, conseguem ser ativos contra essas bactérias. Mas, às vezes, eles não têm efeito devido a mutações das cepas ou à informação de novos genes com uma resistência adquirida.

Também foram realizadas investigações alternativas do uso de plantas com compostos antimicrobianos, como a espécie Sonchus oleraceous, comumente conhecida como “cerraja”, distribuída em todo o mundo, apesar de ser nativa da Europa e Ásia Central.

Estudos indicam que, em alguns casos, os perfis de resistência a antibióticos variam no mesmo país ou mesmo em uma região geográfica.

Referências

  1. Curtis, H., Barnes, S., Schneck, A. e Massarini, A. (2008). Biologia. Editorial médico
  2. Esnard, S., Moya, A., Cedré, B., Valmaseda, T., Pino, Y. e Sierra, G. (2004) Pseudomonas aeruginosa. Vacinas: um desafio para a pesquisa. Vaccimonitor 13 (1)
  3. Moore, N. e Flaws, M. (2011). Introdução: Pseudomonas aeruginosa . Ciência de laboratório clínico: Journal of the Amrican Society for Medical Technology. 24 (1)
  4. Ossa, A., Echeverri, M., Santos, Z., García, M., Agudelo, Y., Ramírez, F. e Ospino, S. (2014) Fatores de risco para infecção por Pseudomonas aeruginosa multirresistente em um hospital de alta complexidade. Revista Chilena de Doenças Infecciosas 31 (4)
  5. Peng, S., Letchumanan, V., Yan, C. e Syakima, N. (2017). Fronteiras em Microbiologia 8.
  6. Pseudomonas aeruginosa . Obtido em: https://fundacionio.com/salud-io/enfermedades/bacterias/pseudomonas-aeruginosa/
  7. Wilson, R. e Murray, R. (1998). Pseudomonas aerugiosa e outras espécies relacionadas. Tórax 53 (3).

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies