Psicologia Ambiental: Características e Teorias Principais

A Psicologia Ambiental é um campo interdisciplinar que estuda a relação entre o ser humano e o ambiente físico e social em que vive. Suas principais características incluem a investigação dos efeitos do ambiente sobre o comportamento humano, a análise das percepções, atitudes e emoções das pessoas em relação ao ambiente, bem como a busca por soluções para promover ambientes mais saudáveis e sustentáveis. Entre as teorias principais da Psicologia Ambiental estão a Teoria da Acomodação Ambiental, a Teoria da Restauração Cognitiva e a Teoria do Comportamento Planejado. Essas teorias buscam compreender como as pessoas interagem com o ambiente e como essas interações influenciam seu bem-estar e qualidade de vida.

Objetivo da Psicologia Ambiental: compreender a relação entre indivíduos e o ambiente.

A Psicologia Ambiental é uma área interdisciplinar que tem como principal objetivo compreender a relação entre os indivíduos e o ambiente em que vivem. Através do estudo das interações entre as pessoas e seu meio ambiente, os psicólogos ambientais buscam entender como o ambiente físico, social e cultural influencia o comportamento, as emoções e o bem-estar dos indivíduos.

A Psicologia Ambiental baseia-se em diversas teorias e abordagens, como a teoria da ecologia humana, a teoria da paisagem, e a teoria da percepção ambiental. Estas teorias ajudam a explicar como as pessoas se relacionam com o ambiente natural e construído, como percebem e interpretam os espaços ao seu redor, e como essas percepções influenciam seu comportamento e sua saúde mental.

Além disso, a Psicologia Ambiental também estuda como as intervenções no ambiente podem promover o bem-estar e a qualidade de vida das pessoas. Por exemplo, a criação de espaços verdes em áreas urbanas pode contribuir para a redução do estresse e a melhoria da saúde mental dos moradores.

Em resumo, a Psicologia Ambiental tem como objetivo principal entender a complexa relação entre os indivíduos e o ambiente em que vivem, buscando contribuir para a criação de ambientes mais saudáveis, sustentáveis e acolhedores para todos.

Origem e propósito da Psicologia Ambiental: entendendo a relação entre indivíduos e ambientes.

A Psicologia Ambiental surgiu no final da década de 1960, com o objetivo de estudar a interação entre os seres humanos e o ambiente em que vivem. Seu propósito principal é compreender como as pessoas percebem, se relacionam e são influenciadas pelo ambiente ao seu redor, buscando promover o bem-estar e a qualidade de vida. A Psicologia Ambiental se baseia na ideia de que o ambiente físico, social e cultural exerce influência sobre o comportamento e o bem-estar das pessoas, e vice-versa.

Uma das principais características da Psicologia Ambiental é sua abordagem interdisciplinar, que envolve a integração de conhecimentos da Psicologia, da Arquitetura, da Geografia, da Sociologia, entre outras áreas. Isso permite uma compreensão mais ampla e profunda da relação entre os indivíduos e os ambientes em que vivem.

Entre as teorias principais da Psicologia Ambiental, destacam-se a Teoria da Aprendizagem Ambiental, que explora como as experiências vivenciadas no ambiente influenciam o comportamento das pessoas, e a Teoria da Percepção Ambiental, que investiga como as pessoas percebem e interpretam o ambiente ao seu redor. Essas teorias ajudam a compreender melhor como os fatores ambientais podem afetar o bem-estar psicológico e emocional das pessoas.

O papel do psicólogo ambiental na promoção da saúde mental e bem-estar.

O papel do psicólogo ambiental na promoção da saúde mental e bem-estar é fundamental para garantir um ambiente saudável e equilibrado para as pessoas. O psicólogo ambiental atua na interface entre as pessoas e o ambiente em que vivem, considerando os aspectos físicos, sociais e psicológicos do ambiente.

Relacionado:  Desamparo aprendido: história, o que é e exemplos

Um dos principais objetivos do psicólogo ambiental é identificar fatores que possam impactar negativamente a saúde mental das pessoas, como a poluição sonora, a falta de espaços verdes e a desordem urbana. A partir dessa identificação, o psicólogo ambiental trabalha na promoção de mudanças que possam favorecer o bem-estar psicológico das pessoas.

Além disso, o psicólogo ambiental também atua na sensibilização da população sobre a importância de um ambiente saudável para a saúde mental. Por meio de campanhas educativas e intervenções comunitárias, o psicólogo ambiental busca conscientizar as pessoas sobre a relação entre o ambiente e a saúde mental, incentivando práticas saudáveis e sustentáveis.

Em resumo, o psicólogo ambiental desempenha um papel essencial na promoção da saúde mental e bem-estar, atuando na identificação e mitigação de fatores ambientais que possam prejudicar a saúde mental das pessoas, e na sensibilização da população sobre a importância de um ambiente saudável para o bem-estar psicológico.É importante valorizar o trabalho do psicólogo ambiental como um agente de transformação social e defensor da qualidade de vida das pessoas.

A influência do meio ambiente nas características individuais dos seres humanos.

A Psicologia Ambiental é um campo de estudo que busca compreender como o ambiente em que vivemos influencia o comportamento e as características individuais dos seres humanos. O meio ambiente exerce uma grande influência sobre nós, moldando nossas atitudes, emoções e percepções.

Estudos nesta área demonstram que fatores como a arquitetura do ambiente, a presença de natureza, a iluminação e a temperatura podem afetar significativamente o nosso bem-estar e desempenho. Por exemplo, um ambiente bem iluminado e com elementos naturais, como plantas, pode promover a sensação de calma e relaxamento, contribuindo para a redução do estresse e da ansiedade.

Além disso, o meio ambiente também influencia o desenvolvimento de nossas habilidades sociais e cognitivas. Por exemplo, crianças que crescem em ambientes ricos em estímulos visuais e auditivos tendem a desenvolver habilidades de comunicação e criatividade mais apuradas. Da mesma forma, a qualidade do ambiente familiar pode influenciar a formação da personalidade e do temperamento de um indivíduo.

Em resumo, a Psicologia Ambiental nos mostra que o ambiente em que vivemos desempenha um papel fundamental na moldagem de nossas características individuais. Portanto, é importante considerar a influência do meio ambiente em nossas vidas e buscar criar ambientes que promovam o bem-estar e o desenvolvimento pessoal.

Psicologia Ambiental: Características e Teorias Principais

A psicologia ambiental é a disciplina que estuda a interação entre as pessoas eo ambiente físico.

No entanto, essa definição não é aceita por todos os especialistas, uma vez que a psicologia ambiental não se preocupa apenas com o ambiente físico.

Psicologia Ambiental: Características e Teorias Principais 1

A psicologia ambiental pode ser considerada para tratar o meio ambiente em um nível triplo de consideração:

  • O ambiente natural : é a influência do ecossistema no comportamento, estilo de vida dos indivíduos e na maneira como eles influenciam a qualidade do ambiente (como atitudes em relação à paisagem ou comportamento não poluente).
  • O ambiente construído : é dividido em diferentes níveis de consideração, como ambientes de características fixas e relativamente permanentes (como edifícios), semi-fixas, relativamente fáceis de alterar (como móveis ou decoração) e características variáveis ​​(como luminosidade, cor, temperatura …).
  • O ambiente social e comportamental , que inclui cinco áreas: espaço pessoal, territorialidade, intimidade, superlotação e ecologia de pequenos grupos.
Relacionado:  O que é escrupulosidade?

Características da psicologia ambiental

Os psicólogos ambientais, em vez de definir a disciplina, foram responsáveis ​​por descrever algumas de suas principais características:

1. Uma perspectiva molar holística : o pesquisador examina o comportamento em contexto e tenta estudar processos psicológicos complexos e fatores ambientais.

2. Uma perspectiva aplicada à solução de problemas : a pesquisa visa descobrir os princípios básicos do comportamento e contribuir para a solução de problemas sociais que envolvem o ambiente físico.

3. Uma metodologia ampla e eclética , que aceita o uso de experimentos de laboratório, experimentos de campo, estudos com pesquisas e observações naturais, porque os problemas do ambiente são muito diversos e não podem ser estudados usando um único procedimento.

4. Uma ampla gama de níveis de análise : 1ª Microniveles, como o estudo do efeito do ruído no desempenho da tarefa; 2ª escala moderada de análise do design e uso doméstico; 3. Grandes unidades de estudo, como o desenho de comunidades e cidades.

5. Uma ampla gama de abordagens teóricas : A psicologia ambiental adotou idéias teóricas de outras áreas da psicologia e de outras ciências sociais, em vez de desenvolver suas próprias teorias. A única exceção é a psicologia ecológica de Barker.

Orientações teóricas

Psicologia ecológica de Barker

Barker desenvolveu um dos poucos sistemas teóricos que lidam principalmente com o meio ambiente. Sua teoria falou do que Barker chamou de fluxo de comportamento, composto de uma série de contextos de comportamento.

Contextos de comportamento são padrões de atividade que são repetidos de maneira semelhante, em um determinado ambiente, mesmo que as pessoas que os realizam mudem.

Alguns exemplos de contextos são reuniões, supermercados, playgrounds, ônibus … Se uma pessoa vive em um determinado contexto de comportamento, ela se comportará de acordo com o código que governa esse contexto.

Isso implica conformidade, mas não uniformidade, pois cada contexto precisa de atividades diferentes por parte das pessoas envolvidas.

Esquema socioespacial

Um esquema socioespacial é uma representação interna de objetos físicos e sociais. As coisas não só precisam ser algo, mas precisam estar em algum lugar. É praticamente impossível conceber um objeto que não seja acompanhado por uma identificação espacial.

Nosso sistema para armazenar grandes quantidades de informações codificadas é baseado no uso de estruturas.

Em grande parte, nossas informações conceituais espaciais são armazenadas por meio de tags verbais, como up-down, high-low, near-distante …

Muitos de nossos esquemas socioespaciais são representações visuais, como nossas imagens do corpo, da casa, da cidade …

Essas imagens são pessoais, exclusivas e dinâmicas. Os esquemas socioespaciais são representações pessoais, dinâmicas e visuais de nossos movimentos.

Espaço pessoal

Espaço pessoal é a área do espaço que cada pessoa tem ao seu redor, cujas fronteiras existem apenas na mente e nas quais não gostamos que ninguém penetre, exceto em certas circunstâncias.

Qualquer invasão neste espaço nos parece uma tentativa contra a nossa privacidade. Esse espaço é maior à nossa frente e menor ao nosso lado.

Uma das características mais importantes do espaço pessoal é que a maioria de suas manifestações é aprendida e, portanto, muda consideravelmente de um grupo cultural para outro.

Relacionado:  As 15 teorias mais importantes da psicologia

O modelo de intimidade de Altman

Intimidade é o controle de transações entre uma pessoa e outra, com o objetivo de aumentar a autonomia e minimizar a vulnerabilidade.

Para Altman, a intimidade tem as características fundamentais:

  1. É um processo de regular a quantidade e a qualidade de nossas interações com outras pessoas.
  2. A intimidade que uma pessoa possui é avaliada em relação à intimidade desejada, ou seja, ao nível desejado de interação com outras pessoas.
  3. A intimidade é ao mesmo tempo evitar a interação indesejada e procurar a interação desejada.
  4. Para cada momento específico, uma pessoa estabelece o grau que considera ideal ao permitir que outras pessoas acessem a si mesmas.
  5. A intimidade regula tanto a recepção quanto a emissão de interações. – Intimidade pode se referir tanto a indivíduos quanto a grupos.
  6. A conquista da privacidade é garantida por quatro mecanismos: verbal, ambiental, social e cultural.
  7. As principais funções que a privacidade cumpre referem-se à interação com os outros e à própria identidade.

Em resumo, a intimidade é o controle seletivo do acesso ao eu. Altman agrupa em quatro categorias as maneiras de obter privacidade:

  • Verbal: as pessoas usam a linguagem para transmitir discrepâncias entre a intimidade desejada e a real.
  • Não verbais: nossos movimentos e gestos indicam nossa reação ao imediatismo excessivo ou insuficiente das pessoas.
  • Ambiental: o uso de vestidos e ornamentos serve como pistas que indicam o tipo de tratamento que uma pessoa espera receber de outras pessoas. O espaço pessoal é uma maneira de graduar a privacidade que você deseja alcançar.
  • Sociocultural: são as normas e modas de regular a intimidade culturalmente prescritas.

Conduta territorial

Há uma distinção entre sistemas espaciais egocêntricos e domocêntricos. As crianças pequenas percebem o mundo como se ele girasse em torno dele, sendo este um sistema espacial egocêntrico. Suas coordenadas espaciais irradiam para fora como se fossem os raios de uma roda e cujo centro eles são.

Dessa forma, todos os seus cálculos de distância e direção são baseados no relacionamento entre eles e os outros. Este sistema passa por uma mudança de orientação. Então, o ambiente é percebido como algo estático e a criança se percebe como um ser móvel que se move através dele.

Esse sistema, chamado sistema espacial domocêntrico, é mais eficaz no estabelecimento de uma interação com os outros. O alojamento é o primeiro ponto de referência fixo que adquirimos e é muito importante ao longo de nossas vidas, mas não é o único, os vapores têm mais pontos de referência.

O domocentrismo coexiste com nosso egocentrismo, embora usemos contextos de referência objeto-objeto com bastante frequência. O território é uma estrutura de espaço estático em que o indivíduo experimenta uma sensação de possessividade.

A territorialidade é muito importante na vida de diferentes espécies, incluindo seres humanos. Tentativas foram feitas para explicar o comportamento territorial humano, particularmente padrões agressivos, dizendo que é instintivo. O raciocínio usado é o seguinte:

Como o ser humano vem de primatas, mantém restos de instintos animais. A agressão é uma parte funcional dos padrões instintivos de comportamento territorial e, portanto, também a agressão humana é instintiva e relacionada a sentimentos de territorialidade.

Dependendo da espécie, os padrões de comportamento territorial defensivo são ritualizados e não precisam de aprendizado.

Deixe um comentário