Psicoterapia cognitiva pós-racional: o que é e como ajuda o paciente?

A psicoterapia cognitiva pós-racional é uma abordagem terapêutica que combina técnicas da psicoterapia cognitiva tradicional com a filosofia pós-moderna. Ela se baseia na ideia de que a maneira como interpretamos e atribuímos significado às nossas experiências influencia diretamente nossos pensamentos, emoções e comportamentos.

Neste sentido, a psicoterapia cognitiva pós-racional busca ajudar o paciente a questionar e reconstruir seus padrões de pensamento, promovendo uma visão mais flexível e adaptável da realidade. Através do diálogo, da reflexão e do questionamento, o paciente é encorajado a explorar novas perspectivas e a desenvolver habilidades de autocompreensão e autorregulação emocional.

Dessa forma, a psicoterapia cognitiva pós-racional pode ajudar o paciente a lidar de forma mais saudável com suas emoções, a superar crenças limitantes e a desenvolver estratégias mais eficazes para enfrentar desafios e problemas do dia a dia. Ao promover uma maior consciência e autonomia, essa abordagem terapêutica possibilita uma transformação profunda e duradoura na vida do paciente.

Qual a finalidade da terapia cognitiva no tratamento de problemas emocionais e comportamentais?

A terapia cognitiva tem como principal objetivo ajudar o paciente a identificar e modificar padrões de pensamento disfuncionais que estão contribuindo para seus problemas emocionais e comportamentais. Ao analisar as crenças e interpretações distorcidas que o paciente tem sobre si mesmo, os outros e o mundo, o terapeuta ajuda a reestruturar esses pensamentos para que se tornem mais realistas e adaptativos.

Por meio da psicoterapia cognitiva, o paciente aprende a reconhecer e desafiar pensamentos negativos automáticos, substituindo-os por pensamentos mais positivos e construtivos. Esse processo de reestruturação cognitiva não apenas melhora o estado emocional do paciente, mas também influencia positivamente seu comportamento, levando a mudanças duradouras em sua vida.

Além disso, a terapia cognitiva pós-racional, uma abordagem inovadora que combina elementos da terapia cognitiva tradicional com técnicas mais recentes, como a psicologia positiva e a terapia do esquema, busca não apenas tratar os sintomas, mas também promover o crescimento pessoal e o bem-estar do paciente.

Portanto, a finalidade da terapia cognitiva no tratamento de problemas emocionais e comportamentais é oferecer ao paciente as ferramentas necessárias para identificar, desafiar e modificar seus padrões de pensamento disfuncionais, promovendo assim uma melhora significativa em sua qualidade de vida e bem-estar emocional.

Entendendo a terapia cognitiva comportamental: explicando de forma clara ao paciente.

Quando falamos em terapia cognitiva comportamental, estamos nos referindo a uma abordagem da psicoterapia que busca identificar e modificar pensamentos negativos e comportamentos disfuncionais que estão causando sofrimento ao paciente. O objetivo é ajudar a pessoa a desenvolver habilidades para lidar com suas emoções e problemas de forma mais saudável.

Na terapia cognitiva comportamental, o terapeuta trabalha em parceria com o paciente para identificar padrões de pensamento automáticos e distorcidos que estão contribuindo para seu mal-estar. A partir daí, são propostas estratégias para reestruturar esses pensamentos e substituí-los por outros mais realistas e adaptativos.

Além disso, a terapia cognitiva comportamental também se concentra na modificação de comportamentos disfuncionais que estão impedindo o paciente de viver de forma plena. Isso envolve a identificação de padrões comportamentais prejudiciais e a busca por alternativas mais saudáveis e eficazes.

É importante ressaltar que a terapia cognitiva comportamental é baseada em evidências científicas e tem se mostrado eficaz no tratamento de uma variedade de problemas psicológicos, como ansiedade, depressão, transtornos alimentares, entre outros.

Com a orientação e o apoio do terapeuta, o paciente desenvolve habilidades para lidar com seus problemas de forma mais saudável e construtiva.

Relacionado:  Hiperprosexia: sintomas e tratamento desse distúrbio da atenção

Benefícios da terapia cognitiva comportamental na melhoria da saúde mental e emocional.

A terapia cognitiva comportamental é uma abordagem eficaz para ajudar as pessoas a lidar com problemas de saúde mental e emocional. Essa forma de terapia foca na identificação e modificação de padrões de pensamento e comportamento prejudiciais, ajudando os pacientes a desenvolver habilidades para lidar com seus sintomas e desafios.

Um dos principais benefícios da terapia cognitiva comportamental é a sua capacidade de promover a mudança positiva de maneira rápida e eficaz. Ao trabalhar com um terapeuta treinado, os pacientes podem aprender a identificar pensamentos distorcidos ou negativos e substituí-los por pensamentos mais realistas e saudáveis. Isso pode levar a uma melhoria significativa na saúde mental e emocional do paciente.

Além disso, a terapia cognitiva comportamental também ajuda os pacientes a desenvolver habilidades de enfrentamento e resolução de problemas. Ao aprender a identificar e desafiar pensamentos negativos, os pacientes podem se tornar mais capazes de lidar com o estresse, a ansiedade e outros sintomas de saúde mental. Isso pode resultar em uma melhoria geral na qualidade de vida e no bem-estar emocional do paciente.

Ao identificar e modificar padrões de pensamento e comportamento prejudiciais, os pacientes podem desenvolver habilidades para lidar com seus sintomas e desafios, levando a uma melhoria significativa em sua qualidade de vida.

O que a terapia cognitiva estuda em seu foco de atenção principal?

A terapia cognitiva estuda em seu foco de atenção principal os pensamentos e crenças que influenciam as emoções e comportamentos de um indivíduo. Esta abordagem terapêutica busca identificar padrões de pensamento negativos e distorcidos que podem levar a problemas emocionais e comportamentais. O terapeuta cognitivo trabalha em colaboração com o paciente para desafiar e modificar esses pensamentos disfuncionais, promovendo assim uma mudança positiva na forma como o paciente percebe e reage às situações.

Na Psicoterapia cognitiva pós-racional, a ênfase é colocada na compreensão das emoções e na reconstrução de significados. O terapeuta ajuda o paciente a explorar suas emoções e a refletir sobre suas crenças e valores, levando a uma maior autoconsciência e aceitação. Esse abordagem terapêutica também valoriza a resolução de conflitos internos e a busca por uma vida mais autêntica e satisfatória.

Psicoterapia cognitiva pós-racional: o que é e como ajuda o paciente?

Psicoterapia cognitiva pós-racional: o que é e como ajuda o paciente? 1

A psicoterapia cognitiva pós-racional é um tipo de terapia desenvolvida nos anos 90 pelo neuropsiquiatra italiano Vittorio Guidano . É enquadrado dentro de uma perspectiva construtivista, que entende que estamos construindo a realidade de uma maneira única e pessoal.

Assim, haveria tantas realidades quanto pessoas. Essa terapia também dá grande importância à identidade e à linguagem pessoais. Neste artigo, conheceremos suas características gerais, bem como as idéias de Guidano e algumas das técnicas que ele usa em seu modelo.

  • Artigo recomendado: “Os 10 tipos mais eficazes de terapia psicológica”

Psicoterapia Cognitiva Pós-racional: características

A psicoterapia cognitiva pós-racional foi criada por Vittorio Guidano ao longo de sua vida; aproximadamente, dos anos 70 até 1994. É considerado um tipo de terapia cognitiva, mas também construtivista, na qual a relação terapêutica é entendida como “de especialista para especialista”. Seu principal objetivo é que a pessoa seja capaz de construir sua própria identidade por meio de diferentes estratégias que veremos a seguir .

Este tipo de terapia é usado como uma intervenção psicológica clínica e, por sua vez, constitui uma escola teórica em psicologia. Essa escola segue um modelo teórico que defende que o ser humano tenta criar alguma continuidade no sentido de si e de sua história pessoal, por meio de uma identidade narrativa coerente e flexível. Essa identidade pode ser vista refletida nas elaborações narrativas desenvolvidas pelo paciente.

As idéias de Vittorio Guidano

Psicoterapia cognitiva pós-racional: o que é e como ajuda o paciente? 2

Vittorio Guidano nasceu em Roma em 1944 e morreu aos 55 anos em Buenos Aires, Argentina. Ele era um neuropsiquiatra reconhecido e, além de criar a psicoterapia cognitiva pós-racionalista, ele também criou o modelo de procedimento cognitivo sistêmico . Assim, sua orientação teórica era fundamentalmente cognitiva e construtivista. No entanto, diferentemente do cognitivismo anterior, na teoria de Guidano o mesmo autor exalta as emoções acima da cognição.

Vale ressaltar, porém, que a corrente do pós-racionalismo começa com a ajuda de V. Guidano com seu companheiro Giovanni Liotti, que publicou o livro “Processos cognitivos e distúrbios emocionais” em 1983. Mas o que significa pós-racionalismo?

Essa corrente, criada por Guidano, e onde está localizada a psicoterapia cognitiva pós-racionalista, tenta ir além do mundo externo, real e racional . Assim, essa corrente do tipo construtivista, parte da ideia de que o conhecimento é criado através da interpretação da realidade, e uma série de aspectos subjetivos no processamento da informação e do mundo ao nosso redor.

Níveis

Na psicoterapia pós-racionalista cognitiva de Guidano, dois níveis são elevados nos quais toda experiência humana é desenvolvida . O objetivo dessa terapia, assim como o terapeuta, será trabalhar entre esses dois níveis (o que implica a experiência e a explicação da experiência).

Esses níveis “existem” ou operam simultaneamente e são os seguintes:

1. Primeiro nível

O primeiro nível consiste na experiência imediata que experimentamos e é formada por um conjunto de emoções, comportamentos e sensações que fluem inconscientemente.

2. Segundo nível

O segundo nível da experiência humana consiste na explicação que damos à experiência imediata; isto é, como ordenamos, entendemos e concebemos essa realidade?

Auto-observação

Por outro lado, a psicoterapia cognitiva pós-racional promove um método de trabalho muito específico, que se concentra na auto-observação do paciente. A auto-observação é uma técnica que permite à pessoa “se ver de fora” e refletir sobre seu comportamento, pensamentos e atitudes.

Além disso, essa técnica também nos permite discriminar duas dimensões de si : por um lado, o “eu como experiência imediata” e, por outro, o “eu”, que é a explicação que a pessoa desenvolve sobre si mesma através da linguagem. .

Além disso, a auto-observação, a estratégia central da Psicoterapia Cognitiva Pós-racional, permite que a pessoa explore sua própria experiência, bem como construa significados alternativos para entender e nomear o que está sentindo.

Os significados que a pessoa constrói em relação à sua realidade e sua experiência vital surgem como resultado da pessoa “ordenando” sua realidade de uma certa maneira. Por outro lado, será conveniente sentir a realidade como algo contínuo que está acontecendo com ela, em coerência consigo mesma.

O eu: identidade pessoal

Assim, em relação ao exposto e ao processo de auto-observação, descobrimos que V. Guidano, em sua psicoterapia cognitiva pós-racionalista, atribui grande importância à identidade pessoal (o objetivo da terapia), que é o mesmo que o conceito de ” próprio ”, e que entende como um sistema cognitivo-afetivo complexo, que permite à pessoa avaliar (e reavaliar) sua experiência de maneira global ou parcial.

Relacionado:  Autismo: 8 coisas que você não sabia sobre esse distúrbio

Tudo isso é feito pelo paciente de acordo com uma imagem que ele tem de si mesmo (uma imagem consciente), que ele assimila através da linguagem e das experiências.

Relação com os níveis

Podemos relacionar o conceito de eu (o eu) com os níveis de experiência humana, discutidos anteriormente . Assim, no primeiro nível da experiência imediata, seriam encontradas as situações concretas que a pessoa experimenta e que vive com um senso interno de continuidade. Tudo isso, como vimos, é vivido automaticamente e não conscientemente.

Quanto ao segundo nível, por outro lado (o nível da explicação), encontramos a explicação que damos à experiência e à imagem que temos de nós mesmos. Esta imagem é construída pela pessoa ao longo de sua vida. A terapia também se concentrará em ser consistente com os valores da pessoa e consistente ao longo do tempo (para que o paciente possa formar um “continuum” vital).

Técnica Moviola

Por outro lado, a auto-observação é desenvolvida através de outra técnica que está dentro do processo de auto-observação: a Técnica Moviola .

O nome da técnica refere-se à primeira máquina que permitiu editar filmes em filme (moviola), e é explicado através de uma metáfora com esse objeto. Mas como é aplicada a técnica da moviola?

Passos

Vamos ver como isso se aplica a cada uma das etapas:

1. Vista panorâmica

Primeiro, o paciente é treinado para aprender a dividir uma experiência específica em uma sequência de cenas, obtendo assim um tipo de visão panorâmica.

2. Redução

Posteriormente, ajuda a enriquecer cada cena com detalhes e com vários aspectos sensoriais e emocionais.

3. Amplificação

Finalmente, o paciente deve reinserir a cena (ou cenas), já enriquecida (s), na sequência de sua história de vida. Dessa forma, quando o paciente se vê, tanto do ponto de vista subjetivo quanto objetivo, ele pode começar a construir novas abstrações e idéias alternativas sobre ele e sua experiência de vida.

Estruture a experiência emocional

Finalmente, outro componente da psicoterapia cognitiva pós-racional é a estruturação da experiência emocional . Para estruturar tudo o que estamos vivendo, o uso da linguagem será essencial. Isso nos permitirá ordenar a experiência e estruturá-la em sequências, como já vimos na técnica da moviola.

Além disso, também nos ajudará a separar os diferentes componentes dessa experiência (componente de conhecimento, componente emocional …). Assim, dentro da Psicoterapia Cognitiva Posacionalista, a estrutura narrativa da experiência humana é na verdade uma rede de experiências que estamos vivendo, assimilando e interconectando para terminar formando uma identidade pessoal.

Referências bibliográficas:

  • Feixas, G; Miró, T. (1993). Abordagens à psicoterapia. Uma introdução aos tratamentos psicológicos. Ed. Paidós. Barcelona

  • Fernández, A; Rodríguez, B. (2001). A prática da psicoterapia. A construção de narrativas terapêuticas. Ed. Brower Desclée. Bilbau

  • León, A. e Tamayo, D. (2011). Psicoterapia cognitiva pós-racionalista: um modelo de intervenção focado no processo de construção da identidade. Katharsis, 12: 37-58.

Deixe um comentário