Quais são as fontes orais? (com exemplos)

As fontes orais não são escritos os documentos que podem conter informações históricas ou documentário, amplamente utilizado por pesquisadores de várias disciplinas.

As fontes orais, ou a transmissão do conhecimento narrado com a voz, permitiram que muitas histórias e informações valiosas durassem anos.

Quais são as fontes orais? (com exemplos) 1

Por esse caminho, eles chegaram aos ouvidos dos notários, responsáveis ​​por expressar o conhecimento sobre o papel das sociedades analfabetas ao longo dos séculos.

Fontes orais no campo da historiografia foram tomadas em muitos casos com cautela, e seu exame e crítica são necessários antes de serem utilizados.

Considerações

Fontes orais ou história oral fazem parte da chamada ciência histórica ou historiografia, sendo um meio de conhecimento para o estudo do passado.

Essa tradição permitiu que, por gerações, fossem preservados dados interessantes sobre vários aspectos da vida: mitos e lendas, eventos históricos, como guerras e celebrações, e eventos naturais, como terremotos ou erupções vulcânicas.

Descrições de animais extintos, usos de plantas medicinais e outros elementos relevantes, característicos do desempenho humano, também foram preservados.

Os 3 principais tipos de fontes orais

Existem vários tipos de fontes orais. Há testemunhos diretos e indiretos e tradições orais, que por sua vez são divididos em ditos, canções, histórias, lendas, mitos e histórias de vida.

1- Depoimentos diretos

Testemunhos diretos são o tipo de testemunho presencial em que um indivíduo transmite as informações de sua experiência ou observação.

Exemplo

Quando uma pessoa é entrevistada e gravada por meio de uma câmera ou gravador. Essa narrativa é posteriormente transcrita ou pode permanecer como fonte audiovisual e pode ser transformada em autobiografia.

2- Depoimentos indiretos

Testemunhos indiretos são narrações relacionadas ao que uma pessoa conta sobre o que ouviu de terceiros.

Relacionado:  Bandeira da Dinamarca: História e Significado

Exemplo

Quando um xamã ou curandeiro conta a informação que seus pais e avós lhe transmitiram sobre plantas medicinais.

3- Tradições orais

As tradições orais são uma das fontes mais preciosas para estudos de história.

Graças a isso, a cadeia de transmissão de informações se move por várias décadas e até séculos. As tradições orais são compostas por ditos, canções, histórias, lendas, mitos e histórias de vida.

Provérbios

As restrições são uma das tradições que tendem a variar menos. A partir dessas declarações, todos os tipos de informações são extraídos.

Exemplo

Com o ditado “cada porco recebe seu Natal”, pode-se determinar que um grupo de pessoas tende a consumir carne de porco durante uma data ou feriado específico. Com base na fonte oral, informações específicas são extraídas.

Músicas, histórias, lendas e mitos

Com as músicas, histórias, lendas e mitos, também são obtidas informações preciosas sobre a vida e as crenças dos povos e comunidades.

Exemplo

Poemas épicos como o de Beowulf , o Song of the Nibelungs , o Song of Mine Cid ou o Song of Roldan contam histórias fabulosas que possivelmente foram transmitidas por testemunhos indiretos por gerações, para serem traduzidas como manuscritos.

Histórias de vida

Finalmente, com as histórias da vida, as experiências de um indivíduo podem ser reconstruídas. A partir daí, você pode desenvolver o método biográfico, que faz parte da pesquisa qualitativa nas ciências sociais.

Exemplo

Com as histórias de vida e epístolas escritas pelos apóstolos sobre a vida de Jesus de Nazaré, a vida da figura mais importante do cristianismo poderia ser reconstruída .

Referências

  1. Azcona, J. (2015). Fontes orais. Recuperado em 17 de dezembro de 2017 de: books.google.es
  2. História e fontes orais: “As fontes orais entre memória e história.” (2007). VIII Dia do Navio de Ávila.
  3. Mendiola, F. (2007). Vozes e imagens na história. Fontes orais e visuais: pesquisa histórica e renovação pedagógica. Navarra: Universidade Pública de Navarra. Recuperado em 17 de dezembro de 2017 de: books.google.es
  4. Ferrando, E. (2006). Fontes orais e pesquisa histórica. Recuperado em 17 de dezembro de 2017 de: books.google.es
  5. Borras, J. (1989). Fontes orais e ensino de história: contribuições e problemas. Recuperado em 17 de dezembro de 2017 de: books.google.es

Deixe um comentário