Qual é a teoria sintética da evolução?

A teoria sintética da evolução, também conhecida como neodarwinismo, é a principal teoria que explica como a evolução ocorre. Ela combina os princípios da seleção natural propostos por Charles Darwin com os conceitos da genética de populações desenvolvidos por Gregor Mendel. Essa teoria considera que as mudanças genéticas ao longo das gerações são impulsionadas pela seleção natural, resultando na adaptação dos organismos ao ambiente e na diversidade das espécies. A teoria sintética da evolução é amplamente aceita pela comunidade científica como a explicação mais completa e coerente sobre o processo evolutivo.

Entenda o que a teoria sintética da evolução afirma sobre o processo de transformação.

A teoria sintética da evolução, também conhecida como neodarwinismo, é a teoria predominante que explica como as espécies mudam ao longo do tempo. Ela combina os princípios da seleção natural de Charles Darwin com as descobertas da genética moderna. Em resumo, a teoria sintética da evolução afirma que as mudanças nas populações de organismos ao longo das gerações são impulsionadas pela variabilidade genética e pela seleção natural.

De acordo com essa teoria, as mutações aleatórias no DNA geram variações genéticas dentro de uma população. Essas variações podem levar a diferenças nas características físicas e comportamentais dos indivíduos. Aqueles que possuem características mais favoráveis têm maior probabilidade de sobreviver e se reproduzir, transmitindo seus genes para as gerações futuras.

Com o tempo, essas mudanças acumuladas podem resultar em novas espécies. A teoria sintética da evolução também destaca a importância da deriva genética, migração e fluxo gênico na evolução das populações. Esses processos ajudam a explicar como as populações se adaptam a diferentes ambientes e como surgem novas espécies ao longo do tempo.

Em resumo, a teoria sintética da evolução fornece uma explicação abrangente e integrada para o processo de transformação das espécies ao longo das gerações. Ela combina os princípios da seleção natural e da genética para descrever como a diversidade da vida na Terra se originou e se desenvolveu ao longo do tempo.

Os três processos fundamentais da teoria sintética da evolução explicados de forma sucinta.

A teoria sintética da evolução é uma teoria que combina os conceitos de seleção natural, mutação e deriva genética para explicar como as espécies evoluem ao longo do tempo.

A seleção natural é o processo pelo qual os organismos mais adaptados ao ambiente têm maior probabilidade de sobreviver e se reproduzir, passando suas características genéticas para as próximas gerações.

A mutação é o processo pelo qual ocorrem mudanças no material genético de um organismo, criando novas variações genéticas que podem ser selecionadas pela seleção natural.

A deriva genética é o processo pelo qual as frequências genéticas em uma população mudam ao longo do tempo devido ao acaso, sem a influência da seleção natural.

Portanto, a teoria sintética da evolução é uma abordagem abrangente que incorpora esses três processos fundamentais para explicar como as espécies evoluem e se adaptam ao longo das gerações.

Entenda o conceito da teoria neodarwinista e sua importância no estudo da evolução.

A teoria sintética da evolução, também conhecida como teoria neodarwinista, é uma síntese das ideias de Charles Darwin sobre a seleção natural com os conceitos da genética populacional. Essa teoria surgiu no início do século XX com o objetivo de explicar como ocorre a evolução das espécies por meio da combinação da variabilidade genética, a seleção natural e a hereditariedade.

Relacionado:  Tirosina: características, estrutura, funções, benefícios

Um dos princípios fundamentais da teoria neodarwinista é que as mudanças genéticas aleatórias que ocorrem nas populações ao longo do tempo são o principal motor da evolução. Essas mudanças são selecionadas pela pressão do ambiente, de modo que os organismos mais bem adaptados têm maior probabilidade de sobreviver e se reproduzir, transmitindo seus genes para as gerações futuras.

Essa teoria é de extrema importância no estudo da evolução, pois fornece uma base sólida para a compreensão dos processos evolutivos que moldaram a diversidade da vida na Terra. Além disso, ela tem sido confirmada por evidências empíricas provenientes de diversas áreas, como a biologia molecular, a paleontologia e a biogeografia.

Portanto, a teoria neodarwinista é essencial para a biologia evolutiva, pois ajuda a explicar como as espécies se adaptam ao ambiente, como surgem novas espécies e como a diversidade biológica é mantida ao longo do tempo.

A explicação da evolução segundo a teoria que revolucionou a ciência biológica.

A teoria sintética da evolução, também conhecida como neodarwinismo, revolucionou a ciência biológica ao unir as ideias de Charles Darwin sobre a seleção natural com os conceitos da genética mendeliana. Essa teoria explica como as espécies se desenvolvem ao longo do tempo e como surgem novas espécies.

De acordo com a teoria sintética da evolução, as mudanças genéticas ocorrem aleatoriamente em uma população de organismos. Se uma dessas mudanças conferir alguma vantagem adaptativa, como resistência a uma doença ou melhor capacidade de obter alimentos, o indivíduo que possui essa característica terá mais chances de sobreviver e se reproduzir. Com o tempo, essa característica se tornará mais comum na população, levando a uma mudança evolutiva.

Assim, a seleção natural atua como um mecanismo que favorece a sobrevivência dos organismos mais bem adaptados ao ambiente em que vivem. Esses organismos deixam mais descendentes, transmitindo seus genes para as gerações futuras. Ao longo de milhões de anos, essas pequenas mudanças acumuladas levam à evolução das espécies.

Portanto, a teoria sintética da evolução nos ajuda a compreender como a diversidade da vida na Terra se originou e como as diferentes espécies estão interconectadas por meio de um ancestral comum. Ela é fundamentada em evidências científicas e é amplamente aceita pela comunidade científica como a explicação mais plausível para a origem e diversificação das espécies.

Qual é a teoria sintética da evolução?

A teoria sintética da evolução , também conhecida como neodarwinismo, refere-se às contribuições científicas feitas ao longo dos anos para a teoria da evolução das espécies, proposta por Charles Darwin em 1859 em seu livro “The Origin of Species “

A teoria sintética da evolução afirma que os conceitos de genética (originalmente introduzidos por Gregor Mendel ) são uma parte fundamental da evolução e também integram conhecimentos paleontológicos e taxonômicos, através dos quais é possível aprofundar o estudo dos processos evolutivos. das espécies.

Qual é a teoria sintética da evolução? 1

Muitos cientistas desenvolveram os estudos nos quais a teoria sintética da evolução se baseia.

Os mais proeminentes foram Ronald Fisher, John Haldane, Sewall Wright, Julian Huxley, Ernst Mayr, Bernard Rensch, George Stebbins e George Simpson.

Relacionado:  10 animais endêmicos do Japão

No entanto, considera-se que o geneticista Theodosius Dobzhansky foi um dos principais integradores das diferentes hipóteses que surgiram em torno da teoria darwiniana.

Em 1937, Dobzhansky publicou o livro “Genética e origem das espécies”, que continha os resultados de sua pesquisa relacionada a mutações e a geração de novas espécies a partir dessas variações.

A teoria sintética da evolução dá importância às leis da herança, através das quais se poderia explicar como a informação genética é transmitida de um indivíduo para outro e quais são as razões pelas quais esse processo de transmissão ocorre.

Além do escopo hereditário, a teoria sintética da evolução também considera, em particular, as descobertas de fósseis e elementos pré-históricos, que permitem identificar as variações em diferentes indivíduos da mesma espécie.

As descobertas em paleontologia podem fornecer pistas sobre como essas variações ocorreram e os motivos que as levaram. E eles também expõem concretamente a durabilidade ao longo do tempo dessas variações.

Entre os principais preceitos da teoria sintética da evolução estão a concepção de populações como unidades de evolução, o reconhecimento dos genes como elementos que transmitem informações hereditárias e a ratificação da seleção natural como elemento fundamental na evolução da evolução. as espécies

Principais preceitos e características que definem a teoria sintética da evolução

Teorias contrárias ao darwinismo são descartadas

A teoria da evolução das espécies, proposta por Charles Darwin, é a base sobre a qual se baseia a teoria sintética da evolução.

Por esse motivo, os representantes dessa teoria priorizam o que Darwin apresentou em sua teoria e rejeitam todas as hipóteses contrárias.

Os conceitos fenótipo e genótipo diferem

Graças ao reconhecimento da genética como parte fundamental do processo evolutivo, é feita uma distinção entre o fenótipo (características físicas dos indivíduos) e o genótipo (relativo à informação genética que os seres possuem).

Você pode estar interessado O que são variações genotípicas? Tipos e exemplos .

A evolução é gerada por cinco processos

A teoria sintética da evolução contempla cinco maneiras pelas quais a evolução pode ocorrer:

1- Mutação

Refere-se às alterações que os filhos podem herdar. Essas variações podem ser benéficas para as espécies, podem ser prejudiciais ou até neutras (ou seja, não têm nenhum papel na adaptação das espécies, por isso são indiferentes).

Segundo essa teoria, a mutação ocorre aleatoriamente e é a única maneira pela qual novos genes são gerados nos organismos.

2- Recombinação genética

Não tem nada a ver com a criação de novos genes, mas com a geração de novas combinações de genes existentes.

Através dessas novas combinações, variações nas espécies podem ser geradas.

3- Deriva genética

Este termo refere-se à característica aleatória que a geração de genótipo pode ter. Essa transformação ocorre ao longo de vários anos; isto é, as variações são visíveis após várias gerações.

A teoria sintética da evolução estipula que o acaso apenas intervém na deriva genética, não participa de outra maneira.

4- Isolamento

Este conceito refere-se à impossibilidade de reprodução de espécies que não coincidem fisicamente. Essa incompatibilidade de indivíduos pode ocorrer como resultado de barreiras físicas, como grandes distâncias que separam indivíduos de espécies.

Relacionado:  Epítopo: características, tipos e funções

O isolamento também pode ocorrer quando os indivíduos estão no mesmo espaço geográfico, mas não coincidem, por exemplo, com seus momentos de maturação sexual, quando possuem diferentes rotinas de acasalamento ou funcionamento geral, quando há incompatibilidade de células sexuais, entre outros motivos.

5- Seleção natural

De acordo com esse conceito, os seres que sobreviverem em um determinado contexto serão aqueles que possuem as características que melhor se adaptam ao seu ambiente.

Quando a reprodução ocorre graças a essa característica benéfica, os genes correspondentes a essa característica são transferidos para a próxima geração.

Isso significa que, através da seleção natural, é possível gerar variações sustentadas e até novas espécies.

A evolução é vista como um processo populacional

De acordo com a teoria sintética da evolução, são as populações que evoluem.

Para que a sobrevivência de uma espécie seja gerada em um determinado contexto, deve haver um número considerável de indivíduos dessa espécie que conseguem sobreviver.

Portanto, os indivíduos não são os protagonistas dos processos evolutivos, mas os numerosos grupos de indivíduos.

Essa é a razão pela qual o objeto de estudo no qual essa teoria se baseia é a genética populacional.

Discussão se as mudanças evolutivas são graduais ou abruptas

Dentro da estrutura da teoria sintética da evolução, surgiu uma corrente que estipula que as mudanças evolutivas físicas nem sempre eram graduais, mas que grandes mudanças poderiam ser geradas abruptamente, dependendo de fatores que deram origem a variações nos indivíduos das espécies .

Essa foi a teoria do equilíbrio pontuado, proposta por Niles Eldredge e Stephen Jay Gould em 1972.

Eles foram baseados em estudos paleontológicos para determinar que é possível gerar variações fenotípicas em espécies sem ligações intermediárias entre indivíduos com características diferentes.

Referências

  1. Pedroche, F. “Síntese moderna em Biologia. Ecletismo ou a complementaridade de um grande paradigma ”na Universidade Autônoma Metropolitana. Recuperado em 3 de setembro de 2017 de Universidad Autónoma Metropolitana: uam.mx.
  2. Collado, S. “Teoria da Evolução” em Philosophica. Recuperado em 3 de setembro de 2017 de Philosophica: philosophica.info.
  3. “Neodarwinismo” na Universidade Autônoma de Guadalajara. Recuperado em 3 de setembro de 2017 de Universidad Autónoma de Guadajara: campusdigital.uag.mx.
  4. “Teoria sintética” na Universidade Nacional Autônoma do México. Recuperado em 3 de setembro de 2017 da Universidade Nacional Autônoma do México: portalacademico.cch.unam.mx.
  5. Ayala, F. “Evolution” na Enciclopédia Britânica. Retirado em 3 de setembro de 2017 de Encyclopedia Britannica: britannica.com.
  6. “Síntese moderna” na Enciclopédia. Retirado em 3 de setembro de 2017 de Encyclopedia: encyclopedia.com.
  7. “Neodarwinismo / Teoria sintética da seleção natural / Teoria moderna da evolução” no Mar Athanasius College. Recuperado em 3 de setembro de 2017 de Mar Athanasius College: macollege.in.
  8. “O início da” Síntese Moderna “: Theodosius Dobzhansky” na Sociedade Espanhola de Biologia Evolutiva. Retirado em 3 de setembro de 2017 da Sociedade Espanhola de Biologia Evolutiva: sesbe.org.
  9. Salas, N. e Iturbe, U. “Evolução: a síntese inacabada” na Academia. Recuperado em 3 de setembro de 2017 de Academia: academia.edu.
  10. “Equilíbrio pontuado” na Universidade Nacional Autônoma do México. Recuperado em 3 de setembro de 2017 da Universidade Nacional Autônoma do México: portalacademico.cch.unam.mx.

Deixe um comentário