Quem participou da independência do México?

A independência do México foi um movimento que contou com a participação de diversos líderes e figuras importantes que lutaram contra o domínio colonial espanhol. Entre os principais líderes que participaram desse processo estão Miguel Hidalgo, José María Morelos, Vicente Guerrero e Agustín de Iturbide. Esses líderes desempenharam papéis fundamentais na organização e mobilização do povo mexicano em busca da independência e na luta contra as forças coloniais espanholas. Juntos, eles foram responsáveis por conduzir o México à sua independência, que foi finalmente alcançada em 1821.

Grupos que participaram da independência do México.

A independência do México foi um processo complexo e envolveu a participação de diversos grupos e figuras importantes. Entre eles, destacam-se os criollos, que eram os descendentes de espanhóis nascidos na colônia, e que desempenharam um papel fundamental na luta pela independência. Os criollos buscavam mais autonomia e poder político, o que os levou a se envolver ativamente no movimento independentista.

Outro grupo importante foram os indígenas, que também participaram da luta pela independência do México. Apesar de muitos terem sido explorados e marginalizados durante o período colonial, os indígenas viram na independência uma oportunidade de melhorar suas condições de vida e de obter mais direitos.

Além dos criollos e dos indígenas, os mestiços também tiveram um papel significativo na independência do México. Os mestiços eram pessoas de ascendência mista, geralmente filhos de espanhóis e indígenas, e também lutaram pela liberdade e pela autonomia do país.

Outros grupos que participaram ativamente da independência do México incluem os padres, que desempenharam um papel importante na mobilização popular e na disseminação de ideias independentistas, e os camponeses, que muitas vezes se juntaram às fileiras dos rebeldes e lutaram contra as forças coloniais.

Em resumo, a independência do México contou com a participação de diversos grupos sociais, cada um com suas motivações e interesses, mas todos unidos pelo desejo de libertar o país do domínio espanhol e conquistar a sua própria autonomia.

Qual foi o líder responsável pela independência do México?

Um dos líderes responsáveis pela independência do México foi Miguel Hidalgo, um padre e revolucionário que liderou o movimento de independência em 1810. Ele é considerado um dos heróis nacionais do México e foi fundamental na luta contra o domínio espanhol.

Além de Hidalgo, outros líderes importantes que participaram da independência do México foram Ignacio Allende, Josefa Ortiz de Domínguez e Jose María Morelos. Cada um desempenhou um papel crucial na luta pela liberdade do país e na criação de uma nação independente.

Esses líderes inspiraram milhares de mexicanos a se levantarem contra o jugo colonial e a lutar por sua liberdade. Suas ações e sacrifícios foram fundamentais para a conquista da independência do México em 1821, pondo fim a mais de 300 anos de domínio espanhol.

Qual foi o responsável por libertar o México da opressão?

A independência do México foi um processo complexo que contou com a participação de diversas figuras importantes. No entanto, um dos principais responsáveis por libertar o país da opressão espanhola foi Miguel Hidalgo. Ele foi um padre e líder do movimento de independência que começou em 1810, conhecido como o Grito de Dolores.

Além de Hidalgo, outros líderes também desempenharam um papel fundamental na luta pela independência do México, como José María Morelos e Agustín de Iturbide. Morelos foi um líder militar que continuou a luta após a morte de Hidalgo, enquanto Iturbide foi responsável por consolidar a independência do México ao assinar o Tratado de Córdoba.

Esses líderes e muitos outros, juntamente com o apoio do povo mexicano, foram essenciais para finalmente libertar o México da opressão espanhola e conquistar sua independência em 1821. Graças à coragem e determinação dessas figuras históricas, o México pôde trilhar seu próprio caminho como uma nação soberana e livre.

Relacionado:  Nicolás de Piérola Villena: biografia e governo

Conheça os líderes mais influentes do México atualmente.

Para entender melhor a história do México, é importante conhecer os líderes que participaram da independência do país. Dentre eles, destacam-se figuras como Miguel Hidalgo, José María Morelos, Vicente Guerrero e Agustín de Iturbide. Esses líderes desempenharam um papel fundamental na luta contra o domínio espanhol e na conquista da liberdade do México.

Miguel Hidalgo foi um padre que liderou o movimento de independência em 1810, sendo considerado o pai da pátria mexicana. José María Morelos, por sua vez, foi um militar e líder revolucionário que continuou a luta pela independência após a morte de Hidalgo. Vicente Guerrero foi outro líder importante, conhecido por sua participação na luta armada contra as forças espanholas.

Atualmente, o México é liderado por Andrés Manuel López Obrador, conhecido como AMLO, que assumiu a presidência em 2018. AMLO é um político populista que tem impactado significativamente a política mexicana, implementando uma série de reformas e programas sociais. Outros líderes influentes no país incluem Ricardo Anaya e Claudia Sheinbaum, que ocupam cargos de destaque no cenário político mexicano.

Em resumo, conhecer os líderes que participaram da independência do México é essencial para compreender a história e a política do país. Miguel Hidalgo, José María Morelos, Vicente Guerrero e Agustín de Iturbide são apenas alguns exemplos dos heróis que lutaram pela liberdade do México e moldaram a nação como a conhecemos hoje.

Quem participou da independência do México?

Vários atores importantes participaram da Independência do México. Alguns deles foram: Miguel Hidalgo, Ignacio Allende, Agustín de Iturbide, José Maria Morelos, Juan Ruiz de Apodaca ou Juan O’Donojú.

Todos eles participaram, de ambos os lados, do conflito através dos diferentes estágios cronológicos do conflito.

Quem participou da independência do México? 1

A Guerra da Independência do México foi um conjunto de revoltas e conflitos armados entre a colônia mexicana e as forças da coroa espanhola, que ocorreram no início do século XIX (1810) e culminaram em 1821 com a assinatura do Tratado de Córdoba.

Embora a guerra tenha começado em 1810, o povo do México, como o de outras colônias da Espanha na América, nunca aceitou o jugo espanhol, por isso pode-se dizer que o descontentamento em relação às autoridades espanholas era geral e existia desde a conquista

Além do descontentamento geral, as idéias iluministas da Europa, que promoveram direitos humanos (como liberdade e igualdade) e criticaram governos absolutistas (como os espanhóis), ganharam popularidade nos Estados Unidos e incentivaram as colônias a se rebelarem.

Assim, quando a Espanha foi invadida por Napoleão Bonaparte em 1808, o território mexicano estava mais do que disposto a se opor à coroa espanhola.

Os crioulos (filhos de espanhóis nascidos na América) começaram a organizar movimentos de independência, um dos principais líderes sendo o padre Miguel Hidalgo e Costilla.

Além disso, outras nações (Inglaterra, Estados Unidos, entre outros) ofereceram seu apoio ao México. Assim, em 16 de setembro de 1810, começou a guerra que resultaria na independência do México.

A partir deste resumo, podemos ver que houve muitos atores que participaram da independência do México, direta e indiretamente.

Estes incluem os pensadores do Iluminismo, o exército napoleônico, os países que ofereceram ajuda e, finalmente, as pessoas nas colônias.

Os protagonistas mais importantes da independência do México

– Militares, políticos e outros personagens importantes

1- Miguel Hidalgo

Miguel Hidalgo foi um padre mexicano e líder político e militar, iniciador da Guerra da Independência.

Em 1810, deu origem à revolução com o chamado Grito de Dolores , que nada mais era do que um apelo aos seus paroquianos na paróquia onde ele oficiou.

Ele liderou a primeira etapa da Guerra da Independência até ser capturado, julgado e baleado em 1811.

O estado de Hidalgo, com capital em Pachuca, deve seu nome, concedido postumamente.

2- Ignacio Allende

Ignacio Allende foi o primeiro e principal aliado de Hidalgo nos primeiros meses da Guerra da Independência do México.

No entanto, pouco tempo depois, algumas diferenças entre os dois causaram uma separação que levou Allende a confessar planos de assassinar Hidalgo.

Após sua separação de Miguel Hidalgo, Allende o substituiu como líder e comandante das forças insurgentes. Isso aconteceu após a derrota retumbante dos insurgentes na Batalha da Ponte Calderón.

Ele foi preso junto com Hidalgo em uma emboscada e sofreu o mesmo destino: foi julgado, condenado e executado.

3- Agustín de Iturbide

Agustín de Iturbide era um militar e imperador mexicano. Nos estágios iniciais da Guerra da Independência, ele lutou do lado leal à Coroa Espanhola contra os insurgentes.

Ao longo dos anos, suas idéias mudaram e, depois de concordar com os insurgentes, ele finalmente concordou com a independência do México com Juan O’Donojú, representante da coroa espanhola no México.

Assim, ele se tornou uma figura histórica chave. No entanto, seu estágio como imperador foi breve e convulsivo, forçando-o a se exilar após um golpe contra ele.

4- José María Morelos

José María Morelos era um padre mexicano, militar e revolucionário. Ele liderou a segunda etapa da Guerra da Independência do México. Durante 1811 e 1814, seu poder militar foi evidente quando conquistou grande parte do sul do país.

Suas vitórias contínuas no campo de batalha, conquistando lugares estratégicos, fizeram dele o principal inimigo da coroa espanhola. O estado de Morelia deve seu nome.

5- Juan Ruiz de Apodaca

Ruiz de Apodaca foi um marinheiro espanhol, último vice-rei do México nomeado pela coroa espanhola. Ele ocupou o cargo entre 1816 e 1820. Antes, ele já havia sido governador de Cuba após sua promoção ao capitão-geral.

Sua carreira militar foi excelente, o que lhe rendeu o vice-reinado da Nova Espanha em um momento conturbado. Seu estilo pouco beligerante e muito dialógico permitiu obter simpatia da população indígena e facilitou a rendição de muitos insurgentes.

Apesar disso, ele foi deposto em 1821 por tropas militares espanholas com uma visão ideológica diferente.

6- Juan O’Donojú

Juan O’Donojú era um soldado espanhol, a última autoridade representativa da Espanha em solo mexicano antes que a independência fosse consumada.

Ele concordou com os insurgentes em suspender as hostilidades e retirar as tropas espanholas da Cidade do México, após as quais a independência foi consumida.

– Filósofos iluministas

O Iluminismo foi um período histórico que se desenvolveu no século 18 na Europa, principalmente na Alemanha (Aufklärung), na França (lumières) e na Inglaterra (Iluminismo).

Essa corrente filosófica buscou a reorganização do Estado e da sociedade, levando em consideração o poder da razão.

Os textos do Iluminismo foram distribuídos nas colônias espanholas, incluindo o México, de modo que se pode dizer que indiretamente os filósofos do Iluminismo participaram da independência do México.

As idéias dos filósofos Montesquieu e Rosseau foram algumas das mais importantes para a independência das colônias.

Charles-Luis Montesquieu

Montesquieu era um pensador francês. Entre suas contribuições destaca a classificação dos regimes políticos na monarquia, democracia e despotismo.

Ele criticou regimes autoritários, nos quais o poder estava concentrado em um único indivíduo e propôs a divisão do poder do governo em três órgãos: executivo, legislativo e judicial.

Jean-Jacques Rousseau

Rousseau foi um filósofo suíço do Iluminismo. Ele disse que todos os seres humanos são iguais perante a lei e que nascem com os mesmos direitos: igualdade, liberdade e direito à vida.

Ele também complementou as idéias de Montesquieu, salientando que a autoridade política de uma nação reside no povo e não em um indivíduo em particular.

Relacionado:  José de la Riva Agüero: Biografia, Governo e Obras

– Participação do exército napoleônico na independência do México

Em 1789, houve a revolução francesa, um movimento liderado por Napoleão Bonaparte. Como no Iluminismo, os ideais promovidos por essa revolução (igualdade, liberdade e fraternidade) se espalharam pelas colônias americanas, incentivando-as a se libertarem do jugo espanhol.

No entanto, a intervenção do exército napoleônico não termina aqui. Em 1808, Napoleón Bonaparte entrou no território espanhol, assumiu o controle da Espanha e deixou o governo nas mãos de seu irmão, José Bonaparte.

A notícia de que a Espanha estava vulnerável devido à invasão de Napoleão Bonaparte motivou as colônias e, assim, iniciou os processos de independência na América Latina.

– Participação do povo na independência do México

Várias organizações clandestinas foram criadas nas colônias para planejar a rebelião contra a Espanha. Uma dessas organizações era o clube de literatura de Querétaro.

A princípio, organizações desse tipo incluíam apenas brancos crioulos, mas depois os crioulos viram que a inclusão das massas seria benéfica. Dessa maneira, aborígines e mestiços foram adicionados à rebelião.

Um dos membros mais relevantes do clube Querétaro foi Miguel Hidalgo y Castilla, um pai liberal que questionou as políticas da Igreja (como o celibato, a proibição de um certo tipo de literatura, a infalibilidade do Papa, entre outros).

Em Querétaro, o padre Hidalgo encontrou o capitão Ignacio Allende. Em 1810, esses dois números começaram a planejar uma rebelião contra as autoridades espanholas, que deve entrar em erupção em dezembro daquele ano.

No entanto, as forças espanholas souberam da rebelião e, na tentativa de impedir que ela explodisse, ordenaram a prisão dos insurgentes.

Como sua estratégia foi descoberta, o padre Hidalgo não teve escolha a não ser avançar a rebelião. Assim, em 16 de setembro de 1810, começou a guerra pela independência do México.

Apesar de não terem treinamento, as forças coloniais (compostas principalmente por aborígenes e mestiços) conseguiram derrotar as forças realistas. Posteriormente, Hidalgo organizou um exército próprio, composto por 80000 soldados pagos.

Em 1811, Hidalgo e seus homens caíram em uma emboscada, foram capturados e posteriormente executados.

Após a morte de Hidalgo, o padre mestiço José Morelos organizou os capitães do México que haviam sido libertados pelo exército mexicano e estabeleceu um congresso no qual declarou independência, a abolição da escravidão e a igualdade de classes. Morelos foi capturado e julgado pela Inquisição e pelo tribunal militar. Foi executado em 1815.

O general Manuel Mier y Terán foi o sucessor de Morelos, no entanto, ele não foi capaz de unir as forças mexicanas, que continuaram a lutar de forma independente, o que facilitou sua derrota.

Finalmente, as tensões políticas entre os colonos e as autoridades monarquistas fizeram com que Agustín de Iturbide (oficial da Coroa Espanhola) e Vicente Guerrero (líder das forças mexicanas em 1821) assinassem o Plano Iguala, que garantia a preservação do status da Igreja. Católica, a independência do México e a igualdade entre espanhóis e crioulos.

Em 24 de agosto de 1821, Juan O’Donoju e Iturbide assinaram o tratado de Córdoba e o México se tornou uma nação livre.

Referências

  1. Povo da independência da guerra do México. Recuperado em 21 de junho de 2017, de en.wikipedia.org
  2. 7 famosos mexicanos da história. Recuperado em 21 de junho de 2017, de thoughtco.com
  3. Começa a Guerra da Independência do México – 16 de setembro de 1810. Recuperado em 21 de junho de 2017, history.com
  4. Luta pela independência mexicana. Recuperado em 21 de junho de 2017, de history.com
  5. A independência mexicana Recuperado em 21 de junho de 2017, de donquijote.org
  6. Guerra da Independência do México. Recuperado em 21 de junho de 2017, de newworldencyclopedia.org
  7. Independência mexicana Recuperado em 21 de junho de 2017, de tamu.edu.

Deixe um comentário