Reintegração social: conceito, importância e políticas

Reintegração social é um conceito usado para definir o conjunto de ações sistemáticas que são realizadas para voltar a incluir na sociedade um indivíduo que por algum motivo foi marginalizado por ela.

Embora o termo seja geralmente usado para casos de pessoas privadas de liberdade por infringirem a lei, também pode ser aplicado a iniciativas realizadas para integrar estrangeiros, vítimas de eventos traumáticos ou violentos, viciados e doentes mentais, entre outros.

Reintegração social: conceito, importância e políticas 1

A reintegração social busca favorecer a integração de pessoas marginalizadas e condenadas à sociedade. Fonte: pixabay.com

A idéia de uma reintegração social está presente nas comunidades que se vêem como entidades que oferecem ajuda e contenção a seus membros. Seu objetivo é garantir que indivíduos fora do sistema possam entrar novamente.

Para isso, geralmente são desenvolvidos programas específicos que incluem apoio terapêutico e psicológico, educação, treinamento em ofícios, esportes e exercícios físicos, acesso a atividades culturais, saúde e assistência e promoção de relações sociais.

No caso de pessoas condenadas por violar as regras, o processo de reintegração começa durante o período de cumprimento das sentenças e continua quando eles recuperam sua liberdade.

Seu objetivo é reduzir as chances de reincidência e conseguir um reajuste na sociedade para que eles não cometam um crime novamente.

Conceito de reintegração social

O conceito de reintegração social é primeiro integrado pela palavra “reintegração”, que vem do latim “reinserir” e significa reinserir.

Do ponto de vista etimológico, esse termo é formado pelo prefixo de repetição “re” e pelo verbo “insert”, no sentido de “introdução”. Refere-se ao ato ou ação de devolver alguém a um local onde eles haviam saído voluntária ou involuntariamente.

Por seu lado, o adjetivo “social” refere-se a uma sociedade, entendida como o conjunto de indivíduos que compartilham uma cultura e história e vivem sob as mesmas regras.

Relacionado:  As 5 festas mais populares de Guayaquil

Esta palavra vem do latim “socialis”, que pode ser traduzido como “pertencente à comunidade de pessoas”. É composto pelos termos “socius”, que significa “parceiro”, e o sufixo “-al”, sinônimo de “relativo a”.

O conceito de reintegração social é baseado na idéia de que os comportamentos errados de uma pessoa são o resultado de uma falha no processo de socialização. Portanto, o sistema abre a possibilidade de uma nova integração, através da reeducação e reabilitação.

Pelo contrário, a pena de morte e a prisão perpétua são noções opostas, pois implicam a impossibilidade de um reajuste para a comunidade.

Importância da reintegração social

Já na Grécia antiga, o filósofo Sócrates (470 aC – id., 399 aC) argumentou que ninguém agiu deliberadamente mal, mas o fez por ignorância. Ele acreditava que, para praticar o bem, primeiro você precisava conhecê-lo.

O mesmo foi a opinião de Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), um dos pensadores mais importantes do Iluminismo, que explicou que o homem era bom por natureza, mas foi forçado por uma sociedade que o corrompia.

Por seu turno, o poeta e ensaísta espanhol Concepción Arenal (1820-1893) disse que era preciso odiar o crime, mas tinha pena do ofensor e que, ao abrir escolas, as prisões seriam fechadas.

Hoje, a ideia de que a reintegração social é possível, principalmente através da educação, está presente na maioria das comunidades.

Além de oferecer uma nova oportunidade aos marginalizados, os especialistas dizem que esses programas também são uma das maneiras mais eficazes e eficientes de reduzir o crime.

Isso ocorre porque, ao corrigir a conduta dos condenados, a reincidência é evitada.

Reintegração social no México, Colômbia e Chile

Reintegração social: conceito, importância e políticas 2

A ressocialização deve ser o objetivo do tratamento na prisão. Fonte: pixabay.com
Relacionado:  As 14 cores que começam com C mais relevantes

México

No México, a reintegração social está prevista no artigo 18 da Constituição Geral da República. Ali se afirma que “o sistema penitenciário será organizado com base no respeito aos direitos humanos, trabalho, treinamento, educação, saúde e esporte como meio de alcançar a reintegração do condenado à sociedade e garantir que ele não volte. cometer crime “.

Enquanto isso, a Lei Nacional de Execução Penal de 2016 estabelece o desenvolvimento de um sistema abrangente de reintegração e apoio contínuo aos condenados e suas famílias, que continua após sua libertação.

Colômbia

Na Colômbia, o artigo 4 do Código Penal – Lei 599 – estabelece que as sanções cumprirão “as funções de reintegração social e proteção da pessoa condenada”.

Por sua vez, o Conselho de Estado, em seu julgamento de 12 de outubro de 1993, enfatiza que deve buscar o “reajuste do recluso à vida social e comunitária, para corrigir as falhas que o levaram a cometer o crime e Eu posso voltar para a sociedade quando me recuperar.

Por sua vez, o Tribunal Constitucional, em seu julgamento nº C-549/94, entende que a ressocialização é o objetivo do tratamento na prisão “por meio de disciplina, trabalho, estudo, formação espiritual, cultura, esporte e recreação, sob um espírito humano e solidário ”.

Pimentão

Enquanto isso, no Chile, o Decreto-Lei nº 2.859, de 1979, estabelece que a gendarmaria é responsável por assistir, monitorar e contribuir para a reintegração social de pessoas detidas ou privadas de liberdade.

Dentro desse órgão, ele aponta para a Sub-Diretoria Técnica como responsável pelo desenvolvimento de programas e projetos institucionais para esse fim, garantindo a melhoria permanente do sistema prisional.

Além disso, com o objetivo de viabilizar a reintegração social, o Decreto-Lei nº 409 permite que as pessoas condenadas eliminem seus antecedentes criminais para todos os fins legais e administrativos, após dois anos de cumprimento da primeira sentença.

Relacionado:  Quais são os bens finais na economia?

Da mesma forma, o Decreto nº 518 regula as ações nas prisões e a maneira pela qual essa reabilitação será realizada. Nesse sentido, estabelece várias permissões de saída, concebidas como benefícios concedidos no âmbito de um sistema progressivo de aplicação de sentenças.

Por sua vez, o Decreto nº 943 estrutura especificamente a maneira pela qual a gendarmaria deve realizar o desenvolvimento do trabalho das pessoas sob seu controle, para as quais foram criados centros de educação e trabalho.

Finalmente, a reintegração social está entre os direitos fundamentais que o México, a Colômbia e o Chile devem respeitar por terem ratificado a Convenção Americana de Direitos Humanos (CADH) e o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos (PIDCP).

Referências

  1. Escritório das Nações Unidas sobre drogas e crime. Manual introdutório sobre prevenção de reincidência e reintegração social de criminosos. Série de manuais de justiça criminal. Nações Unidas
  2. Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos. Direitos das pessoas privadas de liberdade e para a prevenção e combate à tortura. Disponível em: oas.org
  3. Ministério da Justiça do Chile. Reintegração social Disponível em: reinsercionsocial.gob.cl
  4. Gonzales Martínez, Lina María (2010). Reintegração social, uma abordagem psicológica. Direito e Realidade. Número 16,. Faculdade de Direito e Ciências Sociais, UPTC.
  5. Constituição Política dos Estados Unidos Mexicanos. Disponível em: ordenjuridico.gob.mx

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies