Relações tróficas: conceito e exemplos

Relações tróficas: conceito e exemplos

As relações tróficas são aquelas que ligam dois ou mais organismos onde um atua como predador ou entidade, outros alimentos e outras funções como alimento ou entidade que se alimenta. Isso inclui a transferência de energia de um lugar no ecossistema para outro.

É regra geral que plantas, algas e qualquer organismo que sintetize seus próprios alimentos (organismos autotróficos) representem a base de qualquer relacionamento trófico na natureza, uma vez que eles são responsáveis ​​por transformar a energia do ambiente em moléculas orgânicas. aproveitado por outros organismos do ecossistema.

Existe uma grande diversidade de relações ecológicas que ligam espécies diferentes, mas qualquer tipo de relação trófica, de uma maneira ou de outra, envolve algum organismo autotrófico.

Relações tróficas podem ser observadas em todos os ecossistemas, mesmo naqueles com as condições mais extremas. Assim, os cientistas sempre tentam conhecer todas as relações tróficas de um ecossistema, pois isso lhes permite entender e representar seu funcionamento e o fluxo de nutrientes nele.

Para entender corretamente uma relação trófica, são necessárias muitas horas de observação e estudo do comportamento das espécies no ecossistema em que vivem, o que impõe algumas restrições ao estudo dessas relações entre as espécies.

Conceito de relacionamento trófico

Toda a vida no planeta sobrevive porque pode obter e usar energia de uma fonte externa a si mesma. Essa energia permite desenvolver, crescer, reproduzir e realizar todos os processos biológicos que a caracterizam.

No entanto, na natureza existem muitas estratégias e modos de vida diferentes. Por exemplo, plantas e algas obtêm sua energia da luz solar; herbívoros se alimentam de plantas e carnívoros se alimentam de herbívoros, por exemplo.

O conceito de “relações tróficas” deve, portanto, incluir muitas estratégias evolutivas diferentes, pois a transferência de energia de um indivíduo para outro pode ocorrer através de uma grande diversidade de processos.

Os relacionamentos tróficos podem variar desde a cooperação mútua de espécies até o benefício de uma espécie e a morte da outra. Mesmo em algumas estratégias, ambas as espécies ligadas transferem energia uma para a outra, em uma espécie de feedback.

Relacionado:  Estruturas homólogas e análogas (com exemplos)

Assim, o conceito de relações tróficas pode ser encontrado na literatura de muitas abordagens diferentes. No entanto, todos concordam que os relacionamentos tróficos são a “transferência de energia de um indivíduo para outro” .

Exemplos de relações tróficas

Nos estudos ecológicos, as relações interespecíficas são definidas primeiro e depois as relações tróficas com base nessas interações. Alguns exemplos das estratégias mais estudadas e observadas nas relações tróficas são:

Concorrência

A competição é talvez a interação interespecífica e, por sua vez, a relação trófica, mais observada na natureza, uma vez que controla a energia que pode ser obtida por um animal que se alimenta de um animal ou do ambiente ao redor, no caso de organismos autotróficos.

– As plantas nas florestas da floresta nublada competem por espaços onde podem capturar a maior quantidade de luz solar.

– No mar, observamos como predadores de diferentes espécies competem para capturar o maior número de peixes em um cardume de uma determinada espécie.

Em todos esses casos, há transferência de energia, já que quem “vence” a competição recupera as forças usadas para esse fim, enquanto quem “perde” acaba com suas reservas de energia diminuídas e, às vezes, até o perdedor morre. .

Parasitismo

Do ponto de vista antropocêntrico, o parasitismo é, talvez, um dos piores relacionamentos tróficos da natureza. Isso consiste em um dos indivíduos obtendo sua comida de outro, sem que o outro obtenha qualquer benefício.

Além disso, o indivíduo parasitado é prejudicado devido à energia que o indivíduo parasita retira dele.

Um exemplo clássico de parasitismo como relação trófica está representado nos vários parasitas que afetam os seres humanos: T. cruzi , T. saginata , P. falciparum , entre outros.

Todos esses parasitas usam o corpo humano como um ecossistema para viver, alojar, alimentar e até reproduzir dentro dele; ser capaz de fazê-lo a partir da energia que obtêm do ambiente que parasitam.

Relacionado:  Leão do Cabo: características, localização, dieta, morfologia

Por outro lado, esses parasitas diminuem a energia dos corpos que infectam, causando grande deterioração e diminuição da atividade fisiológica normal dos hospedeiros.

Mutualismo

O mutualismo é uma relação trófica na qual os dois indivíduos dependem um do outro para obter energia. Esse tipo de relacionamento é muito comum na natureza e são interações muito bem-sucedidas, especialmente em ambientes extremos.

Um exemplo desse tipo de interação encontrado em quase todos os ecossistemas do planeta (exceto na Antártica) corresponde aos líquenes , compostos de uma espécie de fungo e outra de algas.

As algas fornecem parte de seus fotoassimilados ao fungo, enquanto o fungo fornece às algas um substrato adequado para viver (com água e luz suficientes, etc.).

Predação

Essa interação, vista do ponto de vista trófico, consiste no benefício de um dos participantes e na morte do outro. O indivíduo definido como “predador” obtém energia da morte do outro, chamado “presa”.

Um exemplo clássico dessa relação trófica são os antílopes de caça de leões ( Panthera leo ) ( Hippotragus niger ) nas planícies africanas. Os leões perseguem o rebanho de antílopes para capturar e comer um de seus indivíduos.

O leão ou leões predadores obtêm energia assimilável devorando suas presas, sendo este o antílope.

Amensalismo

O amensalismo é uma interação interespecífica muito difícil de identificar nos ecossistemas.

No entanto, é fácil descrever a relação trófica, pois um indivíduo não percebe nenhum efeito da interação (ele não obtém energia) e o outro se prejudica com a interação, ou seja, perde energia.

Do ponto de vista trófico, há uma transferência de energia de uma espécie para o ecossistema, uma vez que a energia não é obtida por nenhum dos indivíduos participantes. Em outras palavras, uma das espécies faz com que a outra perca energia, mas não ganha energia para si mesma.

Relacionado:  Sucessão secundária: características e exemplos

Uma relação trófica amensalista pode ser vista quando os cães comem grama para “purgar”. Eles causam um efeito negativo à planta, porque removem a superfície absorvente de luz e causam feridas nos tecidos, enquanto o cão não ganha um único grama de energia ao se alimentar da planta.

Essa relação pode ser vista do ponto de vista trófico, na medida em que há uma transferência de energia da planta para o meio ambiente pela relação que ocorre entre os dois indivíduos: o cão e a planta.

Comensalismo

Comensalismo é definido como uma interação ecológica interespecífica entre dois organismos nos quais um deles se beneficia, enquanto o outro não recebe benefícios nem perdas. Na literatura, é representado como uma interação “+/-“.

Uma relação trófica comensalista pode ser vista nas remoras ( Remora remora ) que acompanham os tubarões o tempo todo. Eles se alimentam dos pedaços de carne que são liberados ao redor do tubarão quando ele se alimenta de suas presas.

O comensalismo é uma relação trófica difícil de identificar nos ecossistemas, uma vez que, em muitos casos, é temporária, ou seja, ocorre apenas por um período de tempo definido e raramente é essa interação permanente ou mantida por um longo tempo. .

Referências

  1. Bradstreet, MS, & Cross, WE (1982). Relações tróficas nas bordas altas do gelo do Ártico. Ártico , 1-12.
  2. Bunwong, K. (2011). Simulação Numérica em Interações Ecológicas no Tempo e no Espaço. Análise Numérica: Teoria e Aplicação, 121.
  3. Clarke, GL (1955). Elementos da ecologia (Vol. 79, nº 3, p. 227). LWW.
  4. Glavič, P. & Lukman, R. (2007). Revisão dos termos de sustentabilidade e suas definições. Jornal de produção mais limpa, 15 (18), 1875-1885.
  5. Lindeman, RL (1942). O aspecto trófico – dinâmico da ecologia. Ecology , 23 (4), 399-417.
  6. Robert, S. (2015). Elementos da ecologia . Pearson Education India.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies