República Conservadora do Chile: Origem, Desenvolvimento e Cultura

A República Conservadora do Chile , também chamada República Autoritária, foi um período na história do país marcado pelos governos do Partido Conservador. Após oito anos convulsivos, denominados Organização da República do Chile, a tensão entre liberais e conservadores levou a uma Guerra Civil.

A vitória neste conflito foi para os conservadores que, em 1831, estabeleceram o primeiro governo do período conservador. Três presidentes se sucederam durante a República Conservadora. Cada um deles permaneceu no cargo por dez anos.

República Conservadora do Chile: Origem, Desenvolvimento e Cultura 1

Diego Portales. Fonte: Por álbum do Congresso Nacional em seu primeiro centenário 1818-1918 [Domínio público ou Domínio público], via Wikimedia Commons

A República Autoritária durou até 1861. Durante as três décadas de primazia conservadora, o país se estabilizou com um forte estilo de governo e, segundo os liberais, quase ditatorial. Entre os eventos mais importantes, destacou a guerra contra a Confederação Peru-Boliviana, bem como a tentativa revolucionária de 1851.

Governos conservadores deram grande importância à educação. Inúmeras instituições educacionais foram criadas, incluindo a Universidade do Chile, e a mulher acessou os centros educacionais. Da mesma forma, no campo cultural, ele destacou a chamada Geração de 1842, um grupo de escritores com uma ideologia progressista.

Origem

Depois de alcançar a independência, os chilenos enfrentaram a tarefa de organizar seu país. Havia grupos opostos, com ideologias opostas, que tentaram desenvolver seus modelos de estado.

Apesar de compartilharem sua origem crioula e rica, eles acabaram se concentrando em dois grandes grupos: os liberais e os conservadores.

Organização da República do Chile

Os anos seguintes à independência foram convocados pelos historiadores da Organização da República do Chile. Foram oito anos caracterizados por tensões ideológicas e políticas entre os partidários das diferentes formas de organização institucional e política do país.

Havia um acordo no chamado paradigma republicano, mas era impossível para eles chegarem a um acordo sobre o restante das questões.Essas tensões causaram o surgimento de várias correntes políticas que deveriam começar nos eventos subseqüentes.

Assim, os conservadores (perucas), os liberais (pipiolos) e as tabacarias se enfrentaram. Estes últimos eram conservadores no político e liberal no econômico. Finalmente, havia um pequeno grupo de apoio de uma organização federal.

Ensaios Constitucionais

As diferenças de organização do país refletiram legalmente nos diversos textos legais elaborados durante esses anos. Os “Ensaios Constitucionais” redigidos cobriam todo tipo de ideologia.

Assim, em 1823, foi apresentada a Constituição Moralista, que buscava educar a população por meio de leis. Três anos depois, foi a época das leis federais, que defendiam uma organização semelhante à dos EUA. A última proposta foi a Constituição Liberal, escrita em 1828.

Guerra civil

O confronto entre as diferentes correntes acabou levando o país a uma guerra civil. Isso começou em 1829 e enfrentou liberais e conservadores.

No mesmo ano, foram realizadas eleições presidenciais, vencidas por Francisco Pinto. Atrás dele, os conservadores Ruíz-Tagle, segundo, e José Joaquín Prieto , terceiro. No entanto, os liberais vitoriosos apontaram como vice-presidente o candidato que havia sido o quarto na votação.

Isso fez com que os conservadores, com o apoio das tabacarias e dos o’higginistas, se rebelassem. Apesar da renúncia de Pinto, o exército do sul, sob o comando de Prieto, empreendeu a marcha para a capital. Ao mesmo tempo, Diego Portales também organizou uma revolta armada.

Apesar do bom progresso da guerra por seu lado, entre os conservadores também houve discordâncias. A figura de Portais foi fundamental, pois pressionou Ruíz-Tagle para dar o comando a Tomás Ovalle.

Ele nomeou os portais do Ministério do Interior, Guerra e Relações Marinhas e Estrangeiras do governo, organizados pelos conservadores.

Batalha de Lircay

A batalha que terminou a guerra civil foi a de Lircay, em 17 de abril de 1830. A vitória conservadora foi total e causou a rendição dos liberais.

Embora, inicialmente, tenha sido assinado um tratado muito conciliatório, o governo provisório de Ovalle rejeitou as medidas de graça para os liberais. Segundo os historiadores, foi Diego Portales quem o convenceu a ser duro com os derrotados.

Desenvolvimento

República Conservadora do Chile: Origem, Desenvolvimento e Cultura 2

José Joaquín Prieto, primeiro presidente do período conservador

A República Conservadora começa em 2 de junho de 1831. O primeiro presidente foi José Joaquín Prieto e Diego Portales ocupou a vice-presidência. Apesar de pertencer ao lado da tabacaria, Portales se tornou o verdadeiro ideólogo daqueles primeiros anos conservadores.

As perucas começaram a escrever uma nova constituição, que seria promulgada em 1833. Nesta Carta Magna, foram estabelecidos os princípios que governariam o país por 30 anos.

Durante essas três décadas, o Chile conheceu três presidentes diferentes: José Joaquín Prieto, Manuel Bulnes e Manuel Montt. Cada um deles ocupou o cargo por 10 anos.

Diego Portales

Um dos personagens mais influentes nesse período foi Diego Portales. De fato, alguns historiadores dão o nome de “era portalista”.

O político defendia estabilidade, ordem e mão dura, se necessário. Para Portales, o Chile não estava preparado para a democracia, por isso precisava ser dirigido por uma autoridade forte.

Sua figura era onipresente nos primeiros anos da República Conservadora. No entanto, seus pensamentos também lhe renderam inimigos. Em 6 de junho de 1837, ele foi morto quando um regimento se revoltou em Quillota.

Ideologia da República Conservadora

A ideologia sob a qual a República Conservadora foi estabelecida respondeu quase cem por cento à de Portales. Os conservadores defendiam um governo forte, autoritário e centralizado. O presidente era o centro do poder político, com amplas prerrogativas. Além disso, o catolicismo foi estabelecido como uma religião permitida.

Para a oposição, a República Autoritária se comportou muitas vezes como uma verdadeira ditadura.

Constituição de 1833

As idéias conservadoras foram incorporadas na Constituição promulgada em 1833. Ela definiu o país como uma República Democrática e concedeu grandes poderes ao Presidente. Entre eles estava o poder de veto sobre as decisões do Congresso, bem como a iniciativa na proposição de leis.

Além disso, o presidente tinha o poder de decretar o estado de sítio, era o chefe supremo do exército e mantinha o conselho de curadores da Igreja. Em relação a este último, a Constituição estabeleceu que o catolicismo se tornou a única religião permitida.

Cada legislatura foi estabelecida em 5 anos, com possibilidade de reeleição. O sistema eleitoral era de recenseamento, podendo votar apenas aqueles que sabiam ler, escrever e possuir renda suficiente.

Autoritarismo

A Constituição aprovada de 1833, juntamente com as idéias de Portais e outros conservadores, logo deu um sinal autoritário à República. O Congresso teve muito pouco peso político contra a figura do Presidente, que não hesitou em declarar o Estado de Exceção com alguma frequência.

Cada um dos três presidentes da República Conservadora permaneceu no cargo por 10 anos, sendo acusado pela oposição de práticas pouco claras nas eleições.O que o novo sistema conseguiu terminar foi com a liderança militar em algumas partes do país, sustentando a ordem republicana.

Da mesma forma, foram desenvolvidas políticas culturais e educacionais com o consenso de outras forças políticas. Especialmente no último campo, o Chile se beneficiou da criação de instituições tão importantes quanto a Universidade ou a lei da educação primária e gratuita.

A partir de meados do século, a República Conservadora reduziu ligeiramente o autoritarismo que lhe foi atribuído. Partidos políticos mais clássicos começaram a se desenvolver, aparecendo, entre os mais importantes, o liberal, o conservador e o nacional, liderados por Manuel Montt. Este último era conservador, mas se distanciou da Igreja Católica.

Guerra contra a Confederação Peru-Boliviana

Um dos eventos mais importantes durante os primeiros anos da República Conservadora foi a guerra que colocou o Chile contra a Confederação do Peru e Bolívia. Isso ocorreu sob o comando do marechal Santa Cruz e logo começou a rivalizar comercialmente com o Chile.

As acusações de tentar desestabilizar o país e instigar o assassinato de Diego Portales levaram o governo chileno a tomar medidas militares. O primeiro desembarque chileno no sul do Peru, em outubro de 1837, resultou em um fracasso. Depois disso, Manuel Bulnes assumiu o comando da nova expedição.

A guerra durou até janeiro de 1839. Após inúmeras batalhas, os chilenos conseguiram derrotar as tropas de Santa Cruz em Yungay.

Economia

A situação econômica do país após a independência estava estagnada, se não em declínio. A República Conservadora usou os poderes do Estado para promovê-lo, misturando conceitos liberais e protecionistas.

Os dois primeiros presidentes, Prieto e Bulnes, fizeram um progresso significativo no progresso econômico. Eles basearam sua política na ordenação e promoção do desenvolvimento material do país.

Por seu lado, Montt iniciou seu mandato com bons números econômicos, mas nos últimos anos o país foi afetado por uma grande crise.

A base do desenvolvimento econômico foi a recuperação agrícola. O governo abriu novos mercados para trigo e farinha a partir da década de 1940. A isso se juntou o boom da mineração, especialmente prata e cobre.

Montt e a Revolução de 1851

O último presidente da República Conservadora, Manuel Montt, encontrou forte oposição ao tentar chegar ao poder. Por um lado, a lógica por parte dos liberais, que a chamou de extremamente autoritária. Por outro lado, dentro do próprio lado conservador, que o via como um novato.

As eleições de 1851 foram marcadas por fraude eleitoral a favor de Montt. Isso causou a ascensão de apoiadores de seu rival, o liberal José María de la Cruz. Várias áreas do país se rebelaram em setembro de 1851, pedindo a convocação de um novo Congresso Constituinte.

O comandante do exército do governo era Manuel Bulnes que, em apenas três meses, conseguiu derrubar os insurgentes.

Apesar da rápida vitória, os historiadores apontam que foi um ponto de virada importante na República Conservadora. O país estava claramente dividido e o governo aumentou seu autoritarismo.

A questão do sacristão

Uma crise interna na Igreja Católica chilena foi marcada como o começo do fim da República Conservadora: a chamada Questão do Sacristão, em 1856.

A demissão de um sacristão menor em janeiro daquele ano por seu superior causou a queixa de dois padres, que apelaram ao Supremo Tribunal de Justiça depois de serem suspensos por suas reivindicações.

Embora a Corte fosse uma corte civil, na época o governo desfrutava do patrocínio da Igreja, então eles tinham autoridade sobre ela.

Aproveitando esse conflito não muito importante, o arcebispo de Santiago viu a oportunidade de acabar com essa predominância governamental. Dessa maneira, ele não reconheceu a decisão da Corte, que havia dado o motivo aos padres.

Montt, como Presidente, apoiou a Corte, que acabou desencadeando um conflito entre o Estado e a Igreja. Os conservadores que apoiaram o último foram chamados de “ultramontanos”, enquanto os partidários de Montt foram chamados de “nacionais”.

Montt montou seu próprio partido, o Nacional, enquanto os ultramontanos continuaram no Conservador.

Os liberais se aproveitaram dessa divisão e criaram uma aliança eleitoral com os ultramontanos que enfrentam as eleições seguintes.

A Revolução de 1859

Antes das eleições mencionadas, o Chile sofreu outra revolta armada contra o governo. As causas da rebelião, ocorrida em 1859, foram a rejeição da interferência do presidente nas eleições e a reivindicação de uma Assembléia Constituinte.

Da mesma forma, as províncias pensaram que seus recursos agrícolas e de mineração não apresentavam benefícios e que estavam sendo desviados para cidades como Santiago e Valparaíso.

Finalmente, houve também uma rejeição aberta por muitos grupos do candidato nomeado por Montt para substituí-lo, Antonio Varas.

O governo conseguiu esmagar a rebelião, mas o descontentamento se enraizou em muitos setores. Varas foi, de fato, nomeado candidato para as eleições de 1861, mas a pressão de várias frentes o obrigou a renunciar.

O Partido Nacional de Montt os substituiu por José Joaquín Pérez, muito mais moderado. Os liberais e conservadores, aliados da ocasião, apoiaram a candidatura, que obteve uma vitória retumbante.

Considera-se que, com essas eleições, a era da República Conservadora terminou. Perez era considerado presidente de transição, pois, apesar de conservador, não significava a continuação das políticas de Montt.

Aspectos culturais

A sociedade chilena evoluiu de sua independência. Passou de ser estatisticamente dividido a uma divisão de classe.

Nessa evolução, ele destacou a mistura de grupos raciais, o desaparecimento das parcelas, a abolição da escravidão e o fim das distinções por razões nobres. No entanto, isso não levou a uma sociedade mais igualitária.

A aristocracia continuou a possuir as terras. De fato, com a República Conservadora, eles conseguiram aumentar sua riqueza e, portanto, seu poder.

Essas famílias foram unidas por outras favorecidas pelo aumento da mineração, comércio ou aquisição de grandes extensões de terra.

Abaixo dessa classe alta, havia pequenos comerciantes, funcionários, artesãos e oficiais de baixo escalão. Os proprietários de pequenas minas foram adicionados a esses grupos. Em geral, seu poder político era muito pequeno, embora eles costumavam apoiar as elites.

A última classe social foi a que apresentou o maior número de membros. Essa classe baixa era composta por camponeses, indígenas, pardos e negros. Eles foram caracterizados por sua baixa renda, falta de educação e falta de influência política e econômica.

Igreja

A força da Igreja Católica no Chile a tornou um dos agentes políticos mais importantes. Os conservadores sempre se alinharam com seus interesses, embora tentassem controlá-lo através de patrocínios.

A Constituição de 1833 não apenas manteve esse patrocínio, mas também transformou o catolicismo romano na religião oficial e única do país.

Educação

Um dos poucos assuntos em que houve algum consenso entre liberais e conservadores foi a educação. Ambos os lados se declararam herdeiros da iluminação e consideraram que todos deveriam ter acesso ao sistema educacional.

Durante a República Conservadora, o governo de Bulnes foi quem aprovou a maior parte das leis nesse campo. Assim, ele fundou uma Escola de Preceptores, fortaleceu a educação das mulheres e trouxe educação para toda a população.

Outros marcos durante esse período foram a criação em 1842 da Universidade do Chile, com cinco faculdades diferentes. Da mesma forma, a Lei da Educação Primária e Normal foi promulgada em 1860, que estabeleceu o ensino gratuito da educação primária.

Geração 1842

Segundo alguns especialistas, a estabilidade oferecida pela presidência de Bulnes foi a base para a geração literária de alta qualidade. Foram autores que demonstraram preocupação com os problemas do país.

A chamada Geração de 1842 teve uma clara influência ilustrando que eles se misturavam com a aceitação de muitas correntes culturais vindas da França.

Entre os mais conhecidos estavam José Victorino Lastarria, Salvador Sanfuentes, Santiago Arcoso ou Benjamín Vicuña Mackenna. Com o tempo, eles se tornaram os criadores de uma ideologia que convergiu com o progressivismo do século XVIII. A maioria declarou-se anticlerical e liberal.

O centro desta geração era a Sociedade Literária de Santiago. Um deles, José Victorino Lastarria, tornou-se o fundador do Partido Liberal em 1849. Um ano depois, Francisco Bilbao e Santiago Arcos fundaram a Equality Society. O governo acabou dissolvendo-o e enviando seus membros para o exílio.

Presidentes

José Joaquín Prieto (1831-1841)

As eleições realizadas após a Guerra Civil de 1829 foram vencidas pelo general José Joaquín Prieto, que se tornou o primeiro presidente da República Conservadora.

Seu mandato foi marcado pela promulgação da Constituição de 1833, que estabeleceria as bases legais que governariam as décadas seguintes.

O principal objetivo do Prieto era estabilizar o país. Para conseguir isso, ele não se importava em cair no autoritarismo e na repressão violenta.

Abaixou a influência de Diego Portales, Prieto declarou, em 1836, a guerra à Confederação Peru-Boliviana. Apesar da vitória, o conflito foi muito impopular no país, o que fez uma oposição tímida aparecer.

Diego Portales foi assassinado em 1837, considerado o primeiro crime político da história do país. Por outro lado, a guerra contra a Confederação proporcionou a Manuel Bulnes, sobrinho do presidente, uma grande popularidade. Foi isso que o catapultou para a presidência em 1841.

Manuel Bulnes (1841-1851)

Impulsionado pela guerra, Bulnes se tornou o segundo presidente conservador. Ele assumiu o cargo em 18 de setembro de 1841, inaugurando um período caracterizado por estabilidade e tranquilidade.

As políticas de Bulnes se concentraram em quatro temas: colonização, pacificação, educação e internacionalização.

No primeiro desses assuntos, os resultados foram confusos. Pelo lado positivo, ele conseguiu tomar a área do estreito de Magalhães, favorecendo a chegada dos colonos. No entanto, sua tentativa de conquistar Araucanía não terminou com o mesmo sucesso.

Durante o governo de Bulnes, a vida cultural do país viveu momentos de grande crescimento. A educação foi um dos pilares de sua legislatura, com a abertura de inúmeros centros educacionais.

A única coisa que quebrou a tranquilidade daqueles anos foi a Revolução de 1851. Esse levante foi dirigido mais contra o sucessor de Bulnes, Manuel Montt, do que contra o próprio presidente cessante.

Manuel Montt (1851-1861)

A última década da República Conservadora começou com a mencionada Revolução de 1851. Apesar disso, Montt se tornou o primeiro civil desde Ovalle a assumir o cargo.

A política que ele desenvolveu seguiu a linha do seu antecessor, melhorando o sistema educacional. Para fazer isso, ele convidou vários intelectuais estrangeiros a colaborarem com sua modernização.

Montt também promoveu obras públicas. Ele destacou especialmente a criação da ferrovia, bem como a melhoria da rede de transporte.

O presidente triunfou onde Bulnes falhou e conseguiu colonizar a parte sul da Araucanía. No entanto, ele não tinha tanta fortuna em outras áreas daquela região.

Apesar desses sucessos, a segunda legislatura foi o início da falência do conservadorismo. A chamada “Questão do Sacristão” acabou causando sua ruptura. Montt fundou o Partido Nacional, deixando seus oponentes internos no Partido Conservador.

A Igreja se posicionou contra Montt e os liberais e ultramontanos aliados contra ele. Diante dessa situação, os conservadores buscaram um candidato neutro para manter o poder. O escolhido foi José Joaquín Pérez, cuja eleição terminou a República Conservadora

Referências

  1. Memória chilena O Partido Conservador (1823-1891). Obtido de memoriachilena.cl
  2. Biblioteca do Congresso Nacional do Chile. Período 1833-1891. República Oligárquica e Guerra Civil de 1981. Obtido de bcn.cl
  3. Ossa, Juan Luis. O liberalismo conservador de Manuel Bulnes. Obtido em economiaynegocios.cl
  4. John J. Johnson, César N. Caviedes e outros. Chile Obtido em britannica.com
  5. Collier, Simon. Chile: a criação de uma república, 1830-1865: política e idéias. Recuperado de books.google.es
  6. Wikipedia Diego Portales. Obtido em en.wikipedia.org
  7. Wikiwand República Conservadora Obtido em wikiwand.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies