República de Weimar: origem, causas, crise e personagens

A República de Weimar foi o nome que recebeu o regime político instalado na Alemanha em 1918, após sua derrota na Primeira Guerra Mundial . Essa denominação também se aplica ao período histórico que durou até 1933. Oficialmente, o país continuou a ser chamado de Império Alemão, apesar da mudança no sistema governamental.

Mesmo antes de reconhecer sua derrota na Grande Guerra, a maioria da população e os militares sabiam que era inevitável. No entanto, ainda havia alguns setores dispostos a continuar enfrentando aliados. Isso fez com que a cidade se levantasse na chamada Revolução de Novembro.

República de Weimar: origem, causas, crise e personagens 1

República de Weimar – Fonte: Blank_map_of_Europe.svg: trabalho derivado de maix: Alphathon /’æl.f’æ.ðɒn/ [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0) ]

Em um contexto de guerra quase civil entre direitistas e comunistas, entre outras correntes, foi convocada uma Assembléia Constituinte em Weimar para fornecer ao país uma nova Constituição republicana.

Apesar do estabelecimento da nova república, a instabilidade era a principal característica de toda a sua existência. A crise econômica, a hiperinflação e a existência de grupos armados de várias ideologias deram a opção ao Partido Nacional Socialista, liderado por Adolf Hitler, para ganhar cada vez mais adeptos.

Foi o próprio Hitler, com sua chegada ao poder e as leis que ele promulgou para concentrar todo o poder que acabou com a República de Weimar.

Origem e estabelecimento

A Alemanha, após quatro anos de guerra, enfrentou as últimas semanas de conflito envolvidas em uma grande crise econômica e sem recursos militares para se opor aos seus inimigos. Em 14 de agosto de 1918, os Aliados fizeram sua última ofensiva e o Alto Comando Alemão teve que reconhecer que a derrota era iminente.

No mês seguinte, dois dos quarterbacks mais influentes do exército alemão pediram às autoridades que concordassem em assinar um armistício com base nos 14 pontos que o Presidente Wilson havia preparado.

Após esse pedido, um novo governo parlamentar foi formado. Ele escolheu como chanceler Maximilian von Baden, que, apesar de nobre, tinha uma ideologia liberal e era a favor da negociação da paz.

As condições impostas por Wilson, que negociaram sem que seus aliados soubessem, eram despretensiosas para o exército alemão. Mais tarde, Hitler usaria esses eventos para declarar que os políticos haviam traído o país.

O governo fora deixado para os socialistas, que pensavam que o Kaiser William II iria abdicar. Nesse contexto, estourou a Revolução de Novembro, também chamada “os eventos de Kiel”.

Eventos de Kiel ou Revolução de Novembro

Na cidade de Kiel, houve uma insurreição causada pela intenção do Alto Comando da Marinha de enfrentar os britânicos. A resposta foi uma revolta entre os soldados da marinha, que consideraram absurdo travar uma batalha quando a guerra já estava perdida.

O Alto Comando suspendeu a operação, mas emitiu uma ordem para deter os amotinados a serem julgados. Imediatamente essas prisões geraram a solidariedade de muitos de seus colegas, bem como a dos trabalhadores da cidade. As manifestações foram reprimidas pelas autoridades, o que acabou causando uma revolta geral.

Em 4 de novembro, os marinheiros nomearam um conselho de representantes antes de atacar os navios e ocupar a base naval de Kiel. Logo se juntaram a eles trabalhadores, que formaram um conselho comum semelhante aos soviéticos russos.

Juntamente com outros setores da população, eles tomaram a cidade enquanto cantavam a Internacional. Naquela mesma noite, um deputado do Partido Social Democrata, o SPD, apareceu em Kiel, que conseguiu acalmar a situação.

Contágio da revolta

Os eventos de Kiel se espalharam pelo resto do país. Os militares se revoltaram contra seus oficiais e, juntamente com os trabalhadores, lançaram uma campanha de greves e protestos.

Os resultados variaram dependendo das diferentes zonas. Como exemplo, os marinheiros que estavam em Brunswick fizeram o Grão-Duque abdicar e a proclamação de uma república socialista ocorreu.

No dia 7, o rei da Baviera, Luis III, deixou Munique, a capital, e o governo foi assumido por um conselho formado por camponeses, trabalhadores e militares. Isto declarou a República da Baviera constituída.

Dois dias depois, os tumultos chegaram a Berlim. O regime terminou e von Baden informou que o Kaiser havia abdicado.

Gradualmente, o resto dos príncipes que governavam nos diferentes estados alemães estava deixando o poder. Numa situação de caos, um ex-ministro do Império proclamou a República e, poucas horas depois, um dos líderes da Liga Espartacista apareceu no Palácio Real para proclamar a República Livre e Socialista da Alemanha.

SPD

Antes de chegar ao poder, o Partido Social Democrata (SPD) era o que mais apoiava o país, por isso foram encarregados da formação do governo. Um membro de seu partido, Friedrich Ebert, assumira a chancelaria provisoriamente após a abdicação do Kaiser.

Em 1917, o USPD, os socialistas independentes, apareceram. Sua divisão ocorreu porque ele considerou que o SPD estava fornecendo apoio demais ao governo do Império durante a guerra. Seus partidários consideravam que o sistema parlamentar era compatível com a existência de conselhos revolucionários.

A corrente mais radical foi a Liga Espartaquista. Isso tentou tirar proveito do ambiente revolucionário que ocorreu em novembro de 1918. Seu objetivo final era proclamar um estado socialista semelhante ao soviético, mas sem a limitação dos direitos individuais que ali ocorreram.

Após a revolução de novembro, independentes e social-democratas compartilharam o poder. O governo provisório formado por ambas as partes foi o que assinou o armistício de Compiegne, com base nos pontos de Wilson.

O Conselho Panamenho de Conselhos, na reunião realizada entre 16 e 20 de dezembro, convocou eleições para eleger uma Assembléia Nacional Constituinte.

Revolta dos espartacistas

O Movimento Espartacista, liderado por Rosa Luxemburg e Karl Liebknecht, não aceitou que as organizações de trabalhadores fossem deixadas de lado. Em dezembro de 1918, eles criaram o Partido Comunista Alemão.

Embora os dois principais líderes pensassem que não era a hora, já que seu apoio popular não era suficiente, a maioria da organização optou por pegar em armas. No final dos anos, as revoltas dirigidas pelos espartacistas levaram o chanceler a recorrer ao exército. O compromisso com a repressão violenta apenas causou a extensão das revoltas.

Relacionado:  Cidade Medieval: Recursos e Peças

Em janeiro, a situação era semelhante a uma guerra civil, especialmente em Berlim. As autoridades tentaram demitir o chefe de polícia, um membro do Partido Comunista. Sua recusa em deixar o cargo levou a novos levantes. Em janeiro, 200.000 trabalhadores foram às ruas para exigir que o exército se retirasse.

No final, as tropas do governo tiveram a ajuda de freikorps, organizações paramilitares de extrema direita, para acabar com a revolução espartacista.

Enquanto isso, dada a situação de guerra em Berlim, o governo havia deixado a cidade. As autoridades escolheram Weimar como a nova sede.

A Constituição de Weimar

A derrota dos espartacistas em Berlim não significou o fim dos confrontos em outros pares do país. Isso não impediu a realização das eleições, nas quais o SPD obteve a vitória com 37,9% dos votos.

Quando não alcançavam a maioria absoluta, os social-democratas eram forçados a concordar com o direito, no que ficou conhecido como Coalizão Weimar.

A Assembléia Nacional iniciou suas sessões em 19 de janeiro de 1919. Seu objetivo era escrever e aprovar uma nova Constituição. Este trabalho não era simples e exigiu seis meses de discussões até 31 de julho ser promulgado.

Segundo os especialistas, era uma Magna Carta muito progressiva, mas com alguns defeitos notáveis. O que teria maior impacto no futuro do país foi o grande poder concedido à figura do Presidente, que conseguiu governar sem prestar atenção ao Parlamento em caso de emergência.

Por outro lado, a Constituição de Weimar reafirmou o caráter federal do país. Além disso, estabeleceu amplas liberdades individuais, bem como direitos sociais muito avançados.

Tratado de Versalhes

Uma das primeiras medidas que Ebert propôs aprovar como presidente da República foi que a Assembléia Nacional assinasse o Tratado de Versalhes. Foi o acordo pelo qual a Primeira Guerra Mundial terminou e continha artigos claramente prejudiciais à Alemanha. No entanto, a Assembléia o ratificou em 9 de julho de 1919.

Os partidos nacionalistas e conservadores consideraram essa empresa uma traição. Ebert começou a perder parte de sua popularidade, embora seu mandato tenha sido estendido até 1925.

Crise e fim

Embora se possa dizer que a República de Weimar sempre esteve imersa em uma grande crise, os anos do pós-guerra foram especialmente complicados.

A nova república passou por tempos muito difíceis em todas as áreas, do econômico ao político. As tentativas de golpe se seguiram, surgiram movimentos separatistas e o governo se encontrou com a oposição de esquerda, extrema direita, burguesia e exército.

Reação direitista

A repressão contra os espartacistas e outros revolucionários causou o extremo direito de ter mais presença na vida do país. Na rua, ele já havia participado da formação de grupos paramilitares e no Parlamento eles apresentaram um partido, a DVNP, liderado por um ex-ministro imperial: Karl Helfferich.

O golpe de estado de Kapp foi uma das tentativas mais sérias de tirar o poder da direita ultra-conservadora. Aconteceu em 13 de março e não foi controlada até quatro dias depois.

Os líderes do golpe, liderados por Wolfgang Kapp e pelo general Walther von Lüttwitz, conseguiram tomar o poder em Berlim. Entre outras medidas, forçaram o presidente bávaro de social-democratas a deixar o cargo e nomearam um político que simpatizava com a causa conservadora.

A reação ao golpe não veio do governo. Foram os sindicatos que assumiram a liderança, pedindo uma greve geral. Por seu lado, o Partido Comunista pediu resistência pelas armas.

Graças a essas ações, o golpe foi derrotado. A principal conseqüência foi a convocação de novas eleições para junho de 1920.

Reação esquerdista

A esquerda também não facilitou o trabalho do governo da nova república. Nos primeiros anos de sua existência, houve várias pesquisas realizadas pelos trabalhadores. Um dos mais próximos do sucesso ocorreu na bacia do Ruhr, logo após o golpe de Kapp.

1920 eleições

As eleições de 1920 para formar, pela primeira vez, o Parlamento (Reichstag) foram um fracasso para a social-democracia. O SPD perdeu 51 cadeiras e teve que se contentar em passar a oposição. Por outro lado, os partidos nacionalistas e da oposição obtiveram bons resultados.

O governo foi presidido por Fehrenbach do ZP, centrista. Para alcançar a maioria, ele teve que se aliar a outros partidos burgueses. Esse resultado, no entanto, não impediu os ataques cometidos pela extrema direita.

Hiperinflação na República de Weimar

A hiperinflação atingiu fortemente a Alemanha a partir de 1922. O principal motivo foi o Tratado de Versalhes, que estabeleceu o pagamento da compensação impossível para a economia alemã.

Para pagar essas compensações, o governo alemão começou a imprimir dinheiro. Para piorar a situação, a França e a Bélgica invadiram a área com mais indústrias no país, o Ruhr, em represália à falta de pagamentos da Alemanha.

O governo, superado, enviou uma mensagem para iniciar uma campanha de resistência passiva e, para compensar as perdas sofridas pelos proprietários das indústrias, emitiu ainda mais moeda.

Gradualmente, as faturas impressas estavam perdendo valor real, enquanto os preços aumentavam. Em 1923, havia notas com um valor nominal de centenas de milhões, mas que, na realidade, mal serviam para comprar qualquer coisa.

O golpe de Munique

Antes da invasão francesa do Ruhr, a Alemanha não tinha escolha a não ser retomar o pagamento do que foi acordado em Versalhes. Foi nesse contexto que houve uma tentativa de golpe de estado por parte de algumas organizações nacionalistas.

O chamado “golpe” de Munique foi uma das primeiras aparições dos nazistas, um partido que havia sido fundado três anos antes. Depois dos confrontos na cidade, os líderes do golpe foram presos, incluindo Adolf Hitler.

Hitler foi condenado a 5 anos de prisão, embora tenha sido perdoado após cumprir apenas um ano de prisão.

Relacionado:  História de Guayaquil: Recursos Mais Importantes

Gustav Stresemann

O homem chamado para derrotar a hiperinflação foi Gustav Stresemann, que chegou à chancelaria em 1923. Ele também ocupava o portfólio de Relações Exteriores.

Stresemann tomou a decisão de criar a nova estrutura, a moeda alemã. Isso permitiu que a inflação se estabilizasse, apesar de levar três anos para a situação se normalizar.

Durante esse período de transição, o desemprego aumentou consideravelmente, assim como a produção. No entanto, em 1924, a Alemanha mostrou sinais de recuperação. Em 1929, a economia havia se recuperado quase completamente.

A Grande Depressão

Stresemann morreu em 3 de outubro de 1929 e, portanto, não testemunhou o novo declínio na economia do país.

Nesta ocasião, a causa não era interna. A Alemanha, como o resto do mundo, foi afetada pela eclosão da Grande Depressão, uma crise que começou nos Estados Unidos. Os efeitos foram devastadores. Em 1931, os trabalhadores desempregados eram quase 8 milhões.

Na esfera política, a Grande Depressão causou a queda do Ministro das Relações Exteriores Müller, um social-democrata. Heinrich Brüning, da ideologia centrista, a substituiu. Foi o presidente, Paul von Hindenburg, quem propôs.

Brüning, que mal teve apoio do Parlamento, foi incapaz de realizar as reformas financeiras que pretendia. Isso levou à realização de novas eleições. Isso aconteceu no dia 14 de setembro, depois de uma campanha na qual os nazistas tentaram tirar proveito da raiva da população.

Crescimento nazista

Os resultados das pesquisas confirmaram que a estratégia dos nacional-socialistas havia sido um sucesso. Antes dessas eleições, eles tinham apenas 12 cadeiras, que se tornaram 107 depois de obter mais de seis milhões de votos.

A partir desse momento, os nazistas receberam financiamento de alguns grandes industriais, como o Thyssen.

Tentativa de evitar a vitória nazista

A situação da economia não melhorou em 1931. O desemprego afetou mais de cinco milhões de pessoas e as instituições financeiras passaram por grandes dificuldades.

Diante disso, muitos começaram a temer uma vitória de Hitler nas eleições seguintes. Isso deveria ser feito em 1932 e a idade de Hindenburg parecia indicar que ele não voltaria.

Brüning delineou uma estratégia para eliminar a possibilidade de vitória nazista. Esse plano era garantir que essas eleições fossem suspensas e que o período da presidência de Hindenburg fosse prorrogado. Ele também propôs transformar a Alemanha em uma monarquia constitucional.

Nenhuma das propostas encontrou apoio suficiente entre os demais partidos políticos; portanto, as eleições foram convocadas para a data prevista.

Eleições de 1932

O partido nazista havia se dedicado a criar uma imagem de Hitler que o apresentava como o salvador de uma Alemanha humilhada pelos aliados.

Eles sustentaram que a derrota na Grande Guerra se deveu à traição dos políticos e prometeram melhorar a economia e retornar a grandeza perdida. Tudo isso se juntou à propaganda que culpava os judeus por todos os problemas.

As eleições do Reichstag de julho de 1932 foram vencidas pelo Partido Nacional Socialista. Ele obteve quase 40% dos votos no primeiro turno, embora no segundo ele tenha se contentado com 33%.

Em uma manobra que foi listada como muito discutível, os conservadores decidiram dar seu apoio a Hitler para se tornar chanceler.

Chanceler de Hitler

Embora ele tivesse sido nomeado chanceler, o poder de Hitler ainda era limitado. Seu grupo não tinha maioria, então ele teve que contar com a ajuda do Presidente Hindenburg para avançar com suas medidas. No gabinete do governo, de fato, havia apenas três nazistas de um total de onze membros.

Nesse contexto, aconteceu um evento que mudou tudo. A sede do Reichstag foi queimada em 27 de fevereiro de 1933. Os nazistas imediatamente culparam os comunistas por causar o incêndio, embora as investigações realizadas após a Segunda Copa do Mundo sugiram que foi causado pelos próprios nazistas terem a desculpa perfeita para aumentar seu poder

No dia 28, Hitler pediu ao presidente que aprovasse um decreto que lhe desse poderes extraordinários. Entre eles, a eliminação da liberdade de imprensa e expressão, a abolição da privacidade das comunicações e a capacidade de assumir o controle dos governos de cada um dos Estados que formaram o país.

Uma vez aprovado o decreto, Hitler garantiu que os socialistas e os comunistas não tivessem meios de realizar a próxima campanha eleitoral.

Fim da República de Weimar

A manobra de Hitler não deu o resultado esperado. As eleições federais de março de 1933 não deram aos nazistas a maioria que esperavam: dois terços da câmara, o que era necessário para reformar a Constituição.

Em 15 de março, Hitler encontrou uma maneira de resolver esse problema. Através do decreto aprovado após o incêndio no Reichstag, ele expulsou os deputados comunistas do parlamento, 81. Ele fez o mesmo com parte dos social-democratas. Com isso, o sindicato de seus deputados e os pertencentes aos partidos nacionalistas quase alcançou o número necessário.

Os nazistas pediram que as funções do parlamento se tornassem dependentes do chanceler. Esta lei foi votada em 23 de março de 1933 e foi aprovada com a votação de todos os deputados presentes, com exceção dos poucos representantes social-democratas que não haviam sido expulsos.

Essa votação significou o fim da República de Weimar. Na prática, ele estabeleceu uma ditadura, com todo o poder nas mãos de um único homem. Durante os meses seguintes, os nazistas desmantelaram os poucos focos de poder que ainda não estavam em suas mãos.

Causas de falha

O fracasso da República de Weimar não teve uma única razão. Em sua queda e a subsequente chegada de Hitler ao poder, surgiram de causas políticas a razões econômicas.

Cláusulas do Tratado de Versalhes

O acordo que os Aliados fizeram os alemães assinarem após a Grande Guerra é considerado pelos historiadores como o germe dos eventos que levariam à Segunda Guerra Mundial.

Relacionado:  As 7 cidades mesopotâmicas mais importantes

Por um lado, a Alemanha foi forçada a aceitar uma cláusula que a tornava a única responsável pela eclosão do conflito. Isso, juntamente com a perda de territórios nas mãos de seus inimigos, provocou o aparecimento de um sentimento de humilhação entre parte de sua sociedade.

Convenientemente estimulado pelos nazistas e partidos conservadores, o nacionalismo cresceu enormemente.

As reparações econômicas foram outra razão que levou a República de Weimar a nascer com sérios problemas. De fato, esses foram os principais responsáveis ​​pela hiperinflação, cujos efeitos sobre a população aumentaram a instabilidade e a influência dos partidos anti-republicanos.

Os efeitos da Grande Depressão

Se a hiperinflação já havia causado um aumento significativo no desemprego e uma diminuição na riqueza, o próximo golpe em sua economia veio depois da Grande Depressão. Seus efeitos afetaram toda a população e se tornaram um dos bens usados ​​pelos nazistas para aumentar seus seguidores.

Além disso, Hitler e seu povo criaram um bode expiatório para explicar os males que afligiam o país: os judeus.

Instabilidade política

A República de Weimar foi o cenário desde a criação do confronto entre várias correntes ideológicas. Por um lado, os comunistas organizaram várias revoltas armadas e convocaram greves gerais e uma multidão de protestos.

A extrema direita, por outro lado, também teve um grande papel naquele período. Nostálgicos do regime anterior, tentaram várias vezes acabar com a república através de armas.

Finalmente, movimentos nacionalistas apareceram em vários estados federais, buscando a independência do país. Sua repressão deu ainda mais destaque à direita radical, que formava grupos paramilitares.

Principais personagens

Friedrich Ebert

Membro do Partido Social Democrata Alemão, Ebert tornou-se o primeiro presidente da República de Weimar.

Antes disso, ele havia sido o presidente do governo provisório. A partir dessa posição, foi ele quem negociou a assinatura do Tratado de Versalhes com os aliados.

Mais tarde, ele teve que enfrentar a Revolução de Novembro e a Revolta Espartacista. Nos dois casos, ele não hesitou em usar o exército para acabar com os insurgentes.

Seu problema não acabou com essas duas revoluções. Em 1920, houve uma tentativa de golpe de estado pelos direitistas. Os trabalhadores reagiram com a Revolta do Ruhr. Três anos depois, ele foi responsável por prender Hitler pelo chamado “golpe” em Munique. Um ano depois, ele perdoou o futuro líder nazista.Ebert permaneceu no cargo até sua morte, em 28 de fevereiro de 1925.

Paul von Hindenburg

Esses militares e políticos já exerceram uma influência notável na política alemã durante a Primeira Guerra Mundial. A derrota fez com que se aposentasse mais tarde, mas retomou sua atividade em 1925.

Naquele ano, ele foi nomeado presidente da República de Weimar. Ele era um político conservador, com pouca simpatia pelo sistema democrático. Em 1932, quando tinha 84 anos, seus apoiadores o convenceram a voltar ao cargo de presidente para evitar uma possível vitória de Hitler nas eleições.

Durante essa legislatura conturbada, Hindenburg teve que dissolver o Parlamento duas vezes. No final, devido à pressão que estava recebendo, ele concordou em nomear Hitler como Chanceler em 1933.

Nesse mesmo ano, ele aprovou o Decreto de Incêndio do Reichstag, que dava plenos poderes ao novo chanceler. Hindenburg morreu em 1934, usado por Hitler para se declarar Chefe de Estado.

Franz von Papen

Suas maquinações eram essenciais para Hitler acessar o poder. Papen era um político pouco conhecido até Hindenburg o nomear chanceler para substituir seu parceiro no partido, Heinrich Brüning. Isso o levou a ser expulso de sua organização.

Seu governo se destacou por suas políticas autoritárias e conservadoras. Ele constantemente atacava os social-democratas e legalizava a Seção de Assalto SA, um grupo paramilitar nazista.

As eleições seguintes significaram um aumento de votos para os nazistas, sem Papen poder aumentar seu apoio. Isso o levou a renunciar ao cargo de chanceler. No entanto, ele continuou manobrando para manter seu poder.

Finalmente, ele concordou em se aliar à DNVP de direita e aos próprios nazistas. Através dessa aliança, Hitler foi nomeado chanceler. Já durante a guerra, Papen ocupou vários cargos no governo nacional-socialista.

Adolf Hitler

Adolf Hitler, depois de falhar como pintor e participar da Primeira Guerra Mundial, iniciou sua carreira política em 1919. O futuro líder nazista entrou no Partido dos Trabalhadores Alemães, que mais tarde se tornaria o Partido Nacional Socialista.

Já como líder desse partido, Hitler foi um dos participantes do “golpe” de Munique, um levante armado que terminou em fracasso. Juntamente com outros membros do partido, ele foi condenado a cinco anos de prisão. Durante os meses em que esteve na prisão, ele começou a escrever Mi Lucha , um livro que refletia sua ideologia.

Um perdão permitiu a Hitler sair da prisão em 1924. A partir desse momento, ele começou a aumentar sua influência na sociedade alemã, apresentando-se como o único que podia devolver a grandeza ao país e acabar com seus inimigos.

Em 1933, Hitler foi eleito Chanceler e, após a morte de Hindenburg, em 1934, proclamou-se Chefe de Estado. A República de Weimar foi renomeada como Terceiro Reich e Hitler assumiu todos os poderes.

Cinco anos depois, suas políticas expansionistas causaram a eclosão da Segunda Guerra Mundial.

Referências

  1. Lozano Cámara, Jorge Juan. Democracia alemã (República de Weimar). Obtido em classeshistoria.com
  2. EcuRed. República de Weimar. Obtido de ecured.cu
  3. García Molina, Victor Javier. Weimar, a república inviável. Obtido de abc.es
  4. Os editores da Encyclopaedia Britannica. República de Weimar Obtido em britannica.com
  5. Enciclopédia do Holocausto. República de Weimar Obtido em encyclopedia.ushmm.org
  6. Enciclopédia do Novo Mundo. República de Weimar Obtido em newworldencyclopedia.org
  7. Bundestag alemão República de Weimar (1918-1933). Obtido em bundestag.de
  8. Mount Holyoke College Desordem política: República de Weimar e revolta 1918-23. Obtido em mtholyoke.edu

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies