Respiração cutânea: características e exemplos de animais

A respiração cutânea é um tipo de respiração realizada por alguns animais aquáticos e terrestres, que ocorre através da pele. Nesse processo, os gases respiratórios são trocados diretamente com o meio ambiente, sem a necessidade de estruturas respiratórias especializadas, como pulmões ou brânquias.

Este tipo de respiração é comum em animais de pequeno porte, que possuem uma grande relação superfície/volume, o que permite uma eficiente troca gasosa. Alguns exemplos de animais que apresentam respiração cutânea são as minhocas, sapos, lesmas, alguns peixes de pequeno porte, entre outros.

A respiração cutânea é essencial para a sobrevivência desses animais, permitindo a absorção de oxigênio e a eliminação de dióxido de carbono, contribuindo para o equilíbrio do organismo e a manutenção de suas funções vitais.

Quais são os animais que realizam respiração cutânea em seu processo de sobrevivência?

A respiração cutânea é um tipo de respiração que ocorre através da pele dos animais. Este processo é comum em animais aquáticos e em alguns animais terrestres que possuem uma pele fina e altamente vascularizada. Alguns exemplos de animais que realizam respiração cutânea são anfíbios, tênias, sanguessugas e minhocas.

Os anfíbios, como sapos e salamandras, possuem uma pele fina e úmida que lhes permite absorver oxigênio diretamente do ambiente. Já as tênias, que são vermes parasitas, realizam a respiração cutânea através da sua superfície corporal. As sanguessugas também respiram pela pele, absorvendo oxigênio da água onde vivem. Por fim, as minhocas apresentam uma pele altamente vascularizada que lhes permite realizar trocas gasosas com o meio ambiente.

Em resumo, os animais que realizam respiração cutânea dependem da sua pele para absorver oxigênio e eliminar dióxido de carbono. Este processo é essencial para a sobrevivência desses animais, que não possuem órgãos respiratórios especializados como os pulmões.

Tipos de respiração em animais: conheça as diferentes formas de oxigenação dos seres vivos.

Respiração é um processo vital para os animais, responsável por fornecer oxigênio e eliminar dióxido de carbono do organismo. Existem diferentes tipos de respiração em animais, que se adaptam às características de cada espécie.

Um dos tipos de respiração é a respiração cutânea, que ocorre através da pele. Nesse processo, os animais absorvem oxigênio diretamente do ambiente externo, sem a necessidade de órgãos especializados. A respiração cutânea é comum em animais de pequeno porte, como anfíbios e alguns invertebrados.

Os animais que realizam a respiração cutânea precisam manter sua pele úmida para facilitar a troca gasosa. Esta forma de respiração é eficiente em ambientes aquáticos ou úmidos, onde o oxigênio está disponível em maior quantidade.

Alguns exemplos de animais que realizam a respiração cutânea são as lesmas, as minhocas e os sapos. Esses animais possuem uma pele fina e permeável, que permite a passagem de gases entre o ambiente externo e o seu interior.

Em resumo, a respiração cutânea é um tipo de oxigenação dos seres vivos que ocorre através da pele, sem a necessidade de órgãos respiratórios especializados. Esta forma de respiração é comum em animais pequenos e adaptados a ambientes aquáticos ou úmidos.

Conceito e exemplos de respiração traqueal em organismos insetos e aracnídeos.

A respiração traqueal é um tipo de sistema respiratório presente em organismos insetos e aracnídeos, onde o oxigênio é levado diretamente para as células do corpo através de uma série de tubos chamados traqueias. Essas traqueias são conectadas a aberturas na superfície do corpo, chamadas espiráculos, que permitem a entrada do ar.

Relacionado:  O que é gametófito? (Exemplos em diferentes espécies)

Um exemplo de inseto que possui respiração traqueal é a barata. Elas possuem espiráculos ao longo de seu corpo, por onde o ar entra e é distribuído pelas traqueias até as células. Já nos aracnídeos, como as aranhas, o sistema traqueal também está presente. Elas possuem diferentes tipos de traqueias adaptadas à sua forma de vida, como as filotraqueias, que são tubos ramificados que se estendem por todo o corpo.

A respiração traqueal é um sistema eficiente que permite uma rápida troca gasosa, garantindo a oxigenação das células. Esse tipo de respiração é fundamental para a sobrevivência desses organismos em diferentes ambientes, desde locais secos até aquáticos.

Em contraste com a respiração traqueal, existe a respiração cutânea, presente em animais como as minhocas. Esse tipo de respiração ocorre através da pele do animal, que absorve o oxigênio diretamente do ambiente. As minhocas, por exemplo, possuem uma pele fina e úmida que facilita a troca gasosa com o meio externo.

Em resumo, a respiração traqueal é um sistema respiratório característico de organismos insetos e aracnídeos, que permite a rápida oxigenação das células através de tubos especializados. Já a respiração cutânea é outro tipo de sistema respiratório presente em animais como as minhocas, onde a troca gasosa ocorre através da pele do animal.

Como a borboleta respira: qual é o tipo de respiração desse inseto?

A respiração cutânea é um tipo de respiração que ocorre através da pele ou de estruturas finas e altamente vascularizadas presentes no corpo de alguns animais. A borboleta é um exemplo de animal que realiza a respiração cutânea.

Quando pensamos em como a borboleta respira, é importante destacar que esse inseto não possui pulmões. A respiração da borboleta ocorre através de pequenos tubos chamados traqueias, que se ramificam por todo o corpo do animal e permitem a troca gasosa com o meio ambiente.

As traqueias da borboleta são revestidas por uma fina camada de umidade, que facilita a difusão dos gases respiratórios. O oxigênio presente no ar entra nas traqueias e é distribuído para as células do corpo, enquanto o dióxido de carbono produzido é liberado para o ambiente.

É importante ressaltar que a respiração cutânea permite uma troca gasosa eficiente em animais de pequeno porte, como as borboletas. Esse tipo de respiração é fundamental para a sobrevivência desses insetos, que conseguem obter o oxigênio necessário para suas atividades metabólicas através desse mecanismo.

Em resumo, a borboleta realiza a respiração cutânea através de traqueias que se ramificam por todo o seu corpo, permitindo a troca gasosa com o ambiente de forma eficiente. Esse mecanismo respiratório é essencial para a sobrevivência desse inseto, garantindo a obtenção do oxigênio necessário para suas funções vitais.

Respiração cutânea: características e exemplos de animais

A respiração da pele é uma forma de respiração no qual a troca gasosa ocorre através da pele e não através dos pulmões ou guelras.Esse processo ocorre principalmente em insetos, anfíbios , peixes , cobras marinhas, tartarugas e alguns mamíferos (Jabde, 2005).

A pele de animais que usam a respiração da pele é bastante especial. Para permitir uma troca gasosa, ela deve estar úmida para que o oxigênio e o dióxido de carbono possam passar livremente por ela.

Respiração cutânea: características e exemplos de animais 1

Sapo Um exemplo de animal com respiração na pele.
Relacionado:  Ciclose: características e exemplos

Caracteristicas

O processo de respiração da pele é realizado apenas através da pele. Por esse motivo, na maioria dos animais vertebrados que utilizam esse tipo de respiração, a pele é altamente vascularizada, a fim de facilitar o processo de troca gasosa.

Essa troca é altamente importante em anfíbios e tartarugas moles, que usam glândulas mucosas para conservar a umidade da pele (Marshall, 1980).

Alguns anfíbios têm muitas dobras na pele que os ajudam a aumentar a frequência respiratória. Sapos são conhecidos por beber água e respirar através da pele. Eles têm três formas de respiração: cutânea, pulmonar e através do revestimento da boca. Este último tipo de respiração é o mais utilizado quando estão em estado de repouso.

A respiração da pele é um tipo de respiração que não precisa ser realizada pelos pulmões. Por esse motivo, existem espécies que não têm pulmões e ainda conseguem sobreviver graças às trocas gasosas realizadas pela pele.

Existem espécies que podem exercitar a respiração cutânea e pulmonar, no entanto, estima-se que, nos anfíbios, a respiração da pele seja responsável por consumir 90% do oxigênio necessário para viver.

Respiração da pele em diferentes tipos de animais

Anfíbios

Respiração cutânea: características e exemplos de animais 2

Os anfíbios são classificados como organismos multicelulares e pertencem à classe dos anfíbios, que significa “ambos os meios” em grego.

A pele de todas as espécies de anfíbios é o órgão mais utilizado para realizar o processo respiratório. Algumas espécies dependem apenas da respiração da pele para sobreviver.

É o caso da salamandra apulmonada da família Plethodontidae. Essa família de anfíbios carece completamente de pulmões; no entanto, forma o maior grupo de espécies de salamandra do mundo. (Zahn, 2012)

Enquanto os anfíbios estão completamente submersos na água, a respiração da pele ocorre através da pele. Esta é uma membrana porosa através da qual o ar se estende entre os vasos sanguíneos e tudo ao seu redor.

Embora a respiração cutânea seja predominante nos anfíbios, ela apenas ajuda na sobrevivência dos sapos durante as estações mais frias.

A respiração da pele requer umidade constante na superfície da pele. Quando os sapos estão fora da água, as glândulas mucosas da pele continuam a hidratá-lo, o que permite que ocorra um processo de absorção de oxigênio no ar.

Existem alguns casos especiais na respiração de anfíbios. Por exemplo, girinos, que respiram por brânquias, e sapos do deserto, que tendem a ter pele seca, de modo que a respiração da pele é inviável (Bosch, 2016).

Répteis

Respiração cutânea: características e exemplos de animais 3

As escamas que cobrem o corpo dos répteis impedem, na maioria dos casos, um processo de respiração da pele.No entanto, existe a possibilidade de uma troca de gás entre escalas ou áreas onde a densidade das escalas é menor.

Durante os períodos de hibernação subaquática, algumas tartarugas dependem da respiração da pele ao redor do esgoto para sobreviver.

Da mesma forma, existem espécies de cobras do mar que absorvem aproximadamente 30% do oxigênio necessário na pele. Isso se torna essencial quando eles precisam mergulhar debaixo d’água.

Para as cobras do mar, é possível realizar esse processo diminuindo a intensidade com que o sangue irriga os pulmões e aumentando o fluxo sanguíneo nos capilares da pele. Por esse motivo, a pele das cobras às vezes pode dar uma aparência rosada. (Feder e Burggren, 1985)

Relacionado:  Quais são os consumidores terciários? (com exemplos)

Mamíferos

Respiração cutânea: características e exemplos de animais 4

Sabe-se que os mamíferos são espécies endotérmicas ou de “sangue quente”. Eles geralmente têm uma demanda metabólica mais alta do que os animais vertebrados exotérmicos ou chamados de “sangue frio”.

Da mesma forma, a pele dos mamíferos é mais espessa e impermeável do que a de outras espécies de vertebrados, o que impede imensamente a pele de ser o órgão usado para realizar o processo de troca gasosa.

No entanto, a respiração da pele em mamíferos existe, mas ocorre em uma porcentagem menor. Um exemplo são os morcegos, que absorvem oxigênio através de membranas altamente vascularizadas localizadas em suas asas. Os morcegos podem receber cerca de 12% do oxigênio de que precisam através de suas asas.

Os seres humanos estão entre as espécies de mamíferos que absorvem menos porcentagem de oxigênio do ar através da pele. Um ser humano pode tirar uma média de 1% a 2% de oxigênio do ar, para que ele não possa garantir sua subsistência (Ernstene & Volk, 1932).

Insetos

Respiração cutânea: características e exemplos de animais 5

Nos insetos, as trocas gasosas através da pele tendem a ser generosas, mas não representam a principal fonte de ingestão de oxigênio.

A maioria dos insetos absorve oxigênio e emite dióxido de carbono através de um tecido conhecido como cutícula, localizado na parte mais externa da epiderme dos invertebrados.

Existem algumas famílias de insetos que não possuem um sistema respiratório definido, portanto dependem inteiramente da respiração da pele para transportar hemolinfa (semelhante ao sangue em insetos) da superfície do corpo para os tecidos internos.

A maioria dos insetos terrestres usa um sistema de traqueia para realizar as trocas gasosas. No entanto, em insetos aquáticos e endoparasitários, a respiração da pele é vital, pois seu sistema de traqueia não pode fornecer o oxigênio necessário por si só (Chapman, 1998).

Peixe

Respiração cutânea: características e exemplos de animais 6

A respiração da pele ocorre em diferentes espécies de peixes marinhos e de água doce. Para a respiração aquática, os peixes requerem principalmente o uso de brânquias.

No entanto, a respiração da pele representa entre 5% e 40% da ingestão total de oxigênio da água, embora tudo isso dependa da espécie e da temperatura do meio.

A respiração da pele é mais importante em espécies que absorvem oxigênio do ar, como peixes saltadores ou corais. Nestas espécies, a ingestão de oxigênio através da pele representa 50% da respiração total.

Referências

  1. Bosch, DL (7 de 2 de 2016). Tudo que você precisa é de biologia. Obtido em Como Respirar Sem Pulmões, Estilo Lissamphibian: allyouneedisbiology.wordpress.com.
  2. Chapman, RF (1998). Respiração de Cutaneus Em RF Chapman, Os Insetos: Estrutura e Função (p. 452). Nova York: Cambridge University Press.
  3. Ernstene, AC, & Volk, MC (1932). O Efeito da Congestão Venosa na Taxa de Eliminação de Dióxido de Carbono e Absorção de Oxigênio. O Jornal de Investigação Clínica, 387-390.
  4. Feder, ME e Burggren, WW (1985). Trocas gasosas cutâneas em vertebrados: projeto, padrões, controle e implicações. Revisões biológicas, 1-45.
  5. Jabde, PV (2005). Respriação Em PV Jabde, livro de texto de fisiologia geral (p. 112). Nova Dehli: Discovery Publishing House.
  6. Marshall, PT (1980). Respriação, Troca de Gás e Transporte. Em PT Marshall, Fisiologia de mamíferos e outros vertebrados (pp. 88-89). Nova York: Cambridge University Press.
  7. Zahn, N. (24 de 8 de 2012). Obtido em Salameandering Into Respiração Cutânea: iheartungulates.com.

Deixe um comentário