Proteínas SSB: características, estrutura e funções

As proteínas SSB, ou Single-Stranded DNA Binding proteins, são proteínas essenciais na regulação e manutenção do DNA de cadeia simples em organismos celulares. Elas possuem a capacidade de se ligar especificamente ao DNA de cadeia simples, prevenindo a formação de estruturas secundárias indesejadas, como emaranhados ou dobramentos. Além disso, as proteínas SSB também desempenham um papel fundamental na replicação, reparo e recombinação do DNA, atuando como cofatores de várias enzimas envolvidas nesses processos. Sua estrutura é altamente conservada e geralmente composta por múltiplos domínios de ligação ao DNA e oligomerização.

Qual é o papel desempenhado pela proteína SSB no processo de replicação do DNA?

A proteína SSB, ou Single-Stranded Binding protein, desempenha um papel crucial no processo de replicação do DNA. Sua principal função é se ligar às fitas de DNA desnaturadas e evitar que estas se emparelhem de forma inadequada. Isso garante que a replicação do DNA seja feita de maneira precisa e eficiente.

Quando a DNA helicase separa as fitas de DNA durante a replicação, as fitas expostas ficam vulneráveis a emparelhamentos errôneos. A presença da proteína SSB impede que isso aconteça, mantendo as fitas de DNA separadas e estáveis. Além disso, a SSB também ajuda na proteção do DNA contra enzimas que podem degradá-lo.

Sua presença é essencial para garantir que a replicação do DNA ocorra de forma correta e sem erros.

Significado da sigla SSB em uma explicação simples e direta para entendimento rápido.

SSB significa Single-Stranded Binding, que em português pode ser traduzido como Ligação de uma única fita. As proteínas SSB são proteínas que se ligam especificamente ao DNA de fita simples, protegendo-o de danos e evitando que se emparelhe prematuramente. Essas proteínas desempenham um papel crucial na replicação, reparo e recombinação do DNA, garantindo a integridade genômica das células.

Qual é o papel desempenhado pela enzima DNA polimerase no processo de replicação?

A enzima DNA polimerase desempenha um papel fundamental no processo de replicação do DNA. Sua principal função é sintetizar novas cadeias de DNA complementares às cadeias existentes. Durante a replicação, a DNA polimerase lê a sequência de nucleotídeos em uma das cadeias de DNA parental e adiciona os nucleotídeos correspondentes na nova cadeia em crescimento.

Além disso, a DNA polimerase também possui a capacidade de corrigir erros que possam ocorrer durante a replicação, garantindo a precisão da cópia do DNA. Isso é feito por meio de sua atividade de prova de leitura, que verifica se o nucleotídeo adicionado está corretamente emparelhado com o nucleotídeo na cadeia parental.

Sua atividade precisa e eficiente é crucial para a transmissão correta das informações genéticas de uma célula para suas células filhas.

Características do DNA recém sintetizado: o que você precisa saber.

Quando se fala em DNA recém sintetizado, é importante entender algumas características essenciais desse processo. O DNA é uma molécula complexa que carrega toda a informação genética de um organismo, e a sua síntese é fundamental para a replicação celular e a transmissão de informações genéticas.

Relacionado:  Os 10 animais mais destacados do Chile

Uma das principais características do DNA recém sintetizado é a sua dupla hélice. O DNA é composto por duas fitas de nucleotídeos que se enrolam formando essa estrutura em espiral. Além disso, o DNA recém sintetizado é complementar ao molde original, garantindo a precisão na replicação do material genético.

Outra característica importante é a presença de SSB, ou Single-Stranded DNA Binding Proteins. Essas proteínas desempenham um papel crucial na estabilização das fitas de DNA durante o processo de replicação. As SSBs ligam-se às fitas simples de DNA, evitando que se emparelhem prematuramente ou se degradem.

As proteínas SSB são compostas por domínios de ligação ao DNA que se ligam especificamente ao DNA de fita simples, garantindo a sua estabilidade. Além disso, essas proteínas também estão envolvidas no processo de reparo do DNA e na recombinação genética.

Portanto, compreender as características e funções dessas proteínas é fundamental para entender o funcionamento do material genético em nível molecular.

Proteínas SSB: características, estrutura e funções

As proteínas SSB ou proteínas de ligação de ADN de banda única (para ” s virilha s ADN trand b inding proteínas “) são proteínas responsáveis estabilizar, proteger e manter temporariamente a banda de DNA simples obtida a partir da separação do ADN duplo banda por ação das proteínas helicase.

A informação genética de um organismo é protegida e codificada na forma de DNA de fita dupla. Para que seja traduzida e replicada, é necessário que ela seja desenrolada e desembalada e é nesse processo que as proteínas SSB participam.

Proteínas SSB: características, estrutura e funções 1

Fragmento de 32 kDa (RPA32) de uma subunidade da proteína de replicação A (Fonte: Jawahar Swaminathan e equipe de MSD do Instituto Europeu de Bioinformática [Domínio público] via Wikimedia Commons)

Essas proteínas se ligam cooperativamente a outros monômeros diferentes que participam da estabilização do DNA e são encontradas tanto em procariontes quanto em eucariotos.

As proteínas SSB de Escherichia coli (EcSSB) foram as primeiras proteínas desse tipo descritas. Estes foram caracterizados funcional e estruturalmente e, desde a sua descoberta, têm sido utilizados como modelo de estudo para essa classe de proteínas.

Organismos eucarióticos têm proteínas semelhantes às proteínas SSB de bactérias, mas em eucariotos são conhecidas como proteínas RPA ou proteínas de replicação A ( Replication Protein A) que são funcionalmente semelhantes às SSBs.

Desde a sua descoberta, a modelagem bioquímica-funcional computacional tem sido usada para estudar as interações entre proteínas SSB e DNA de fita simples, a fim de elucidar sua função nos processos genômicos essenciais de diferentes organismos.

Caracteristicas

Esses tipos de proteínas são encontrados em todos os domínios da vida e, embora compartilhem as mesmas propriedades funcionais, são estruturalmente diferentes, especialmente em termos de suas alterações conformacionais, que parecem ser específicas para cada tipo de proteína SSB.

Relacionado:  Poliploidia: tipos, em animais, em humanos, em plantas

Foi observado que todas essas proteínas compartilham um domínio conservado que está envolvido na ligação ao DNA de banda única e é conhecido como domínio de ligação oligonucleotídeo / oligossacarídeo (encontrado na literatura como um domínio OB ).

As proteínas SSB de bactérias termofílicas como Thermus aquaticus têm características notáveis, uma vez que possuem dois domínios OB em cada subunidade, enquanto a maioria das bactérias possui apenas um desses em cada subunidade.

A maioria das proteínas SSB se liga de maneira não específica ao DNA simples da banda. No entanto, a união de cada SSB depende de sua estrutura, grau de cooperatividade, nível de oligomerização e várias condições ambientais.

A concentração de íons divalentes de magnésio, a concentração de sais, o pH, a temperatura, a presença de poliaminas, de espermidina e espermina, são algumas das condições ambientais estudadas in vitro que mais afetam a atividade das proteínas SSB.

Estrutura

As bactérias possuem proteínas SST homotetraméricas e cada subunidade possui um único domínio de ligação OB. Em contraste, as proteínas virais de SSB, especialmente a de muitos bacteriófagos, são geralmente mono- ou diméricas.

Na extremidade N-terminal, as proteínas SSB possuem o domínio de ligação ao DNA, enquanto a extremidade C-terminal é composta por nove aminoácidos conservados responsáveis ​​pelas interações proteína-proteína.

Três resíduos de triptofano nas posições 40, 54 e 88 são os resíduos responsáveis ​​pela interação com o DNA nos domínios de ligação. Estes mediam não apenas a estabilização da interação DNA-proteína, mas também o recrutamento de outras subunidades proteicas.

A proteína SSB de E. coli foi modelada em estudos computacionais e foi determinado que ela possui uma estrutura tetramérica de 74 kDa e se liga ao DNA de banda única graças à interação cooperativa de diferentes subunidades do tipo SSB.

As arquéias também possuem proteínas SSB. Estes são monoméricos e têm um único domínio de ligação ao DNA ou domínio OB.

Em eucariotos, as proteínas RPA são estruturalmente mais complexas: são constituídas por um heterotrímero (de três subunidades diferentes) conhecido como RPA70, RPA32 e RPA14.

Eles têm pelo menos seis domínios de ligação oligonucleotídeo / oligossacarídeo, embora atualmente apenas quatro desses locais sejam conhecidos com precisão: três na subunidade RPA70 e um quarto que reside na subunidade RPA32.

Funções

As proteínas SSB têm funções-chave na manutenção, empacotamento e organização do genoma, protegendo e estabilizando as cadeias de DNA de fita única no momento em que são expostas pela ação de outras enzimas.

É importante ter em mente que essas proteínas não são as responsáveis ​​por desenrolar e abrir as cadeias de DNA. Sua função é restrita apenas para estabilizar o DNA quando ele está na condição de DNA de banda simples.

Relacionado:  Saltacionismo: características, evidências e exemplos

Essas proteínas SSB agem cooperativamente, uma vez que a união de uma delas facilita a ligação de outras proteínas (SSB ou não). Nos processos metabólicos do DNA, essas proteínas são consideradas como uma espécie de proteína pioneira ou primária.

A ligação dessas proteínas ao DNA tem como função primária, além de estabilizar as bandas simples de DNA, a proteção dessas moléculas da degradação pelas endonucleases do tipo V.

As proteínas do tipo SSB participam ativamente dos processos de replicação do DNA de praticamente todos os organismos vivos. Tais proteínas avançam à medida que o garfo de replicação avança e mantêm os dois filamentos de DNA dos pais separados, para que estejam na condição adequada para atuar como modelos.

Exemplos

Nas bactérias, as proteínas SSB estimulam e estabilizam as funções da proteína RecA. Essa proteína é responsável pelo reparo do DNA (reação SOS) e pelo processo de recombinação entre moléculas complementares de DNA de banda única.

Os mutantes de E. coli geneticamente modificados para obter proteínas SSB defeituosas são rapidamente inibidos e não cumprem efetivamente suas funções na replicação, reparo e recombinação do DNA.

As proteínas do tipo RPA controlam a progressão do ciclo celular em células eucarióticas. Especificamente, acredita-se que a concentração celular de RPA4 possa ter uma influência indireta na etapa de replicação do DNA, isto é, em altas concentrações de RPA4 esse processo é inibido.

Foi sugerido que a expressão de RPA4 pode impedir a proliferação celular inibindo a replicação e desempenhando um papel na manutenção e marcação da viabilidade de células saudáveis ​​em organismos animais.

Referências

  1. Anthony, E., & Lohman, TM (2019, fevereiro). Dinâmica dos complexos proteína-DNA de ligação de DNA de E. coli (SSB). Em Seminários em biologia celular e do desenvolvimento (Vol. 86, pp. 102-111). Imprensa acadêmica
  2. Beernink, HT, & Morrical, SW (1999). PGR: proteínas mediadoras de recombinação / replicação. Tendências em ciências bioquímicas , 24 (10), 385-389.
  3. Bianco, PR (2017). A história do SSB. Progresso em biofísica e biologia molecular , 127 , 111-118.
  4. Byrne, BM e Oakley, GG (2018, novembro). Proteína de replicação A, o laxante que mantém o DNA regular: a importância da fosforilação de RPA na manutenção da estabilidade do genoma. Em Seminários em biologia celular e do desenvolvimento . Imprensa acadêmica
  5. Krebs, JE, Goldstein, ES e Kilpatrick, ST (2017). Genes de Lewin XII . Jones & Bartlett Learning.
  6. Lecointe, F., Serena, C., Velten, M., Costes, A., McGovern, S., Meile, JC, … & Pollard, P. (2007). Antecipação da parada de garfo de replicação cromossômica: o SSB tem como objetivo reparar as helicases de DNA nos garfos ativos. The EMBO journal , 26 (19), 4239-4251.

Deixe um comentário