Restauração ecológica: métodos, importância e exemplos

Restauração ecológica: métodos, importância e exemplos

A restauração ecológica é a recuperação da estrutura e função de um ecossistema degradado, retornando a uma condição anterior conhecida ou estimada. Isso abrange um conjunto de procedimentos e técnicas que dependem do tipo de ecossistema e do grau de degradação que ele apresenta.

Entre os métodos utilizados na restauração ecológica estão reflorestamento, sucessão secundária, corredores biológicos, translocações, introduções e reintroduções.

O reflorestamento para ser considerado uma restauração ecológica deve incluir espécies do ecossistema em questão. Nesse sentido, a recuperação de uma área degradada com um plantio florestal não se qualifica como restauração ecológica.

A restauração ecológica é importante para remediar a degradação dos ecossistemas, recuperar espécies ameaçadas e garantir serviços ecossistêmicos. Entre esses serviços estão sendo uma fonte de água, energia, oxigênio, sumidouro de carbono, recreação e turismo.

Métodos de restauração ecológica

Existem vários métodos para realizar uma restauração ecológica, que, por sua vez, têm variantes, dependendo do ecossistema a ser restaurado. É necessário levar em consideração que cada ecossistema tem sua própria estrutura e funções.

Portanto, a restauração ecológica não consiste apenas em restaurar uma cobertura vegetativa ou introduzir outros organismos vivos na área. Além disso, existem diferenças entre a restauração de um ecossistema natural e aquele em que a atividade humana é uma parte permanente.

– Cancelar processos degradantes

O primeiro passo de qualquer projeto de restauração ecológica é parar ou controlar a ação desses fatores degradantes do ecossistema. Podem ser, entre outros, incêndios periódicos, contaminação ou atividades produtivas humanas.

– Reflorestamento

O termo reflorestar no sentido amplo é usado para se referir à substituição da vegetação removida de uma determinada área.

Áreas desmatadas ou queimadas

O reflorestamento é uma alternativa em áreas que perderam cobertura de árvores ou arbustos devido ao desmatamento ou incêndios. Em termos de recuperação ecológica, o reflorestamento deve ser realizado com espécies nativas do ecossistema a serem recuperadas.

Por outro lado, para ter sucesso, deve-se levar em consideração que as condições do solo e da umidade são adequadas. Em uma área desmatada ou queimada, as condições abióticas da área mudam, o solo se deteriora mais rapidamente e sua profundidade diminui.

Da mesma forma, a temperatura aumenta, há mais radiação solar e menos umidade. Essas novas condições devem ser levadas em consideração para garantir a sobrevivência dos indivíduos plantados.

– Sucessão secundária

Em condições de alta degradação de um ecossistema, cobrindo grandes áreas, o reflorestamento não é suficiente para a restauração ecológica. Nesses casos, a sucessão secundária pode ter mais sucesso, embora seja um processo mais lento e trabalhoso.

Relacionado:  Pegada de carbono: para que serve, como é calculada e exemplos

A sucessão ecológica é um processo natural que consiste na substituição progressiva de algumas comunidades por outras até um clímax ou uma condição ideal. Nesse processo, eles primeiro colonizam plantas pioneiras de rápido crescimento que criam condições para outras espécies mais exigentes.

No caso de sucessão secundária, é feita uma tentativa de reproduzir esse processo, promovendo sua ocorrência natural ou intervindo diretamente. Neste último caso, é estabelecido um plano para a introdução de espécies de cobertura, plantas pioneiras e finalmente plantas pertencentes ao ecossistema do clímax.

– Corredores biológicos

Uma forma de degradação é a fragmentação de habitats, ou seja, um grande ecossistema é dividido em manchas sem conexões entre si. Isso altera as funções do ecossistema como um todo e, para algumas espécies, pode representar um grande risco de extinção.

Para corrigir a fragmentação, uma estratégia de restauração ecológica é o estabelecimento de corredores ecológicos. São áreas restauradas que conectam um fragmento a outro, permitindo a mobilização de espécies ao longo deles.

– Translocações

Este método é aplicado a espécies animais e consiste em mover indivíduos de uma população para outra. É especialmente útil em condições de fragmentação de habitat, onde algumas populações são isoladas e diminuíram bastante.

Também é usado para proteger espécies ameaçadas de extinção, movendo-as para uma área com melhores condições.

– Introduções e reintroduções

Às vezes, a degradação afeta populações de espécies específicas em maior grau, o que pode diminuir drasticamente ou desaparecer. Nestes casos, as introduções são muito eficazes para reforçar as populações afetadas e as reintroduções quando as espécies desaparecem de uma área.

– Práticas antrópicas tradicionais

O ser humano é uma espécie e, como tal, faz parte do ecossistema; portanto, a ação das comunidades tradicionais molda a paisagem. Nesse sentido, em alguns casos, restaurando uma área para o estado pré-existente, você deve considerar as práticas indígenas tradicionais.

Importância da restauração ecológica

Os ecossistemas estão sujeitos a um processo permanente de degradação devido à pressão humana. A restauração ecológica surge como uma proposta que integra a conscientização sobre o papel do equilíbrio ecológico com o conhecimento do funcionamento dos ecossistemas.

A restauração com critérios ecológicos permite recuperar e preservar as funções e serviços essenciais que o ecossistema fornece.

Conservação da biodiversidade

Por definição, o principal impacto positivo da restauração ecológica é a recuperação e conservação da biodiversidade.

Relacionado:  10 exemplos de energia nuclear

Fontes de água potável

Os ecossistemas são a fonte de água potável, portanto, sua restauração ecológica permite proteger ou recuperar esse recurso. A cobertura vegetal captura a umidade ambiental, reduz o escoamento e promove a infiltração, alimentando os aqüíferos.

Dissipadores de carbono e reguladores climáticos

As florestas e selvas do planeta capturam  CO ambiental e retêm-no usando carbono na formação de seus tecidos. Dessa forma, eles extraem  CO da atmosfera, reduzindo assim o efeito estufa que está causando o aquecimento global.

Da mesma forma, eles desempenham um papel importante na regulação do ciclo da água e, portanto, dos padrões de precipitação.

Atividades econômicas

A restauração ecológica de ecossistemas recupera seu potencial como fonte de benefícios econômicos no âmbito do uso sustentável.

Turismo e recreação

Um ecossistema recuperado representa uma atração turística e um local para recreação saudável. Isso traz benefícios à saúde pública e impulsiona a economia em torno da atividade turística.

O turismo ecológico e recreativo em áreas naturais é a principal fonte de desenvolvimento econômico em muitas regiões.

Matérias primas

A restauração ecológica permite que as espécies do ecossistema prosperem, oferecendo diversas matérias-primas para uso racional. As florestas são uma fonte de alimentos, fibras, materiais de construção e recursos genéticos que podem ser usados ​​sob um critério de sustentabilidade.

Exemplos

– Restauração ecológica de minas de bauxita

É um exemplo interessante porque nos permite ver a evolução do conceito de restauração em direção a um critério ecológico.

A Alcoa World Alumina Australia é uma empresa de mineração que extrai bauxita (obtenção de alumínio) em Willowdale e Huntly em Darling Range, sudoeste da Austrália. Para isso, são estabelecidos poços de mineração que se estendem por dezenas de hectares.

Esta empresa pratica desde 1966 a restauração das áreas após o término da mineração. Esta área do sudoeste da Austrália é caracterizada por florestas de eucalipto, especialmente jarrah ( Eucalyptus marginata ).

Primeiros projetos

Os métodos de restauração vêm melhorando ao longo dos anos, desde que os projetos iniciais consistiram no plantio de espécies exóticas de pinus. Nesse sentido, a restauração realizada não era estritamente ecológica.

Restauração ecológica

Hoje, esta empresa aplica critérios de restauração ecológica, reabilitando uma média de 550 hectares por ano. Para isso, busca restaurar a floresta jarrah em condições próximas à original, garantindo suas funções e serviços originais.

Os métodos utilizados incluem principalmente reflorestamento e controle da sucessão de plantas secundárias. O programa foi bem-sucedido, pois a presença de todas as espécies comumente localizadas em uma floresta de jarrah foi confirmada sem intervenção em uma área recuperada.

Relacionado:  Horta escolar: características, tipos e benefícios

Parque Nacional Grasslands (Saskatchewan, Canadá)

Este exemplo de restauração ecológica destaca-se pela peculiaridade de sua abordagem, pois envolve a restauração das atividades humanas tradicionais em uma área.

Condição original

Esta região do sul do Canadá é representativa das vastas pastagens da América do Norte. São extensas áreas cobertas de gramíneas e habitadas por animais como o pronghorn ( Antilocapra americana ) e o galo silvestre ( Centrocercus urophasianus ).

Nessa região, os povos indígenas tradicionalmente praticavam pastagem e queima controlada da pradaria. Devido à importância desse bioma, decidiu-se conservar a área, incluindo-a no sistema de parques nacionais.

questão

A ação de conservação causou um processo de mudança do ecossistema original, porque quando o pastoreio e a queima foram suspensos, o prado começou a se transformar. Portanto, os distúrbios humanos tradicionais eram uma parte importante do ecossistema original.

Solução

Diante disso, foi implementado um programa de restauração ecológica que incluía a restauração das práticas tradicionais de manejo de pradarias indígenas. Além disso, o bisonte ( bisonte do bisonte ) foi reintroduzido na região.

Os métodos de restauração ecológica, neste caso, incluíram reintrodução de espécies, revegetação e práticas antrópicas.

Referências

  1. Fulé, PZ, Covington, WW, Smith, HB, Springer, JD, Heinlein, TA, Huisinga, KD e Moore, MM (2002). Comparando alternativas de restauração ecológica: Grand Canyon, Arizona. Ecologia e Manejo Florestal.
  2. Gálvez, J. (2002). Restauração ecológica: conceitos e aplicações. Revisão bibliográfica. Universidade Rafael Landivar, Faculdade de Ciências Ambientais e Agrícolas, Instituto de Agricultura, Recursos Naturais e Meio Ambiente. Série de documentos técnicos nº 8.
  3. Harris, JA, Hobbs, RJ, Higgs, E. e Aronson, J. (2006). Restauração ecológica e mudança climática global. Restauração ecológica.
  4. Higgs, ES (1997). O que é uma boa restauração ecológica? O que é uma boa restauração ecológica? Biologia de conservação.
  5. Jackson, LL, Lopoukhine, N. e Hillyard, D. (1995). Restauração Ecológica: Uma Definição e Comentários. Restauração ecológica.
  6. Jackson, ST e Hobbs, RJ (2009). Restauração ecológica à luz da história ecológica. Ciência.
  7. SER (Sociedade de Restauração Ecológica). Austrália: Devolvendo a riqueza botânica da floresta de Jarrah em minas de bauxita restaurada na Austrália Ocidental. Ver em 20 de fev. 202. Retirado de: https://www.ser-rrc.org/project/australia-returning-the-botanical-richness-of-the-jarrah-forest-in-restored-bauxite-mines-in-western-australia /
  8. Wortley, L., Hero, J.-M. e Howes, M. (2013). Avaliando o sucesso da restauração ecológica: uma revisão da literatura. Restauração ecológica.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies