Revolução Juliana: causas, características e consequências

A Revolução Juliana foi um movimento político e militar ocorrido em Portugal em 1833, que teve como objetivo derrubar o regime absolutista do rei D. Miguel I e restaurar a monarquia constitucional. As principais causas dessa revolução foram a tentativa de D. Miguel I de restaurar o absolutismo, a insatisfação da população com o seu governo autoritário e a influência das ideias liberais que estavam se espalhando pela Europa. As características da Revolução Juliana foram a participação de diferentes setores da sociedade, como militares, liberais e populares, e a utilização de estratégias de guerrilha e resistência armada. As consequências desse movimento foram a restauração da monarquia constitucional em Portugal, a consolidação dos ideais liberais no país e o enfraquecimento do poder absoluto dos monarcas. A Revolução Juliana marcou um importante momento na história de Portugal e na consolidação dos princípios democráticos no país.

A revolta Juliana: um levante popular que marcou a história da antiga Roma.

A Revolta Juliana foi um levante popular que ocorreu na antiga Roma, liderado pelo general Júlio César contra o governo do Senado. As causas da revolta foram a insatisfação do povo com a corrupção e a falta de representatividade política, além da busca por reformas sociais e econômicas.

As características da Revolta Juliana incluíam a adesão de diversos setores da sociedade romana, como os plebeus, os soldados e até mesmo alguns nobres descontentes. O movimento foi marcado por manifestações públicas, protestos nas ruas e confrontos armados com as forças do Senado.

As consequências da Revolta Juliana foram significativas. Apesar de ter sido reprimida pelo Senado, o movimento abriu caminho para a ascensão de Júlio César ao poder e para a transformação da República Romana em um Império. A revolta também influenciou outras revoltas populares ao longo da história de Roma.

Por que a Revolução Farroupilha aconteceu?

A Revolução Farroupilha, também conhecida como Guerra dos Farrapos, foi um movimento separatista que ocorreu no Rio Grande do Sul entre os anos de 1835 e 1845. Mas afinal, por que essa revolução aconteceu? Para compreender as causas da Revolução Farroupilha, é importante analisar o contexto político e social da época, bem como a influência de eventos anteriores, como a Revolução Juliana.

Revolução Juliana: causas, características e consequências

A Revolução Juliana foi um levante ocorrido na província de Santa Catarina em 1839, que teve grande influência na Revolução Farroupilha. As causas da Revolução Juliana foram semelhantes às da Revolução Farroupilha, sendo as principais a insatisfação com o centralismo do governo imperial, a falta de representatividade política e a alta carga tributária imposta às regiões produtoras.

As características da Revolução Juliana incluíram a participação de líderes locais, como Jorge Lacerda, e a mobilização popular contra as injustiças cometidas pelo governo central. As consequências desse movimento foram a intensificação do sentimento separatista na região sul do Brasil e o fortalecimento do ideal republicano e federalista entre os revoltosos.

Portanto, a Revolução Farroupilha aconteceu como resultado de um conjunto de fatores, incluindo as influências da Revolução Juliana, que evidenciaram a insatisfação das províncias do sul com o governo central e impulsionaram a luta pela autonomia e pela defesa de interesses regionais. Esses movimentos revolucionários marcaram a história do Brasil e contribuíram para a consolidação do ideal de descentralização política e administrativa no país.

Os líderes que proclamaram a República Juliana.

A Revolução Juliana foi um movimento político liderado por figuras como José Antônio Saraiva e Gaspar da Silveira Martins, que proclamaram a República Juliana em 1893, no estado do Rio Grande do Sul. Os líderes julianos eram influentes políticos e militares que se opunham ao governo centralizado de Floriano Peixoto e buscavam maior autonomia para a região sul do Brasil.

Os líderes da Revolução Juliana tinham como objetivo principal a defesa dos interesses regionais e a busca por uma maior participação política nas decisões nacionais. Eles lutaram contra a centralização do poder e a falta de representatividade no governo, defendendo a descentralização administrativa e a autonomia dos estados.

Relacionado:  Escudo de Barranquilla: História e Significado

Apesar de não terem obtido sucesso em seus objetivos, os líderes julianos deixaram um legado importante para a história do Brasil, marcando um momento de luta por maior autonomia e representatividade política. Suas ações influenciaram movimentos posteriores e contribuíram para o fortalecimento do federalismo no país.

Qual era a principal ocupação dos gaúchos durante a Revolução Farroupilha?

Durante a Revolução Farroupilha, os gaúchos tinham como principal ocupação a luta armada contra o governo imperial. A população local se organizou em milícias e exércitos para enfrentar as tropas enviadas pelo governo central, em uma luta que se estendeu por dez anos.

Revolução Juliana: causas, características e consequências

A Revolução Juliana, também conhecida como Revolução Liberal, foi um movimento político que ocorreu no Brasil entre os anos de 1831 e 1835. As principais causas da revolução foram a insatisfação com o governo central, a centralização do poder nas mãos do imperador e a necessidade de maior autonomia das províncias.

As características da Revolução Juliana incluíam a participação de setores da elite local, como comerciantes e fazendeiros, que buscavam mais liberdade econômica e política. O movimento também contou com o apoio de setores populares, que almejavam melhores condições de vida e maior participação no governo.

As consequências da Revolução Juliana foram a promulgação de uma nova constituição, que descentralizou o poder e garantiu mais autonomia às províncias. Além disso, a revolução contribuiu para o fortalecimento do federalismo no Brasil e para a consolidação de ideais liberais no país.

Revolução Juliana: causas, características e consequências

A Revolução Juliana foi uma insurreição cívico-militar que ocorreu no Equador em 9 de julho de 1925. Naquele dia, um grupo de jovens oficiais militares, chamado Liga Militar, derrubou o governo presidido por Gonzalo Córdova. Como resultado da revolta, o país passou a ser governado por um Conselho de Administração, composto por 8 membros.

O período da Revolução Juliana durou até agosto de 1931. Durante esses anos, o Equador foi governado por dois Conselhos Governamentais provisórios, por uma presidência interina mantida por Isidro Ayora e, finalmente, por uma presidência constitucional ocupada pelo próprio Ayora.

Revolução Juliana: causas, características e consequências 1

JS Vargas Skulljujos (Isidro Ayora -Carondelet Palace) -) – via Wikipedia Commons sob a licença CC BY-SA 3.0,

Desde o final do século anterior, o Equador teve um grande problema com a dívida econômica. Seus próprios bancos estavam encarregados de conceder os empréstimos e seu poder se tornara tão grande que, na prática, controlavam o governo. Esse problema foi exacerbado pelo costume desses bancos de oferecer dinheiro sem garantia de ouro.

Os governos que surgiram da Revolução Juliana tentaram acabar com esse sistema plutocrático. Sua principal característica foram seus esforços para modernizar o país, tanto na esfera econômica quanto social.

Causas

Segundo os historiadores, o Equador começou a solicitar empréstimos quase desde a sua fundação como República em 1830. Naquela época, ele foi forçado a recorrer ao banco privado e, principalmente, ao poderoso banco de Guayaquil. Isso se tornou a fonte econômica para os sucessivos governos cobrirem as despesas do estado.

Entre outras coisas, diferentes governos equatorianos pediram empréstimos de bancos privados para construir infraestrutura no país.

Dívida não pagável

Em 1924, o Estado equatoriano havia emprestado tanto com os bancos de Guayaquil que a dívida era impagável. Entre as entidades credoras, destacou-se o Banco Comercial e Agrícola, presidido por Francisco Urbina Jurado.

A maior parte do dinheiro que os bancos emprestavam ao estado não tinha apoio em ouro. Na realidade, eram notas emitidas pelos próprios bancos, com a autorização do governo, sem qualquer apoio financeiro real.

Essa prática, que iniciou o Banco Comercial e Agrícola, foi copiada por outras instituições bancárias. Para eles, emitir notas do nada e emprestá-las ao governo era um negócio redondo.

A partir de certo momento, cada banco privado começou a emitir suas próprias notas, daquelas que chegavam a sucre para outras com muito mais valor.

Relacionado:  Escudo Atual: História e Significado

Reação à plutocracia

A situação descrita acima logo levaria à plutocracia autêntica, o governo dos mais ricos. Os poderosos bancos privados, graças à dívida, tornaram-se o verdadeiro poder na sombra.

Algumas crônicas chamam esse sistema bancário, sendo o Banco Comercial e Agrícola de Guayaquil o seu símbolo mais importante. Essa entidade, que tinha vínculos com bancos americanos, adquiriu tanto poder que começou a emitir a moeda nacional.

No final, ele poderia administrar o governo à vontade, manipular o câmbio ou desequilibrar a economia quando ela se adequasse aos seus interesses.

A Revolução Juliana explodiu para tentar acabar com essa situação, devolvendo o poder real às instituições e tentando tornar as políticas favoráveis ​​às classes média e baixa.

Falta de democracia

A oligarquia dominante havia patrocinado uma série de leis que limitavam as liberdades públicas. Assim, as reuniões políticas eram proibidas e a liberdade de imprensa era inexistente.

Por outro lado, muitos especialistas apontam que as eleições costumavam ser fraudadas para favorecer os partidos no poder.

Massacre de Trabalhadores em Guayaquil

Embora tenha acontecido três anos antes do início da Revolução Juliana, a greve de Guayaquil e o subsequente assassinato são considerados uma de suas causas e, ao mesmo tempo, uma amostra da situação insustentável no país.

Em 1922, o país estava passando por uma grave crise econômica. O cacau, o principal produto que o Equador exportou e cultivou na costa, caiu drasticamente no preço.

O custo de vida aumentou e a inflação (preços) aumentou consideravelmente. A população não tinha recursos para sobreviver, o que levou à organização de protestos.

Em novembro de 1922, uma greve geral havia sido convocada em Guayaquil. Começou no início do mês e durou até o meio desse mês. No dia 13, os grevistas tomaram a cidade. A resposta do governo foi um massacre que matou 1500 pessoas.

Desestabilização econômica

Em 1º de setembro de 1914, Gonzalo S. Córdova aderiu à Presidência do Equador. Naquela época, a situação econômica era muito grave. O dinheiro emitido sem o apoio dos bancos desestabilizou todo o sistema, algo que afetou particularmente as classes média e baixa.

Por outro lado, muitos setores populares haviam se organizado e não estavam dispostos a suportar outro mandato presidencial com base na repressão e no poder econômico dos bancos.

Caracteristicas

A Revolução Juliana e os governos que dela surgiram foram caracterizados por sua tentativa de reformar o Estado. Nesse sentido, procuraram uma maneira de estabelecer um estado social, deixando para trás a plutocracia.

Procure um Estado social

A atuação dos líderes da Revolução Juliana se concentrou em dois campos principais: a questão social e o intervencionismo financeiro.

Durante a primeira reunião, a ação política prevaleceu no interesse nacional das empresas privadas. Para fazer isso, ele começou a inspecionar os bancos, criou o imposto de renda e um sobre os lucros. Da mesma forma, um Ministério de Bem-Estar Social e Trabalho apareceu.

Como elemento final da Revolução, muitas dessas reformas foram incluídas na Constituição de 1929. Além disso, concedeu às mulheres o direito de voto e introduziu os critérios para a reforma agrária.

Missão Kemmerer

No lado econômico, a Revolução Juliana estabeleceu o objetivo de reformar toda a legislação nesse sentido.

Para isso, contou com o apoio da Missão Kemmerer, um grupo de especialistas liderado por Edwin Kemmerer, que assessorou vários países da América Latina durante esses anos. Seu conselho levou à criação do Banco Central e de outras instituições financeiras.

Reforma do Estado

O Julian, como observado, queria fazer uma reforma completa do país. Sua intenção era modernizar o Estado para superar seus problemas recorrentes desde a independência. Para isso, era essencial acabar com os modelos políticos plutocráticos.

Ideologicamente, esses jovens soldados foram inspirados por conceitos nacionalistas e sociais. O Primeiro Conselho tinha um líder socialista, enquanto Ayora sempre se posicionava a favor de melhorias para os mais desfavorecidos.

Relacionado:  Dificuldades do México em constituir-se uma nação independente

Consequências

Em 9 de julho de 1925, um grupo de jovens soldados se levantou contra o governo de Gonzalo Córdova. A primeira conseqüência foi a criação de um Conselho Diretor provisório, que seria seguido por um segundo e um período em que Isidro Ayora ocupou a presidência.

Segundo os cronistas, a Revolução teve amplo apoio entre limas médias e baixas. Seu trabalho se concentrou na reforma do tecido econômico e financeiro e na concessão de direitos sociais.

Primeiro Conselho Provisório do Governo

O primeiro Conselho foi formado por cinco civis e dois militares. Ele governou entre 10 de julho de 1925 e 9 de janeiro de 1926, com Luis Napoleon Dillon sendo sua cabeça visível.

Nesse período, empreenderam ações para modernizar o Estado. Eles formaram um comitê para desenvolver uma nova Constituição, o Ministério do Bem-Estar Social e Trabalho foi criado e a Missão Kemmerer foi contratada para colaborar na missão de renovar as finanças públicas.

Já durante esse período, Dillon propôs a fundação de um banco central equatoriano. Assim, privou os bancos privados do poder adquirido por décadas, pois eram os únicos a emprestar dinheiro ao Estado.

Esse projeto teve, como esperado, a oposição de instituições financeiras, que acabaram causando um conflito inter-regional.

Segunda Junta Provisória do Governo

O Segundo Conselho de Governo durou apenas três meses, até 31 de março de 1926. Durante seu governo, o trabalho continuou a modernizar o sistema econômico.

Naquele momento, discrepâncias começaram a aparecer no grupo de soldados que estrelaram a Revolução. Uma revolta, ocorrida em 8 de fevereiro de 1926 e rapidamente sufocada, fez com que a Junta cedesse o poder a Isidro Ayora. Ele ocupou o cargo de presidente provisório, com a condição de não sofrer interferência dos militares.

Presidência de Isidro Ayora

Isidro Ayora foi, primeiro, Presidente Provisório e mais tarde tornou-se constitucionalmente. Entre suas medidas mais importantes estão a criação do Banco Central, bem como sua política monetária. Nesta última área, ele estabeleceu o valor do sucre em 20 centavos, o que representou uma grande desvalorização da moeda.

Ele também decretou o retorno ao padrão ouro e congelou as reservas de caixa dos bancos emissores. Junto com isso, ele fundou o Fundo Central de Emissão e Amortização, que se tornou a única entidade autorizada a emitir moeda.

Com essas medidas, Ayora eliminou parte das circunstâncias que haviam dado tanto poder aos bancos privados.

Em relação às medidas sociais, a Ayera criou o Banco Hipotecário, o Fundo de Pensões e promulgou várias leis trabalhistas. Entre eles, a definição do dia máximo, o descanso de domingo e a proteção à maternidade e dispensa.

Em 26 de março de 1929, a Assembléia Constituinte entregou a nova Magna Carta, que incluía medidas para modernizar o Estado.

Constituição de 1929

A promulgação da Constituição de 1929 é possivelmente a conseqüência mais importante da Revolução Juliana. Desde sua aprovação, o Congresso aumentou seu poder, diminuindo o que o Presidente acumulou até aquele momento.

Entre outras leis, a Magna Carta enfatizou a educação, incorporando medidas em educação primária, secundária e superior em seus artigos.

A Constituição de 1929 é considerada a mais avançada em termos de direitos e garantias sociais de todas as que existiam anteriormente no Equador. Incluiu o habeas corpus, o direito de voto para as mulheres, a limitação da propriedade agrícola e a representação de minorias políticas.

Referências

  1. Enciclopédia do Equador. Revolução Juliana. Obtido em encyclopediadelecuador.com
  2. Torne-se Veja Equador. A Revolução Juliana de 9 de julho de 1925. Obtido de hazteverecuador.com
  3. EcuRed. Revolução Juliana. Obtido de ecured.cu
  4. Naranjo Navas, Cristian. Banco Central do Equador, 1927: entre ditadura, revolução e crise. Recuperado de revistes.ub.edu
  5. Carlos de la Torre, Steve Striffler. Leitor do Equador: História, Cultura, Política. Recuperado de books.google.es
  6. Banco Central do Equador. Revisão histórica do Banco Central do Equador. Obtido em bce.fin.ec
  7. A Biografia Biografia de Isidro Ayora Cueva (1879-1978). Obtido em thebiography.us

Deixe um comentário