Revolução Liberal do Equador: causas, desenvolvimento e consequências

A revolução liberal do Equador foi uma revolta armada cujo clímax ocorreu em 5 de junho de 1895 na cidade de Guayaquil. A insurreição foi realizada pelos setores liberais para derrubar o governo conservador. O líder da revolução foi Eloy Alfaro, que se tornou presidente do país após a derrota do governo.

O Equador teve governos conservadores por várias décadas, apoiados pela oligarquia e pelo povo da Serra. Por sua vez, os liberais tiveram sua principal área de influência no litoral, com grande apoio das margens de Guayaquil e dos agroexportadores da região.

Revolução Liberal do Equador: causas, desenvolvimento e consequências 1

Eloy Alfaro – Fonte: Veja a página do autor [Domínio público]

Já na década de 80 do século XIX, os liberais haviam lançado uma ofensiva para derrubar o governo ditatorial de Ignacio de Veintimilla, embora não atingissem seu objetivo. No entanto, eles decidiram continuar a luta.

Finalmente, já nos anos 90, os apoiadores de Eloy Alfaro estavam ganhando terreno no que havia se tornado uma verdadeira guerra civil. A revolta de Guayaquil foi o passo anterior à entrada de Alfaro em Quito e ao estabelecimento de um governo que trouxe idéias liberais para o país.

Antecedentes

Antes de os liberais de Eloy Alfaro chegarem ao poder, o Equador já tinha alguma experiência com governos dessa ideologia. Assim, em julho de 1851, José Maria Urbina derrubou o governo do momento e empreendeu uma série de reformas, como a manumissão de escravos.

Mais tarde, vários governos conservadores se sucederam e, em 1876, o golpe de estado levou o general Ignacio de Veintemilla ao poder.

Os Montoneras

Segundo especialistas, as montoneras foram o maior expoente da mobilização social durante o século XIX no Equador. Seu início remonta a 1825, no litoral, quando ocorreram as primeiras ações de resistência popular contra a repressão do governo do momento.

Os participantes das montoneras eram principalmente camponeses e pequenos empresários. Desde a época de Garcia, esses movimentos adquiriram um caráter puramente liberal e eram frequentemente liderados por proprietários locais.

Entre os pontos fortes desses movimentos estavam sua grande mobilidade e conhecimento da área, o que dificultava combatê-los pelas forças do governo. Além disso, eles costumavam ter um grande apoio social.

Eloy Alfaro aproveitou essas vantagens. Já desde a era Garcia, começou a ganhar prestígio no lado liberal, primeiro em sua província e depois ao longo da costa, incluindo Guayaquil. Em 1882, ele reuniu apoio suficiente para lançar uma campanha militar contra Veintimilla de Esmeraldas, embora essa tentativa tenha terminado em fracasso.

Chefe Supremo de Manabi e Esmeraldas

Apesar da derrota naquela primeira campanha, os liberais continuaram ofensivos. Em 1883, Alfaro foi nomeado Chefe Supremo de Manabí e Esmeraldas, posição a partir da qual continuou liderando a luta contra o governo.

Finalmente, os rebeldes conseguiram derrubar Veintimilla, embora o resultado político não fosse o que eles esperavam. Assim, alguns membros do governo, conservadores e liberais, aliaram-se ao estabelecimento do que ficou conhecido como “Período Progressivo”.

Com essa estratégia, a oligarquia conseguiu manter sua influência. O período durou mais onze anos, durante os quais as presidências de José María Plácido Caamaño, Antonio Flores Jijón e Luis Cordero Crespo se acompanharam.

Progresso e “La Argolla”

Os líderes do período progressista conseguiram que boa parte da classe política do país se posicionasse a seu favor. No entanto, as decisões permaneceram nas mãos de algumas das grandes famílias proprietárias de Quito, Cuenca e Guayaquil, reunidas em uma aliança chamada “La Argolla”.

Isso fez com que as famílias poderosas deixadas de fora dessa aliança, conservadoras ou liberais, lutassem contra seu poder. O caráter fortemente repressivo e corrupto do novo regime também contribuiu para isso.

Cerco a Guayaquil

Enquanto isso, Eloy Alfaro não havia parado de brigar. À frente de seus homens, ele foi o primeiro a cercar Guayaquil e, em 9 de julho de 1883, ele conseguiu tomar a cidade. No ano seguinte, foi convocada a Convenção de 1884, na qual ele renunciou à sede de Manabí.

Alfaro foi para o exílio, embora tenha voltado a enfrentar o governo de Caamaño novamente, colocando-se à frente dos montoneros. Apesar de sua crescente popularidade, alguns o acusaram de declarar guerra ao presidente recém-nomeado sem uma razão específica.

No final de 1884, após sua derrota em Jaramijó, ele teve que se exilar novamente, desta vez para o Panamá. Foi nessa época que ele ganhou o apelido de Velho Lutador ou General de Derrotas, já que ele sempre conseguia retomar a luta, apesar dos contratempos.

A venda da bandeira

No mesmo ano de 1894, um escândalo político deu força aos liberais. Foi “a venda da bandeira”, que afetou o governo de Luis Cordero e o ex-presidente Caamaño, então governador de Guayas.

Naquela época, China e Japão estavam em guerra. O governo equatoriano permitiu que o Chile usasse a bandeira equatoriana para vender um cruzador de guerra. Os chilenos se declararam neutros; portanto, de acordo com o direito internacional, não podiam vender armas a nenhum candidato.

O povo equatoriano sentiu-se muito ofendido com a manobra, que foi considerada uma humilhação para a honra do país. Além disso, este episódio foi adicionado a outros acordos pouco claros realizados por “La Argolla”.

Os liberais pediram para formar assembléias e conselhos civis em várias cidades para julgar o que o governo havia feito. Em algumas partes do país, como a Província dos Rios, as montoneras reapareceram. Em 1895, a revolta era imparável.

Causas

A revolução teve como principal causa a intenção das facções liberais de acabar com o estágio dos governos conservadores.

Diferenças ideológicas entre a costa e as montanhas

Uma das características do Equador na época era a divisão ideológica entre a Serra e o litoral. Na região interandina, na Serra, predominavam os conservadores, com forte influência da Igreja Católica.

Por outro lado, no litoral, a situação era oposta. Durante os tempos coloniais, tinha menos importância econômica e grandes propriedades não haviam sido estabelecidas, como se estivesse na Serra. Foi a partir do século 18 que o comércio de cacau e outros produtos permitiu o desenvolvimento econômico da região.

A rivalidade entre as duas áreas do país foi mantida após a independência, em 1830. Após essa data, três pólos de poder econômico e político foram consolidados, Quito, Guayaquil e Cuenca, que competiam entre si.

Enquanto os comerciantes de Guayaquil eram a favor do livre comércio e da abertura política, os proprietários de terras da Serra preferiam o protecionismo.

Vinte e um e marginalização de Alfaro

O governo do general Veintemilla foi outra causa que intensificou a luta entre conservadores liberais. No final de seu mandato, todos temiam que ele se declarasse um ditador, o que provocou a reação dos oponentes.

Apesar do triunfo deste último, Alfaro e o liberalismo da costa foram marginalizados na formação do novo governo. Isso foi ainda mais repressivo que o anterior, então as rebeliões continuaram.

Decálogo liberal

Os liberais equatorianos não apenas pretendiam derrubar governos conservadores, mas também realizar seu programa político. Consistia em dez pontos e foi publicado na época.

No campo das relações com a Igreja, os liberais procuraram decretar um decreto de mãos mortas, eliminar alguns conventos e mosteiros, abolir a concordata e expulsar clérigos estrangeiros. Da mesma forma, eles pretendiam secularizar a sociedade, promovendo a educação secular e obrigatória.

Outros aspectos de seu programa foram a criação de um exército forte e bem pago, a construção da ferrovia para o Pacífico e a decretação da liberdade dos indígenas.

Desenvolvimento

A campanha militar e política de Alfaro começou nos Andes com o apoio das montoneras. A base de seus seguidores eram os pequenos e médios proprietários, os camponeses, os diaristas e as camadas inferiores urbanas. Ele também recebeu apoio dos povos indígenas da Serra e dos intelectuais liberais.

Revolução dos Capítulos

Em novembro de 1884, novas rebeliões eclodiram contra o governo presidido por Caamaño. Na Província dos Rios começou a chamada Revolução dos Capítulos, momento em que Alfaro aproveitou a oportunidade para retornar do Panamá.

No entanto, os movimentos revolucionários terminaram em derrota, então os liberais tiveram que recuar por vários anos.

Assembleias e Conselhos Cívicos

A oportunidade para os liberais veio com o escândalo da venda da bandeira. A raiva da população os levou a convocar os liberais para criar Conselhos Cívicos em grande parte do país.

O primeiro foi organizado em Guayaquil, em 9 de dezembro de 1894, com grande sucesso de assistência. Quatro dias depois, uma grande manifestação ocorreu em Quito. A polícia a dissolveu violentamente e o governo declarou estado de emergência.

Apesar da reação do governo, a revolução foi imparável. Em muito pouco tempo, as rebeliões se espalharam, de Milagro a Esmeralda, por El Oro e a maioria das cidades costeiras.

Surto revolucionário

Alfaro havia chamado para pegar em armas contra o governo e a resposta foi imediata. Em 13 de fevereiro, em Milagro, uma montonera atacou a ferrovia costeira e a usou para chegar ao interior do país. No dia 17 do mesmo mês, as montoneras se multiplicaram pelas guayas e em Manabi.

Por sua parte, os conservadores também mostraram descontentamento. No dia 20, houve uma insurreição na guarnição de Ibarra, proclamando o chefe supremo a Camilo Ponce Ortiz.

O governo, com cada vez menos opções, tentou forçar os habitantes das cidades costeiras a se unirem às suas tropas, o que apenas levou à fuga dos camponeses e a eles se juntarem às montoneras.

Nas montanhas centrais e do norte, pequenos destacamentos insurgentes foram formados para atacar as forças do governo. Em 9 de abril, eles levaram Guaranda e, no dia seguinte, houve uma insurreição em Quito.

Ao mesmo tempo, a revolução estava ganhando terreno em toda a costa, com pronunciamentos em numerosas aldeias e vitórias dos montoneras contra as forças do governo.

Site para Guayaquil

No início de julho, os insurgentes haviam cercado Guayaquil. O chefe militar encarregado do destacamento que a defendia decidiu renunciar, desistindo de sua posição em um Conselho formado pelas personalidades mais importantes da cidade.

Em 4 de julho, quase todos os habitantes da cidade saíram às ruas e confrontaram os militares do governo. Antes da impossibilidade de resistir, o governador da província apresentou sua renúncia.

5 de junho

A cidade de Guayaquil se reuniu em 5 de junho de 1895, após o triunfo de sua revolta.

Nesse mesmo dia, a cidade decidiu ignorar o governo. As razões apontadas, como declaradas por seus representantes, foram “que as idéias liberais são as que mais estão em harmonia com a civilização e o progresso modernos e que são chamadas para fazer a República feliz”.

Da mesma forma, eles decidiram nomear Eloy Alfaro como Chefe Supremo da República e Chefe Geral do Exército. Quase 16.000 pessoas assinaram a ata com essas decisões.

No dia 18, Eloy Alfaro chegou à cidade. Segundo os cronistas, a recepção foi massiva. Foi uma celebração real, com a participação de membros de outros partidos políticos, além do liberal. Em 19, ele assumiu a Sede Suprema da República e organizou o primeiro governo liberal em Guayaquil.

Comissões de Paz

O próximo passo de Alfaro foi estender a revolução de Guayaquil para o resto do país. Para isso, ele enviou Comissões de Paz a Quito e Cuenca, com a intenção de chegar a um acordo para evitar a violência e permitir que o programa liberal do governo fosse realizado. No entanto, a oligarquia conservadora recusou qualquer compromisso.

Diante disso, Alfaro organizou suas tropas para empreender novamente a luta armada. Por seu lado, o governo organizou a defesa de Quito.

A campanha de Alfaro foi muito rápida, derrotando seus inimigos em Chimbo, Socavón e Gatazo. Em 4 de setembro, ele entrou quase sem oposição em Quito, onde foi recebido pela grande maioria de seus habitantes.

Consequências

A Revolução Liberal não consistiu apenas em uma mudança de governo. As medidas adotadas significaram que houve uma transformação social, econômica e política no Equador.

Governos liberais

Eloy Alfaro assumiu a presidência do país após o triunfo da revolução. Seu primeiro mandato foi desenvolvido entre 1895-1901, sendo substituído naquele ano por Leonidas Plaza, seu principal rival político.

O substituto de Plaza foi Lizardo García, embora ele só estivesse no poder por um ano, entre 1905 e 1906. Um golpe devolveu a presidência a Alfaro, que a manteve até 1911.

1º. Assembléia Constituinte

Uma das primeiras medidas de Eloy Alfaro como Chefe Supremo da República foi convocar uma Assembléia Constituinte. Isso começou a redação de uma nova Magna Carta em 1896, sendo aprovada no ano seguinte.

Entre os pontos incluídos na Constituição estavam a eliminação da pena de morte, o estabelecimento da liberdade de culto e a possibilidade de todos os habitantes do país serem cidadãos.

Por outro lado, durante esse primeiro período, a diferença entre a costa e a serra diminuiu um pouco. Dessa forma, a estabilidade do país aumentou e até significou a criação de uma identidade nacional que englobasse as duas áreas. A construção da ferrovia entre Guayaquil e Quito foi uma das ferramentas para aproximar as duas áreas.

Medidas mais importantes

Os governos liberais que surgiram após a revolução empreenderam uma série de reformas estruturais no Equador. Para começar, legislaram a separação entre o Estado e a Igreja, cujo poder, especialmente na Serra, era quase absoluto.

Por outro lado, as instituições públicas foram reorganizadas, a infraestrutura foi modernizada e o papel da mulher na sociedade foi promovido.

Em outros aspectos, esses governos deram ao casamento, ao registro civil e ao divórcio um caráter civil, eliminando o controle total que a Igreja tinha sobre essas questões. Além disso, eles introduziram a educação gratuita e secular.

Na economia, as exportações de cacau cresceram durante esse período, consolidando esse setor de negócios no litoral.

O Alfarismo tentou favorecer o crescimento dos negócios. Para isso, emitiu leis que protegiam a indústria nacional. Além disso, regulamentou o salário dos trabalhadores, na tentativa de acabar com a servidão indígena e camponesa.

Limitações da Revolução

Apesar das reformas mencionadas, os governos liberais encontraram limitações da época. Dessa forma, eles não puderam realizar uma reforma agrária abrangente, nem concluir a industrialização do país. Da mesma forma, não houve democratização total da sociedade baseada na igualdade.

As bases do alfarismo foram decepcionadas pelo atraso na implementação desses assuntos. Isso, juntamente com o surgimento de uma nova classe oligárquica, encerrou o projeto liberal. O ponto final foi marcado pelo assassinato de Alfaro e outros colegas em 28 de janeiro de 1912.

Referências

  1. Aviles Pino, Efrén. Revolução Liberal Obtido em encyclopediadelecuador.com
  2. Paz y Miño, Juan J. A Revolução Liberal do Equador. Obtido em eltelegrafo.com.ec
  3. Centro Cívico de Ciudad Alfaro. O triunfo da Revolução Liberal Radical. Obtido em Citizenslfaro.gob.ec
  4. Halberstadt, Jason. Eloy Alfaro e a revolução liberal. Obtido em ecuadorexplorer.com
  5. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. Revolução de 1895. Obtido de e
    cyclopedia.com
  6. Revolvy Revolução Liberal de 1895. Obtido de revolvy.com
  7. Minster, Christopher. Biografia de Eloy Alfaro. Obtido em thoughtco.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies