Robert Connors: História e Curiosidades

Robert Connors é uma das figuras mais controversas da Internet devido a uma série de vídeos postados no YouTube, onde Connors indicou que a população afro-americana no país estava sendo controlada por uma operação há mais de 20 anos.

Connors, que se identificou como um ex-agente do Departamento de Defesa, fez uma série de declarações nas quais afirmou a existência de um projeto da CIA para controlar a mente da população afro-americana que reside no país.

Robert Connors: História e Curiosidades 1

Para provar isso, ele disse que tinha a evidência real de que tanto a morte do cantor Michael Jackson quanto o rapper Tupac Shakur foram por causa do governo. Nos vídeos mencionados, Connors afirmou que ele tinha mais material em seu poder.

Connors disse que não conseguiu destruir esse material, apesar de receber ordens de seus superiores. Atualmente, ele é uma figura popular, especialmente em círculos adequados às teorias da conspiração.

História

Presume-se que, antes de se tornar conhecido na Internet, Robert Connors tenha atuado como membro do Conselho de Defesa do Setor Industrial, bem como da Câmara de Comércio do Grupo de Segurança Nacional dos Estados Unidos.

Além disso, Connors observou que ele também fazia parte do Projeto Sedwick, uma segunda etapa do Projeto MK Ultra, também conhecido como programa de controle mental desenvolvido pela CIA.

A divulgação dos vídeos foi feita no final de 2013. Nesses vídeos, Connors indicou a importância da população ter o verdadeiro conhecimento de vários eventos mais ou menos recentes, como a morte de Michael Jackson.

Aspectos mais importantes das gravações

– Ao longo dos vídeos, Connors se apresentou como um ex-agente do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, que também trabalhou como membro do Projeto Sedwick.

-Eu indiquei que a CIA havia executado um programa, iniciado no governo de Ronald Regan, para controlar a população afro-americana por meio da música e outros eventos culturais.

– Ele ressaltou que o programa também se enquadra em setores importantes da estrutura política de várias agências do Estado. Isso causou a supervisão de vários civis de importância pública que poderiam representar uma ameaça em potencial.

Michael Jackson

Nesse ponto, indica que Michael Jackson foi um dos muitos artistas que sofreram vigilância e até assédio pelo setor da CIA em que trabalhava.

Para provar que o que ele disse era verdade, ele publicou um áudio em que a voz do cantor é reconhecida. Neste material, onde ele fala com seu ex-representante Dieter Weisner, Jackson indicou preocupação de que ele tinha a sensação de que algo aconteceria com ele.

Algumas das frases que foram identificadas no áudio divulgado nos vídeos do Connors foram as seguintes:

– ”Eu não sei se devo lhe dizer isso. Talvez haja um grupo de pessoas que querem se livrar de mim. Eles não me querem mais aqui.

– Não posso falar ao telefone, não sei o que vai acontecer, mas sinto. (…) Eles querem se livrar de mim. ”

– “Você pode me matar, me esfaquear, me enquadrar ou dizer que tive uma overdose”.

– ”Não é o governo, é algo além do governo. Não sei, Dieter, não estou interessado … Eles podem me levar. Não ligo para a minha vida, só quero que meus filhos fiquem bem. Eu os quero seguros.

Outros personagens

Connors incluiu outros personagens importantes, como o rapper Tupac Shakur, John Lennon, Marilyn Monroe e até o próprio Robert Kennedy. Segundo Connors, todos foram vítimas de assassinatos ordenados por membros importantes do Departamento de Defesa.

O motivo dessas mortes, que para muitos são inexplicáveis, era porque eram pessoas que promoviam mensagens revolucionárias em favor da paz e da irmandade, ou estavam ligadas a informações confidenciais que comprometiam agências governamentais.

Ultimatum

No momento em que a divulgação desses vídeos foi feita, Connors disse que se as autoridades não dessem respostas conclusivas antes de 23 de setembro de 2013, elas publicariam mais material que possuíam.

Naquele momento, os vídeos foram amplamente divulgados e discutidos em diferentes comunidades da Internet, principalmente porque estavam aguardando o que aconteceria na data proposta de Connors para que o Departamento de Defesa soubesse mais.

No entanto, naquele dia, apareceu um vídeo de um rapper chamado Prince Ea, que é visto em uma sala cheia de imagens de rappers e outras personalidades afro-americanas. Nisso, ele confirma a conspiração para matar Tupac Shakur e canta uma música chamada I Know Who Killed Hip-Hop .

Realidade urbana ou lenda?

No momento em que os vídeos foram divulgados, as comunidades na Internet e a opinião pública estavam atentas ao progresso das declarações de Connors, principalmente quando conversavam sobre as aparentes circunstâncias estranhas da morte de Michael Jackson.

Até sua irmã LaToya Jackson disse em uma série de entrevistas que seu irmão havia sido perseguido e depois morto.

No entanto, a aparição repentina do príncipe Ea como um fechamento desses materiais de Connors despertou o ceticismo de várias pessoas. Concluiu-se que tudo era um plano de marketing para viralizar o conteúdo através de uma série de vídeos estranhos.

Embora tenha sido confirmado que se tratava de uma campanha, alguns adeptos das teorias da conspiração concordam que existe um lado real das informações mencionadas por Connors, principalmente porque seu paradeiro é atualmente desconhecido.

Curiosidades

-Por causa do impacto dos vídeos, uma série de estudos de linguagem não-verbal foi realizada para entender se as afirmações de Connors eram verdadeiras. De fato, alguns acreditam que essa pessoa realmente estava em perigo durante esse período.

-A aparição do vídeo do príncipe Ea implicava que a conta de Connors havia sido invadida. No entanto, o vídeo foi excluído do YouTube.

Apesar da falta de credibilidade que os vídeos de Connors conquistaram, o áudio da conversa de Michael Jackson com seu ex-representante é real.

Projetos Sedwik e MK Ultra

No início, Connors menciona o Projeto Sedwik e o Projeto MK Ultra. Ambos correspondem a um programa realizado pela CIA para usar estratégias durante interrogatórios e tortura.

A primeira parte, correspondente ao Projeto MK Ultra, foi desenvolvida nos anos 50 e contou com a presença de várias universidades e outras instituições privadas e farmacêuticas, uma vez que drogas foram utilizadas – além de outros recursos – durante o processo.

Não se sabia sobre esse projeto até 1977, quando mais de 20 mil documentos foram passados ​​ao domínio público.

Referências

  1. [Vídeo] Um ex-agente da Defesa filtra a última ligação de Michael Jackson antes de morrer: “Eles querem se livrar de mim”. (2013). Em Jornalista Digital. Retirado: 27 de abril de 2018. Em Digital Journalist of periodistadigital.com.
  2. Conspiração?: Michael Jackson: A última chamada foi publicada pelo ex-funcionário da MK-Ultra de Robert Connors. (2013). No estilo Medellín. Retirado: 27 de abril de 2018. No estilo Medellín de medellinstyle.com.
  3. O que foi o MK Ultra Project? (sf). Na própria história. Recuperado: 27 de abril de 2018. Em Muy Historia de muyhistoria.es.
  4. Revelação do que aconteceu com Robert Connors e Michael Jackson. (sf). Em Taringa. Retirado: 27 de abril de 2018. Em Taringa, de taringa.net.
  5. Robert Connors fornece informações sobre a morte de Michael Jackson. (2013). Na Coisa Rosa. Retirado: 27 de abril de 2018. Em La Cosa Rosade lacosarosa.com.
  6. O príncipe Ea do St. Louis Rapper punks a Internet com incríveis séries de vídeos. (2013). Em RFT Riverfront Times. Retirado: 27 de abril de 2018. No RFT Riverfront Times de riverfronttimes.com.
  7. Vídeo – Agente Federal de Defesa: ‘Matamos Michael Jackson’. (2016). Em Escolha e Verdade. Retirado: 27 de abril de 2018. Em Choice and Truth of choiceandtruth.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies