Rubén Jaramillo Ménez: Biografia

Rubén Jaramillo Ménez foi um líder camponês e guerrilheiro mexicano que se destacou por sua luta em defesa dos direitos dos trabalhadores rurais e pela redistribuição de terras no México. Nascido em 1900 em Zapata, no estado de Morelos, Jaramillo foi criado em uma família de agricultores e desde cedo se envolveu nas questões sociais e políticas de seu país. Sua atuação como líder sindical e sua participação na Guerra Cristera o levaram a se tornar uma figura importante no movimento campesino mexicano. Jaramillo foi assassinado em 1962, mas sua luta e legado continuam a inspirar aqueles que buscam justiça social e igualdade no México.

Resumo do Movimento Camponês liderado por Rubén Jaramillo em 1942.

Rubén Jaramillo Ménez foi um líder camponês mexicano que ficou conhecido por liderar um importante movimento camponês em 1942. O objetivo desse movimento era lutar pelos direitos dos camponeses, que muitas vezes eram explorados e marginalizados.

Rubén Jaramillo organizou os camponeses da região de Guerrero e Morelos, mobilizando-os para reivindicar melhores condições de trabalho, acesso à terra e justiça social. Ele foi um defensor incansável dos direitos dos trabalhadores rurais e lutou contra a opressão imposta pelos latifundiários e pelo governo.

Infelizmente, o movimento liderado por Rubén Jaramillo enfrentou uma forte repressão por parte das autoridades, resultando em violência e perseguição. Apesar das adversidades, Jaramillo manteve sua determinação e continuou a lutar pelos direitos dos camponeses até ser brutalmente assassinado em 1962.

O legado de Rubén Jaramillo Ménez continua vivo até hoje, sendo lembrado como um símbolo de resistência e luta pelos direitos dos camponeses no México. Sua coragem e dedicação inspiraram gerações de ativistas e sua luta por justiça social e igualdade permanece como um exemplo a ser seguido.

Movimento camponês liderado por Rubén Jaramillo em 1942: download do PDF disponível.

O movimento camponês liderado por Rubén Jaramillo em 1942 foi uma importante luta pela reforma agrária no México. Rubén Jaramillo Ménez foi um líder campesino que defendia os direitos dos trabalhadores rurais e lutava contra a desigualdade no campo.

Rubén Jaramillo organizou os camponeses da região de Morelos para reivindicar melhores condições de trabalho, acesso à terra e justiça social. Seu movimento ganhou força e se tornou uma ameaça ao governo autoritário da época.

Infelizmente, a luta de Rubén Jaramillo teve um desfecho trágico. Em 1962, ele e sua família foram brutalmente assassinados pelas autoridades mexicanas, em uma tentativa de reprimir o movimento camponês.

Para saber mais sobre a vida e a luta de Rubén Jaramillo Ménez, você pode fazer o download do PDF disponível online. Sua história é um exemplo de coragem e determinação na busca por um mundo mais justo e igualitário.

Impactos do movimento liderado por Rubén Jaramillo na sociedade mexicana durante os anos 1960.

Rubén Jaramillo Ménez foi um líder camponês e guerrilheiro mexicano que teve um impacto significativo na sociedade mexicana durante os anos 1960. Seu movimento, conhecido como “Liga 23 de Septiembre”, lutou contra a desigualdade social e a opressão do governo.

Uma das principais conquistas de Rubén Jaramillo foi a redistribuição de terras para os camponeses pobres, o que ajudou a melhorar as condições de vida de muitas famílias rurais. Sua luta pelos direitos dos trabalhadores rurais também levou a uma maior conscientização sobre as questões de classe e desigualdade no México.

Relacionado:  Qual é o Esquilón de San José?

O movimento liderado por Rubén Jaramillo também teve um impacto cultural, inspirando outros grupos a lutarem por justiça social e igualdade. Sua resistência contra o governo autoritário de Gustavo Díaz Ordaz chamou a atenção para as violações dos direitos humanos no país.

Infelizmente, a luta de Rubén Jaramillo chegou a um fim trágico em 1962, quando ele e sua família foram brutalmente assassinados pelo exército mexicano. No entanto, seu legado de resistência e luta pelos direitos dos camponeses continuou a inspirar gerações posteriores de ativistas e defensores dos direitos humanos no México.

As causas do movimento campesino liderado por Rubén Jaramillo em 1942.

Rubén Jaramillo Ménez foi um líder importante no movimento campesino mexicano, que teve início em 1942. Suas ações foram motivadas por diversas causas, que levaram os camponeses a se organizarem e lutarem por seus direitos.

Uma das principais causas do movimento foi a injustiça social enfrentada pelos camponeses, que viviam em condições precárias e sem acesso a terra para cultivar. Rubén Jaramillo denunciava a concentração de terras nas mãos de poucos proprietários rurais, enquanto a maioria da população sofria com a falta de recursos.

Além disso, o movimento campesino liderado por Rubén Jaramillo também foi impulsionado pela falta de oportunidades de trabalho e educação no campo. Os camponeses lutavam por melhores condições de vida e por uma distribuição mais justa da riqueza produzida na região.

Rubén Jaramillo Ménez se destacou como um líder carismático e determinado, que mobilizou os camponeses em torno de uma causa comum. Sua liderança foi fundamental para a organização do movimento e para a conquista de melhorias para a população rural.

Em resumo, as causas do movimento campesino liderado por Rubén Jaramillo em 1942 foram a injustiça social, a falta de oportunidades no campo e a concentração de terras. O legado de Jaramillo continua vivo até hoje, inspirando novas gerações a lutarem por seus direitos e por uma sociedade mais justa e igualitária.

Rubén Jaramillo Ménez: Biografia

Rubén Jaramillo Ménez foi um militar e revolucionário mexicano do início do século XX. Ele dedicou sua luta, militar e política, às demandas do povo camponês mexicano. Para isso, ele se juntou às forças revolucionárias zapatistas, servindo-as das fileiras do Exército Libertador do Sul.

A luta de Jaramillo Ménez não estava apenas lutando com armas; Depois de deixar as fileiras do exército, continuou na luta por uma vida mais justa para os camponeses e os pobres do México, usando a política como uma arma contra os exploradores.

Rubén Jaramillo Ménez: Biografia 1

Rubén Jaramillo Ménez e seus colegas revolucionários

Biografia

Primeiros anos

Rubén nasceu em 25 de janeiro de 1900 em Xochicalco, em uma cidade chamada Real de Minas, em Zacualpan, México. Ele era filho do mineiro Atanasio Jaramillo e da camponesa Romana Ménez Nava. Ele tinha seis irmãos e seu avô Julián Jaramillo Navas era um companheiro ativo de Benito Juárez.

Alistamento

Ele tinha apenas quatorze anos quando se juntou às forças revolucionárias zapatistas nas fileiras do Exército Libertador do Sul, e aos dezessete anos de idade foi promovido a primeiro capitão de cavalaria.

De volta à vida civil

Quando o exército zapatista começou a degenerar sua atuação, muitos soldados e comandantes se tornaram o que estavam lutando.

Caíram em assalto e pilhagem atrevida, desrespeitando as linhas de comando e desobedecendo às ordens de Zapata. A maior parte desse exército foi para o lado de Carranza, de costas para o povo. Era então o ano de 1918.

Por essas razões, Jaramillo Ménez se afastou da luta armada naquele ano e passou a trabalhar na vida civil. Primeiro, ele fez isso em uma fazenda em Cassano, depois nos moinhos de San Luis Potosí e depois em Tamaulipas como operário nos campos de petróleo. O fato de se separar da luta armada o levou à luta libertária por outros meios.

Contra os comerciantes

A paixão de Jaramillo Ménez foi a reivindicação da justiça e a melhoria das condições de vida das pessoas. Isso o fez lutar firmemente contra comerciantes inescrupulosos que levaram o povo a passar fome acumulando arroz em cumplicidade com os credores do banco Ejidal.

Este banco estabeleceu cooperativas de crédito malsucedidas para monopolizar o comércio desses produtos agrícolas. Jaramillo descobriu e denunciou a ligação de cartéis em Jojutla, apoiados por políticos do governo da época, o que lhe rendeu inimigos perigosos.

Inimigos de Jaramillo

Após as alegações feitas, Jaramillo foi acompanhado por um grupo feroz de inimigos: os poderosos ricos. Quando estavam ligados a essa corrupção, eram feitos de terras férteis e exploravam os povos nativos. Além disso, controlavam as plantações, a produção e o comércio, enriquecendo seus cofres e tornando o povo infeliz.

A terceira onda de inimigos de Jaramillo foi a mais hedionda. Um grupo de políticos e novos ricos emergiu da mesma Revolução juntando-se à festa da corrupção. Eles conheciam melhor o ex-combatente; portanto, eles acharam mais fácil acusar e declarar o combatente incorruptível como um agitador perigoso e, posteriormente, como um inimigo público.

Foram feitas muitas propostas a Jaramillo para adicioná-lo ao círculo corrupto, até uma empresa estatal foi designada. Ele tinha na ponta dos dedos a ascensão a esferas de poder e riqueza. Mas Jaramillo Ménez – como um discípulo fiel de Emiliano Zapata – permaneceu leal aos seus valores e moral e rejeitou todas essas propostas.

Lute sem armas

As lutas desarmadas de Rubén Jaramillo podem ser vistas em sua participação ativa como lutador social:

– Em 1921, ele foi o organizador do Comitê Agrário Provisório de Tlaquiltenango.

– Em 1926, ele organizou a constituição da Sociedade de Crédito Agrícola de Tlaquiltenango, de onde liderou uma luta feroz contra os grupos de acumulação de arroz.

Construção da usina de açúcar Emiliano Zapata

Durante o ano de 1933, em Querétaro, Jaramillo entregou uma proposta ao Presidente da República, Lázaro Cárdenas , para criar uma usina em Jojutla. Com isso, ele procurou reativar as culturas de cana como medida de emancipação para os camponeses, vítimas dos usurários de arroz.

Relacionado:  Crise porfiriato no México: política e economia

Foi assim que a fábrica Emiliano Zapata foi construída, que nasceu como um espaço para a livre atividade produtiva dos camponeses. Foi precisamente essa força moral que fez de Jaramillo o grande obstáculo para políticos e funcionários corruptos se apropriarem dos lucros da fábrica, então Jaramillo Ménez teve que ser eliminado.

Ataques contra Jaramillo

A primeira coisa que eles fizeram foi tirar sua posição. Então, por causa de sua luta persistente pelos direitos dos camponeses, eles tentaram assassiná-lo. A polícia judicial falhou em duas emboscadas perto de sua casa.

Posteriormente, entre pistoleiros pagos e policiais corruptos, entregaram-lhe uma prisão da qual Rubén Jaramillo Ménez conseguiu escapar novamente. Ficou claro que ele não tinha outro jeito: ele precisava refazer suas armas.

A aquisição da luta armada

Em 19 de fevereiro de 1943, após uma terrível perseguição e repressão incessante do movimento camponês, Rubén Jaramillo se juntou a um grupo de ex-guerrilheiros zapatistas e, armado em armas, proclamou o Plano de Cerro Prieto.

Os pontos mais relevantes deste plano são os seguintes:

– O governo deve estar nas mãos de camponeses, trabalhadores e soldados.

– Distribuição equitativa da riqueza nacional.

– Treinar as mulheres para que se tornem independentes sem recorrer à prostituição.

– Menor horário de trabalho, que permite aos trabalhadores ler, pensar e escrever.

Jaramillo e seus combatentes foram de cidade em cidade, divulgando as razões de sua luta. Eles estavam adicionando o apoio do campesinato, o que fortaleceu a luta popular.

Retorno à luta civil

Militarmente, as forças estavam muito desequilibradas. Eles não tiveram a insurreição militar para nivelar as forças e, enquanto se abrigavam na colina, deixaram a cidade à mercê dos excessos do poder do governo.

Por esses motivos, em 1944, Jaramillo aceitou a anistia oferecida pelo presidente Ávila Camacho e voltou à vida civil.

Jaramillo dedicou suas forças à organização popular. Ele coordenou grupos de camponeses para colonizar terras ociosas e entregá-las a camponeses sem terra.

Emboscada final

Em 23 de maio de 1962, sob o governo de Norberto López Alvear, foi realizada a Operação Xochicalco. Policiais judiciais invadiram a casa de Jaramillo, guiada pelo ex-companheiro de guerrilha de Jaramillo, Heriberto Espinoza, conhecido como “El Pintor”, juntamente com tropas do exército nacional e pistoleiros de Emiliano Zapata.

Eles levaram toda a sua família junto com ele. Eles foram levados em veículos do governo perto das ruínas de Xochicalco e baleados.

Referências

  1. Danzós, Ramón. (1974), da prisão de Atlixco (Vida e luta de um líder camponês), México, ECP, pp. 151-152.
  2. Limón López, AG (2006) O assassinato de Rubén Jaramillo Ménez, em El Paliacate, n. 3, vol. 2º, 2º trimestre, p. 58
  3. López Limón, A. (2016). Vida e obra de Rubén Jaramillo. O Zenzontle / MIR.
  4. Monroy, David. (2018) Rubén Jaramillo, o último líder da guerrilha chega ao Congresso de Morelos. Millennium Recuperado em 16/01/2018.
  5. Salmerón, Luis A. (2015). História Histórias e histórias no México. Número 81. Anos VII Página 89

Deixe um comentário