Aliança Tripla (1882): contexto histórico, criação e membros

A Aliança Tripla, também conhecida como Tríplice Aliança, foi uma aliança militar criada em 1882 entre os países europeus da Alemanha, Áustria-Hungria e Itália. Este acordo foi formado em um contexto de rivalidades e instabilidades políticas na Europa, principalmente devido à ascensão do imperialismo e nacionalismo. Os membros da Aliança Tripla se comprometeram a apoiar uns aos outros em caso de ataque por parte de qualquer outra potência europeia, fortalecendo assim suas posições no cenário internacional. Esta aliança desempenhou um papel significativo nas relações internacionais da época e teve repercussões importantes nas décadas seguintes.

Países que compuseram a Tríplice Aliança na história mundial durante conflitos armados internacionais.

A Aliança Tripla, também conhecida como Tríplice Aliança, foi uma aliança militar formada em 1882 entre três países europeus: Alemanha, Áustria-Hungria e Itália. Este acordo foi criado em um contexto de mudanças geopolíticas e rivalidades entre as grandes potências europeias.

A Alemanha, liderada pelo Chanceler Otto von Bismarck, buscava fortalecer sua posição no continente e se proteger de possíveis ameaças, principalmente da França. A Áustria-Hungria, por sua vez, estava preocupada com a crescente influência do Império Russo nos Bálcãs. Já a Itália, recém-unificada, buscava garantir seu lugar entre as potências européias.

Assim, os três países decidiram se unir em uma aliança militar que garantisse sua segurança e interesses comuns. A Tríplice Aliança foi oficialmente formada em maio de 1882, com a assinatura de um tratado secreto entre as três nações.

Os membros da Aliança Tripla concordaram em se apoiar mutuamente em caso de agressão por parte de outra potência européia. Além disso, comprometeram-se a manter a neutralidade em caso de um dos membros ser atacado por uma potência fora da Europa.

A Tríplice Aliança foi um dos principais blocos político-militares na Europa durante as décadas seguintes, desempenhando um papel importante em eventos como a Primeira Guerra Mundial. No entanto, a aliança acabou se desfazendo durante o conflito, com a Itália mudando de lado e se juntando aos Aliados.

Origem e formação da Tríplice Aliança e Tríplice Entente na Primeira Guerra Mundial.

Contexto histórico: A Aliança Tripla, formada em 1882, foi uma aliança militar entre três grandes potências europeias: Alemanha, Áustria-Hungria e Itália. Na época, a Europa estava passando por um período de grande instabilidade política e militar, com rivalidades e disputas territoriais entre as potências europeias.

Criação e membros: A Aliança Tripla foi criada em resposta à formação da Tríplice Entente, que era uma aliança entre a França, o Reino Unido e a Rússia. As potências da Tríplice Aliança se uniram com o objetivo de se proteger mutuamente em caso de um ataque da Tríplice Entente. A Alemanha, liderada pelo Kaiser Wilhelm II, foi o principal arquiteto da aliança e buscava garantir a segurança do Império Alemão em meio às crescentes tensões na Europa.

Erro ortográfico: A Aliança Tripla foi uma resposta às crescentes tensões na Europa, com o objetivo de proteger mutuamente seus membros em caso de um ataque da Tríplice Entente. A aliança foi um dos principais fatores que levaram ao início da Primeira Guerra Mundial em 1914.

A formação da Tríplice Aliança em 1882 foi um acontecimento relevante na história mundial.

A formação da Tríplice Aliança em 1882 foi um acontecimento relevante na história mundial. Em um contexto de intensas rivalidades e competições entre as potências europeias, a aliança entre Alemanha, Áustria-Hungria e Itália foi estabelecida com o objetivo de fortalecer suas posições no cenário internacional.

A criação da Tríplice Aliança foi uma resposta aos desafios e ameaças que as potências centrais enfrentavam, especialmente diante do crescimento do poder da França e da Rússia na Europa. Por meio dessa aliança, os países membros buscavam garantir sua segurança e proteger seus interesses em um ambiente geopolítico cada vez mais instável.

Os membros da Tríplice Aliança tinham interesses comuns, como a manutenção do equilíbrio de poder na Europa, a preservação de suas respectivas esferas de influência e a defesa de suas fronteiras. Além disso, a aliança visava conter o expansionismo e a ambição das potências rivais, promovendo a estabilidade e a paz no continente.

Em suma, a formação da Tríplice Aliança em 1882 foi um marco na história mundial, representando uma importante coalizão entre Alemanha, Áustria-Hungria e Itália para proteger seus interesses e enfrentar os desafios do cenário internacional.

Origem e formação das alianças na Primeira Guerra Mundial: um panorama histórico detalhado.

A Primeira Guerra Mundial foi um conflito de grandes proporções que envolveu diversas potências mundiais no início do século XX. Uma das características marcantes desse período foi a formação de alianças entre os países, como a Aliança Tripla, formada em 1882.

Relacionado:  José María Pino Suárez: Biografia e Trabalho

O contexto histórico que levou à criação da Aliança Tripla remonta à expansão imperialista na Europa, com as potências buscando garantir seus interesses e proteger suas fronteiras. A Alemanha, o Império Austro-Húngaro e a Itália se uniram nessa aliança, com o objetivo de fortalecer suas posições no cenário internacional e conter possíveis ameaças de outras potências.

A criação da Aliança Tripla foi um marco importante na geopolítica europeia, pois criou um bloco de países que se comprometeram a apoiar uns aos outros em caso de guerra. Isso trouxe uma sensação de segurança para os membros da aliança, mas também gerou tensões com outras potências, como a França e a Rússia, que se sentiram ameaçadas pela união desses países.

Os membros da Aliança Tripla mantiveram sua aliança durante os anos que antecederam a Primeira Guerra Mundial, embora tenham surgido algumas divergências e tensões entre eles. No entanto, quando o conflito eclodiu em 1914, a aliança se mostrou frágil e não foi capaz de conter a escalada da guerra.

Em resumo, a Aliança Tripla foi uma tentativa de fortalecer as posições das potências europeias no cenário internacional, mas acabou contribuindo para o desencadeamento da Primeira Guerra Mundial. Suas consequências foram devastadoras e marcaram o início de um dos conflitos mais sangrentos da história da humanidade.

Aliança Tripla (1882): contexto histórico, criação e membros

A Aliança Tripla (1882) foi o acordo alcançado entre o Império Alemão, o Império Austro-Húngaro e a Itália durante os anos anteriores à Primeira Guerra Mundial . Inicialmente, foram os dois primeiros impérios que assinaram um tratado de defesa mútua, entrando na Itália logo depois.

Essa aliança fazia parte da tática adotada pelo chanceler alemão, Otto von Bismarck, para manter o equilíbrio entre as diferentes potências européias, mas mantendo a França o mais isolada possível.

Aliança Tripla (1882): contexto histórico, criação e membros 1

Alianças militares na Europa em 1914 – Fonte: Dove Traduzido da / Traduzido da Imagem: Map Europe alliances 1914-fr.svg) sob os termos da licença de documentação gratuita do GNU

Durante esse período, a situação na Europa era de tensão permanente, com conflitos abertos por razões econômicas, territoriais e colonialistas. A política da aliança pretendia que essas tensões não levassem a uma guerra aberta.

Rússia, França e Inglaterra responderam à criação da Tríplice Aliança com seu próprio acordo, a Tríplice Entente. A demissão de Bismarck provocou uma mudança na política alemã, que se tornou mais agressiva. Finalmente, em 1914, o assassinato de Francisco Fernando em Sarajevo foi a faísca que causou o início da Primeira Guerra Mundial.

Contexto histórico

Após a derrota de Napoleão, as potências européias iniciaram um processo de reorganização do mapa político do continente. Para fazer isso, eles se encontraram no Congresso de Viena em 1815, estabelecendo uma série de equilíbrios de poder para manter a paz a longo prazo.

Dessa maneira, uma área de controle foi entregue a cada potência . Isso não impediu situações de tensão, embora, em geral, as posições de cada país fossem respeitadas. A Grã-Bretanha, por exemplo, assumiu o controle do oceano, enquanto o Império Russo se concentrou no leste e no Mar Negro.

Entre as áreas da Europa que causaram mais atrito estavam os Bálcãs. Lá, otomanos, russos e austro-húngaros tentaram aumentar sua influência.

Por seu lado, o aparecimento da Alemanha como uma grande potência, após a vitória contra a França em 1870, significou a entrada de um novo ator na distribuição da potência européia.

Sistemas bismarckianos

Precisamente, o personagem-chave da política européia por várias décadas do século XIX foi o alemão Otto von Bismarck. Este já fora chefe de governo da Prússia durante a guerra com a França e foi nomeado chanceler após a unificação.

Assim que assumiu essa posição, ele começou a elaborar um plano diplomático que permitiria, por um lado, manter a França, seu inimigo tradicional, isolado e, por outro, manter um equilíbrio de poder no continente que evitaria novas guerras. Finalmente, todos os seus movimentos pretendiam consolidar a posição da Alemanha como uma grande potência.

Para isso, ele criou sistemas de aliança, chamados sistemas bismarckianos. Essas relações marcantes na Europa até o início da Primeira Guerra Mundial.

Corrida para obter colônias

Além das tensões territoriais em algumas partes da Europa, como Alsácia, Lorena ou Bálcãs, as potências européias também começaram a competir para aumentar seus bens coloniais, especialmente na África e na Ásia.

A Itália, por exemplo, sentiu-se prejudicada nos diferentes territórios, pois seus pedidos para controlar o norte da África não foram atendidos. A França foi um dos beneficiários, criando o protetorado de Tunis, aproveitando a fraqueza do Império Otomano.

Entente dos Três Imperadores

A Grã-Bretanha, tradicionalmente confrontada com a França, preferia manter uma política bastante isolacionista. Bismarck, sem ter que se preocupar com esse país, considerou que os únicos aliados possíveis dos franceses eram a Rússia e a Áustria-Hungria.

Por esse motivo, o chanceler foi primeiro a esses impérios para tentar assinar alianças. Embora, devido a alguns confrontos dos Bálcãs, o acordo não tenha sido fácil de alcançar, Bismarck conseguiu que os respectivos líderes assinassem, em 1873, o chamado Pacto dos Três Imperadores.

Essa aliança era defensiva. Os três países prometeram se defender se fossem atacados por terceiros. Da mesma forma, a Rússia e a Áustria-Hungria concordaram em apoiar qualquer ataque iniciado por seu aliado alemão.

Este primeiro acordo durou apenas alguns anos. Em 1875, eclodiram duas crises que acabaram causando sua dissolução. Isso foi acompanhado pelo aumento das forças militares da França, embora a intermediação da Inglaterra e da Rússia tenha impedido uma guerra aberta de explodir.

Criação da Aliança Tripla

Apesar do fracasso de sua primeira tentativa de criar uma aliança, Bismarck retornou imediatamente para negociar o estabelecimento de outro acordo. Em 1879, ele conseguiu assinar com a Áustria-Hungria o chamado Alliance Duplex, o antecedente mais imediato da futura Terceira Aliança.

Depois de convencer os austro-húngaros, o próximo passo era levá-los a se aproximarem da Rússia. A mudança do czar no último país, juntamente com a insistência do chanceler, foi definitiva, de modo que, em 1881, o Pacto dos Três Imperadores entre os três países foi relançado.

Conforme combinado, essa aliança deve ser mantida por três anos. Durante esse período, os signatários comprometeram-se a manter a neutralidade em caso de ataque de um país terceiro.

Assinatura da Tríplice Aliança

Como aconteceu antes, as diferenças entre a Rússia e a Áustria-Hungria sobre os Bálcãs acabaram fazendo com que o primeiro se retirasse do acordo.

Para substituí-lo, Bismarck escolheu a Itália, que ele considerava um importante aliado para manter o isolamento da França. Para os italianos, enquanto isso, a assinatura de um acordo com a Alemanha significava poder acessar a gama de grandes potências. Além disso, suas relações com os franceses não eram boas devido à política colonial no norte da África.

A Aliança Tripla foi assinada em 20 de maio de 1882 e estabeleceu a obrigação de prestar assistência militar mútua em caso de ataque da Rússia ou da França. No entanto, o acordo não previa as mesmas condições no caso de o país atacante ser a Grã-Bretanha.

Membros da Aliança Tripla

A Aliança Tripla era composta pelo Império Alemão, o Império Austro-Húngaro e a Itália. Este país acabaria por abandonar o tratado antes da Primeira Guerra Mundial. Da mesma forma, houve outras nações que se uniram à aliança ao longo do tempo, como o Império Otomano.

Império Alemão

A Alemanha herdou o status de grande poder da Prússia, um dos territórios que mais tarde formariam seu Império.

Após o Congresso de Berlim, este país foi estabelecido como o mais importante da Europa Central. A unificação de todos os territórios germânicos e a vitória na guerra contra a França apenas confirmaram esse status. Foi logo após derrotar os franceses quando foi estabelecido no Império, em 1871.

Logo ele começou a se destacar por sua produção industrial, em parte focada no armamento. Ele também se envolveu na corrida para controlar territórios coloniais.

Império Austro-Húngaro

O crescimento como poder da Alemanha foi, em parte, às custas do Império Austro-Húngaro. A guerra entre a Prússia e a Áustria em 1866, que terminou com a derrota do Império, fez com que perdesse grande parte de sua influência na Europa Central.

Antes da assinatura da Tríplice Aliança, a Austro-Hungria tinha problemas com os movimentos nacionalistas que se estabeleceram em seus territórios. Ele também manteve um confronto político e diplomático com a Rússia sobre o controle dos Bálcãs.

Relacionado:  As 10 contribuições e invenções mais importantes da China

Itália

A Itália se tornou o terceiro membro da Tríplice Aliança quando as diferenças entre a Rússia e a Áustria-Hungria se tornaram intransponíveis. Os italianos, que procuravam aumentar sua presença internacional, ficaram muito descontentes com o modo como a França agira no norte da África; portanto, naquela época, seus interesses coincidiam com os alemães.

No entanto, com o tempo, a Itália começou a se distanciar de seus dois aliados. Com a Áustria-Hungria, por exemplo, havia um problema territorial, pois, desde a sua unificação, os italianos sempre procuraram anexar Trentino, no poder austro-húngaro.

Finalmente, quando a Primeira Guerra Mundial estourou, a Itália acabou se posicionando com os aliados, quebrando seu acordo anterior.

Consequências

A Aliança Tríplice foi enquadrada no segundo sistema bismarckiano, mas o Chanceler ainda teria tempo para negociar mais coalizões antes da Grande Guerra.

Em 1887, ele conseguiu assinar o Pacto Mediterrâneo, composto pela Alemanha, Áustria-Hungria, Itália, Espanha e Grã-Bretanha. Depois disso, ele também convenceu a Rússia a consolidar sua aliança com seu país através do Tratado de Resseguro, que durou apenas até a saída do chanceler.

Bismarck Destiny

A ascensão ao trono alemão de Guilherme II, em 1890, significou uma mudança absoluta na política externa realizada por Bismarck. O novo imperador, além disso, decidiu demitir o chanceler, já muito velho.

Guilherme II deixou de lado o complexo sistema de alianças tecido por Bismarck nas décadas anteriores. Em vez disso, ele introduziu a chamada Weltpolitik, uma política que buscava a hegemonia alemã na Europa.

A nova maneira de agir da Alemanha, deixando a diplomacia de lado e adotando atitudes agressivas, desencadeou uma grande corrida armamentista. A Europa foi dividida em dois grandes blocos e ambos preparados para um conflito que parecia iminente.

Triple entente

A França encerrou a nova política promovida por Guilherme II. O primeiro sintoma disso foi o acordo entre a França e a Rússia, assinado em 1893. Por esse pacto, os dois países se comprometeram a fornecer ajuda militar em caso de guerra contra a Alemanha.

Em 1904, os franceses alcançaram um novo aliado quando assinaram a Entidade Cordial com a Grã-Bretanha. O motivo, em grande parte, foi a ameaça representada pela nova política externa alemã.

No ano seguinte, em 1905, a Rússia sofreu uma derrota humilhante em sua guerra contra o Japão. Isso o levou a abandonar suas pretensões de expandir sua influência no Extremo Oriente, concentrando seus esforços nos Bálcãs. Lá, inevitavelmente, ele acabou colidindo com a Áustria-Hungria.

Finalmente, a França pediu que seus dois aliados, Rússia e Grã-Bretanha, chegassem a um acordo entre eles, algo que fizeram em 1907. Dessa forma, os três países se uniram por uma rede de alianças cruzadas que acabaria por levar ao Triplo Entente

Primeira Guerra Mundial

No início do século XX, a tensão na Europa havia chegado a um ponto sem volta. A Alemanha, com seu crescimento econômico e seu desejo de expansão política, representava um perigo para as potências tradicionais do continente.

Por outro lado, a Áustria e a Rússia iniciaram uma corrida para aproveitar a fraqueza do Império Otomano nos Bálcãs. O primeiro queria sair para o Mar Adriático, enquanto os russos apoiavam os estados eslavos na região, especialmente a Sérvia.

Embora a guerra estivesse prestes a começar várias vezes, o evento que a desencadeou ocorreu em 28 de junho de 1914, quando o herdeiro do Império Austro-Húngaro foi morto enquanto visitava Sarajevo.

A Áustria, com o apoio alemão, lançou um ultimato para investigar o crime e a Rússia reagiu mobilizando suas tropas, caso precisasse ajudar seu aliado sérvio.

A Primeira Guerra Mundial começou quando a Áustria declarou guerra à Sérvia. A Rússia cumpriu seu acordo com os sérvios e se envolveu no conflito. A Alemanha, sob a Aliança Tríplice, declarou guerra aos russos, provocando a reação da França.

Em alguns meses, as alianças firmadas durante os anos anteriores fizeram com que quase todo o continente estivesse envolvido no conflito.

Referências

  1. Faculdade de Medicina Aliança tripla Obtido em escuelapedia.com
  2. Ocaña, Juan Carlos. Tratado da Tríplice Aliança entre Áustria-Hungria, Império Alemão e Itália, 1882. Obtido de storiesiglo20.org
  3. Aulas de história. A Aliança Tripla Obtido em classeshistoria.com
  4. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Aliança tripla Obtido em britannica.com
  5. Fatos da Enciclopédia Infantil. Aliança tripla (1882) fatos para crianças. Obtido de kids.kiddle.co
  6. Duffy, Michael. Documentos Principais – Aliança Tripla, 20 de maio de 1882. Obtido em firstworldwar.com
  7. The Columbia Encyclopedia, 6ª ed. Aliança tripla e Entente tripla. Obtido em encyclopedia.com

Deixe um comentário