Heródoto: biografia, viagens, contribuições, obras e citações

Heródoto foi um historiador grego conhecido como o “Pai da História”. Nascido em Halicarnasso, na Ásia Menor, por volta de 484 a.C., ele é famoso por suas extensas viagens e pela obra “Histórias”, na qual registrou os acontecimentos e mitos de diversas culturas e regiões do mundo conhecido na época. Suas contribuições para a historiografia incluem a introdução de métodos de pesquisa e a busca pela veracidade dos relatos, além da análise das causas e consequências dos eventos históricos. Entre suas citações mais famosas está a frase “A História é um campo de batalha eterno entre o passado e o presente”.

A importância de Heródoto na história: sua contribuição fundamental para o conhecimento histórico.

Heródoto foi um historiador grego conhecido como o “Pai da História”. Nascido em Halicarnasso, na Ásia Menor, por volta de 484 a.C., suas obras são fundamentais para o entendimento da história antiga e para o desenvolvimento da historiografia como disciplina acadêmica.

Heródoto é mais conhecido por sua obra principal, intitulada “Histórias”. Neste livro, ele narra os eventos que culminaram nas Guerras Greco-Persas, bem como descreve as culturas e sociedades dos povos envolvidos. Suas viagens pelo mundo antigo o permitiram coletar informações de diversas fontes e testemunhas oculares, o que torna suas narrativas ricas em detalhes e curiosidades.

Suas contribuições para o conhecimento histórico são inestimáveis. Heródoto foi o primeiro a tentar explicar as causas e consequências dos eventos históricos, buscando entender a natureza humana e as motivações por trás das ações dos povos. Além disso, ele introduziu conceitos como a imparcialidade e a objetividade na escrita da história, estabelecendo um padrão para futuros historiadores.

Uma de suas citações mais famosas é: “Nem mesmo um deus pode mudar o que já aconteceu no passado.” Esta frase reflete a visão de Heródoto sobre a natureza inevitável dos eventos históricos e a importância de compreendê-los para evitar repetições de erros no futuro.

Em resumo, a importância de Heródoto na história é indiscutível. Suas viagens, contribuições e obras moldaram a forma como entendemos o passado e influenciaram gerações de historiadores. Seu legado perdura até os dias atuais, inspirando estudiosos a continuarem a buscar a verdade por trás dos eventos passados.

A importância de Heródoto para o desenvolvimento da Geografia na Antiguidade.

Heródoto foi um historiador grego conhecido como o “Pai da História”. Ele nasceu em Halicarnasso, na Ásia Menor, por volta de 484 a.C., e passou a maior parte de sua vida viajando e coletando informações sobre diferentes culturas e civilizações.

Heródoto é famoso por suas viagens extensas, que o levaram a lugares como Egito, Babilônia, Pérsia e Grécia. Suas observações detalhadas sobre a geografia, os costumes e as tradições dos povos que ele encontrou durante suas viagens foram fundamentais para o desenvolvimento da geografia na Antiguidade.

Suas contribuições para a geografia incluem a descrição de diferentes regiões, a análise das influências geográficas sobre as sociedades e o estudo das relações entre o ambiente natural e as atividades humanas. Suas obras foram uma fonte valiosa de conhecimento geográfico para os estudiosos da época e influenciaram o pensamento geográfico por séculos.

Uma das obras mais conhecidas de Heródoto é “Histórias”, onde ele narra os eventos que levaram às Guerras Médicas entre gregos e persas. Neste trabalho, Heródoto combina relatos históricos com reflexões sobre geografia, cultura e política, mostrando sua habilidade em conectar eventos históricos ao contexto geográfico em que ocorreram.

Uma das citações mais famosas de Heródoto é: “O homem é a medida de todas as coisas”. Esta frase reflete sua abordagem humanista à história e à geografia, enfatizando a importância das experiências e perspectivas humanas na compreensão do mundo.

Em resumo, Heródoto desempenhou um papel crucial no desenvolvimento da geografia na Antiguidade, fornecendo informações detalhadas sobre diferentes regiões e culturas, e demonstrando como a geografia pode influenciar as sociedades humanas. Sua obra continua a ser uma fonte importante de conhecimento geográfico e histórico até os dias atuais.

Principais temas abordados por Heródoto em sua obra histórica e literária.

Heródoto, conhecido como o “Pai da História”, foi um historiador grego nascido em Halicarnasso, na Ásia Menor, por volta de 484 a.C. Ele é famoso por sua obra “Histórias”, na qual aborda diversos temas que vão desde as Guerras Médicas até as culturas e tradições dos povos antigos.

Heródoto viajou por diversos lugares do mundo antigo, coletando informações e relatos de testemunhas oculares para compor sua obra. Suas viagens o levaram a lugares como Egito, Babilônia, Pérsia e Grécia, proporcionando-lhe um vasto conhecimento sobre as diferentes culturas e sociedades da época.

Suas contribuições para a historiografia foram significativas, pois foi o primeiro a utilizar uma abordagem investigativa e crítica em seus relatos, buscando entender as causas e motivações por trás dos eventos históricos. Além disso, Heródoto introduziu o conceito de “etnografia”, descrevendo os costumes, tradições e crenças dos povos que encontrou em suas viagens.

Entre as obras de Heródoto, destaca-se principalmente as “Histórias”, onde ele narra os conflitos entre gregos e persas, as lendas e mitos da antiguidade, bem como os feitos de grandes líderes como Ciro, o Grande. Suas citações, como “A História é a mestra da vida”, demonstram a importância que ele atribuía ao estudo do passado para compreender o presente.

Em resumo, Heródoto foi um dos pioneiros da historiografia ocidental, cujas obras ainda são estudadas e valorizadas pela riqueza de informações e pela narrativa envolvente que ele construiu ao longo de suas viagens e investigações.

A importância da narrativa na obra de Heródoto: explorando sua função central.

Heródoto, conhecido como o “Pai da História”, foi um historiador grego nascido em Halicarnasso, na Ásia Menor, por volta de 484 a.C. Ele é famoso por sua obra “Histórias”, que é considerada a primeira obra de história ocidental. Heródoto viajou extensivamente pelo mundo antigo, coletando informações e relatos de diferentes culturas, eventos e pessoas, e incorporando essas narrativas em sua obra.

As narrativas desempenham um papel central na obra de Heródoto, pois ele não apenas registra os eventos históricos, mas também os contextualiza e os torna interessantes e envolventes para o leitor. Sua habilidade em contar histórias é fundamental para a compreensão e apreciação de sua obra, uma vez que ele não se limita a apresentar fatos, mas os envolve em uma trama cativante.

Relacionado:  Cultura Tihuanaco: Arquitetura, Religião e Características

As narrativas de Heródoto são importantes não apenas por seu aspecto estético, mas também por sua função informativa. Através de suas histórias, ele transmite não apenas os eventos, mas também os valores, crenças e costumes das sociedades antigas. Suas narrativas servem como uma janela para o passado, permitindo que os leitores compreendam melhor a complexidade e a diversidade do mundo antigo.

Em suas obras, Heródoto utiliza uma variedade de técnicas narrativas, como diálogos, descrições detalhadas e relatos de testemunhas oculares, para dar vida aos eventos históricos. Ele também incorpora elementos mitológicos e folclóricos em suas narrativas, adicionando uma camada de profundidade e significado às histórias que conta.

Em suma, a importância da narrativa na obra de Heródoto está intrinsecamente ligada à sua função central como historiador e contador de histórias. Suas narrativas não apenas informam, mas também inspiram, emocionam e educam os leitores, tornando sua obra atemporal e relevante até os dias de hoje.

Heródoto: biografia, viagens, contribuições, obras e citações

Heródoto de Halicarnasso (484 e 425 aC) foi um dos primeiros historiadores da humanidade. Ele também se destacou como geógrafo, pois era responsável por traçar várias fronteiras e territórios da antiguidade clássica. Ele é considerado o pai da história como uma disciplina no mundo ocidental, porque foi pioneiro na escrita estruturada das ações humanas.

Para realizar sua pesquisa geográfica e histórica, Heródoto teve que fazer um grande número de viagens para obter informações verdadeiras e fornecer materiais de grande valor, não apenas historiográficos, mas também literários.

Heródoto: biografia, viagens, contribuições, obras e citações 1

Heródoto é considerado um dos primeiros historiadores. Fonte: pixabay.com

Um dos tópicos que Heródoto decidiu estudar em profundidade foi o desenvolvimento de ações de guerra entre os persas e o exército grego.

Segundo os conhecedores da obra deste autor, pode-se dizer que Heródoto foi caracterizado por três elementos: primeiro, ele era um intelectual, pois seus textos demonstram uma capacidade exímica de escrever descrições detalhadas.

Como segundo elemento, pode-se estabelecer que ele foi o primeiro a descrever as tradições e costumes dos grupos pertencentes à Hélade de maneira detalhada e rigorosa, motivo pelo qual é considerado pioneiro na condução de estudos antropológicos-etnográficos.

Finalmente, pode-se salientar que Heródoto iniciou os estudos culturais históricos, pois o historiador não apenas descreveu os povos bárbaros, mas também tentou entender o conflito bélico estudando os diferentes grupos humanos que estavam em disputa.

Por essas e outras razões, esse historiador grego foi estudado extensivamente por vários autores especializados, responsáveis ​​por analisar a composição de sua obra; Além disso, Heródoto também teve influência em outras disciplinas, como a antropologia. No entanto, outros estudiosos consideram Heródoto um grande trapaceiro da história.

Biografia

Halicarnasso sob o jugo do tirano Ligdamis

Devido à grande distância cronológica que separa Heródoto de hoje, bem como a escassez de registros daquela época, é difícil identificar exatamente o ano de seu nascimento e seu ano de morte.

No entanto, acredita-se que Heródoto nasceu em 484 aC. C. na cidade de Halicarnasso, atualmente conhecida como Bodrum, uma pequena cidade localizada na Ásia Menor.Na época de seu nascimento, Halicarnasso estava sob o domínio persa: era governado por um tirano conhecido como Ligdamis.

Como conseqüência, os pais de Heródoto eram sujeitos da autoridade persa; no entanto, eram gregos de sangue e é provável que essa família tenha pertencido em algum momento à aristocracia daquela cidade.

Durante uma revolta contra Ligdamis, um tio de Heródoto foi morto, então a família decidiu deixar sua terra natal para ir à cidade de Samos. Graças a essa mudança, o futuro historiador conseguiu manter contato direto com o mundo cultural dos jônicos.

De fato, nesta cidade, Heródoto pôde aprender o dialeto jônico, com o qual escreveu posteriormente seus textos. Este dialeto também foi usado em Halicarnasso.

Segundo algumas fontes, no ano 454 a. C. o futuro historiador voltou com sua família para Halicarnasso com o objetivo de ser participante da derrubada do tirano Ligdamis, que foi assassinado na mesma data.

Depois disso, Heródoto foi à fundação da colônia de Turios, que ocorreu entre os anos 444 e 443 a. C. Alguns historiadores dizem que Heródoto fez parte das expedições de fundação que Péricles liderou, mas isso não foi comprovado.

A era de Péricles

Considera-se que, após a queda de Ligdamis, Heródoto fez várias viagens e conheceu diferentes cidades gregas onde costumava ler seus textos. Ele até recebeu uma quantia considerável de dinheiro para fazer uma leitura na Ágora da cidade de Atenas.

Naquela época, Atenas era governada por Péricles, o que permitiu a Heródoto experimentar os anos dourados daquela cidade, contemplando um dos melhores momentos políticos e culturais da era dourada ateniense.

Nessa viagem, o historiador pôde conhecer dois grandes pensadores atenienses, como Protágoras – que proclamava a revolução sofista – e Sófocles – considerado o melhor poeta trágico do momento.

Os textos deste escritor foram uma forte influência para os textos posteriores de Heródoto, que incorporaram esse caráter literário em suas obras históricas.

Da mesma forma, durante esse período, Heródoto também pôde visitar algumas cidades do Egito e depois visitar parte da Fenícia e Mesopotâmia. Ele também conheceu o país dos citas.

Últimos anos

Este autor é descrito como um homem observador, curioso e inteligente, também constituído por uma formação erudita e enciclopédica. Ele fez muitas viagens, porque tinha um desejo latente de conhecer e aumentar seu aprendizado.

O lendário escritor Aristófanes fez uma paródia da obra de Heródoto no ano 425 a. C., o que implica que as histórias desse geógrafo já eram muito populares na época.

Pouco se sabe sobre os últimos anos do autor; Alguns estabelecem que ele continuou viajando até o fim de seus dias. Os últimos textos sobre a Grécia de Heródoto baseiam-se nos eventos do ano 430, pelo que se considera que o escritor teve que morrer na cidade de Turios entre 426 e 421 a. C.

Viagens que você fez

Heródoto: biografia, viagens, contribuições, obras e citações 2

Busto de Heródoto, no Palácio Massimo de Roma. Livioandronico2013 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]
Relacionado:  Os 5 grupos étnicos de Oaxaca

Viagem à Babilônia

Segundo alguns textos, Heródoto foi à Babilônia entre 454 e 449 a. C. Durante sua jornada para esta cidade, o historiador fez uma parada na colônia fenícia localizada na costa da Síria, a poucos quilômetros da famosa cidade de Alexandria.

Ele então seguiu para o leste com a intenção de percorrer o rio Eufrates, a fim de alcançar a Babilônia.

Segundo seus textos, a cidade de Babilônia era constituída por uma grande fortaleza que era interceptada por um rio que se estendia por todo o território, pelo que dividia a cidade em duas partes. Nesta cidade, Heródoto deu ênfase especial ao desenvolvimento arquitetônico da infraestrutura e aos costumes de seus habitantes.

Além disso, Heródoto estabeleceu que o clima daquela região era propício ao cultivo de diferentes tipos de cereais; Essas culturas foram perfeitamente hidratadas pelo rio que abastecia toda a cidade velha.

O rei persa Ciro, o Grande

Em seu complexo trabalho intitulado Stories, o autor dedicou um fragmento à captura de Babilônia, onde Ciro, o Grande (criador do Império Persa), foi à cidade de Opis, uma região desta cidade, durante o estação primavera

No entanto, os babilônios aguardavam a chegada dos persas, por isso decidiram acampar nos arredores das muralhas da cidade.

Como conseqüência, a batalha ocorreu nos arredores da cidade, onde os babilônios foram derrotados pelas tropas do rei persa. Os babilônios tomaram a decisão de se restringir atrás dos muros da cidade, esperando que suportassem o ataque do rei.

Consequentemente, o rei Ciro não pôde penetrar nas muralhas da antiga Babilônia, então decidiu dividir seu exército entre a entrada do rio na cidade e a saída da água daquela cidade, para entrar uma vez a água diminuirá o nível suficiente.

Graças a isso, os persas conseguiram entrar na cidade da Babilônia, surpreendendo todos os seus habitantes e causando pânico, angústia e infortúnio. Dessa forma, eles conseguiram conquistar o território estrangeiro.

Esta versão de Heródoto causou muita controvérsia, porque em outros textos (como no cilindro de Cyrus) é garantido que a Babilônia não foi tomada à força, mas na verdade decidiu ceder o território aos persas para evitar a batalha.

Viajar para o Egito

Depois de visitar a cidade de Babilônia, Heródoto decidiu voltar para casa. No entanto, seu espírito aventureiro o chamou de novo; depois de alguns anos, ele decidiu fazer uma terceira expedição (a primeira fora para Atenas), escolhendo o Egito como destino final.

Uma das coisas que mais atraiu esse viajante sobre a cultura egípcia era sua religião, então ele decidiu passar um tempo com os sacerdotes egípcios; assim ele saberia a diferença entre os sacerdotes gregos e os daquela região.

Um dos aspectos que mais surpreendeu Heródoto foi o rio Nilo, porque ele estava curioso que suas inundações ocorressem regular e naturalmente.

Esta informação era desconhecida na Grécia até aquele momento. No verão, os rios gregos se tornaram rasos, enquanto no país egípcio o ciclo da água era completamente oposto.

Fascinado por esse fenômeno, Heródoto subiu o rio para encontrar a fonte do Nilo. O autor apresentou várias teorias sobre a origem dessas águas; no entanto, todos estavam errados.

Apesar disso, os historiadores não podem negar a importância dessa viagem para o conhecimento ocidental, uma vez que Heródoto foi o primeiro a descrever e registrar as diferentes teorias, tanto próprias quanto locais, sobre as origens daquele rio milenar.

Contribuições

Contribuições na área de geografia

No trabalho Stories of Herodotus, o escritor estabeleceu seu ponto de vista na área terrestre. Sua proposta diferia das abordagens de Hecateo, que estabeleceu que a Terra estava completamente cercada por uma corrente oceânica.

Para o historiador, a proposta homérica era mais aceitável, que estabelecia que a Terra era composta de um disco plano através do qual o Sol fazia uma jornada constante de leste a oeste.

Da mesma forma, o autor tentou delimitar uma correspondência de natureza simétrica sobre a distribuição da Terra, levando em consideração a direção do rio Ister (atualmente conhecido como Danúbio) e do Nilo. erros

Heródoto teve a ideia de considerar que o Cáspio era um mar interior, uma visão oposta ao argumento de Hécateo, para quem o mar era na verdade um braço pertencente ao oceano do norte. Nesse sentido, Heródoto estava um passo à frente de seus contemporâneos.

Contribuições matemáticas

É necessário esclarecer que as contribuições de Heródoto não eram adequadamente matemáticas, pois seu conhecimento foi direcionado à geografia matemática, ramo desse setor responsável pelo estudo da representação matemática do planeta.

Este autor foi responsável por traçar o comprimento do meridiano, por isso fez um desenho do meridiano de Aswan, Troda, Meroe, Alexandria e Boristenes.

Isso fez dele um dos primeiros intelectuais gregos a fazer um esboço das longitudes e latitudes do mundo. No entanto, ele se viu limitado pelo fato de que, nos tempos antigos, considerava-se que a oeste da Grécia não havia mais territórios, o que invalidava sua investigação.

Trabalhos

No trabalho de Heródoto, muitos historiadores e pesquisadores tiraram várias conclusões. Por exemplo, para Fritz Wagner, esse geógrafo foi além da explicação racional dos mitos, anotando o padrão da crônica e a descrição dos diferentes territórios, porque demonstrou uma curiosidade etnológica excepcional.

Outro autor, como Mario Orellana, propôs que a riqueza dos textos de Heródoto reside no fato de o historiador ser capaz de reconhecer entre os povos “bárbaros” um conjunto de características culturais e sociais, demonstrando assim como diferentes grupos étnicos eram dos outros.

Em outras palavras, sua pesquisa não apenas permaneceu na margem dos eventos de guerra entre helenos e persas, mas também fez uma exibição dos povos que formaram o amplo Império Persa.

Os nove livros de história e suas divisões

O trabalho de Heródoto é intitulado Os nove livros de história , por isso é uma coleção de nove livros que são divididos, por sua vez, em um total de 28 temas ou logotipos.

Estrutura do trabalho

No primeiro livro, o autor abordou tudo o que corresponde à história de Cresus, Ciro, o Grande, e os eventos entre Babilônia e Pérsia. No segundo livro, o autor descreveu a geografia do Egito, bem como os costumes e animais dessa região, juntamente com o trabalho de mumificação.

Relacionado:  Escudo de Sinaloa: História e Significado

No terceiro livro, Heródoto, ele se dedicou a explicar como ocorreu a conquista dos egípcios por Cambises, bem como os golpes de Dario e os eventos em Samos.

No quarto livro, o autor abordou o que diz respeito ao país cita, especialmente na campanha persa contra esse território. Ele também descreveu a conquista da Líbia pelo Império Persa.

Na quinta seção, o historiador foi encarregado de narrar exaustivamente a conquista da Trácia, bem como os eventos relacionados à rebelião jônica e Esparta. Da mesma forma, ele abordou alguns eventos atenienses e o que aconteceu durante a revolta jônica.

A sexta seção mostra ao leitor a reconquista de Ionia pelos persas, bem como alguns elementos da Grécia. Um dos eventos mais importantes é encontrado neste texto, como Heródoto descreveu em detalhes a Batalha da Maratona.

No sétimo livro, Heródoto escreveu os preparativos persas para a batalha, então ele também mencionou os costumes de Xerxes. Ele também narrou a maneira pela qual os persas entraram na Europa e a atravessaram. Além disso, neste livro você pode encontrar uma descrição retumbante sobre a Batalha das Termópilas.

Quanto à oitava seção, Heródoto decidiu explicar a batalha naval em Artemísio; Ele também deu algumas especificações sobre a Batalha de Salamina e sobre o reino da Macedônia. Finalmente, no nono livro, Heródoto abordou a batalha de Platéia, a libertação dos jônios e a fundação do Império de Atenas.

Heródoto sobre seu próprio trabalho

Na introdução de seu livro, Heródoto argumentou que seu trabalho de pesquisa pretendia relembrar os grandes trabalhos realizados pelos homens, de modo que as façanhas e façanhas (tanto os bárbaros quanto os helenos) não fossem esquecidos.

Por esse motivo, ele decidiu estudar em profundidade as diferentes sociedades que compunham o Império dos Medas, voltando não apenas aos eventos de guerra, mas também a seus antecedentes. Apesar da derrota dos persas, Heródoto queria registrar suas ações, pois estas também eram cheias de ousadia e coragem.

Costumes e sociabilidade

No primeiro livro, intitulado Clio , o autor descreveu o povo dos lídios, cuja principal atração turística era o fato de que pepitas de ouro podiam ser encontradas naquele território.

Da mesma forma, o autor estabeleceu que havia muitas semelhanças entre os lírios e os gregos, com a exceção de que a cultura tinha um costume normalizado de prostituir suas filhas, a fim de ganhar mais dinheiro para a família e o casamento da jovem. .

Sobre os persas

Quanto à cultura do Império Persa, o viajante disse que os homens persas eram os cidadãos que mais aceitavam costumes estrangeiros. Por isso, usaram o traje de medo, pois parecia mais atraente que o deles; Além disso, eles usavam babadores egípcios para a guerra.

Da mesma forma, Heródoto disse que os persas mantinham relações homossexuais, uma questão que eles aprenderam com a cultura grega, segundo a opinião deles. Além disso, os persas gostavam de ter várias esposas legítimas, tentando também possuir um grande número de concubinas.

Com isso em mente, pode-se estabelecer que o autor demonstrou uma preocupação sensível pelos hábitos sociais do outro; No entanto, a descrição desses costumes sempre foi realizada a partir da comparação com as formas helênicas.

Um dos aspectos que os historiadores admiram de Heródoto é o fato de o autor ter evitado fazer julgamentos negativos sobre o comportamento das sociedades bárbaras, o que demonstra um genuíno compromisso histórico.

Sobre os egípcios

Os egípcios eram a cultura favorita de Heródoto, uma vez que o escritor se espalhou vigorosamente na descrição daquela cidade e desenvolveu seus escritos com cuidado especial.

Sobre essa cultura, o historiador afirmou que era a que tinha mais maravilhas a oferecer em comparação com qualquer outro país, e que sua beleza superava qualquer tipo de ponderação.

Heródoto ficou impressionado com os diferentes costumes egípcios, como o fato de que as mulheres daquela cultura tinham o poder de realizar trabalhos de parto, enquanto os homens podiam ficar tricotando em casa.

Além disso, Heródoto ficou surpreso com a escrita dos egípcios, completamente diferente da sua. Na cultura egípcia, apenas os homens podiam ser padres e só podiam usar cabelos compridos, enquanto o resto dos homens tinha que se barbear.

Citações

Nos textos de Heródoto, você pode encontrar frases diferentes que atraem a atenção dos estudiosos devido à sua beleza estilística e suas reflexões sábias. As citações mais famosas desse historiador são as seguintes:

“Se você começar com certezas, acabará com dúvidas, mas se aceitar começar com dúvidas, acabará com certezas, mesmo que as palavras estejam ausentes.”

“Ninguém é tão burro em desejar guerra e não paz; porque em paz os filhos levam seus pais para a sepultura, e na guerra são os pais que levam seus filhos para a sepultura ”.

“De todas as misérias do homem, o mais amargo é o seguinte: saber tanto e não ter controle sobre nada”.

“Democracia tem o nome mais bonito que existe … igualdade”.

“Mas contra criminosos extraordinários, você precisa ter recursos extraordinários. Nós enviaremos.

“Não tente curar o mal através do mal.”

“Seu humor é o seu destino.”

“É mais fácil enganar muitos do que um”.

“A pressa é o pai do fracasso.”

“A dor mais próxima entre os homens é aspirar a muito e não poder fazer nada”.

“Dê todo o poder ao homem mais virtuoso que existe, em breve você o verá mudar de atitude.”

Referências

  1. (SA) (sf) Heródoto: biografia, contribuições, frases, viagens ao redor do mundo e muito mais. Obtido em 21 de fevereiro de 2019 de Personagens históricos: charactershistoricos.com
  2. Ber Morocco, B. (2013) Heródoto na história da filosofia grega . Recuperado em 21 de fevereiro de 2019 de Dspace: diposit.ub.edu
  3. Heródoto (nd) Os nove livros da História . Retirado em 21 de fevereiro da Universal Virtual Library: biblioteca.org, ar
  4. Lecaros, M. (2015) Heródoto, historiador da cultura. Uma abordagem para a história dos costumes e normas . Recuperado em 21 de fevereiro de 2019 de WordPress: historiasdelorbiterrarum.files.wordpress.com
  5. Wells, J. (sf) Um comentário sobre Heródoto: com introdução e apêndices. Recuperado em 21 de fevereiro de 2019 de Mirror Mission: mirror.xmission.net

Deixe um comentário