Sanguessugas: características, respiração, reprodução

As sanguessugas são animais classe Hirudinea. É uma classe pertencente à borda dos annelida cujos membros são conhecidos mundialmente como sugadores de sangue. Eles são caracterizados por ter um corpo achatado e segmentado com ventosas que permitem que sejam fixados ao hospedeiro.

Esta aula foi descrita pela primeira vez em 1818 por Jean Baptiste Lamarck. Da mesma forma, alguns espécimes pertencentes a esta classe constituem parasitas conhecidos de alguns vertebrados, como peixes, répteis e anfíbios.

Sanguessugas: características, respiração, reprodução 1

Espécime de Hirudineo. Fonte: Laboratório de Pesquisa Ambiental dos Grandes Lagos da NOAA [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)]

No campo da medicina, os hirudinos têm sido utilizados em procedimentos especiais, como sangramentos. Da mesma forma, as substâncias que sintetizam e que estão presentes em sua saliva têm inúmeras aplicações, como analgésicos e anticoagulantes, entre outras.

Taxonomia

A classificação taxonômica dos hirudinos é a seguinte:

– Domínio: Eukarya.

– Reino: Animalia.

– Borda: Annelida.

– Classe: Clitellata.

– Subclasse: Hirudinea.

Caracteristicas

Os hirudinos são organismos eucarióticos multicelulares, o que significa que seu material genético (DNA) está encerrado no núcleo celular que forma os cromossomos. Da mesma forma, apresentam células que passaram por um processo de diferenciação e se especializaram em diversas funções.

Durante seu desenvolvimento embrionário, três camadas germinativas aparecem: ectoderme, endoderme e mesoderme. A partir dessas camadas, todos os órgãos que compõem o animal adulto são formados.

Esses animais têm coloração variável: existem pretos, marrons e até vermelhos. Eles também são caracterizados por apresentar uma estrutura conhecida como clitelo, que participa ativamente do processo de reprodução.

Eles são indivíduos heterotróficos, pois não conseguem sintetizar seus próprios nutrientes, mas se alimentam principalmente de outros seres vivos ou de seus fluidos.

Em relação à simetria, os hirudinos têm simetria bilateral, isto é, se uma linha é traçada ao longo do plano médio do corpo, são obtidas duas metades exatamente iguais.

Morfologia

Os Hirudíneos têm um corpo achatado na direção ventral das costas, com um tamanho variando de 5 mm a 45 cm.

Como todos os membros da borda anélide, os hirudinos têm um corpo segmentado. Dependendo da espécie, o número de segmentos varia. Existem 15, 30 e 34 segmentos. Cada segmento é conhecido pelo nome de metâmero.

Seu corpo é dividido em três áreas ou zonas: cabeça, tronco e pigídio. Da mesma forma, a segmentação externa não combina com a segmentação interna, pois cada metâmero abrange internamente vários anéis.

Um dos elementos característicos dos hirudineos são os otários. Apresentam dois, um no nível do pólo cefálico, na boca, e outro posterior, na extremidade oposta do animal. As ventosas são úteis para alimentos e locomoção.

Sanguessugas: características, respiração, reprodução 2

Hirudinea reparado por seus dois otários. Fonte: Pixabay.com

Ao contrário do que acontece com os outros anelídeos, os corpos dos hirudinos não apresentam nenhum tipo de prolongamento. Eles não têm quetas ou pódios.

Nos dois lados do corpo, eles apresentam uma série de poros que são a boca dos metanefrídeos. Esses poros são chamados de nefridioporos.

Parede animal

A parede do corpo de sanguessugas está formada por várias camadas:

– Cuticle: A tampa externa. É o típico cutícula anelidiana. Tem fins de protecção e é produzido pela epiderme. Apresenta-se células epiteliais, incluindo glandular e sensorial contadas.

– membrana basal: é abaixo da cutícula. É muito fino.

– musculatura circular longitudinal formada por fibras musculares cuja função contrato e relaxe para promover o movimento do animal.

Celoma

É uma cavidade típico de animais chamados coelomates. Isto tem diversas configurações, dependendo do grupo de animais. Aqui, no Hirudinea coelom é muito pequeno e é preenchido com um tipo de tecido chamado botryoïdal ou celénquima.

Da mesma forma, nos hirudinos, o celoma é limitado a ser um conjunto de canais estreitos.

Sistema digestivo

O sistema digestivo dos hirudinos é composto por um tubo completo que cobre todo o comprimento do animal.

Este tubo é dividido em áreas funcionais como boca, faringe, esôfago, buche (estômago), intestino e reto. É importante observar que a colheita tem algumas extensões como saco conhecidas como cegas. Estes são de grande importância, pois fornecem ao animal a capacidade de armazenar grandes quantidades de alimentos.

Sanguessugas: características, respiração, reprodução 3

Extensão da boca de um hirudineo. Fonte: Erin Hayes-Pontius [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

O sistema digestivo é dividido em regiões: Stomodeo (anterior), consistindo de boca, mandíbulas (nas espécies que os possuem), faringe e esôfago; uma região média, composta pelo intestino; e finalmente o proctódio (posterior), que contém o reto e o ânus.

Nas diferentes ordens que compõem essa subclasse, a configuração do sistema digestivo pode variar. Por exemplo, há alguns que têm mandíbulas fortes e outros cuja faringe é tão forte que pode esmagar animais ou tarifas especializadas em sucção.

Dentro do trato digestivo, existem várias espécies bacterianas destinadas a ajudar os hirudinos na digestão e degradação de proteínas. Isso se deve à síntese de enzimas especializadas para esse fim.

Sistema nervoso

O sistema nervoso dos hirudinos é primitivo e é basicamente composto de aglomerados neuronais conhecidos como gânglios.

Eles têm dois nós cerebrais, dois cordões nervosos ventrais, um colar periesofágico e nós metaméricos. Os neurônios que integram o sistema nervoso são foliculares.

Eles também têm órgãos sensoriais, primitivos, mas funcionais. Entre estes estão os olhos, em forma de copo e com a função de capturar estímulos visuais. Eles também têm terminações nervosas livres que servem como receptores de toque e vibração.

Sistema reprodutivo

Como é sabido, os membros da subclasse hirudinea são hermafroditas. Isso significa que o mesmo espécime possui órgãos reprodutores femininos e masculinos.

O sistema reprodutivo feminino é composto por um par de ovários que estão localizados em algumas espécies de bolsas chamadas ovisacos. De cada ovisaco, são liberados alguns dos chamados ductos ovidutos, que levam a uma vagina primitiva. Essa vagina é aberta para o espaço exterior através de um poro localizado na maioria das amostras no segmento 11.

Por outro lado, o sistema reprodutor masculino é constituído por vários pares de testículos. Um ducto, o canal eferente, sai de cada testículo. Esses canais eferentes formam um ducto importante, o ducto deferente. Existem dois canais diferentes. Estes, por sua vez, fundem-se na linha média do animal para formar uma estrutura ampla, conhecida como vesícula seminal.

Da vesícula seminal, um ducto, o ducto ejaculatório, abre-se para outro alargamento chamado átrio, que se abre para o exterior através do poro genital masculino.

Sistema excretor

É constituído por órgãos excretores chamados metanefrídeos. Eles estão localizados em pares, em número entre 15 e 18 pares.

Estes têm uma vesícula nefridiana e aberta para o exterior através de um nefridioporo.

Sistema circulatório

Os hirudinos têm um sistema circulatório aberto. Eles também têm dois corações e dois vasos sanguíneos que transportam sangue em direções opostas. Um deles na direção da cabeça e o outro na direção oposta do animal.

Ambos os vasos permanecem conectados através de uma lagoa ou seio vascular. Da mesma forma, o animal possui um plexo sanguíneo altamente desenvolvido no nível da camada mais superficial do animal.

Respiração

O tipo de respiração que os hirudinos apresentam é cutâneo. Isto é feito através da difusão simples através da pele.

É importante enfatizar que a pele dos hirudinos apresenta uma ampla rede de vasos sanguíneos. É através do sangue que circulam gases como oxigênio (O 2 ) e dióxido de carbono (CO 2 ).

Através do transporte passivo, especificamente a difusão, os gases se difundem através da pele do animal para os vasos sanguíneos. A base do processo de difusão é que uma substância atravessa uma membrana em favor de um gradiente de concentração. O último significa que a substância passa de um local onde está muito concentrada para outro onde está pouco concentrada.

Levando isso em consideração, o oxigênio passa de fora do animal para os vasos sanguíneos, enquanto o dióxido de carbono se difunde na direção oposta.

Vale ressaltar que existem espécies em que o tipo de respiração não é cutâneo, mas branquial. Isso ocorre porque eles habitam ecossistemas aquáticos como parasitas de peixes.

Graças a isso, eles foram submetidos a algumas modificações que lhes permitiram desenvolver brânquias, através das quais podem retirar oxigênio diretamente da água.

Alimento

Os hirudinos são organismos heterotróficos, alguns dos quais são predadores de pequenos invertebrados. Além disso, existem alguns hirudinos que são hematófagos, ou seja, se alimentam de sangue.

Para os alimentos, as espécies predadoras capturam suas presas usando suas mandíbulas. Mais tarde, eles os engolem por inteiro. No caso de espécies que se alimentam de sangue, elas são fixadas ao hospedeiro através de sua ventosa anterior e começam a sugar o sangue.

Geralmente, o hospedeiro não percebe por que a hirudinea secreta uma substância analgésica que não permite que a vítima sinta dor.

Sanguessugas: características, respiração, reprodução 4

Sangue sugador exemplar da superfície do corpo. Fonte: GlebK [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

No trato digestivo, os hirudinos não secretam enzimas endopectidase, portanto, não têm a capacidade de degradar suas proteínas alimentares. No entanto, esse obstáculo é superado graças à presença de bactérias ( Aeromonas liquefasciens ), que realizam este trabalho.

É importante notar que o trato digestivo possui um grande número dos chamados espaços cegos, nos quais o animal pode armazenar parte dos nutrientes que ingerir. No caso dos hirudinos que se alimentam de sangue, eles podem sugar tanto sangue quanto 5 ou 6 vezes o seu peso corporal.

Uma vez que os nutrientes são absorvidos e passam para a circulação do animal, os resíduos são excretados pelo ânus.

Reprodução

Os hirudinos se reproduzem apenas sexualmente. Esta reprodução requer a união de gametas feminino e masculino. A fertilização é do tipo interno e pode ocorrer acoplando duas amostras diferentes ou por outros mecanismos.

No primeiro caso (cópula), duas amostras se alinham para que os poros feminino e masculino se encontrem e entrem em contato. Imediatamente, o pênis de um dos espécimes é introduzido na vagina do outro, depositando assim o esperma. O esperma encontra os óvulos e os fertiliza.

Outro mecanismo de reprodução é a impregnação hipodérmica. Nas espécies que têm esse tipo de reprodução, os espermatozóides são armazenados nos espermatóforos. Para o processo reprodutivo, duas amostras são unidas umas às outras por meio das ventosas anteriores e, posteriormente, a costa espermática é liberada na área do clitelo do parceiro.

Finalmente, o esperma atravessa a parede do animal e viaja para os ovários através de vários canais. Eventualmente a fertilização ocorre. Enquanto tudo isso acontece, no nível do clitóris do animal, é produzido um casulo, onde os ovos fertilizados devem ser armazenados e desenvolvidos. Em algumas espécies, existe apenas um ovo por casulo, enquanto em outras espécies há mais de um.

Se a espécie é terrestre, esses brotos são depositados no chão, enquanto se fala de hirudineos aquáticos, o casulo pode ser depositado no fundo do mar ou em algumas das muitas algas que existem.

O desenvolvimento do indivíduo é direto, ou seja, a partir do casulo emerge um indivíduo que apresenta as características de um hirudineo adulto, com a condição de que seja muito menor.

Classificação

A subclasse hirudinea é dividida em duas infraclases: Acanthobdellida e Euhirudinea. O último é classificado, por sua vez, em duas ordens: Arhynchobdellida e Rhynchobdellida.

-Acanthobdellida

É constituído por espécies parasitárias exclusivas de peixe. Este é um grupo de organismos muito interessantes, pois apresenta características primitivas que os aproximam dos oligocetos, como quetas nos segmentos anteriores e um celoma metamérico ao redor do canal intestinal.

No entanto, eles também têm certas características que se assemelham aos hirudineos, como o estilo de vida parasitário.

-Euhirudinea

Eles são considerados sanguessugas verdadeiras.

Arhynchobdellida

Este grupo de organismos nos apresenta probóscide. Eles são encontrados em habitats de água doce e podem ser anfíbios. A maioria dessas espécies se alimenta de pequenos invertebrados, mas também existem outros que são hematófagos. Estes podem ou não ter dentes.

Rynchobdellida

São sanguessugas que não têm mandíbulas, mas algumas probóscides. Dependendo da espécie, eles podem habitar ecossistemas de água doce ou marinhos. Eles também têm uma ventosa anterior que em alguns é bem desenvolvida e em outros mal é definida. Sua característica mais proeminente é a probóscide muito bem desenvolvida. Eles são de vida parasitária.

Espécies representativas

Hirudo medicinalis

A espécie mais representativa da classe hirudinea é Hirudo medicinalis . Pertence à ordem Arhynchobdellidae. Não é fácil distinguir do resto dos hirudinos, no entanto, é amplamente utilizado na área médica, tanto nos sangramentos quanto na utilidade das substâncias que sintetiza. Também é conhecido como sangonera ou sugador de sangue.

Referências

  1. Brusca, RC & Brusca, GJ, (2005). Invertebrados, 2ª edição. McGraw-Hill-Interamericana, Madri
  2. Curtis, H., Barnes, S., Schneck, A. e Massarini, A. (2008). Biologia Editorial médico pan-americano. 7ª edição
  3. Hickman, CP, Roberts, LS, Larson, A., Ober, WC e Garrison, C. (2001). Princípios integrados de zoologia (Vol. 15). McGraw-Hill
  4. Manrique, M., Ortega, S. e Yanguas, P. (2008). A sanguessuga, um verme na história da saúde. Índice de Enfermagem 17 (4)
  5. Oceguera, A. e León, V. (2014). Biodiversidade de sanguessugas (Annelida: Eurhirudinea) no México. Revista mexicana de biodiversidade. 85
  6. Vera, C., Blu, A. e Torres, M. (2005). Sanguessugas, parasitas presentes ontem e hoje. Revista chilena de infectologia. 22 (1).

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies