Scotophobia: sintomas, causas e tratamentos

O escotofobia é o medo irracional e extremo da escuridão. Envolve evitar situações e lugares onde há trevas e sentir ansiedade apenas pensando nelas.Espaços escuros ou sem luz constituem situações que, por si só, podem criar um certo nível de alerta ou ativação na pessoa. Esse fato pode ser contextualizado a partir do desenvolvimento e evolução das espécies.

Ou seja, para o ser humano, levando em consideração suas características e habilidades físicas, o fato de estar em um lugar onde ele não pode ver ou sua visão é difícil, implica uma situação que pode ser perigosa para sua integridade física.Dessa forma, as pessoas, quando estamos em espaços escuros, podemos experimentar um certo grau de ansiedade.

Scotophobia: sintomas, causas e tratamentos 1

Quando a escotofobia aparece?

Experimentar ansiedade não implica a presença de uma escotofobia ou uma fobia da escuridão. A experimentação de nervosismo ou medo em espaços escuros pode ser uma manifestação normal e adaptativa do ser humano.

Vamos entrar em situação. Por exemplo, você está em casa prestes a dormir, vai para a cama e apaga a luz.Se você é adulto, é normal que nesta situação você não sinta nenhum sentimento de ansiedade ou medo.Por que os adultos não sentem ansiedade nesse tipo de situação?

A resposta é muito simples, pois as pessoas, sendo indivíduos capazes de raciocinar, podem estar perfeitamente conscientes de que, embora não haja luz, estamos em um lugar seguro e silencioso e onde não precisamos da visão para controlar possíveis ameaças .

Quando estamos em casa sem luz, não temos nenhuma associação entre nossa casa e o perigo; portanto, o fato de podermos ver o que há lá é mais ou menos irrelevante.

O que acontece nas crianças?

Esse fato pode funcionar de maneira diferente nas crianças, pois estas, apesar de estarem em casa (local seguro para elas), podem sentir medo se forem deixadas sozinhas com a luz apagada.Essa maior vulnerabilidade das crianças pode recair sobre sua capacidade de raciocinar e analisar situações.

Assim, apesar de a criança poder associar sua casa a uma sensação de segurança, muitas vezes a ausência de outros elementos que reafirmam que a segurança, como luz ou acompanhamento, pode ser suficiente para começar a aparecer medos e medos .

Ansiedade no escuro em adultos

No entanto, se mudarmos a situação, veremos como a própria escuridão também pode ser um elemento altamente desagradável para os adultos.Se a escuridão, em vez de aparecer em casa quando vamos dormir, aparece no meio da floresta quando estamos perdidos, nossa resposta pode ser muito diferente.

Diante dessa situação, o fato de não poder ver novamente se torna uma ameaça para a pessoa, pois no meio da floresta o ser humano não possui mecanismos para controlar tudo o que está ao seu redor, não possui elementos de segurança e provavelmente Precisa da luz para manter a calma.

Relacionado:  Como controlar a ansiedade naturalmente em 10 etapas

Vemos como a escuridão é um elemento que por si só pode causar medo, nervosismo ou ansiedade, uma vez que implica uma redução nas capacidades de sobrevivência do ser humano.

Agora, todos esses medos que comentamos, em princípio, podem ser considerados normais e adaptáveis, e não se referindo a uma escotofobia.

Assim, para poder falar sobre fobia (que não é medo) do escuro e, portanto, de uma alteração psicopatológica que precisa ser abordada, uma certa reação de ansiedade deve ser apresentada.

A principal característica é que o medo experimentado em situações escuras é apresentado de maneira extrema. No entanto, existem outros elementos importantes.

O que define a escotofobia?

Para definir a presença de escotofobia, uma reação de medo deve obviamente ser apresentada quando a pessoa é exposta à escuridão.No entanto, nem todas as reações de medo correspondem à presença de uma fobia específica como essa.

Para falar sobre a escotofobia, o que deve ser apresentado é um medo extremo da escuridão. No entanto, uma simples reação de medo extremo em uma situação sombria não precisa implicar a presença de escotofobia.

Diferenças de escotofobia com medos normais

Para diferenciar a presença de escotofobia da presença de um simples medo da escuridão, as seguintes condições devem ser apresentadas.

1-Medo desproporcional

Primeiro, o medo produzido pela situação das trevas deve ser desproporcional às demandas da situação.

Isso pode se referir ao que se entende por medo extremo, mas, acima de tudo, considera que a reação não corresponde ao requisito de uma situação particularmente perigosa ou ameaçadora para o indivíduo.

Assim, independentemente da intensidade do medo (extremo ou não), para se referir a uma escotofobia, deve ocorrer em todas as situações em que a escuridão está presente, mas não é particularmente perigosa ou ameaçadora.

2-O indivíduo não raciocina suas respostas de ansiedade

O segundo aspecto principal que define a presença de uma escotofobia é que a resposta ao medo e à ansiedade não pode ser explicada ou fundamentada pelo indivíduo que a experimenta.

Isso significa que a pessoa que tem uma fobia das trevas está ciente de que o medo e a ansiedade que experimenta nesse tipo de situação são excessivos e irracionais; portanto, está ciente de que sua resposta ao medo não corresponde a uma ameaça real. .

Da mesma forma, o indivíduo não é capaz de controlar o medo experimentado, mesmo modulando sua intensidade; portanto, quando exposto a situações sombrias, seu medo e ansiedade são desencadeados incontrolavelmente.

Relacionado:  Ataques de pânico: sintomas, causas e tratamentos

Esse fato implica que a pessoa evita persistentemente a situação temida com o objetivo de evitar sentimentos de medo e ansiedade, bem como o desconforto que experimenta nesses momentos.

O medo persiste

Finalmente, para poder falar sobre a escotofobia, é necessário que esse padrão de resposta do medo à escuridão persista ao longo do tempo.

Ou seja, uma pessoa que experimenta um medo intenso, que não pode controlar e que não está de acordo com o perigo da situação, em uma ocasião, não sofre de uma fobia da escuridão.

A escotofobia é caracterizada por ser permanente e constante, de modo que um indivíduo com esse tipo de distúrbio apresentará a resposta de medo e ansiedade automaticamente sempre que for exposto à escuridão.

Sintomas

A reação fóbica da escotofobia é baseada na alteração do funcionamento de três planos diferentes: o fisiológico, o cognitivo e o comportamental.

Quanto ao nível fisiológico, a exposição à escuridão aciona um conjunto de respostas fisiológicas características do aumento da atividade do sistema nervoso autônomo (SNA).

Esse aumento da ativação do SNA produz uma série de sintomas. Os mais típicos são:

  • Aumento da frequência cardíaca.
  • Respiração aumentada
  • Sudorese
  • Tensão muscular
  • Inibição de apetite e resposta sexual.
  • Boca seca
  • Inibição do sistema imunológico.
  • Inibição do sistema digestivo.

Como vemos, essas respostas fisiológicas da ansiedade referem-se à preparação do corpo para a ação (para responder a uma ameaça), de modo que as funções físicas que não são relevantes em tempos de emergência (digestão, resposta sexual, sistema imunológico) são inibidas etc.)

No nível cognitivo, a pessoa pode exibir um grande número de crenças e pensamentos sobre a situação temida e sobre sua capacidade pessoal de enfrentá-la, bem como interpretações subjetivas sobre suas reações físicas.

Dessa maneira, a pessoa pode produzir autoverbalizações ou imagens sobre as conseqüências negativas que a escuridão pode trazer e interpretações devastadoras dos sintomas físicos que experimenta nesse tipo de situação.

Finalmente, no nível comportamental, a resposta mais típica se baseia em evitar a situação temida. A pessoa com escotofobia tentará evitar qualquer situação sombria e, quando estiver em um local sem luz, fará todo o possível para escapar dessa situação e aliviar seus sintomas de ansiedade.

Causas

A escotofobia é um tipo específico de fobia que pode ser interpretado a partir da teoria da preparação de Seligman.Essa teoria sustenta que as reações fóbicas são limitadas aos estímulos que representaram um perigo real no curso da evolução das espécies.

Segundo essa teoria, a escotofobia possuiria um certo componente genético, uma vez que a evolução das espécies pode predispor as pessoas a reagir com medo de um estímulo (escuridão) que pode estar ameaçando a sobrevivência do ser humano.

Relacionado:  Omfalofobia: sintomas, causas e tratamentos

No entanto, é geralmente aceito que o componente genético não é o único fator envolvido no desenvolvimento de uma fobia específica.

O condicionamento direto da experiência de certas experiências, o condicionamento vicário através do aprendizado através da observação e a aquisição de medos sobre a escuridão através da informação verbal parecem ser fatores importantes no desenvolvimento da escotofobia.

Tratamento

O principal tratamento existente para a escotofobia é a psicoterapia, uma vez que fobias específicas provaram ser psicopatologias que podem remeter ao tratamento psicológico.

Da mesma forma, como um distúrbio de ansiedade é encontrado apenas em situações muito específicas, para que um indivíduo possa passar longos períodos sem realizar a reação fóbica, o tratamento medicamentoso nem sempre é completamente eficaz.

No entanto, diferentemente de outros tipos de fobias específicas, como a fobia da aranha ou do sangue, a escotofobia pode ser mais incapacitante e deteriorante para a pessoa que sofre dela.

Esse fato é explicado pelas características do estímulo temido, isto é, a escuridão.A ausência de luz ou escuridão é um fenômeno que aparece diariamente, portanto as chances de exposição das pessoas são muito altas.

Dessa forma, uma pessoa que sofre de escotofobia pode ter muitas dificuldades para evitar seu elemento temido, e seus comportamentos de prevenção podem afetar seu funcionamento normal e diário.

Tratamento Comportamental Cognitivo

Este tratamento para a fobia escura tem dois componentes principais: treinamento de exposição e relaxamento.

A exposição é baseada em expor o indivíduo à sua temida situação de maneira mais ou menos gradual, com o objetivo de permanecer nela.

Foi demonstrado que o principal fator que mantém a escotofobia são os pensamentos negativos sobre a escuridão; portanto, quando a pessoa é frequentemente exposta ao elemento temido, ela começa a ser capaz de não interpretar a escuridão como uma ameaça.

Por outro lado, o treinamento de relaxamento reduz as respostas de ansiedade que vimos anteriormente e fornece um estado de calma para que a pessoa possa ser exposta à escuridão mais facilmente.

Referências

  1. Associação Americana de Psiquiatria (1994). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais, 4ª edição. Washington: APA.
  2. Amutio, A. (2000). Componentes cognitivos e emocionais do relaxamento: uma nova perspectiva. Análise e modificação do comportamento, 1 0 9, 647-671.
  3. Anthony, MM, Craske, MG e Barlow, DH (1995). Domínio de sua fobia específica. Albany, Nova York: Graywind Publications.
  4. Caballo VE, Salazar, IC., Carrobles JA (2011). Manual de psicopatologia e
  5. distúrbios psicológicos Madri: Piramide.
  6. Marks, IM (1987). Medos, fobias e rituais. Nova York: Oxford University Press. Marshall, WL, Bristol, D. & Barbaree, HE (1992). Cognições e coragem para evitar comportamentos.

Deixe um comentário