Selectins: características, tipos e função

As selectinas são uma família de glicoproteínas compostas de cadeias polipeptídicas, que reconhecem conformaes específicos de açúcares (hidratos de carbono), localizadas na superfície de outras células e se ligam a eles. Por esse motivo, eles também são chamados de moléculas de adesão.

Esses receptores de adesão são conhecidos por sua estrutura conservada. Eles têm três domínios e três glicoproteínas diferentes. Eles podem ser expressos como moléculas de superfície, além de serem armazenados ou funcionar como moléculas solúveis.

Selectins: características, tipos e função 1

Estrutura molecular de uma P-selectina. Retirado e editado de: Neveu, Curtis [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)].

Ao contrário de outras moléculas de adesão, as selectinas agem apenas nas interações dos glóbulos brancos com o endotélio vascular.

Caracteristicas

As selectinas são todas as proteínas que contêm oligossacarídeos de cadeia, ligados por ligações covalentes às cadeias laterais de aminoácidos (glicoproteínas). São moléculas transmembranares, o que significa que atravessam a bicamada lipídica da célula, em uma única etapa (uma passagem) ou em várias etapas (múltiplas passagens).

Eles compartilham características muito semelhantes às proteínas CLEC ou lectinas tipo C. Uma vez que, como as lectinas tipo C, as selectinas requerem íons cálcio para realizar a ligação.

A origem da palavra “selectina” refere-se a essas proteínas serem expressas seletivamente nas células do sistema vascular e também contém um domínio de lectina.

Alguns autores incluem selectinas (glicoproteínas) nas lectinas porque são moléculas que se ligam aos açúcares. No entanto, outros autores as diferenciam sob o conceito de que as lectinas reconhecem apenas carboidratos e se ligam a elas, enquanto as selectinas não apenas reconhecem e se ligam a açúcares, mas também são compostas por carboidratos.

A regulação de selectinas ocorre no nível transcricional, por processamento proteolítico, por classificação celular e por expressões reguladas de glicosil transferases.

As seleções têm um domínio intracelular curto. No entanto, eles têm três domínios extracelulares, um domínio do tipo fator de crescimento epidérmico, um domínio do tipo lectina C e unidades de repetição de consenso, semelhantes para complementar as proteínas reguladoras.

Relacionado:  Percevejos (Cimex lactularius): características, habitat, tipos, reprodução

Tipos

A família de selectinas é composta por três tipos diferentes de glicoproteínas. Cada um deles é identificado por uma letra que indica o local em que foram identificados pela primeira vez. A seguir, veremos cada um deles.

L-selectina

Também é conhecido como SELL, CD62L, LAM1, LEU8, LNHR, LSEL ou TQ1. Pode ser encontrada nos leucócitos, daí o “L” da L-selectina. É um componente da superfície celular. Os três domínios são: um homólogo de lectina, um fator de crescimento epidérmico e duas unidades de repetição de consenso.

Possui vários ligantes, ou seja, geralmente pequenas moléculas que formam complexos com uma biomolécula, neste caso uma proteína. Os ligantes conhecidos para L-selectina são os seguintes.

GLYCAM1

Conhecida como molécula de adesão celular dependente da glicosilação -1, é um ligante proteoglicano que é expresso em inflamações venosas pós-capilares e permite que os linfócitos fluam na corrente sanguínea para os tecidos linfóides.

CD34

É uma fosfoglicoproteína, detectada em vários grupos de mamíferos, como homem, ratos e camundongos, entre outros. Foi descrito pela primeira vez em células-tronco hematopoiéticas. Eles são encontrados em uma ampla variedade de células, mas estão quase exclusivamente relacionados ao hematopoiético.

MAdCAM-1

Conhecida como Adresina ou molécula de adesão celular na direção da mucosa vascular (em inglês, endereço vascular da mucosa na molécula de adesão celular 1). É uma proteína extracelular do endotélio que é responsável por determinar em que linfócitos teciduais entrará, além de transportar açúcares a serem reconhecidos pela L-selectina.

PSGL-1

Conhecida entre outros sinônimos como SELPLG ou CD162, é uma glicoproteína encontrada nas células endoteliais e nos leucócitos. Pode ser anexado aos outros dois tipos de seleção. No entanto, parece ter uma melhor afinidade com a P-selectina.

Relacionado:  Fermentação acética: características, aplicações, exemplos

P-selectina

A P-selectina é conhecida por outros nomes, como SELP, CD62, CD62P, GMP140, GRMP ou LECAM3, entre outros. Pode ser encontrada na superfície das células endoteliais, que revestem as margens internas dos vasos sanguíneos e plaquetas.

A P-selectina foi identificada pela primeira vez em plaquetas. É por isso que o nome da proteína carrega o “P” inicial.

A estrutura da P-selectina consiste em um domínio muito semelhante à lectina tipo C no terminal N, um domínio semelhante ao EGF; isto é, um domínio proteico conservado de cerca de 30 a 40 resíduos de aminoácidos, com uma folha β de fita dupla seguida de um loop para uma folha β curta de terminal C curto.

Possui um terceiro domínio semelhante ao complemento de proteínas de ligação chamadas, como o domínio CUB, caracterizado por ser um domínio proteico evolutivamente conservado e apresentar cerca de 110 resíduos de aminoácidos.

O ligando de afinidade mais alta para a P-selectina é o PSGL-1, como descrito anteriormente nos ligantes da L-selectina. Por outro lado, essa proteína também pode formar complexos com outras moléculas, como o polissacarídeo sulfatado denominado fucoidan e sulfato de heparan.

E-selectina

Essa proteína selectina também é conhecida pelos seguintes nomes: SELE, CD62E, ELAM, ELAM1, ESEL, LECAM2 e outros. É expressa exclusivamente em células endoteliais que são ativadas por pequenas proteínas que não conseguem atravessar a bicamada lipídica da célula, denominada citocinas.

A estrutura desta proteína consiste em 3 domínios (como o restante das selectinas): um domínio semelhante ao EGF, 6 unidades de módulos de proteína de controle (também chamados domínios de sushi) de repetição de SCR e um domínio transmembranar.

Selectins: características, tipos e função 2

Representação da estrutura molecular da proteína E-selectina, cujo domínio é EGF. Retirado e editado de: Jawahar Swaminathan e equipe de MSD do Instituto Europeu de Bioinformática [Domínio público].
Relacionado:  Quantas células o corpo humano possui?

Os ligantes que formam complexos com o E-seletivo são bastante variados, mas os que se destacam são os seguintes.

Sialyl-Lewis A

Também chamado SLe A ou CA19-9. É um tetrassacarídeo descoberto em soros de pacientes com câncer. Sabe-se que participa do processo de reconhecimento de células. É expressa constitutivamente em granulócitos, monócitos e linfócitos T.

Sialyl-Lewis X

É também um tetratasacarídeo como o Sialyl-Lewis A e tem funções semelhantes. É expresso em granulócitos e monócitos e controla o vazamento indesejado ou o vazamento dessas células durante a inflamação.

PSGL-1

Embora aparentemente seja mais eficiente na P-selectina, alguns autores consideram que a forma derivada do neutrófilo humano também é bastante eficiente na E-selectina. De facto, consideram que, em geral, este ligando é fundamental para os três tipos de selectinas.

Função

A principal função das selectinas é fazer parte do processo de formação de glóbulos brancos (linfócitos). Eles também participam da resposta imune, de inflamações crônicas e agudas em diferentes órgãos do corpo, como rins, coração e pele. Eles até atuam nos processos inflamatórios das metástases do câncer.

Referências

  1. Selectin Recuperado de: en.wikipedia.org.
  2. L-selectina. Recuperado de: en.wikipedia.org.
  3. CA19-9. Recuperado de: en.wikipedia.org.
  4. E-selectin. Recuperado de: en.wikipedia.org.
  5. X. Zou, VR Shinde Patil, NM Dagia, LA Smith, MJ Wargo, KA Interliggi, CM Lloyd, DF Tees, B. Walcheck, MB Lawrence, DJ Goetz (2005). O PSGL-1 derivado de neutrófilos humanos é um ligante de alta eficiência para E-selectina expressa em endotélio sob fluxo. American Journal of Physiology. Fisiologia Celular
  6. K. Law (2001). Funções de selectins. Resultados e problemas na diferenciação celular.
  7. Selectins Recuperado de: wellpath.uniovi.es.
  8. JH Pérez e CJ Montoya. Moléculas de adesão. Recuperado de: encolombia.com.
  9. AC Sanguineti e JM Rodríguez-Tafur (1999). Adesão e moléculas de pele. Dermatologia peruana
  10. TF Tedder, DA Steeber, A. Chen, P. Engel (1995). As selectinas: moléculas de adesão vascular. Jornal do FASEB.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies