Senso de gosto: seus componentes e operação

O senso de gosto, também conhecido como paladar, é um dos cinco sentidos humanos responsável por perceber os diferentes sabores dos alimentos e bebidas. Este sentido é fundamental para a nossa sobrevivência, pois nos ajuda a identificar alimentos seguros e nutritivos, além de nos proporcionar prazer ao comer. Neste artigo, vamos explorar os componentes e a operação do senso de gosto, explicando como ele funciona e como é capaz de distinguir os sabores básicos: doce, salgado, azedo, amargo e umami.

Entenda o funcionamento do paladar e como ele é fundamental para a percepção de sabores.

O senso de gosto, também conhecido como paladar, é um dos cinco sentidos do corpo humano responsável pela percepção dos sabores. Ele é fundamental para a nossa capacidade de desfrutar e identificar diferentes gostos, contribuindo para a nossa experiência sensorial durante as refeições.

O paladar é composto por quatro componentes principais: doce, azedo, amargo e salgado. Cada um desses componentes é detectado por diferentes receptores localizados na língua, que enviam sinais ao cérebro para processar e interpretar as informações sensoriais recebidas.

Quando comemos alimentos, as moléculas presentes neles interagem com os receptores do paladar na língua, desencadeando uma resposta sensorial que nos permite identificar o sabor do alimento. Por exemplo, o receptor doce é ativado por alimentos que contêm açúcar, enquanto o receptor amargo é ativado por substâncias como a cafeína.

Além dos quatro sabores básicos, o paladar também é influenciado por outros fatores, como a temperatura e a textura dos alimentos. Esses elementos contribuem para a nossa percepção global do sabor de um alimento, tornando a experiência gastronômica mais rica e complexa.

Através da interação dos receptores de doce, azedo, amargo e salgado na língua, somos capazes de identificar e desfrutar das nuances sensoriais presentes nas refeições do dia a dia.

Qual é o responsável pela sensação de sabor nos alimentos que ingerimos?

O responsável pela sensação de sabor nos alimentos que ingerimos é o nosso senso de gosto. Este sentido é responsável por identificar os diferentes sabores dos alimentos, como doce, salgado, azedo, amargo e umami.

O senso de gosto é composto por células gustativas localizadas na língua e no paladar. Estas células possuem receptores que são sensíveis às substâncias químicas presentes nos alimentos, permitindo a percepção dos diferentes sabores.

Além das células gustativas, o senso de gosto também envolve outros componentes, como o olfato e a textura dos alimentos. O olfato contribui para a percepção dos sabores, enquanto a textura influencia na forma como os sabores são percebidos.

Portanto, o senso de gosto é fundamental para a nossa experiência alimentar, permitindo-nos desfrutar dos diferentes sabores dos alimentos que consumimos.

Descubra os 4 sabores que podemos perceber através do paladar.

O senso de gosto é responsável por nos permitir perceber os sabores dos alimentos que consumimos. Existem quatro sabores básicos que podemos detectar através do paladar: doce, salgado, azedo e amargo.

O sabor doce é percebido na língua através de receptores específicos que detectam a presença de açúcares. Este sabor é geralmente associado a alimentos como frutas, doces e sobremesas.

Relacionado:  Área motora suplementar (cérebro): partes e funções

O sabor salgado é detectado por receptores que respondem à presença de íons de sódio. Alimentos como batatas fritas, queijos e alimentos salgados são exemplos de alimentos com sabor salgado.

O sabor azedo é percebido quando receptores na língua detectam a presença de ácidos. Frutas cítricas, como limão e laranja, são exemplos de alimentos com sabor azedo.

O sabor amargo é detectado por receptores na língua que respondem à presença de substâncias amargas. Alimentos como café, chocolate amargo e vegetais de folhas verdes são exemplos de alimentos com sabor amargo.

É importante ressaltar que o paladar é influenciado por diversos fatores, como a temperatura dos alimentos, a textura e o aroma. Além disso, a percepção dos sabores pode variar de pessoa para pessoa, devido a diferenças genéticas e culturais.

Conheça os diferentes tipos de gostos existentes e suas particularidades.

O senso de gosto é um dos cinco sentidos humanos responsáveis por detectar sabores. Este sentido é fundamental para a nossa sobrevivência, pois nos ajuda a identificar alimentos seguros e nutritivos, bem como a evitar substâncias tóxicas. Conhecer os diferentes tipos de gostos existentes e suas particularidades nos ajuda a entender melhor como funciona o nosso paladar.

Existem cinco tipos de gostos básicos: doce, salgado, azedo, amargo e umami. Cada um desses sabores é detectado por receptores específicos localizados na língua. O doce é sentido pela ponta da língua, o salgado pelas laterais, o azedo pelas laterais traseiras, o amargo pela parte de trás e o umami por toda a língua.

O doce é geralmente associado à presença de açúcares, sendo um sabor agradável que nos traz energia. O salgado, por sua vez, está relacionado à presença de sais minerais essenciais para o nosso organismo. O azedo é percebido em alimentos ácidos, como frutas cítricas, enquanto o amargo está presente em substâncias potencialmente tóxicas. Já o umami é um sabor mais complexo, associado a alimentos ricos em proteínas como carnes e queijos.

Além dos gostos básicos, o nosso paladar também é influenciado por outros fatores, como a temperatura e a textura dos alimentos. Por exemplo, um alimento quente pode parecer mais saboroso do que um alimento frio, e uma textura crocante pode ser mais apetitosa do que uma textura pastosa.

Conhecer os diferentes tipos de gostos existentes e suas particularidades é essencial para apreciar verdadeiramente a diversidade de sabores que o mundo nos oferece.

Senso de gosto: seus componentes e operação

Senso de gosto: seus componentes e operação 1

Comer é um prazer. A maioria das pessoas desfruta de um bom prato, suscitando sensações agradáveis ​​que, por sua vez, são temperadas pela possível presença da empresa (e desde os tempos antigos, a hora de se alimentar tem sido algo que serviu como um ato social, contribuindo para gerar comunidade). O fato de esse ato ser agradável no nível orgânico, além de outras considerações e elementos, deve-o em grande parte ao sentido do paladar , sobre o qual falaremos ao longo deste artigo.

  • Você pode estar interessado: ” As 11 partes do olho e suas funções “
Relacionado:  Hemisfério cerebral esquerdo: partes, características e funções

O sentido do paladar e sua utilidade

O sentido do paladar é um dos nossos sentidos exteroceptivos (próximo à visão, audição, olfato e tato), que nos permitem capturar informações do ambiente. Trata-se da capacidade de perceber e subsequentemente processar o conjunto de propriedades químicas dos elementos que ingerimos, estando especialmente ligado a um dos processos vitais básicos: alimentos. Gosto é o que nos permite capturar os sabores dos alimentos, algo que nos permite escolher e definir a ingestão de nutrientes.

E não é o elemento consumido em si que nos permite identificar o sabor, mas o processamento que cada um de nós faz no nível nervoso. Da mesma forma, somente esse processamento marcará se percebermos o sabor como apetitoso ou aversivo.

Estamos diante de um dos sentidos mais relevantes ao permitir nossa sobrevivência: a percepção do paladar nos permite saber se um alimento está em boas ou más condições , pode ser tóxico ou até mesmo entender se contém alguns elementos-chave de que nosso corpo precisa (açúcar ou sal principalmente).

Outro aspecto a destacar sobre o sentido do paladar é que ele está profundamente ligado ao outro sentido químico que temos: o cheiro . A conexão deles é tão próxima que, de fato, o olfato pode afetar a percepção do paladar.

O sabor e seus receptores

O sentido do paladar inclui principalmente a percepção de cinco modalidades de paladar, que possuem receptores diferenciados. Essas modalidades são as quatro já conhecidas: doce, amargo, salgado e ácido, às quais é adicionado um quinto recentemente descoberto e não especificado, o unami (associado ao monoglutamato de sódio presente em alguns alimentos).

Os receptores do sentido do paladar fazem parte das papilas gustativas da língua, palato e faringe . Especificamente, eles são encontrados nos brotos ou brotos, sendo essas células bipolares e tendo uma vida curta. De fato, as células gustativas devem se regenerar continuamente.

Existem tipos muito diferentes de papilas gustativas, cada uma com uma quantidade e disposição diferentes dos botões que contêm os receptores. Entre eles, encontramos as duas células basais, que ainda seriam células-tronco indiferenciadas que se tornarão receptores e são geradas a cada dez dias para substituir aquelas que morrem, como as próprias células receptoras ou quimiorreceptoras.

Essas células não são neurônios per se, mas parte do epitélio , que transmitirá a informação às fibras que as inervam. Existem também papilas filiformes, espalhadas pela superfície da língua, mas são consideradas não percebendo o sabor, mas apenas contribuindo para o deslocamento da comida.

Não existe um único tipo de paladar, mas podemos encontrar principalmente três: os fungiformes que se espalham por toda a língua e estão localizados principalmente na ponta anterior, os foliados nas laterais e o cálice espalhados em filas em ao longo da base da língua. O primeiro seria o mais numeroso e o último o menos (embora o maior).

Sabores e receptores

Cada um dos sabores tem uma série diferente de receptores localizados especialmente em certas áreas da linguagem , e que podem ser diferentes em tipo e forma.

Relacionado:  Área de Broca (parte do cérebro): funções e sua relação com a linguagem

Os receptores de sabor amargo são ionotrópicos e metabotrópicos e estão especialmente localizados na parte medial mais interna da língua. O doce estaria localizado especialmente na ponta da língua, possuindo receptores metabotrópicos.

O salgado também estaria localizado na ponta e nos arredores, seus receptores formando uma banda na superfície da língua e sendo ionotrópicos. O ácido, com também receptores ionotrópicos, seria encontrado nos lados da parte da língua mais próxima do lado de fora. O umami, enquanto isso, é capturado pela superfície da língua.

As vias nervosas para a percepção do paladar

O sentido do paladar requer muitas conexões neurais, uma vez que no próprio órgão receptores podemos encontrar tipos muito diferentes de receptores.

As informações recebidas pelos receptores gustativos são coletadas primeiro pelos nervos facial, glossofaríngeo e vago . Cada um deles inerva partes específicas. A parte mais anterior da língua, onde são encontradas células fungiformes, corresponderia ao cordão timpânico do nervo facial. A parte posterior é pelo nervo glossofaríngeo. O nervo vago cuidaria da epiglote e dos receptores do palato.

Esses nervos produziam um primeiro relé no núcleo do trato solitário da medula oblongata , a partir do qual as informações viajavam para a área gustativa protuberancial e depois para o núcleo ventral do tálamo, amígdala , hipotálamo e gânglios da base (que adicionavam componentes emocionais provar a percepção e permitiria uma reação de aproximação ou fuga). Finalmente, os dados obtidos atingiriam a casca do sabor primário.

Alterações

O sentido do paladar tem sido primordial para o ser humano ao longo de sua evolução. Mas algumas pessoas podem ter alterações diferentes no sentido do paladar que impedem ou modificam sua percepção.

O exemplo mais extremo disso é ageusia, ou incapacidade de capturar qualquer sabor. Há também hipogeusia ou diminuição da capacidade de perceber . Existem vários distúrbios a esse respeito, mas o que é aparentemente mais comum é a existência de distorções na percepção de qualquer um dos sabores. E, às vezes, o problema não é o sabor, mas pode ocorrer no nível olfativo (o que também nos fornece informações químicas sobre os alimentos e está muito ligado à percepção do paladar).

As causas do paladar não funcionam corretamente podem ser múltiplas. Entre eles, podemos encontrar a presença de infecções do ouvido e do sistema respiratório, a presença de problemas dentários, lesões cerebrais que quebram ou prejudicam as vias nervosas que permitem sua percepção ou o consumo de alguns medicamentos ou substâncias. Também é frequente aparecer como resultado do uso de rádio ou quimioterapia no tratamento do câncer.

Finalmente, alguns distúrbios psicóticos ou um episódio maníaco podem alterar a percepção do paladar devido à presença de alucinações do paladar. As doenças neurodegenerativas também podem causar uma perda do paladar e do olfato.

Referências bibliográficas:

  • Gomez, M.; Espejo-Saavedra, JM; Taravillo, B. (2012). Psicobiologia Manual de Preparação do CEDE PIR, 12. CEDE: Madri
  • Guyton, CA & Hall, JE (2012) Tratado de Fisiologia Médica. 12ª edição. McGraw Hill

Deixe um comentário