Sequência primária: características e exemplos

Sequência primária: características e exemplos

Uma sucessão primária é um fenômeno ecológico que descreve a colonização de um local onde uma grande perturbação não deixa vestígios da comunidade preexistente ou onde um novo “espaço ecológico” foi criado.

Em linhas gerais, uma sucessão é a progressão ordenada do desenvolvimento direcional de uma comunidade que resulta da modificação de seu ambiente físico e que sempre culmina em um ecossistema em que são mantidos níveis máximos de biomassa e interações entre os organismos que a compõem. .

Em palavras um pouco mais simples, o termo refere-se ao progresso a longo prazo das comunidades biológicas, ou seja, às mudanças ordenadas que ocorrem em comunidades específicas para um local específico em um ecossistema por um período definido de tempo.

De maneira ainda mais simples, uma sucessão pode ser vista como a mudança das espécies de uma comunidade no tempo. Os pesquisadores da M uchos se relacionam com o ecossistema de sucessão de distúrbios ambientais: incêndios, furacões, secas severas, desmatamento, inundações, etc.

Por esse motivo, esses fenômenos são geralmente definidos como as mudanças que ocorrem em uma comunidade após uma perturbação ambiental, fazendo com que um local do ecossistema fique “livre” ou desprovido de organismos.

Os estudos de sucessão geralmente se referem a comunidades em ecossistemas vegetais, no entanto, existem bons estudos relacionados a esses fenômenos nos ecossistemas marinhos bentônico (fundo do mar) e pelágico (em suspensão, na água e não na placa continental) )

Tipos de Sucessões

Existem dois tipos de sequências: autogênica e alogênica.

Sucessão autogênica

Uma sucessão autogênica corresponde às mudanças seqüenciais que ocorrem em uma comunidade e que surgem da influência e atividades dos mesmos organismos que a compõem no ambiente ou no habitat que eles ocupam.

Relacionado:  Pumamaqui: características, habitat, ecologia e usos

Sucessão alogênica

Uma sucessão alogênica ocorre nas comunidades através da influência de fatores externos aos organismos que a compõem.

Sucessão primária

Por outro lado, os ecologistas geralmente usam os termos sucessão primária e sucessão secundária. As sucessões primárias correspondem à colonização de locais que sofreram ataques de desastres naturais e que, de uma maneira ou de outra, são deixados “vazios” na vida.

Sucessão secundária

Sucessões secundárias, por outro lado, referem-se à colonização de locais que foram previamente colonizados por outras espécies e onde uma comunidade foi estabelecida, mas onde uma perturbação removeu uma parte ou grande parte dela.

Características da sucessão primária

Sequências primárias compartilham certas características:

– Quase sempre ocorre em um ecossistema após um evento catastrófico (natural ou artificial, induzido pelo homem) ou em ambientes “hostis” à vida

-Eles ocorrem onde o evento catastrófico “devasta” a comunidade ou comunidades presentes no ecossistema, ou seja, onde há pouco ou nenhum “legado” biológico (substratos sem plantas, animais ou micróbios)

-A escala de tempo para uma sucessão é altamente variável. A sucessão em um ecossistema microbiano pode levar algumas horas, em uma comunidade de insetos, como a mosca da fruta, pode demorar algumas semanas e, em uma floresta de árvores grandes, pode levar décadas ou séculos

-Pode depender de muitas variações abióticas, como pH, disponibilidade de água e nutrientes, etc.

-É um processo direcional, mas seu ponto final não é previsível e possui muitos tipos de trajetórias, ou seja, pode ter eventos cíclicos, convergentes, divergentes, paralelos ou reticulados

-Eles são muito comuns em ecossistemas vegetais e começam com o aparecimento (colonização) de “espécies simples”, entre as quais algas, musgos, fungos e líquenes, chamados “espécies pioneiras”.

Relacionado:  Tomilho: características, habitat, propriedades, cultivo

-O aparecimento da primeira espécie favorece a formação de uma pequena camada de solo onde plantas “avançadas” podem se estabelecer, como gramíneas e ervas, samambaias, etc.

-Uma vez estabelecida a comunidade vegetal, os animais começam a aparecer: insetos, pequenos invertebrados e pássaros

-É difícil traçar a linha que divide o final de uma sequência primária e o início da sequência secundária, pois são um “continuum”

-O estudo é realizado fundamentalmente, observando e registrando as mudanças ou o “progresso” de estabelecer uma nova comunidade

-Seu estudo fornece informações importantes sobre os mecanismos de montagem de uma comunidade, como limitações de dispersão, efeitos de diferentes espécies, “filtragem” abiótica do ambiente, interações bióticas (competição, facilitação, herbivoria) e feedback.

Exemplos de sequências primárias

Os exemplos clássicos de sucessões primárias são caracterizados pela “desapropriação” da vida que algum evento catastrófico, natural ou artificial, exerce em um determinado local de um ecossistema. Alguns desses eventos e locais podem ser resumidos na lista a seguir:

-Paisagens ou paisagens marinhas “esterilizadas” pelo fluxo de lava vulcânica

-As novas dunas de areia que se formam em um ambiente deserto

-O aparecimento de novas ilhas vulcânicas

-Os espaços rochosos deixados pelo derretimento ou retração das geleiras

Deslizamentos de terra em uma montanha

-Pisos corroídos por uma inundação ou fogo

-As construções ou edifícios feitos pelo homem abandonados

-Derramamentos de óleo

Explosões nucleares

Incêndio florestal

Imagine um incêndio florestal, como os comuns em florestas de coníferas em alguns países temperados.

Após um grande incêndio, o chão da floresta é praticamente desprovido de qualquer matéria vegetal, animal ou microbiana, pois tudo é reduzido a cinzas.

Com o passar do tempo e se as condições mínimas forem adequadas, ou seja, se houver pelo menos água, algumas espécies de plantas e microorganismos não vasculares (principalmente seres autotróficos) poderão “colonizar” a terra esterilizada pelo fogo.

Relacionado:  Polinizadores: tipos e suas características, importância

A presença dessas espécies pioneiras ou “colônias” sem dúvida alcançará um aumento na matéria orgânica e o estabelecimento de diferentes “microambientes”, adequados para o estabelecimento de espécies um pouco mais “avançadas” ou “complexas”.

Assim, pouco a pouco, o solo poderá suportar a presença de gramíneas e samambaias, que, por sua vez, poderão sustentar a vida de novas classes de microorganismos e pequenos animais, como insetos e outros invertebrados.

O estabelecimento dessas novas comunidades implicará inevitavelmente uma melhoria considerável nas características do substrato, o que permitirá a colonização de novas espécies com maiores e mais complexas necessidades nutricionais.

Isso envolverá a formação de novas populações e a restauração de um ecossistema.

Referências

  1. Encyclopaedia Britannica Inc. (2019). Encyclopaedia Britannica. Recuperado em 31 de março de 2020, em www.britannica.com/science/secondary-succession
  2. Walker, LR e Del Moral, R. (2003). Sucessão primária e reabilitação de ecossistemas. Cambridge University Press.
  3. Chapin, FS, Walker, LR, Fastie, CL & Sharman, LC (1994). Mecanismos de sucessão primária após deglaciação em Glacier Bay, Alaska. Monografias Ecológicas, 64 (2), 149-175.
  4. Walker, LR, & del Moral, R. (2009). Lições da sucessão primária para restauração de habitats severamente danificados. Ciência Aplicada da Vegetação , 12 (1), 55-67.
  5. Pandolfi, JM (2008). Sucessão.
  6. Chang, CC e Turner, BL (2019). Sucessão ecológica em um mundo em mudança. Jornal de Ecologia, 107 (2), 503-509.
  7. Bauholz, Henri. (2020, 31 de março). Etapas da sucessão ecológica. sciencing.com. Obtido em www.sciencing.com/stages-ecological-succession-8324279.html

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies