Seres inertes: características, exemplos, diferenças com seres vivos

Os seres inertes são objetos ou substâncias que não possuem vida, ou seja, não têm a capacidade de se reproduzir, crescer, se alimentar ou se locomover. Eles também não respondem a estímulos do meio ambiente. Alguns exemplos de seres inertes são pedras, água, areia, ferro, plástico, entre outros.

Uma das principais diferenças entre os seres inertes e os seres vivos é que estes últimos possuem metabolismo, são capazes de se reproduzir, crescer, se adaptar ao ambiente e responder a estímulos. Além disso, os seres vivos são compostos por células, enquanto os seres inertes não possuem essa estrutura básica da vida. É importante ressaltar que, apesar de não possuírem vida, os seres inertes desempenham papéis fundamentais no ambiente, como na formação de solos, na composição da atmosfera e na manutenção dos ecossistemas.

Diferenças entre os seres vivos: o que os distingue uns dos outros?

Os seres vivos e os seres inertes são duas categorias que podem ser claramente distinguíveis pela presença ou ausência de características específicas. Enquanto os seres vivos possuem organização celular, metabolismo, crescimento, reprodução e resposta a estímulos, os seres inertes não apresentam essas características.

Os seres vivos são capazes de se reproduzir, crescer, responder a estímulos do ambiente e manter seu metabolismo em funcionamento. Já os seres inertes, como as rochas, água e ar, não possuem essas capacidades. Um exemplo clássico de ser inerte é a água, que não é capaz de se reproduzir, crescer ou responder a estímulos.

Além disso, os seres vivos são compostos por carbono e outras moléculas orgânicas, enquanto os seres inertes geralmente são compostos por elementos inorgânicos. Essa diferença fundamental na composição química é mais um aspecto que distingue os seres vivos dos seres inertes.

Essas características são essenciais para a manutenção da vida e são exclusivas dos seres vivos.

Ser vivo: definição e características distintas que os diferenciam dos seres não-vivos.

Ser vivo é todo organismo que possui vida, ou seja, que realiza atividades vitais como crescimento, reprodução, metabolismo e resposta a estímulos. Os seres vivos são compostos por células, são capazes de se adaptar ao ambiente em que vivem e possuem capacidade de evoluir ao longo do tempo.

As principais características que diferenciam os seres vivos dos seres não-vivos são a capacidade de se reproduzir, de crescer e se desenvolver, de responder a estímulos do ambiente, de se adaptar a mudanças e de manter um metabolismo ativo.

Seres inertes: características, exemplos, diferenças com seres vivos.

Os seres inertes, por sua vez, são objetos ou substâncias que não possuem vida, ou seja, não realizam atividades vitais. Eles não possuem capacidade de reprodução, crescimento, metabolismo ou resposta a estímulos do ambiente.

Alguns exemplos de seres inertes são rochas, água, vento, areia, solo e objetos inanimados como cadeiras, mesas e carros. Esses elementos não possuem vida e não são capazes de realizar as atividades típicas dos seres vivos.

Enquanto os seres vivos são organismos que possuem vida e realizam atividades vitais, os seres inertes são objetos ou substâncias que não possuem vida e não realizam essas atividades.

Relacionado:  Domínio Bacteriano: Principais Características e Funções

Conheça alguns exemplos de seres vivos que habitam nosso planeta Terra.

Seres inertes são objetos ou substâncias que não possuem vida, ou seja, não realizam as funções vitais característica dos seres vivos. Eles não crescem, não se reproduzem, não se alimentam e não respondem a estímulos do ambiente. Alguns exemplos de seres inertes são pedras, água, areia e metal.

Em contraste, os seres vivos são organismos que possuem vida, ou seja, realizam as funções vitais como crescimento, reprodução, metabolismo e resposta a estímulos ambientais. Alguns exemplos de seres vivos que habitam nosso planeta Terra são seres humanos, animais, plantas e fungos.

As diferenças entre seres inertes e seres vivos são claras: enquanto os seres inertes não possuem vida e não realizam as funções vitais, os seres vivos são organismos vivos que realizam essas funções para sobreviver e se reproduzir.

Características dos elementos inorgânicos: o que os diferencia dos seres vivos?

Os elementos inorgânicos são substâncias químicas que não possuem vida, ou seja, não são capazes de realizar funções vitais como crescimento, reprodução e metabolismo. Eles são formados por átomos que se ligam entre si por meio de ligações químicas, e são encontrados na natureza em sua forma mais simples, como elementos puros ou compostos.

Uma das principais características dos elementos inorgânicos é que eles não possuem capacidade de se auto-replicar ou de evoluir. Enquanto os seres vivos são capazes de se reproduzir e de passar características genéticas para as próximas gerações, os elementos inorgânicos permanecem inalterados ao longo do tempo.

Além disso, os elementos inorgânicos não possuem a capacidade de responder a estímulos do ambiente de forma coordenada, como fazem os seres vivos. Eles não possuem sistemas nervoso, hormonal ou imunológico, que são essenciais para a sobrevivência dos organismos vivos.

Outra diferença marcante entre os elementos inorgânicos e os seres vivos é a ausência de organização celular nos primeiros. Enquanto os seres vivos são compostos por células que desempenham funções específicas e se organizam em tecidos, órgãos e sistemas, os elementos inorgânicos não possuem essa estrutura complexa.

Essas características os diferenciam dos seres vivos, que possuem todas essas funções vitais e estruturas organizadas.

Seres inertes: características, exemplos, diferenças com seres vivos

Seres inertes: características, exemplos, diferenças com seres vivos

As coisas não-vivas , também chamadas seres abióticos, são aqueles objetos ou materiais inanimados, naturais ou artificiais. São objetos inanimados que não nascem, nem morrem, nem estabelecem relacionamentos, nem se adaptam ao meio ambiente, nem se alimentam ou se reproduzem e, portanto, são inertes.

Seres inertes são uma parte fundamental do nosso planeta e alguns são essenciais para manter a vida de seres vivos ou seres bióticos. Por exemplo, ar, água, sol e muitos minerais são essenciais para manter a vida de animais, micróbios e plantas.

Objetos inanimados podem ser naturais ou artificiais. Os primeiros são aqueles encontrados na natureza e não fabricados por seres humanos; entre eles estão água, sol, terra, pedras, etc.

Os segundos são aqueles construídos pelo homem como um lápis, um carro, uma casa, uma mesa, um sofá, etc.

Os seres inertes não são constituídos por células, nem por fragmentos delas, como DNA ou RNA. Eles podem ser de origem orgânica, ou seja, constituídos por átomos de carbono ou de origem inorgânica, como muitos minerais, substâncias naturais e / ou artificiais.

Em resumo, pode-se dizer que seres inertes são todos os objetos ou substâncias que estão dentro ou fora do nosso planeta e que não têm vida.

Mas a palavra “ser” é talvez um pouco confusa, dado que é um termo bastante antropocêntrico (relacionado ao homem), então talvez seja melhor referir-se a seres inertes como “entidades” ou “objetos” inertes.

Características dos seres inertes

Objetos inertes são caracterizados por não terem vida. Em outras palavras, eles não podem cumprir nenhuma das funções vitais, como:

– Nascer

– Alimentação

– Crescer

– Adaptar

– relacionar

– reproduzir e

– Morrer

Eles não são compostos de células

Os seres interte são objetos que não são constituídos por células ou partes delas; são constituídos por estruturas de carbono ou elementos inorgânicos encontrados na natureza ou usados ​​pelo homem para fazer outros objetos inanimados.

Embora o homem possa fabricar e dar origem a um objeto inerte a partir de outro, estes, por si só, não são “gerados” ou “nascidos”. Por exemplo, uma pedra pode quebrar em várias partes devido a diferentes fatores ambientais, mas a união dessas peças forma a mesma pedra original.

Eles não se mexem

Outra característica dos seres inertes é a ausência de seus próprios movimentos. Elas só se movem se lhes for aplicada uma força de tração ou pelo movimento gerado pela combustão com algum tipo de combustível.

Por exemplo, a água por si só não se move, mas se houver uma diferença de altura, a água se moverá de um ponto para outro até que essa diferença desapareça.

Exemplos de seres inertes

Objetos inertes, como mencionado, podem ser naturais ou artificiais, dependendo de serem produtos da natureza ou feitos pelo homem.

Objetos inertes naturais

Objetos inertes naturais incluem, por exemplo, elementos, moléculas e estruturas como:

– A água

– A luz

– A atmosfera

– sódio

– Potássio

– O cálcio

– magnésio

– O jogo

– O ferro

– enxofre

– zinco

– As pedras

Entre esses objetos, podemos destacar a importância da água para os seres vivos, pois é um conhecimento familiar para todos que esse elemento representa até 70% do peso corporal de um ser humano, por exemplo.

Todos os seres vivos precisam de água para manter as células que os fazem funcionar. O homem a usa não apenas para manter seu corpo vivo, mas para obter energia útil para realizar outras atividades próprias no contexto da civilização.

Objetos artificiais inertes

Quando nos referimos a objetos inertes artificiais, geralmente tem a ver com os objetos feitos pelo homem, seja através de processos artesanais ou industriais. Exemplos destes podem ser:

– Uma casa

– um carro

– Uma TV

– Um computador

– Um lápis

– Um telefone

– Uma rodovia

– Uma xícara

– Um livro

– Uma cortina

– Uma escova de dentes

Relacionado:  10 Animais voadores e suas características

– Um vaso de flores

– Um caderno

– Uma bicicleta

– Um robô

Diferenças de seres inertes com seres vivos

As diferenças entre um objeto inerte e um ser vivo não são difíceis de analisar, pois a olho nu é fácil reconhecer um ser vivo na frente de uma rocha, por exemplo.

Os seres vivos são compostos de células. Essas células, por sua vez, são constituídas por moléculas, constituídas por milhares de átomos de diferentes elementos químicos. Nisso, um ser vivo se assemelha a um objeto inerte, uma vez que toda a matéria é composta de átomos.

As células, no entanto, são organizadas molecularmente de tal maneira que podem cumprir os parâmetros que conhecemos como característicos de um ser vivo. Essas características dos seres vivos incluem:

São nascidos

Uma célula sempre vem de outra célula pré-existente que a origina, dividindo-se em duas (mitose) ou fundindo-se com outra para formar uma nova célula que contém a mistura de material genético de duas células independentes.

Se reproduzem

Um ser vivo pode ser formado por uma única célula e isso pode se reproduzir para originar outra célula igualmente independente. Da mesma forma, seres vivos multicelulares se reproduzem e deixam a prole

Alimentação

Para sobreviver em qualquer ambiente, um ser vivo deve se alimentar, sintetizando seu próprio alimento (autótrofos) ou adquirindo energia de outros seres vivos (heterótrofos).

Eles crescem e são capazes de se relacionar com o ambiente em que vivem, podendo se adaptar a esse

Isso é particularmente evidente para muitos animais e plantas, pois não é difícil demonstrar, por exemplo, que uma semente germina, dá origem a uma muda e se desenvolve para formar uma árvore ou arbusto. Além disso, a árvore assim formada possui mecanismos que permitem responder a mudanças de temperatura e umidade no ambiente em que vive.

Morrer

Uma condição inerente a todos os seres vivos é a eventual cessação de sua existência, porque mais cedo ou mais tarde eles morrem como resultado da interrupção das funções de suas células.

Objetos inertes não são feitos de células. Eles não se reproduzem, crescem, alimentam ou interagem com o ambiente ao seu redor.

As mudanças que podem ser observadas na estrutura ou na forma de um objeto inerte, digamos uma rocha, geralmente são o produto da ação de outro elemento sobre eles, mas não de um evento “voluntário” que envolve modelagem de acordo com as condições de mudança do objeto. meio Ambiente.

Referências

  1. Clayden, J., Greeves, N., Warren, S., & Wothers, P. (2001). Química orgânica.
  2. Garrett, RH, & Grisham, CM (2001). Princípios de bioquímica: com foco humano. Brooks / Cole Publishing Company.
  3. Gleick, PH (1994). Água e energia. Revisão Anual da Energia e do Meio Ambiente, 19 (1), 267-299.
  4. Merriam Webster. (nd). Inerte. No dicionário Merriam-Webster.com. Recuperado em 31 de março de 2020, em www.merriam-webster.com/dictionary/inert
  5. Nelson, DL, & Cox, MM (2009). Princípios de Bioquímica de Lehninger (pp. 71-85). Nova York: WH Freeman.
  6. Solomon, EP, Berg, LR e Martin, DW (2011). Biologia (9a edn). Brooks / Cole, Cengage Learning: EUA.

Deixe um comentário