Síndrome de Joubert: sintomas, causas, tratamentos

A Síndrome de Joubert é uma doença genética rara que afeta o desenvolvimento do cerebelo e do tronco cerebral, resultando em sintomas como dificuldades motoras, atraso no desenvolvimento, problemas de coordenação, movimentos oculares anormais e respiração irregular. As causas da síndrome são principalmente genéticas, sendo transmitida de forma autossômica recessiva. O diagnóstico é feito por meio de exames clínicos e de imagem, como ressonância magnética. O tratamento da Síndrome de Joubert é focado no alívio dos sintomas e no suporte ao desenvolvimento da criança, incluindo terapias ocupacionais, fisioterapia e acompanhamento médico regular.

Principais causas da síndrome de Joubert: conheça os fatores desencadeantes dessa condição rara.

A Síndrome de Joubert é uma condição rara que afeta o desenvolvimento do cerebelo e do tronco cerebral, levando a problemas de coordenação motora e equilíbrio. Os principais sinais e sintomas dessa síndrome incluem hipotonia, dificuldades respiratórias, movimentos oculares anormais e atraso no desenvolvimento motor.

As causas da Síndrome de Joubert são geralmente genéticas, sendo que a maioria dos casos é herdada de forma autossômica recessiva. Isso significa que ambos os pais precisam ser portadores do gene defeituoso para que a síndrome se manifeste no filho. Alguns genes associados à síndrome de Joubert foram identificados, como o gene ARL13B.

Além das causas genéticas, a Síndrome de Joubert também pode ser desencadeada por fatores ambientais, como infecções durante a gestação, consumo de substâncias tóxicas ou deficiências nutricionais. No entanto, esses casos são menos comuns e geralmente estão associados a formas mais leves da síndrome.

O tratamento da Síndrome de Joubert é focado no controle dos sintomas e no acompanhamento médico regular. Terapias ocupacionais, fisioterapia e acompanhamento com especialistas em genética são essenciais para melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Em alguns casos, cirurgias podem ser necessárias para corrigir malformações cerebrais associadas à síndrome.

Opções de tratamento para hipoplasia cerebral: o que considerar para um diagnóstico preciso?

A Síndrome de Joubert é uma doença genética rara que afeta o desenvolvimento do cerebelo e do tronco cerebral. Os principais sintomas incluem dificuldades motoras, atraso no desenvolvimento cognitivo e problemas respiratórios. O diagnóstico preciso é fundamental para garantir um tratamento adequado e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Para diagnosticar a Síndrome de Joubert, é necessário realizar exames de imagem, como ressonância magnética e tomografia computadorizada, para identificar a hipoplasia cerebral e outras anomalias no sistema nervoso central. Além disso, é importante avaliar os sintomas clínicos e realizar testes genéticos para confirmar a presença de mutações nos genes relacionados à doença.

Uma vez confirmado o diagnóstico, é essencial iniciar um tratamento multidisciplinar para abordar os diferentes aspectos da doença. As opções de tratamento para hipoplasia cerebral podem incluir terapia ocupacional, fisioterapia, fonoaudiologia e acompanhamento psicológico. Em casos mais graves, pode ser necessário realizar cirurgias corretivas para melhorar a função respiratória e reduzir as complicações neurológicas.

É importante ressaltar que o tratamento da Síndrome de Joubert é voltado para o controle dos sintomas e a melhoria da qualidade de vida do paciente. Não existe uma cura definitiva para a doença, mas com o acompanhamento médico adequado e o suporte de uma equipe multidisciplinar, é possível proporcionar um desenvolvimento mais saudável e minimizar as complicações associadas à hipoplasia cerebral.

Entenda o significado da hipoplasia do Vermis cerebral e seus possíveis impactos na saúde.

A Síndrome de Joubert é uma doença genética rara que afeta o desenvolvimento do cerebelo, uma parte do cérebro responsável pelo controle do equilíbrio e da coordenação motora. Uma característica comum dessa síndrome é a hipoplasia do Vermis cerebral, que consiste na redução do tamanho ou ausência dessa estrutura no cerebelo.

A hipoplasia do Vermis cerebral pode causar uma série de sintomas, como dificuldade para coordenar movimentos, problemas de equilíbrio, atraso no desenvolvimento motor e intelectual, além de alterações na respiração e nos olhos. Esses sintomas podem variar de pessoa para pessoa, dependendo do grau de comprometimento do Vermis cerebral.

As causas da Síndrome de Joubert são genéticas, sendo que a maioria dos casos é hereditária. No entanto, também podem ocorrer mutações espontâneas que levam ao desenvolvimento da doença. O diagnóstico geralmente é feito por meio de exames de imagem, como ressonância magnética, que permitem identificar a hipoplasia do Vermis cerebral.

Relacionado:  Bulbo da coluna vertebral: anatomia, partes e funções (com imagens)

O tratamento da Síndrome de Joubert é focado em controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente. Isso pode incluir terapias de reabilitação, acompanhamento médico regular, suporte psicológico e, em alguns casos, cirurgias corretivas. É importante ressaltar que o prognóstico da doença pode variar, mas com um tratamento adequado, muitos pacientes conseguem levar uma vida plena e ativa.

Síndrome de Joubert: sintomas, causas, tratamentos

A síndrome de Joubert é uma desordem genética caracterizada diminuição da tonicidade muscular, problemas de coordenação, movimentos anormais dos olhos, padrões respiratórios e retardo mental alterado (Síndrome da Fundação de Joubert, 2016).

Todas essas alterações são devidas a uma transmissão genética autossômica que causará anormalidades significativas no nível cerebral, redução do vermis cerebelar, bem como anormalidades na estrutura do tronco cerebral (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016).

Síndrome de Joubert: sintomas, causas, tratamentos 1

Além disso, a síndrome de Joubert faz parte de um grupo de distúrbios chamados ciliopatias que se apresentam com uma disfunção de uma parte das células chamada cílios. Fundação da Síndrome de Joubert, 2016).

A descrição inicial dessa patologia foi feita por Marie Joubert e colaboradores em 1968, nos quais foram descritos quatro casos. Nos pacientes, houve ausência parcial ou total de vermis cerebelar, síndrome episódica de amnéia-hipnéia, movimentos oculares anormais, ataxia e retardo mental (Angemi e Zucotti, 2012).

Além disso, essa síndrome também foi associada a diferentes distúrbios multiorgânicos, como fibrose hepática, polidactilia, nefronofitese ou distrofia retiniana (Angemi e Zucotti, 2012).

Quanto ao tratamento, atualmente não há cura para a síndrome de Joubert. As intervenções terapêuticas são direcionadas ao controle e apoio sintomáticos, estímulo físico e intelectual de crianças e terapia ocupacional (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016).

Características da síndrome de Joubert

A síndrome de Joubert (SJ) é um tipo de patologia de origem genética caracterizada por uma malformação congênita nas áreas do tronco cerebral e uma agenesia (ausência parcial ou completa) ou hipoplasia (desenvolvimento incompleto) do vermis cerebelar, que pode causar (Ophatnet, 2009).

Mais especificamente, no nível anatômico, é caracterizado pelo chamado sinal molar do mesencéfalo: agenesia ou hipoplasia do vermis cerebelar, estreitamento dos pedúnculos cerebelares superiores com espessamento, alongamento e falta de acusação e fossa interpeduncular profunda (Angemi e Zuccoti, 2012).

É um distúrbio que pode afetar muitas áreas e órgãos do corpo, de modo que os sinais e sintomas variam consideravelmente entre as pessoas afetadas (US National Library of Medicine, 2011).

A maioria das pessoas afetadas sofre de tônus ​​muscular enfraquecido (hipotonia) e dificuldades de coordenação motora (ataxia). Outras características são: episódios de respiração alterada, nistagmo (movimento involuntário e arrítmico dos olhos), atraso no desenvolvimento motor e dificuldades intelectuais variáveis ​​(US National Library of Medicine, 2011).

Estatisticas

A prevalência da síndrome de Joubert foi estimada em aproximadamente 1 / 80.000 a 1 / 100.000 casos de nascidos vivos. No mundo, mais de 200 casos clínicos foram registrados (Angemi e Zuccoti, 2012).

Muitos especialistas consideram esses números subestimados, uma vez que a síndrome de Joubert tem uma ampla gama de afetações e é amplamente subdiagnosticada (US National Library of Medicine, 2011).

Sintomas

Muitos dos sintomas clínicos da síndrome de Joubert são mais do que evidentes na infância, muitas crianças afetadas apresentam atrasos motores significativos (National Organization for Rare Disease, 2011).

As características mais comuns do curso clínico são: falta de controle muscular (ataxia), padrões respiratórios alterados (hipercapnia), apneia do sono, movimentos oculares anormais (nistagmo) e baixo tônus ​​muscular (Organização Nacional de Doenças Raras, 2011).

Por outro lado, algumas das alterações que podem estar associadas à síndrome de Joubert incluem: desenvolvimento retiniano alterado, anormalidades na íris, estrabismo, alterações renais e / ou hepáticas, protrusão das membranas que cobrem o cérebro, entre outras ( Organização Nacional de Doenças Raras, 2011).

Todas as alterações derivadas dessa síndrome se enquadram em várias áreas: alterações neurológicas, oculares, renais e musculoesqueléticas (Bracanti et al., 2010).

Distúrbios neurológicos ( Bracanti et al., 2010)

Os distúrbios neurológicos mais característicos da síndrome de Joubert são Bracanti et al., 2010): hipotonia, ataxia, atraso generalizado do desenvolvimento, alterações intelectuais, alteração dos padrões respiratórios e movimentos oculares anormais.

  • Hipotonia: A fraqueza muscular é um dos sintomas que podem ser observados mais cedo, durante o período neonatal ou durante a primeira infância. Embora a fraqueza muscular seja um achado clínico de uma grande variedade de patologias, a apresentação conjunta com outras alterações permite o diagnóstico da síndrome de Joubert.
  • Ataxia : a fraqueza muscular inicial geralmente evolui para ataxia ou coordenação motora significativa. É comum o desenvolvimento de um desequilíbrio e instabilidade significativos durante os primeiros anos de caminhada independente.
  • Distúrbios respiratórios : anormalidades respiratórias estão presentes logo após o nascimento e geralmente melhoram com o desenvolvimento, desaparecendo até aproximadamente aos seis meses de idade. A alteração mais característica é o fornecimento de breves episódios de apneia (interrupção da respiração), seguidos por episódios de hiperpnéia (aceleração da respiração).
  • Movimentos oculares anormais : a ataxia oculomotora é uma das características mais frequentes, apresenta-se como uma dificuldade em seguir objetos visualmente acompanhados de movimentos compensatórios da cabeça, diminuição do monitoramento ocular lento, entre outros. Além disso, a observação de nistagmo nesses pacientes também é frequente. Todas essas alterações são independentes das anormalidades oculares específicas que existem no nível físico.
  • Atraso no desenvolvimento: em todos os casos, existe um nível variável de atraso no desenvolvimento maturacional, em particular as habilidades motoras e de linguagem são as mais afetadas. Por outro lado, a presença de alterações intelectuais também é comum, no entanto, não é uma característica essencial, em muitos casos a inteligência normal pode aparecer e em outros limites.
  • Malformações do SNC: além das alterações clínicas descritas acima, existem várias alterações do sistema nervoso central que geralmente estão associadas à ocorrência da síndrome de Joubert: hidrocefalia, alargamento da fossa posterior, alterações do corpo caloso, cistos na substância branca, hematomas hipotalâmicos, ausência de hipófise, anormalidades na migração neuronal, alterações e defeitos na organização cortical, entre outros.

Distúrbios oculares (Bracanti et al., 2010)

No nível físico, a retina é um dos órgãos afetados pela síndrome de Joubert. As alterações neste órgão aparecem na forma de distrofia retiniana, devido a uma degeneração progressiva das células responsáveis ​​pela recepção da foto.

No nível clínico, as alterações oculares podem variar de cegueira congênita da retina a degeneração progressiva da retina.

Por outro lado, também é possível observar a presença do coloboma. Essa alteração ocular é um defeito congênito que afeta a íris ocular e é apresentada como um buraco ou fenda.

Alterações renais ( Bracanti et al., 2010)

Patologias relacionadas à função renal afetam mais de 25% das pessoas afetadas pela síndrome de Joubert.

Em muitos casos, os distúrbios renais podem permanecer assintomáticos por vários anos ou começar a se manifestar com sinais inespecíficos, até que se apresentem como insuficiência renal aguda ou crônica.

Distúrbios muco-esqueléticos (Bracanti et al., 2010)

Desde as primeiras descrições dessa patologia, um achado clínico frequente é a polidactialia (desordem genética que aumenta o número de dedos nas mãos ou nos pés).

Além disso, também é comum observar anormalidades orofaciais ou estruturais no nível da coluna vertebral.

Causas

Estudos experimentais catalogaram a síndrome de Joubert como um distúrbio autossômico recessivo (National Organization for Rare Disease, 2011).

Um distúrbio genético autossômico recessivo significa que duas cópias de um gene anormal devem estar presentes para que a característica ou doença ocorra (National Institutes of Healh, 2014).

Portanto, uma alteração genética recessiva ocorre quando uma pessoa herda o mesmo gene anormal para a mesma característica de cada pai. Se um indivíduo recebe apenas uma cópia do gene relacionado à patologia, ele será portador, mas não apresentará sintomas (National Organization for Rare Disease, 2011).

Além disso, pelo menos dez genes foram identificados como uma das possíveis causas da síndrome de Joubert (National Organization for Rare Disease, 2011).

Uma mutação no gene AHI1 é responsável por essa condição patológica em aproximadamente 11% das famílias afetadas. Em pessoas com essa alteração genética, é comum que ocorram alterações na visão devido ao desenvolvimento de uma distrofia retiniana (Organização Nacional de Doenças Raras, 2011).

Relacionado:  Abscesso cerebral: sintomas, causas e tratamento

A mutação do gene nphp1 é a causa de aproximadamente 1-2% dos casos da síndrome de Joubert. Nos indivíduos que apresentam essa alteração genética, ocorrem frequentemente alterações renais (Organização Nacional para Doenças Raras, 2011).

Por outro lado, uma mutação no gene CEP290 é a causa de 4-10% dos casos da síndrome de Joubert (Organização Nacional de Doenças Raras, 2011).

Além disso, mutações nos genes TME67, JBTS1, JBTS2, JBTS7, JBTS8 e JBTS9 também estão relacionadas ao desenvolvimento da síndrome de Joubert (Organização Nacional de Doenças Raras, 2011).

Diagnóstico

O diagnóstico da síndrome de Joubert é feito com base na sintomatologia física. É necessário realizar um exame físico detalhado, bem como o uso de diferentes testes de diagnóstico, principalmente ressonância magnética (Ophatnet, 2009).

Além disso, testes genéticos moleculares também são frequentemente usados ​​para identificar alterações genéticas que foram demonstradas em 40% dos casos de síndrome de Joubert (Organização Nacional de Doenças Raras, 2011).

Por outro lado, também é possível fazer um diagnóstico pré-natal dessa patologia por meio de ultra-som fetal e análise molecular, principalmente em famílias com histórico genético da síndrome de Joubert (Ophatnet, 2009).

Classificação diagnóstica

Quando as características mais características da síndrome de Joubert são apresentadas em combinação com uma ou mais patologias físicas adicionais, um diagnóstico da síndrome de Joubert e distúrbios relacionados (JSRD) pode ser emitido (US National Library of Medicine, 2011).

Portanto, dependendo do tipo de patologia relacionada à presença da síndrome de Joubert, podemos encontrar subtipos disso. No entanto, o sistema de classificação da síndrome de Joubert ainda está em fase evolutiva devido à descoberta de contribuições genéticas e ao maior conhecimento das correlações fenotípicas.

Portanto, podemos encontrar (Bracanti et al., 2010):

  • Síndrome de Joubert Puro (SJ): Além das anomalias relacionadas ao sinal molar, os pacientes apresentam sintomas neurológicos caracterizados por ataxia, atraso no desenvolvimento e distúrbios na respiração e coordenação ocular. Não está associado a outras alterações no nível físico.
  • Síndrome de Joubert com defeitos oculares (JS-O): Além das características neurológicas, estão presentes alterações físicas relacionadas à distrofia retiniana.
  • Síndrome de Joubert com defeitos renais (JS-R) : Além das características neurológicas, estão presentes alterações físicas relacionadas às patologias renais.
  • Síndrome de Joubert com defeitos ocular-renais ( JS-OR ): Além das características neurológicas, estão presentes alterações físicas relacionadas à distrofia retiniana e patologias renais.
  • Síndrome de Joubert com defeitos hepáticos ( JS-H ): os sintomas característicos da síndrome de Joubert estão relacionados à presença de alterações hepáticas, corioretinananas ou do clloma no nervo óptico.
  • Síndrome de Joubert com defeito digito-oro-facial (JS-OFD): os sintomas neurológicos são acompanhados de alterações físicas como língua lobada ou bífida, frênulo oral, polidactilia, entre outros.

Tratamento

O tratamento utilizado na síndrome de Joubert é sintomático e apoia as patologias subjacentes. Além das intervenções farmacológicas, é comum o uso de estímulos físicos e cognitivos precoces (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Stoke, 2016).

Quando os distúrbios respiratórios são significativos, especialmente nos estágios iniciais da vida, é necessário monitorar a função respiratória (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Stoke, 2016).

Por outro lado, a identificação e controle da degeneração ocular, complicações renais e o restante das complicações relacionadas à síndrome de Joubert devem ser realizadas o mais cedo possível para ajustar as medidas terapêuticas (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Stoke, 2016) .

Referências

  1. Angemi, J. & Zuccotti, J. (2012). Atualizações sobre a síndrome de Joubert. ALCMEON .
  2. Brancati, F., Dallapiccola, B., & Valente, E. (2010). Síndrome de Joubert e distúrbios relacionados . Obtido no Orphanet Journal of Rare Diseases: ojrd.biomedcentral.com/
  3. Medicina, ONU (2011). Síndrome de Joubert . Obtido em Genetics Home Reference: ghr.nlm.nih.gov
  4. NIH (2016). O que é a síndrome de Joubert? Obtido no Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame: ninds.nih.gov
  5. NORD (2011). Síndrome de Joubert . Obtido na Organização Nacional para Distúrbios Raros: rarediseases.org
  6. Orphanet (2009). Síndrome de Joubert . Obtido em orpha.net.

Deixe um comentário