Feromônios humanos: tipos e efeitos

Os feromônios humanos são substâncias químicas produzidas pelo organismo como meio de comunicação com organismos da mesma espécie, cuja existência foi demonstrada em animais, mas não inteiramente na espécie humana.

A palavra “feromônio” vem da palavra grega “pherein”, que significa carregar ou suportar. Isso faz sentido, pois os feromônios carregam informações com eles. Essas substâncias às vezes foram descritas como agentes que alteram o comportamento.

Feromônios humanos: tipos e efeitos 1

Órgão Vomeronasal

Muitas pessoas não sabem que os feromônios desencadeiam certos comportamentos em outros membros da mesma espécie, não apenas na pessoa que os produz, ao contrário dos hormônios, que normalmente afetam apenas o indivíduo que os secreta.

Essas substâncias podem ser secretadas para causar muitos tipos de comportamento, como a criação de laços emocionais entre a mãe e o bebê e a excitação sexual.

Acredita-se que o primeiro feromônio animal tenha sido identificado em 1953 e chamado Bombykol. Este feromônio é secretado pelas mariposas para atrair machos. O sinal desse feromônio pode atravessar longas distâncias, mesmo em concentrações muito baixas.

Os seres humanos e outros animais têm um sistema olfativo projetado para detectar e discriminar entre milhares de compostos químicos. Há uma crença de que os feromônios são secretados pelas glândulas axilares chamadas “glândulas apócrinas”, que criam um meio nutricional para as bactérias.

Existem diferenças entre homens e mulheres no tipo de glândulas, secreções e até flora microbiana, o que sugere que os feromônios têm um papel sexual específico. Esses compostos também podem ser encontrados nas secreções salivar, seminal e urinol, mas os estudos tendem a se concentrar nos mais acessíveis: suor axilar.

Tipos de feromônios

Existem dois tipos principais de feromônios: libertadores e primers. Alguns cientistas propuseram um terceiro e quarto grupo de feromônios: sinalizando e modulando.

Liberando feromônios

Eles provocam uma resposta imediata e normalmente estão ligados à atração sexual. As formigas produzem esses tipos de hormônios para notificar outras formigas e dizer que encontraram comida.

Dessa forma, as formigas do grupo sabem quando voltar ao ninho para comer. Quando a refeição termina, as formigas produzem um feromônio diferente que permite que outras pessoas do grupo saibam que precisam procurar mais.

Feromônios primários

Esses tipos de feromônios levam mais tempo para obter uma resposta. Eles podem, por exemplo, influenciar o desenvolvimento da fisiologia reprodutiva, incluindo ciclos menstruais em mulheres, puberdade e ter sucesso ou não em engravidar.

Eles também podem alterar os níveis hormonais; Em alguns mamíferos, foi observado que fêmeas que engravidaram e foram expostas a esse tipo de feromônio de outro macho podem abortar espontaneamente o feto.

Hormônios sinalizadores

Eles fornecem informações. Eles podem ajudar a mãe a reconhecer o recém-nascido pelo cheiro (os pais não podem fazer isso).

Moduladores

Eles podem alterar ou sincronizar as funções corporais e geralmente são encontrados no suor. Este é o tipo de feromônio que altera os ciclos menstruais femininos.

Os seres humanos têm feromônios?

De acordo com muitos sites que prometem obter todas as conquistas de amor que você propõe se comprar seus comprimidos, existem feromônios humanos.

No entanto, existem muitos estudos científicos controlados que não conseguiram reunir evidências convincentes sobre a existência dessas substâncias nos seres humanos ou chegaram a conclusões diferentes a esse respeito.

Gustav Jäger (1832-1917), um médico alemão, foi o primeiro cientista a apresentar a idéia dos feromônios humanos e os chamou de antropinos. Ele alegou que eram compostos associados à pele e folículos que marcaram a assinatura individual dos odores de cada indivíduo humano.

Efeitos em animais

Alguns dos efeitos dos feromônios comprovados em animais também foram vistos muito claramente em humanos. Embora as conclusões exatas de muitas das investigações sejam diferentes, a maioria descobriu que o suor humano aumenta a ativação fisiológica, de uma maneira ou de outra.

Os animais têm um órgão especial para identificar odores muito sutis de outros animais: o órgão vomeronasal, localizado na área nasal. No entanto, esse órgão, presente nos primeiros primatas, estava desaparecendo nos seres humanos à medida que desenvolviam outros métodos mais avançados para escolher parceiros sexuais e continuava sendo um vestígio. Esta é uma das razões da controvérsia que trata se os seres humanos têm feromônios ou não.

Para administrar feromônios e estudar os efeitos, a maioria dos estudos escolhe sua inalação passiva em vez de aplicação tópica. Eles geralmente pedem aos indivíduos que cheiram ou colocam a amostra em cima do lábio superior.

Efeitos dos feromônios em humanos

A seguir, falaremos sobre os resultados de algumas pesquisas que estudam os efeitos dos feromônios nos seres humanos.

A sincronização do ciclo menstrual feminino

Este é um dos resultados mais conhecidos da ação dos feromônios, embora a maioria das pessoas não saiba o que é devido a eles. Alguns pesquisadores da Universidade de Chicago alegaram que haviam conseguido sincronizar os ciclos menstruais de um grupo de mulheres após sinais de cheiro inconsciente.

Quando o grupo de mulheres foi exposto ao cheiro do suor de outras mulheres, seus ciclos menstruais aceleraram ou desaceleraram, dependendo de onde o ciclo menstrual das mulheres de quem o suor havia sido removido – antes ou após a ovulação. No entanto, análises mais recentes deste estudo e a metodologia com a qual foi realizado questionam sua validade.

Os feromônios masculinos também afetam o ciclo menstrual feminino, acelerando-o e aumentando a fertilidade. Cutler e Preti (1986), do Monell Chemical Sensation Center, na Filadélfia, dizem que suas pesquisas são sobre a importância da presença da “essência” dos homens (agora denominada “feromônios”) para a biologia da mulher

Eles descobriram que fazer sexo regularmente diminui os problemas de fertilidade nas mulheres, regula os ciclos menstruais e se correlaciona com uma menopausa mais branda.

Efeitos de humor

Os efeitos dos feromônios no humor também não são muito conclusivos. Isso ocorre pelo menos parcialmente porque o humor tem um componente subjetivo maior do que, por exemplo, a ativação fisiológica ou os níveis de certos hormônios no sangue, o que torna mais difícil medir e identificar.

Chen (2000), por exemplo, descobriu que os humores podiam ser comunicados por compostos químicos encontrados no suor axilar. O suor de homens e mulheres foi coletado enquanto assistia a um vídeo engraçado ou assustador, para ser reconhecido posteriormente.

As mulheres diferenciaram com sucesso as garrafas que suavam das pessoas que viram o vídeo engraçado daquelas que viram o vídeo de terror. Os homens conseguiram fazer a distinção significativamente corretamente (mas apenas dos feromônios “felizes”) somente quando o suor vinha das mulheres. Feromônios assustados foram bem identificados por homens e mulheres somente quando vieram do suor dos homens.

Jacob (2000, 2001) descobriu que a ativação fisiológica estava aumentada, mas ele só viu um aumento positivo no humor e maior excitação nas mulheres quando o homem que administrava o teste era homem.

Os homens não foram afetados pelo sexo do examinador, mas em geral foi menos afetado neles do que nas mulheres. Neste estudo, concluiu-se que os feromônios são incrivelmente dependentes do contexto. Os seres humanos devem integrar muitas funções cerebrais diferentes para influenciar o humor.

Também foi encontrada uma correlação direta entre compostos axilares e serotonina (Marazziti et al, 2010). A serotonina é um neurotransmissor relacionado ao bem-estar, sentimentos positivos e felicidade. Ele também mantém o equilíbrio no humor e sabe-se que um déficit desse neurotransmissor pode causar depressão.

Compatibilidade sexual

Cutler (1998, 2002) descobriu que alguns feromônios sintetizados, aplicados topicamente (na pele), aumentam a atração sexual de uma pessoa. Em outro estudo, homens que carregavam feromônios sintetizados relataram ter tido mais atividade sexual com seus parceiros, mas não haviam notado um aumento nos comportamentos autoeróticos.

A existência de substâncias químicas que comunicam informações sobre o sistema imunológico de cada indivíduo tem sido demonstrada, mas nem sempre são consideradas feromônios, porque não causam uma reação específica em membros da mesma espécie.

Orientação sexual

Os feromônios humanos são específicos para cada sexo e orientação sexual. Em todos os estudos descritos anteriormente, os sujeitos foram identificados como heterossexuais. Homens homossexuais respondem a alguns feromônios da mesma maneira que mulheres heterossexuais.

Martins et al (2005) verificaram as preferências entre diferentes tipos de suor de homens heterossexuais e homossexuais e mulheres heterossexuais e homossexuais.

Os resultados foram bastante significativos: homens heterossexuais não preferiram significativamente mulheres heterossexuais ou homossexuais, ao contrário das mulheres, que preferiram homens homossexuais.

O resto dos grupos preferia mulheres heterossexuais a homossexuais. Os homens gays escolheram o suor das mulheres heterossexuais com mais frequência do que os homens heterossexuais.

É difícil tirar conclusões específicas desses tipos de estudos tão cedo, mas parece claro que existem diferenças significativas na maneira como os humanos reagem aos feromônios de acordo com sua orientação sexual.

Outras descobertas

Outro estudo mais recente realizado no Instituto de Ciência Weizzmann em Israel oferece fatos interessantes sobre os efeitos dos feromônios humanos em outros indivíduos, especificamente os do sexo oposto.

Os pesquisadores coletaram amostras de lágrimas de mulheres que viram uma cena triste de um filme e as colocaram sob o nariz de um grupo de homens.

Você pode pensar que a reação mais lógica por parte dos homens teria sido gerar um estado de empatia , mas o que aconteceu foi que os níveis de excitação sexual e testosterona diminuíram. Parece que as lágrimas os fizeram entender que não havia lugar para romance nessa situação.

Feromônios humanos à venda

Feromônios de insetos e alguns mamíferos estão no mercado há muitos anos para serem usados ​​como inseticidas ou iscas, mas, normalmente, as pessoas interessadas em comprar feromônios humanos procuram algo completamente diferente: para o sexo oposto.

Esses feromônios, ou pelo menos seus equivalentes sintéticos, têm sido utilizados como ingredientes em colônias, desodorizantes e perfumes desde antes dos anos 80. A má notícia é que, embora sejam facilmente acessíveis, é provável que essas substâncias não obtenham os resultados desejados.

No momento, não há evidências suficientes de que os perfumes que contêm esses ingredientes criem mais interesse no sexo oposto do que os que não os contêm. A reação no sexo oposto, se existir, é muito sutil.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies