Teoria Clássica da Administração: Características e Autores

A teoria clássica da administração ou abordagem clássica é um modelo que se concentra na estrutura das organizações e em suas funções, a fim de alcançar maior produtividade. Ao contrário das escolas de relações humanas e do relacionamento neo-humano, ele não se concentra nas pessoas, mas no funcionamento estrutural da própria organização.

Seu expoente máximo foi Henri Fayol (1841-1925), engenheiro de minas e economista francês nascido em Constantinopla (atual Istambul). Depois de viver a Revolução Industrial , Fayol viu que o rápido crescimento da indústria trouxe grandes problemas de eficiência e produtividade, razão pela qual postulou a teoria clássica da administração.

Teoria Clássica da Administração: Características e Autores 1

Origem

Com a Revolução Industrial , dois fenômenos ocorreram no setor:

– As empresas atingiram níveis muito altos de crescimento, o que dificultou muito sua administração. Dessa maneira, surgiu o planejamento da produção a longo prazo.

– A necessidade de aumentar a produtividade e a eficiência das empresas, cada vez maior, tornou-se cada vez maior. Foi quando a divisão do trabalho surgiu.

Esse panorama foi a centelha que acendeu a necessidade de uma verdadeira ciência da administração: um grande número de organizações de diferentes portes, ineficientes, improdutivas, com funcionários insatisfeitos, em um mercado muito competitivo e com grandes perdas.

É por isso que, no início, Fayol e outros autores clássicos queriam criar uma ciência administrativa com leis ou princípios que pudessem resolver esses problemas da mesma maneira que as leis científicas.

Características e princípios da teoria clássica

Como qualquer outro tipo de ciência, a administração deve confiar em uma série de princípios. Fayol preferiu chamá-los de princípios em vez de leis, pois, segundo ele, eles deveriam ser flexíveis, como qualquer administração. Estes são seus 14 princípios:

Divisão de trabalho

A especialização é essencial como método para aumentar a produtividade nas empresas. Será melhor se os trabalhadores se dedicarem a uma única tarefa, pois isso os tornará mais produtivos.

Autoridade

Os gerentes devem enviar e ordenar aos funcionários o trabalho que eles alcançarão em maior ou menor grau, de acordo com seu nível de liderança.

Disciplina

Todos os funcionários da empresa precisam cumprir as leis e acordos implementados na organização.

Unidade de direção

A coordenação e o planejamento são muito importantes para alcançar o mesmo objetivo comum. Os diferentes departamentos devem servir de apoio a quem precisa, para atingir esse objetivo.

Unidade de controle

Cada funcionário deve ter apenas um chefe para ordenar seus objetivos específicos.

Subordinação do interesse individual ao bem comum

Os interesses gerais devem prevalecer sobre os interesses individuais de cada indivíduo.

Compensação

O salário deve ser justo e equitativo para todos os membros da organização.

Centralização

A autoridade deve estar concentrada no mais alto gerenciamento da organização.

Aninhamento

Deve haver uma hierarquia que divida os diferentes níveis de autoridade, da mais alta gerência ao mais baixo nível da empresa.

Encomendar

Cada trabalhador deve ocupar a posição que melhor lhe convém, de acordo com suas habilidades (ordem humana), e tudo deve estar no lugar (ordem material).

Equidade

Os gerentes devem agir de maneira justa, mas firme, e tratar todos os funcionários igualmente.

Estabilidade do pessoal

Para melhorar a eficiência, é preferível uma equipe estável. A rotação desperdiça tempo e, portanto, produtividade.

Iniciativa

Os funcionários devem ser incentivados a desenvolver suas próprias idéias sem precisar pedir permissão e com a possibilidade de cometer erros.

Espírito de equipe

A organização precisa incentivar o trabalho em equipe. Todos os setores da empresa devem trabalhar juntos e apoiar-se mutuamente para alcançar os objetivos comuns mencionados acima.

Autores

Além de Henri Fayol, havia outros expoentes importantes que apoiaram e contribuíram com suas idéias para a teoria clássica, entre os quais Lyndall Urwick e Luther Gulick.

Lyndall Urwick (1891-1983)

Urwick era consultor e pensador de negócios britânico, seguidor fervoroso de Fayol e de sua teoria clássica da administração.

Sua maior contribuição foi integrar as idéias iniciais de Fayol e outros teóricos em uma teoria profunda e compreensível da administração administrativa. Os princípios básicos de Urwick estão resumidos em quatro:

Especialização

Com base na divisão do trabalho, cada trabalhador deve ter apenas uma função.

Autoridade

A organização e seus membros devem reconhecer apenas uma autoridade.

Âmbito administrativo

Cada chefe deve supervisionar e enviar um número de subordinados, dependendo de sua posição e responsabilidade.

Diferenciação

Todas as responsabilidades, serviço e ordens devem ser comunicadas não apenas oralmente, mas também por escrito.

Luther Gulick (1892-1983)

Luther Gulick Halsey era um cientista político americano nascido em Osaka (Japão), especialista no campo da administração pública. Ele se tornou parte da equipe consultiva do ex-presidente dos EUA Franklin D. Roosevelt.

Segundo Gulick, as funções da administração em uma organização são oito, representadas nas iniciais POSDCORB:

Plano (P)

Todas as ações dentro da empresa devem ser pensadas e planejadas com antecedência, a fim de alcançar os objetivos da empresa.

Organizar (O)

A empresa deve ter uma estrutura organizacional que permita uma hierarquia de tarefas e funções, a fim de facilitar a coordenação.

Aconselhar (S)

A equipe de funcionários em inglês refere-se à possibilidade de treinamento como um recurso para melhorar a situação do emprego. Dessa forma, os trabalhadores serão mais bem treinados e mais produtivos.

Chumbo (D)

É essencial tomar decisões e executá-las, tudo através de uma liderança eficaz que faça tudo funcionar corretamente.

Coordenada (CO)

Unir todas as áreas da organização para atingir o objetivo comum da organização.

Relatório (R)

Os relatórios em inglês se referem à existência de uma boa comunicação de todas as informações existentes por meio de documentos e registros escritos.

Orçamento (B)

Finalmente, o B da palavra em inglês budgeting refere-se a um elaborado controle contábil e tributário.

Referências

  1. Chiavenato, Idalberto.Introdução à Teoria Geral da Administração . Mc Graw Hill
  2. John Sheldrake (2003) Teoria da Administração .
  3. Luther H. Gulick (1937). Notas sobre a teoria da organização em artigos sobre a ciência da administração. Eds. Luther H. Gulick e Lyndall F. Urwick . Nova York: Harcourt.7
  4. Lyle C. Fitch (1996).Fazendo a democracia funcionar: a vida e as cartas de Luther Halsey Gulick, 1892-1993 . Berkeley: Imprensa do Instituto de Estudos Governamentais
  5. Charnov (2002).Administration . México: Continental Publishing Company.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies