Políticas de inventário: tipos, como são estabelecidas e exemplo

As políticas de inventário são estratégias utilizadas pelas empresas para gerenciar seus estoques de forma eficiente, garantindo o equilíbrio entre a oferta e a demanda de produtos. Existem diferentes tipos de políticas de inventário, como o método FIFO (primeiro a entrar, primeiro a sair), LIFO (último a entrar, primeiro a sair), ponto de pedido, entre outros.

Essas políticas são estabelecidas com base nas necessidades específicas de cada empresa, levando em consideração fatores como o volume de vendas, sazonalidade, prazos de entrega dos fornecedores, entre outros. Um exemplo de política de inventário é o método JIT (Just in Time), que visa reduzir os custos de armazenagem e minimizar o desperdício, mantendo apenas o estoque necessário para atender a demanda imediata dos clientes.

Principais categorias de inventário: conheça os diferentes tipos de controle de estoque.

Existem várias categorias de inventário que podem ser utilizadas para controlar o estoque de uma empresa. Entre os principais tipos de controle de estoque estão:

1. Inventário Periódico: Neste método, o estoque é contado em intervalos regulares, geralmente no final de cada período contábil. É uma forma mais simples de controle, porém pode gerar inconsistências caso haja perdas ou furtos durante o período.

2. Inventário Permanente: Neste método, o estoque é atualizado em tempo real, registrando todas as entradas e saídas de mercadorias. É mais preciso que o inventário periódico, pois permite um controle mais detalhado do estoque.

3. Just in Time: Neste método, o estoque é mantido no mínimo necessário para atender à demanda dos clientes, reduzindo os custos de armazenagem e evitando a obsolescência de produtos.

Políticas de inventário: tipos, como são estabelecidas e exemplo.

As políticas de inventário são diretrizes estabelecidas pela empresa para controlar o estoque de forma eficiente. Elas podem ser classificadas em três tipos principais: política de estoque mínimo, política de estoque máximo e política de ponto de pedido.

A política de estoque mínimo determina a quantidade mínima de produtos que a empresa deve manter em estoque para evitar a falta de mercadorias. Já a política de estoque máximo estabelece a quantidade máxima de produtos que a empresa pode armazenar, evitando assim o excesso de estoque. Por fim, a política de ponto de pedido define o momento em que a empresa deve realizar um novo pedido de mercadorias, com base na demanda e no lead time dos fornecedores.

Um exemplo prático de aplicação das políticas de inventário é uma empresa de varejo que estabelece um estoque mínimo de 100 unidades de um determinado produto, um estoque máximo de 300 unidades e um ponto de pedido de 150 unidades. Dessa forma, a empresa consegue manter um nível adequado de estoque, evitando tanto a falta quanto o excesso de produtos.

Compreenda a essência da política de inventário e sua importância para a gestão empresarial.

A política de inventário é uma diretriz estabelecida pela empresa para controlar e gerenciar o estoque de produtos de forma eficiente. Ela define como os itens serão contados, armazenados, movimentados e registrados, garantindo que a empresa tenha sempre os produtos necessários para atender a demanda dos clientes, sem excessos ou faltas.

Existem diversos tipos de políticas de inventário, como o PEPS (Primeiro que Entra, Primeiro que Sai), UEPS (Último que Entra, Primeiro que Sai) e o método de média ponderada. Cada um deles tem suas próprias vantagens e desvantagens, e a escolha do método mais adequado depende do tipo de negócio e das características do estoque.

As políticas de inventário são estabelecidas levando em consideração diversos fatores, como a sazonalidade dos produtos, a previsão de vendas, o lead time dos fornecedores e os custos de armazenagem. Elas devem ser revisadas periodicamente para garantir que estejam alinhadas com os objetivos estratégicos da empresa.

Uma política de inventário bem elaborada é fundamental para a gestão empresarial, pois permite que a empresa evite desperdícios, reduza os custos de armazenagem, melhore o fluxo de caixa e aumente a eficiência operacional. Além disso, um controle rigoroso do estoque ajuda a evitar rupturas de estoque e a melhorar o atendimento ao cliente.

Relacionado:  Análise do trabalho: etapas, métodos, importância e exemplo

Em resumo, a política de inventário é essencial para o sucesso de qualquer empresa, pois permite manter o equilíbrio entre oferta e demanda, garantindo a satisfação dos clientes e a saúde financeira do negócio.

Exemplo de inventário: saiba como funciona e veja modelos prontos.

As políticas de inventário são essenciais para o controle e gestão de estoques de uma empresa. Elas definem a forma como os produtos serão contabilizados, registrados e controlados, garantindo que a empresa tenha sempre os produtos necessários para atender à demanda dos clientes.

Um exemplo de inventário é a contagem física dos produtos em estoque, que é realizada periodicamente para verificar se a quantidade registrada no sistema corresponde à quantidade real. Esse processo ajuda a identificar possíveis erros de contagem, extravios ou furtos.

Existem diferentes tipos de políticas de inventário, como o método PEPS (primeiro a entrar, primeiro a sair) e o método UEPS (último a entrar, primeiro a sair). Cada empresa pode escolher o método que melhor se adapta à sua realidade e necessidades.

As políticas de inventário são estabelecidas com base nas características da empresa, como o volume de vendas, a sazonalidade dos produtos, a cadeia de suprimentos, entre outros fatores. Elas devem ser revisadas periodicamente e ajustadas conforme necessário.

Para ajudar na implementação das políticas de inventário, é possível encontrar modelos prontos disponíveis na internet. Esses modelos podem servir como base para a criação de políticas personalizadas para cada empresa, facilitando o controle e gestão do estoque.

Em resumo, as políticas de inventário são fundamentais para o bom funcionamento de uma empresa, garantindo que os produtos estejam sempre disponíveis para atender à demanda dos clientes de forma eficiente.

Tipos de inventário e sua aplicação em empresas: conceitos e exemplos práticos.

Os tipos de inventário são essenciais para o controle e gestão de estoques em empresas. Existem diferentes formas de classificar o inventário, de acordo com a sua finalidade e método de contagem. Os principais tipos de inventário são: inventário periódico, inventário permanente e inventário cíclico.

O inventário periódico é o método mais simples e tradicional. Nele, os estoques são contados em períodos determinados, como mensalmente ou anualmente. Esse tipo de inventário é mais adequado para empresas com baixo volume de vendas e produtos de alto valor ou perecíveis. Um exemplo prático é uma loja de joias que realiza o inventário no final de cada mês.

O inventário permanente, por sua vez, mantém um controle contínuo das quantidades de produtos em estoque. Cada movimentação de entrada ou saída é registrada imediatamente, o que proporciona um maior controle sobre o fluxo de mercadorias. Esse tipo de inventário é mais comum em empresas de grande porte e com alto volume de vendas. Por exemplo, um supermercado que utiliza um sistema de leitura de códigos de barras para atualizar automaticamente o estoque.

O inventário cíclico é realizado de forma regular e aleatória, sem a necessidade de interromper as operações da empresa. É uma forma de verificar a acuracidade dos registros de estoque e identificar possíveis erros ou desvios. Esse tipo de inventário é ideal para empresas que desejam manter um controle mais preciso e eficiente. Um exemplo prático é uma fábrica que realiza contagens rotativas em diferentes setores a cada semana.

Políticas de inventário: tipos, como são estabelecidas e exemplo.

As políticas de inventário são diretrizes estabelecidas pelas empresas para definir como os estoques serão gerenciados. Elas determinam questões como a frequência dos inventários, os métodos de contagem e as medidas de controle de estoque. As políticas de inventário são fundamentais para garantir a eficiência operacional e a precisão das informações.

As políticas de inventário podem ser estabelecidas com base em diferentes critérios, como a sazonalidade dos produtos, a demanda dos clientes e a capacidade de armazenamento. É importante considerar as características específicas de cada empresa e setor para definir as melhores práticas de gestão de estoque. Um exemplo de política de inventário é a adoção de um sistema de reabastecimento automático para produtos de alta rotatividade.

Políticas de inventário: tipos, como são estabelecidas e exemplo

As políticas de estoque são escritas instruções da gerência sênior sobre o nível ea localização do inventário deve ter um negócio.Inventário é o termo usado na fabricação e logística para descrever materiais que são insumos para produção, produtos acabados ou produtos que estão sendo fabricados.

O principal objetivo das políticas de estoque é aumentar os lucros da empresa, buscando garantir níveis adequados de estoque em todos os momentos. Os procedimentos utilizados para isso variam de acordo com o tipo de empresa.

Políticas de inventário: tipos, como são estabelecidas e exemplo 1

Fonte: pixabay.com

O ativo mais valioso de uma empresa geralmente é o valor do estoque que possui. Políticas e procedimentos são usados ​​para proteger esses ativos contra vencimento, roubo ou outros tipos de perdas.

Além de proteger o estoque, as empresas querem garantir que tenham estoques suficientes para atender à demanda, caso contrário, as vendas poderão ser perdidas.Por outro lado, manter muito estoque é caro, não apenas pelo risco de danos ou perdas, mas também pelo espaço necessário para armazená-lo.

Tipos

Fluxo de custo

O fluxo de custo FIFO (primeiro a entrar primeiro a sair) assume que o estoque mais antigo é o primeiro vendido.

Como os custos tendem a aumentar com o tempo, o FIFO usa os custos mais baixos para calcular o custo das mercadorias vendidas. Isso maximiza os lucros e, portanto, cria uma obrigação tributária mais alta.

O fluxo de custos LIFO (última entrada e saída) tem o efeito oposto: minimiza os lucros tributáveis ​​quando os preços sobem.

Avaliação de estoque

Essa política visa garantir que o estoque seja controlado e calculado adequadamente, evitando perdas ou perdas, tanto do trabalho em andamento quanto dos produtos acabados.

Da mesma forma, para que os suprimentos comprados sejam convertidos como parte da mercadoria a ser vendida.

Essa política analisa o método de avaliação de menor custo ou mercado, estabelecendo que ele deve ser aplicado às quantidades reais do estoque, a fim de determinar o valor de cada item.

Reserva de inventário

Os princípios contábeis exigem que as despesas correspondam à receita gerada e ao período contábil.

Isso pode ser feito com a despesa de perda de estoque, estabelecendo uma conta de contra-estoque.

A quantia de perdas e danos que serão sofridos durante o período é calculada, sendo amortizada no início do período. Isso é feito debitando os custos das mercadorias vendidas e creditando a reserva de estoque.

Ao realizar as perdas, a conta de reserva é debitada e o estoque é creditado.

Perpétuo vs jornal

Se um sistema de inventário permanente for usado, os registros serão atualizados continuamente para alterações no inventário, usando um sistema de computador. O custo das mercadorias vendidas é sempre atualizado.

Um sistema periódico é baseado em contagens físicas. É mais fácil e barato, mas não fornece informações em tempo real. Atualize os custos de mercadorias vendidas como um montante fixo no final do período.

Como são estabelecidas as políticas de inventário?

Os requisitos de cada área da empresa devem ser avaliados, buscando um equilíbrio entre eles. As variáveis ​​a serem consideradas são:

Custos

O primeiro aspecto refere-se ao custo de manter os produtos armazenados. O valor a ser pago pelo armazém deve ser examinado e o pessoal que gerencia e monitora o estoque.

Relacionado:  Investimento inicial em uma empresa: estrutura e exemplo

O segundo ponto são os custos de obsolescência, que correspondem ao caso de produtos alimentares ou medicamentos perecíveis. Eles têm uma curta margem de vida, pois expiram após um certo tempo e não podem ser negociados.

Terceiro, existem os custos do pedido, referentes à organização administrativa responsável pela compra.

Nível de serviço

Essa variável leva em consideração quais expectativas os clientes têm em relação ao serviço, qual porcentagem de pedidos completos são entregues ao cliente e qual é o tempo de entrega prometido que a empresa atendeu.

Restrições ao Fornecedor

Leve em consideração as condições a serem cumpridas para obter o produto. Por exemplo, se o fornecedor exigir uma quantidade mínima para comprar, se for uma empresa flexível e confiável, se oferecer descontos de acordo com o volume do pedido.

Da mesma forma, se o fornecedor tiver a quantidade necessária disponível e se os produtos forem despachados de seu estoque ou iniciarem o processo de produção após o pedido.

Tempo de reabastecimento

Corresponde ao período desde que é revelado que um produto deve ser solicitado e a hora em que esse produto está disponível para uso da empresa.

Esse processo envolve cinco falhas: verificação de estoque, gerenciamento de compras, gerenciamento de pedidos pelo fornecedor, transporte e entrada no sistema da empresa.

Padrões de demanda

Está relacionado ao número de clientes que compram regularmente os produtos, a fim de avaliar sua frequência de vendas e fazer pedidos de acordo com a média de vendas.

Esses esquemas são inconclusivos e podem mudar a qualquer momento. Portanto, um inventário de segurança deve ser mantido.

Exemplo

A seguir, é apresentado um exemplo do modelo de política de inventário para uma universidade.

Declaração de política

Os estoques são definidos como artigos de papelaria, peças de reposição, materiais de laboratório, produtos químicos, estoque em consignação e equipamentos menores, vendidos a estudantes ou ao público em geral.

Gerenciamento de inventário

Cada área que possui inventário é obrigada a ter um sistema de manutenção de registros para registrar:

– adições.

– Vendas ou transferências.

– Retorna.

Os registros de inventário devem ser mantidos por pessoas que não são responsáveis ​​pelo gerenciamento físico do estoque no armazém.

Uma inspeção física e uma contagem de estoque devem ser realizadas anualmente para verificar e confirmar os registros de estoque. Devem ser identificados estoques ausentes, excedentes, obsoletos e danificados.

Itens obsoletos devem ser removidos, obtendo a aprovação do funcionário oficialmente autorizado pelo procedimento das delegações financeiras.

Quando uma contagem de inventário revela uma discrepância entre os níveis de estoque físico e teórico, os registros de inventário devem ser modificados assim que a contagem física é verificada.

Todas as entradas de ajuste devem ser aprovadas pelo representante oficialmente autorizado, de acordo com o procedimento das delegações financeiras.

As unidades organizacionais devem garantir o armazenamento seguro de estoques, incluindo segurança contra roubo, incêndio e outros danos. O acesso às áreas de armazenamento é restrito.

Classificação

Todos os estoques avaliados para incluí-los nas demonstrações financeiras devem ser avaliados pelo menor custo e valor líquido de realização. Quando praticável, o custo dos estoques para itens específicos será alocado em base FIFO.

Referências

  1. Eric Bank (2019). Políticas de contabilidade de estoque. Empresa de pequeno porte – Chron. Retirado de: smallbusiness.chron.com.
  2. Universidade de Queensland (2019). Biblioteca de procedimentos e políticas da UQ. Retirado de: ppl.app.uq.edu.au.
  3. Estudo (2019). Controle de Inventário: Políticas e Procedimentos. Retirado de: study.com.
  4. Adriana Carolina Leal (2018). Políticas de inventário em uma empresa. Eu sigo. Retirado de: siigo.com.
  5. Formação Jsw (2019). Políticas e Procedimentos de Controle de Estoque. Retirado de: jsw.org.au.

Deixe um comentário