Sònia Cervantes: entrevista com o psicólogo do Big Brother

Sònia Cervantes: entrevista com o psicólogo do Big Brother 1

Sònia Cervantes é conhecida principalmente por seu papel no programa de televisão Big Brother , no qual orientava os jovens com problemas no que diz respeito ao relacionamento com outras pessoas e suas famílias.

Mas além de sua faceta da mídia (que não se limita às aparições nesse programa), Sònia é, fundamentalmente, um psicólogo e terapeuta .

Encontro com Sònia Cervantes, psicóloga e escritora

A partir dessa faceta, que tem a ver com curiosidade para entender o funcionamento da mente humana, nasceu não apenas sua carreira profissional como psicólogo, mas também hoje dois livros: Vivendo com um adolescente e você vive ou sobrevive ? Este último foi publicado recentemente e, através desta entrevista com Sònia, pretendemos explorar algumas das idéias que moldaram o conteúdo de suas páginas .

Adrián Triglia : Se você tivesse que dar um único exemplo que moldasse a diferença entre “você vive” e “você sobrevive”, qual seria?

Sònia Cervantes : Sobreviver significa ir ao mesmo restaurante todos os dias, com o mesmo cardápio e até com a probabilidade de você se sentir mal novamente, porque às vezes os pratos não são completamente saudáveis; mas você tem perto de casa e é a única coisa que você sabe. Sobreviver envolve experimentar diferentes restaurantes, mudar o menu, ousar experimentar novos sabores, correndo o risco de que alguns deles não gostem de você e decidir diariamente qual deles você deseja mais.Deixe a zona de conforto . Que não é ruim, ou mesmo é, mas é o que existe e o que é conhecido não significa que esteja bem.

AT: Que tipo de experiência que você viveu em sua consulta você acha que o influenciou mais ao escrever o livro?

SC: Todos aqueles em que as pessoas à sua frente fizeram um grande esforço para tentar não sofrer e paradoxalmente acabaram sofrendo. A tríade perigosa: pensar demais, perfil dependente, com baixa auto-estima e padrão de personalidade esquiva. O coquetel molotov acaba sofrendo inutilmente porque não é um sofrimento produtivo, mas pelo contrário, bloqueando e paralisando.

AT: Em seu livro, você também aponta que a atenção pode nos fazer “paralisar” constantemente pensando nas possíveis consequências negativas de nossas ações. O que você acha que são as chaves para resolver isso?

SC: Viver aqui e agora sem se tornar vidente persistente de infortúnios futuros. Parando de viver em Ysilandia . E se eu estiver errado?, E se eu der errado?, E se eu falhar? … Eu diria: E se tudo correr bem? Ou melhor ainda, e se acontecer, o que você fará? É a eterna luta entre lidar e evitar. A ansiedade antecipatória , longe de preparado para o pior (que sempre nos disse) coloca-nos na pior das situações: no modo de sobrevivência.

AT: Existem vários elementos que geralmente estão ligados à conformidade e permanência perpétua no que é conhecido como zona de conforto. Por exemplo, procrastinação ou a tendência de pensar que tudo de ruim que acontece não pode ser controlado ou evitado. O que você diria que é mais prejudicial?

SC: Tanto quanto eles o ancoram na inatividade e no sofrimento. Se você fizesse uma lista dos seus 10 principais medos, 9 deles nunca aconteceriam. A não-realidade que você monta na sua cabeça é muito pior do que a realidade existente, se houver aquele filme que você formou. Se depende de você mudar, comece a trabalhar; caso contrário, aceite a situação ou mude a atitude com a qual você a enfrenta. Não espere que as coisas aconteçam, faça-as acontecer, mas não construa realidades que ainda não aconteceram. Quando eles vierem, você se cuidará.

AT: No livro, você também fala sobre relacionamentos tóxicos. Você acha que isso é um problema basicamente de como você está educando dentro e fora das escolas?

SC: Quase tudo tem sua origem na não educação ou na má educação e, ao mesmo tempo, quase tudo tem sua solução na educação ou reeducação. Acho que educamos a todos: escola, família e sociedade. Nem toda responsabilidade pode recair no contexto da escola. A presença crescente de relacionamentos tóxicos em crianças menores de 18 anos tem crescido de forma alarmante e exponencial nos últimos anos. Algo deve estar mal, para que a geração com mais acesso à informação na história da humanidade e com educação mais igualitária esteja retrocedendo aos comportamentos machistas típicos de 60 ou 70 anos atrás. Superproteção, uso indevido de redes sociais e certas referências sociais do que deveria ser um relacionamento estão afetando esta geração. Estamos promovendo perfis inseguros,

AT: A atitude passiva que você aponta como um elemento que nos estagna em nosso modo de viver a vida pode ser reforçada por distrações. Você acha que o uso da Internet, com todas as informações que podem ser encontradas através da rede, facilita as pessoas a encontrar novas metas e hobbies que produzem bem-estar? Ou ela costuma ser usada como uma distração para matar o tempo?

SC: Muita informação pode se tornar uma infoxação real. Somos altamente estimulados e bombardeados diariamente, mas também está em nossas mãos desconectar com mais frequência. Não são as redes sociais ou o fato de a Internet existir a causa do problema, é o uso indevido ou o uso excessivo que fazemos de tudo isso. Devemos aprender a adiar o dia a partir de um determinado momento, participar de outras atividades e interagir com as pessoas ao nosso redor. Fazer “limpeza” de telefone e dispositivos também não é ruim. Em todo o mundo, se removermos o aplicativo WhatsApp, Facebook ou Twitter de nossos dispositivos? Para nada. Podemos ligar para quem está falando e verificar nossos perfis nas redes a partir do tablet ou computador, Não é necessário carregá-los em seu celular 24 horas por dia. Experimente por uma semana e depois decida se você deseja permanecer acorrentado ao seu smartphone ou não.

AT: O que você acha sobre esse aspecto da psicologia que foi chamado de “psicologia positiva”? Até que ponto você acha que pode ser útil?

SC: É claro que a chave para o nosso bem-estar e também para o nosso mal-estar psicológico, na ausência de eventos altamente estressantes que possam explicá-lo, está em nossos pensamentos e em nosso modo de interpretar a realidade, porque mesmo nos maus momentos nem todos Responda da mesma maneira. É verdade que nossa mente positiva tem efeitos muito benéficos em nossas emoções e em nosso corpo em geral; Mas um excesso de positivismo também pode ser prejudicial. Não gosto de vender fumaça ou motocicleta com frases como “você deve ser feliz”, “nada acontece, pense positivo”, porque nem sempre é possível. Devemos aprender a estar errados, a lidar com o sofrimento e a aceitar nossas tempestades mentais sempre com o compromisso de mudar. Aceitação sem compromisso é renúncia.

8. Existem fortes críticas dirigidas contra a filosofia dos pensamentos positivos, e uma delas tem a ver com a ideia de que, se acreditarmos que nossas experiências dependem basicamente de nossa maneira de pensar, se nos sentirmos mal, será nossa culpa como indivíduos. . Você acha que, em certos contextos, o otimismo pode ser prejudicial?

SC: Não somos apenas o que pensamos, nem mesmo o que sentimos ou o que fazemos. Somos o conjunto de tudo isso mais as experiências vividas. O reducionismo ao qual tudo está em nosso pensamento pode ter o efeito paradoxal de se tornar hiper-reflexivo, obsessivo e gerar um grande sentimento de culpa. Sim, é verdade que nossa maneira de processar informações pode ser uma fonte de bem-estar ou sofrimento, não nego isso, mas também é verdade que devemos nos ver como algo global, aceitar nossas fraquezas e parar de tentar ser felizes, procurando ser o mais felizes possível durante todo o dia a dia. Temos o direito de ficar triste, ficar com raiva, reclamar, ficar mal-humorado e até ter pensamentos negativos.

AT: Muitas pessoas que se dedicam direta ou indiretamente à psicologia acreditam que o papel dos psicólogos é mitificado. O que você acha que é devido?

SC: Eu não compartilho dessa opinião, mas, se assim for, pode ser devido a muitos anos de doutrinação por certos profissionais, em vez do acompanhamento e reeducação de que um paciente precisa. Há muitos “gurus” e profetas nessa profissão que se endossam, prejudicando seriamente a profissão em particular e seus pacientes em geral. Não devemos dizer às pessoas o que elas devem fazer, devemos fazê-las refletir sobre o que fazem e fornecer ferramentas se elas se comprometerem a fazer mudanças em suas vidas. Encontre três coisas fundamentais: autoconhecimento, aceitação e comprometimento. Não devemos esquecer que um psicólogo é outra pessoa que também sofre e fica triste. Apenas brinque com uma vantagem: conheça ferramentas para acabar com ou pelo menos lidar com esse sofrimento. Ou talvez um dentista não possa ter cáries?

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies